browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

ONU, WEF, Oligarcas bilionários por trás da ‘Guerra Global aos Agricultores’ acusam especialistas

Posted by on 31/07/2022

Eles dizem que as metas de desenvolvimento da ‘Agenda 2030’ estão na raiz das políticas de sustentabilidade que podem levar à escassez de alimentos em todo o planeta. O crescente ataque regulatório desde os produtores agrícolas da Holanda, dos EUA, ao Sri Lanka e além está intimamente ligado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da “Agenda 2030” das Nações Unidas e aos parceiros da ONU no Fórum Econômico Mundial (WEF), disseram vários especialistas.

ONU, WEF, Oligarcas por trás da ‘Guerra Global aos Agricultores’ acusam especialistas

Fonte: The Epoch Times

De fato, vários dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU estão diretamente implicados em políticas que estão espremendo agricultores, pecuaristas e suprimentos de alimentos em todo o mundo.

Membros de alto nível do Partido Comunista Chinês (PCC) dentro do sistema da ONU  ajudaram a criar os ODS e atualmente estão ajudando a liderar a implementação do plano global da organização, o Epoch Times documentou anteriormente.

Se não for controlada, disseram vários especialistas, as políticas de ‘sustentabilidade’ apoiadas pela ONU na agricultura e na produção de alimentos levariam à devastação econômica, escassez de bens essenciais, escassez de alimentos, fome generalizada e uma perda dramática das liberdades individuais.

Já milhões de pessoas em todo o mundo estão enfrentando uma perigosa escassez de alimentos, e autoridades de todo o mundo dizem que isso deve piorar com o passar do ano. Há uma agenda por trás de tudo isso, é intencional, disseram especialistas ao Epoch Times.

Até a propriedade privada da terra está na mira, à medida que a produção global de alimentos e a economia mundial são transformadas para atender às metas globais de sustentabilidade, mostram documentos da ONU revisados ​​pelo Epoch Times. Conforme explicado pela ONU  em seu site dos ODS , as metas adotadas em 2015 “se baseiam em décadas de trabalho dos países e da ONU”

Uma das primeiras reuniões que definiu a agenda da “sustentabilidade” foi a Conferência das Nações Unidas sobre Assentamentos Humanos conhecida como Habitat I, que adotou a Declaração de Vancouver .

O acordo afirmava que “a terra não pode ser tratada como um bem comum controlado por indivíduos” e que a propriedade privada da terra é “um principal instrumento de acumulação e concentração de riqueza, portanto, contribui para a injustiça social” [mas vemos o psicopata oligarca e bilionário Bill Gates comprando e acumulando, cada vez mais, TERRAS AGRÍCOLAS!!!!].

“O controle público do uso da terra é, portanto, indispensável”, disse a declaração da ONU, um prelúdio para a agora infame “previsão” do Fórum Econômico Mundial de que, até 2030, “você não terá nada e será feliz [e comendo insetos]”.

Várias agências e funcionários da ONU delinearam sua visão de “sustentabilidade” desde então, incluindo pedidos de restrições drásticas de energia, consumo de carne, viagens, espaço vital e prosperidade material.

Especialistas entrevistados pelo Epoch Times dizem que alguns dos líderes corporativos oligarcas mais ricos e poderosos do mundo estão trabalhando com comunistas na China e em outros lugares em um esforço para centralizar o controle sobre a produção de alimentos e esmagar agricultores e pecuaristas independentes.

O WEF de Klaus Schwab, uma rede de grandes empresas transnacionais que colabora estreitamente com o PCC, é um “parceiro estratégico” da ONU na Agenda 2030.

A crescente regulamentação da produção de alimentos e até mesmo os esforços para fechar muitas fazendas e terras agrícolas ocorrem no momento em que autoridades de todo o mundo, como o presidente dos EUA, ‘Dementia’ Joe, e o chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU , David Beasley, alertam sobre a iminente escassez de alimentos em todo o mundo.

Mas, em vez de diminuir as restrições e incentivar mais produção de alimentos, os governos ocidentais e muitos governos dependentes de ajuda estão reprimindo ainda mais esse setor. Some-se a isso o fato de que ultimamente, inúmeras, dezenas de grandes instalações de processamento de alimentos estão misteriosamente pegando fogo em todos os EUA!

Agricultores holandeses, já no ponto de ruptura, responderam neste verão com grandes protestos em todo o país. Isso seguiu-se a violentos distúrbios no Sri Lanka ligados à escassez de alimentos causada pela política do governo.

Governos e organizações internacionais citaram vários pretextos para as suas políticas, que vão desde aumentar a “sustentabilidade” e proteger diversas flora e fauna, até promover a “justiça econômica” e até devolver terras aos povos indígenas.

Foto do Epoch Times
Tratores são conduzidos por policiais holandeses que montam guarda enquanto a polícia fecha o acesso a Apeldoorn na rodovia A1 para impedir que agricultores holandeses furiosos se manifestem contra os planos do governo holandês de reduzir as emissões de nitrogênio, em 29 de junho de 2022. (JEROEN JUMELET/ANP/AFP via Getty Images)

De acordo com os críticos dessas políticas, porém, o objetivo não é preservar o meio ambiente ou combater as mudanças climáticas. Em vez disso, os especialistas alertam que a narrativa da “sustentabilidade” e as outras justificativas são uma ferramenta para obter controle sobre alimentos, agricultura e pessoas.

“O objetivo final desses esforços é reduzir a soberania de nações e pessoas individuais” [BINGO], disse Craig Rucker, presidente do Comitê para um Amanhã Construtivo (CFACT), uma organização de políticas públicas especializada em questões ambientais e de desenvolvimento.

“A intenção daqueles que impulsionam essa agenda não é salvar o planeta, como pretendem, mas aumentar o controle sobre todas as pessoas”, disse ele ao Epoch Times, acrescentando que o objetivo é centralizar o poder em nível nacional e internacional.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU—Agenda 2030 

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, muitas vezes chamados de Agenda 2030, foram adotados em 2015 pela organização e seus estados membros como um guia para “transformar nosso mundo”. Saudados como um “plano mestre para a humanidade” e uma “declaração de interdependência” global por altos funcionários da ONU, os 17 objetivos incluem 169 metas envolvendo todas as facetas da economia e da vida.

“Todos os países e todas as partes interessadas, atuando em parceria colaborativa, implementarão este plano”, declara o preâmbulo do documento, observando repetidamente que “ninguém será deixado para trás”.

Entre outros elementos, o plano da ONU pede redistribuição de riqueza nacional e internacional no Objetivo 10, bem como “mudanças fundamentais na maneira como nossas sociedades produzem e consomem bens e serviços”.

UNHRC
Visão geral da sessão do Conselho de Direitos Humanos durante o discurso da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, nas Nações Unidas, em Genebra, em 27 de fevereiro de 2020. (Reuters)

Usar o governo para transformar toda a atividade econômica é uma parte crítica dos ODS, com o Objetivo 12 exigindo “padrões sustentáveis de consumo e produção”. Entre as metas específicas delineadas no Objetivo 12 estão várias diretamente ligadas a políticas agrícolas que prejudicam a produção de alimentos. Isso inclui “gestão sustentável e uso eficiente dos recursos naturais”.

Talvez mais importante, o documento exige “gerenciamento ambientalmente saudável de produtos químicos e todos os resíduos ao longo de seu ciclo de vida, de acordo com estruturas internacionais acordadas”.

Como resultado, as pessoas e especialmente os agricultores devem “reduzir significativamente sua liberação no ar, na água e no solo, a fim de minimizar seus impactos adversos na saúde humana e no meio ambiente”.

Outros ODS que estão diretamente ligados ao que os críticos chamaram de “guerra aos agricultores” incluem a Meta 14, que trata da “poluição marinha de todos os tipos, em particular de atividades terrestres, incluindo … poluição por nutrientes”. A ONU descreve regularmente a agricultura e a produção de alimentos como uma ameaça aos oceanos.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), liderada pelo ex-vice-ministro da Agricultura e Assuntos Rurais do PCC da China, Qu Dongyu, está ajudando a liderar o processo.

Em seu relatório de 2014 “Construindo uma Visão Comum para Alimentação e Agricultura Sustentável: Princípios e Abordagens”, a agência da ONU pede restrições drásticas ao uso de fertilizantes, pesticidas, emissões e água no setor agrícola.

Como exemplo de como a agricultura deve ser reformada para ser considerada sustentável pela ONU, o relatório da FAO declara que “o uso excessivo de fertilizantes nitrogenados é uma das principais causas da poluição da água e das emissões de gases de efeito estufa”.

A FAO, com sede em Roma, não respondeu a um pedido de comentário.

Foto do Epoch Times
O então presidente francês Nicolas Sarkozy (E) discursa durante uma cúpula de três dias sobre segurança alimentar na Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em Roma, em 3 de junho de 2008. (CHRISTOPHE SIMON/AFP via Getty Images)

Outro dos 17 ODS com impacto direto na agricultura e na produção de alimentos é o Objetivo 2, com seus apelos por “agricultura sustentável” e “produção sustentável de alimentos”. O Objetivo 6, por sua vez, exige “gestão sustentável da água”, que inclui várias metas envolvendo o uso e escoamento da água na agricultura.

Como os líderes da ONU veem a agricultura e a produção de alimentos como os principais contribuintes para o que chamam de mudança climática provocada pelo homem, o Objetivo 13 também é importante. Ele pede que os governos “incorporem as medidas de mudança climática nas suas políticas, estratégias e planejamento nacionais”.

A Meta 15, que trata do uso sustentável dos ecossistemas terrestres, também possui múltiplas metas que afetam a agricultura e a produção de alimentos. Em todo o mundo, governos nacionais e regionais estão trabalhando com agências da ONU para implementar essas metas de sustentabilidade na agricultura e em outros setores.

Por exemplo, respondendo aos acordos de biodiversidade da ONU, a União Europeia  promulgou vários programas de biodiversidade apoiados pela ONU , como Natura 2000 e a Estratégia de Biodiversidade da UE para 2030, que foram citados pelo governo holandês e outros em suas políticas agrícolas.

A ONU também se gaba publicamente de seu papel na imposição dos ODS no Sri Lanka e em outras nações pobres que sofrem com a escassez de alimentos e calamidades econômicas ligadas aos mesmos programas globais de sustentabilidade.

Em todo o mundo, quase todos os governos nacionais dizem que estão incorporando os ODS em suas próprias leis e regulamentos.

‘Parceria’ do Fórum Econômico Mundial – WEF

Ao lado da ONU estão vários “stakeholders” que são críticos para a implementação de políticas de desenvolvimento sustentável por meio de “parcerias público-privadas”. No centro desse esforço está o WEF, que desde 2020 vem promovendo uma transformação total da sociedade conhecida como “Grande Reinicialização”. Em 2019, o WEF assinou uma “parceria estratégica” com a ONU para avançar a Agenda 2030 dentro da comunidade empresarial global.

O acordo oficial definiu “áreas de cooperação para aprofundar o engajamento institucional e acelerar conjuntamente a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. Muitos dos principais funcionários por trás da Agenda 2030, incluindo os principais líderes da ONU, como o atual secretário-geral António Guterres – um autoproclamado socialista – também trabalham com o WEF há décadas.

Enquanto isso, o WEF tem sido explícito com seus objetivos. Recentemente, lançou uma “Food Action Alliance” (FAA) que reconhece em seu site que a Agenda 2030 “informa a ambição da FAA de fornecer uma plataforma duradoura e de longo prazo para a ação multissetorial em sistemas alimentares para atender aos ODS”.

Juntamente com a “Food Systems Summit” da ONU em setembro de 2021, a FAA do WEF divulgou um relatório descrevendo sua própria “agenda de liderança para a colaboração multissetorial para transformar os sistemas alimentares”.

Entre outros elementos, o documento resume os insights da FAA sobre “apoiar parcerias transformadoras de sistemas alimentares e sua proposta de valor além da Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU 2021 para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU”.

A preocupação pública do WEF com a transformação da agricultura e do abastecimento de alimentos remonta a mais de uma década, pelo menos.

Em parceria com várias empresas, o WEF divulgou um relatório de 2010 delineando uma “nova visão para a agricultura” que incluía um “roteiro para as partes interessadas”. Muitas das maiores empresas de alimentos do mundo que dominam o mercado e possuem inúmeras marcas populares estão envolvidas.

O site do WEF está repleto de informações que pretendem justificar uma transformação total da oferta de alimentos por “partes interessadas”.

“À medida que os sistemas alimentares globais se tornam cada vez mais interconectados, será necessária uma coordenação eficaz entre um conjunto diversificado de partes interessadas”, diz o WEF em sua plataforma “Inteligência Estratégica”, citando frequentemente a FAO como sua fonte.

“O potencial de criar novas abordagens sistêmicas para sistemas alimentares que incluam uma gama diversificada de partes interessadas apresenta oportunidades para ajudar a alimentar o mundo de forma sustentável no futuro.”

As referências frequentes da organização a “partes interessadas” referem-se a governos, empresas e as chamadas organizações não governamentais [todos, menos a população em geral] que são frequentemente financiadas por essas mesmas empresas e governos. Todos estão trabalhando juntos na questão.

Por exemplo, o WEF se orgulha de ter trazido gigantes corporativos como Coca-Cola e Unilever para promover um “futuro mais sustentável”. A Fundação Rockefeller, que recentemente  divulgou um relatório sobre como “Redefinir a Mesa” e “Transformar o Sistema Alimentar dos EUA”, também é um participante importante.

Os “Centros de Inovação Alimentar” do WEF em todo o mundo devem ser uma parte importante dessa transformação global.

Falando ao Fórum Econômico Mundial sobre “transformar os sistemas alimentares e o uso da terra” na Semana da Agenda de Davos do ano passado, o primeiro-ministro holandês Mark Rutte anunciou que a Holanda sediaria o “Secretariado de Coordenação Global dos Centros de Inovação em Alimentos Econômicos Mundiais”.

O secretariado, disse ele, “conectará todos os outros Hubs de Inovação Alimentar” para facilitar a criação “das parcerias de que precisamos”.

Nem o WEF nem a Fundação Rockefeller responderam aos pedidos de comentários sobre seu papel na Agenda 2030 e sobre as políticas agrícolas que estão sendo adotadas [impostas] em todo o mundo.

Outras organizações e entidades envolvidas no impulso incluem poderosas fundações isentas de impostos, como a Fundação Bill & Melinda Gates, os governos regionais ao estilo da UE que proliferam em todo o mundo e vários grupos financiados por eles.

Espremendo os Agricultores e o Fornecimento de Alimentos 

Em todo o mundo, as políticas governamentais alinhadas aos ODS da ONU estão espremendo os agricultores – especialmente produtores menores e independentes incapazes de absorver os custos adicionais de regulamentação e controle adicionais.

Celebrando as ideias de sustentabilidade da ONU, o presidente recentemente deposto do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, anunciou na cúpula climática da ONU COP26 em 2021 que seu governo estava proibindo fertilizantes químicos e pesticidas [e recentemente vimos o seu palácio de governo ser invadido por uma multidão furiosa, obrigando-o a abandonar o país].

ASSISTA: Manifestantes invadem palácio presidencial no Sri Lanka à medida que a crise econômica piora

“O Sri Lanka restringiu recentemente as importações de fertilizantes químicos, pesticidas e herbicidas devido a preocupações com a saúde pública, contaminação da água, degradação do solo e impactos na biodiversidade”, disse Rajapaksa aos líderes mundiais, com ampla aclamação.

“Embora contrariado por lobbies entrincheirados, isso criou oportunidades para inovação e investimento em agricultura orgânica que será mais saudável e sustentável no futuro.”

Na realidade, embora tenham sido prontamente revertidas, as políticas produziram escassez catastrófica de alimentos, fome generalizada e, eventualmente, uma revolta popular que derrubou o presidente e seu governo.

Em 2019, o governo socialista do Sri Lanka também fez parceria com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente para  estabelecer a Campanha Global de Nitrogênio da ONU , que promove as políticas de nitrogênio apoiadas pela ONU que agora estão proliferando em todo o mundo.

Foto do Epoch Times
A polícia usa canhões de água para dispersar agricultores que participam de um protesto contra o governo exigindo a renúncia do presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, devido à crise econômica do país em Colombo, em 6 de julho de 2022. (-/AFP via Getty Images)

Na Holanda, sede do secretariado “Food Innovation Hub” do WEF, as autoridades estão impondo políticas de nitrogênio que devem dizimar o setor agrícola altamente produtivo do país. Os planos também incluem a desapropriação generalizada de fazendas altamente produtivas.

“Os planos de expropriação do gabinete são uma declaração franca de guerra ao setor agrícola”, disse o deputado holandês Gideon van Meijeren, do partido Fórum para a Democracia, citado por De Dagelijkse Standaard. “Sob falsos pretextos, os agricultores estão sendo roubados de suas terras, fazendas centenárias estão sendo demolidas e as famílias dos agricultores estão sendo totalmente destruídas.”

Especialistas alertaram para consequências perigosas decorrentes de tais políticas de sustentabilidade, incluindo escassez de alimentos, preços exorbitantes, agitação social e muito, muito mais por vir. “Você pode vislumbrar o futuro “verde e sustentável” contemplando a Holanda e o Sri Lanka agora”, disse Bonner Cohen, membro sênior do Centro Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas, ao Epoch Times.

E, no entanto, a agenda está se espalhando rapidamente. As autoridades federais canadenses anunciaram na semana passada restrições semelhantes ao uso de fertilizantes e nitrogênio depois que as restrições à produção de energia foram implementadas, provocando indignação de autoridades provinciais e dos agricultores.

Na Irlanda, Reino Unido e outros países europeus, várias entidades governamentais também estão trabalhando para reduzir a produção agrícola sob programas de sustentabilidade.

Enquanto isso, além de continuar com as políticas que pagam aos agricultores para não cultivar alimentos, o governo do ‘Dementia’ Joe está tentando impor métricas e relatórios “Ambientais, Sociais e Governança” apoiados pelo WEF sobre as empresas por meio da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA.

Associações agrícolas e mais de 100 membros do Congresso argumentam que o plano levaria à falência proprietários de pequenas e médias fazendas incapazes de cumprir os requisitos de relatórios climáticos para fazer negócios com empresas públicas, mesmo quando o mundo caminha em direção à escassez generalizada de alimentos.

Em parte, os especialistas dizem que a insistência nesses tipos de políticas se deve ao fato de aqueles que as impõem estarem amplamente isolados dos danos que estão causando.

“Elites globais no governo, organizações transnacionais, diretorias corporativas, oligarcas – bem representadas no WEF – estão tão envolvidas em sua sinalização de virtude climática, da qual muitos esperam se beneficiar financeiramente por meio de investimentos em energia verde, que demoram a perceber que estão completamente desvinculado da realidade”, disse Cohen, do Centro Nacional de Pesquisa de Políticas Públicas, especializado em questões ambientais.

“Poucos desses regulamentos que impõem aos agricultores já pisaram em uma fazenda. Em virtude do poder e da riqueza que essas pessoas já possuem, elas estão protegidas das consequências das políticas equivocadas que impõem ao resto do mundo. Esse fardo é suportado por pessoas comuns em todo o mundo, sobre as quais a multidão de Davos e seus parceiros no crime nada sabem e pouco se importam”.

Fazendas pequenas e independentes e seus agricultores em risco: especialistas 

O desastre do Sri Lanka oferece uma prévia do que acontecerá [aos políticos] com os Estados Unidos e países da Europa [o Hospício Ocidental] se os formuladores de políticas continuarem a seguir a agenda de sustentabilidade da ONU, de acordo com Sterling Burnett, que tem doutorado em ética ambiental e lidera o Centro Arthur B. Política Climática e Ambiental.

“Não é uma guerra contra a agricultura; é uma guerra contra pequenos agricultores e agricultores independentes”, disse ele ao Epoch Times. “É uma guerra em apoio às indústrias agrícolas da elite e de grande escala.”

Embora os ODS da ONU falem em ajudar “produtores de alimentos em pequena escala”, Burnett argumentou que fazendas e ranchos independentes estão na mira da ONU para ajudar a consolidar o controle sobre o suprimento de alimentos nas mãos de poucos.

Foto do Epoch Times
Agricultores se reúnem com seus veículos ao lado de uma placa de fronteira Alemanha/Holanda durante um protesto na rodovia A1, perto de Rijssen, em 29 de junho de 2022, contra os planos de nitrogênio do governo holandês. (VINCENT JANNINK/ANP/AFP via Getty Images)

Os formuladores de políticas estão “no bolso” de grandes interesses corporativos, incluindo Conagra, BlackRock [Rothschild], State Street, Vanguard e outros, disse ele. “Eles preferem que todos os seus pequenos concorrentes falhem”, disse ele, ecoando as preocupações expressas por vários outros especialistas.

O CEO da BlackRock, Larry Fink, cuja empresa administra mais dinheiro do que qualquer outra empresa no mundo, “quer impor seus valores às empresas usando o dinheiro de outras pessoas”, disse Burnett. Fink, que atua no conselho do poderoso Conselho de Relações Exteriores e trabalha em estreita colaboração com o WEF, é um dos principais arquitetos do esforço para impor métricas “ambientais, sociais e de governança” às empresas americanas.

“Estes são os psicopatas super-ricos impondo seus valores ao resto de nós”, disse Burnett, apontando para aqueles que ele diz estarem felizes em trabalhar com os comunistas no seu esforço.

“No que diz respeito ao Fórum Econômico Mundial, você não pode ter uma Grande Reinicialização se você não redefinir a oferta de alimentos, porque a alimentação é necessária para todos”, disse ele. “Stalin reconheceu isso: quem controla a comida controla as pessoas. O mesmo com a energia.”

À medida que os preços sobem à estratosfera e os agricultores vão à falência, grandes corporações, em aliança com governos e organizações internacionais, vão juntar os pedaços. Enquanto isso, como visto recentemente no Sri Lanka, as pessoas famintas levadas ao limite provavelmente reagirão e derrubarão governos e massacrarão seus políticos marionetes de interesses corporativos.

“As pessoas não estavam morrendo de fome em 6 de janeiro”, disse Burnett, referindo-se ao protesto e violação de 6 de janeiro de 2021 no Capitólio dos EUA. “A crise da cadeia de suprimentos está acontecendo, as prateleiras já estão vazias e, quando as pessoas estão com fome, elas não ficam sentadas sem fazer nada.” [nem novas “pandemias” fakes as impedirão de agir quando a fome acontecer]

O fundador e presidente do American Policy Center, Tom DeWeese, um dos principais especialistas e crítico das noções de sustentabilidade da ONU, alertou que a guerra contra os agricultores era parte de uma agenda global mais ampla para tirar a liberdade das pessoas.

“Sempre no passado, quando as forças tirânicas queriam dominar o mundo, eles construíam exércitos e invadiam, quebravam coisas, matavam pessoas e subjugavam os povos”, disse DeWeese ao Epoch Times. “Agora estamos lidando com uma força diabólica que descobriu uma maneira de nos fazer desistir voluntariamente de nossas liberdades e ajudá-los a nos subjugar. O que poderia ser uma ferramenta tão poderosa? A ameaça do Armageddon Ambiental”, pergunta ele, apontando a narrativa da mudança climática como o principal exemplo.

Citando vários funcionários e documentos da ONU, DeWeese diz que a agenda não é salvar o clima, mas transformar o planeta e centralizar o controle sobre toda a população [e reduzir drasticamente o número de “comedores inúteis”, isto é, NÓS].

Além da ONU e do WEF, grandes empresas como Vanguard e BlackRock estão trabalhando para assumir e controlar o fornecimento de alimentos globalmente, disse ele. Uma miríade de empresas nas quais essas duas empresas de investimento são os principais acionistas já dominam a indústria global de alimentos e bebidas e inúmeras outras áreas. Ao assumir a agricultura, eles controlarão tudo.

“O objetivo é ter controle total sobre a produção de alimentos”, disse ele, observando que eles buscam possuir todas as sementes e até cultivar carne sintética em instalações já apoiadas financeiramente por Bill Gates e outros oligarcas bilionários e psicopatas.

Os alimentos geneticamente modificados também estão no topo dessa agenda. A ONU, o WEF e outros também estão avançando na promoção de insetos e ervas daninhas como alimentos. Em todo o mundo ocidental, as instalações de produção de proteínas de insetos estão surgindo rapidamente.

Mas fica ainda muito mais escuro, diz DeWeese. “Se as pessoas, os seus familiares, seus filhos estão morrendo de fome, é muito mais fácil subjugá-las”, disse ele, acrescentando que o despovoamento e o controle sobre a humanidade estão na agenda das elites globais há décadas.

A “guerra aos agricultores” também ocorre em meio ao que os críticos descreveram como uma “guerra à energia” apoiada pelo governo que está afetando a agricultura e praticamente todos os outros setores.

Isso inclui limitar a exploração de energia, fechar usinas de energia, cobrar taxas e impostos especiais e outras políticas que resultaram em custos crescentes rapidamente em todo o mundo ocidental, embora não em lugares como a China.

Os especialistas entrevistados pelo Epoch Times pediram aos americanos que resistissem à guerra contra os agricultores e às políticas de sustentabilidade apoiadas pela ONU usando vários meios. Isso inclui envolver-se politicamente, adotar diferentes hábitos de compra, encontrar fontes alternativas de alimentos, como agricultores locais, e outras medidas.

Funcionários da ONU não responderam aos pedidos de comentários feitos pelo Epoch Times.


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.