Os EUA ‘balançam a isca’ para o Iêmen, mas o Ansarallah diz um sonoro não

Num briefing especial a 3 de Abril – quase seis meses depois de o Iémen ter lançado as suas operações navais de longo alcance para debilitar a capacidade de Israel de conduzir sua guerra [Genocídio] em Gaza – o enviado especial dos EUA para o Iémen, Timothy Lenderking, elogiou a importância de procurar soluções diplomáticas no Iémen em vez de soluções militares. aqueles que o seu governo em Washington DC vem defendendo ruidosamente há meses. 

Os EUA balançam a isca para o Iêmen, mas o Ansarallah diz um sonoro não

Fonte: The Cradle

A posição de Lenderking contrastou fortemente com  o anúncio de Washington, em Dezembro, de uma coligação multinacional contra as forças lideradas por Ansarallah do Iémen, com o objetivo de salvaguardar o transporte marítimo internacional no Mar Vermelho e proteger eficazmente o comércio ligado a Israel do amplo bloqueio naval do pequeno e pobre Iémen  . 

Mas à medida que as tensões aumentam e os aliados regionais hesitam em aderir à coligação EUA-Reino Unido com medo de ataques retaliatórios diretos do Iémen, os EUA e os seus aliados procuram discretamente atrair Sanaa para negociações através de ofertas transmitidas por Omã e outros mediadores internacionais que mantêm laços com o Governo de fato do Iémen em Sanaa.

A posição de Lenderking pode, de fato, refletir um conjunto surpreendente de promessas privadas dos EUA feitas através de intermediários ao Ansarallah, à portas fechadas – promessas que essencialmente preenchem todos os requisitos da lista de desejos do movimento de resistência iemenita.

‘Parem com o vosso apoio aos PALESTINOS de Gaza e nós dar-vos-emos tudo’

Fontes iemenitas informadas revelam ao The Cradle que os EUA ofereceram a Sanaa – em troca da sua neutralidade na guerra em curso [Genocídio palestino] de Israel em Gaza – “um reconhecimento da sua legitimidade”.

Isto envolveria a redução severa do papel do Conselho Presidencial apoiado pela Arábia Saudita, liderado por Rashid al-Alimi, e a aceleração da assinatura de um roteiro com Riad e Abu Dhabi para pôr fim à agressão contra o Iémen. 

As fontes revelam ainda que os americanos se comprometeram a libertar imediatamente os salários retidos do setor público iemenita do Banco Nacional Saudita, levantar totalmente o cerco ao país, reabrir o aeroporto de Sanaa, aliviar as restrições ao porto de Hodeidah e facilitar um acordo abrangente de troca de prisioneiros com todos os envolvidos. Em termos de reconstrução, as fontes dizem: 

[ Washington DC ] comprometeu-se a reparar os danos, a retirar as forças estrangeiras de todas as terras e ilhas ocupadas do Iémen e a retirar o Ansarallah da “lista de terrorismo” do Departamento de Estado – assim que cessarem os seus ataques em apoio aos palestinos na Faixa de Gaza.

Apesar destas ofertas tentadoras, que têm sido objeto de negociações entre Sanaa e Riad há mais de dois anos, os iemenitas permaneceram firmes. A posição consistente do líder do Ansarallah, Abdel Malik al-Houthi, conforme reiterado nos seus discursos, tem sido a de continuar as operações militares no Mar Vermelho enquanto persistir a agressão israelita contra Gaza.

A ‘negociação militar’ do Ansarallah

Desde o início, marcada pela declaração de estado de guerra de Israel após a operação de Al-Aqsa, em 7 de Outubro, Sanaa apoiou a resistência palestina, lançando ataques abrangentes de drones e mísseis balísticos contra a cidade portuária de Umm al-Rashrash,, ocupada no sul de Israel, conhecido como  o porto judeu de Eilat.

Em resposta aos mísseis e drones iemenitas e às tentativas de intercepção por navios de guerra dos EUA, Washington iniciou uma campanha de ameaças contra Sanaa, que por sua vez exigiu a cessação imediata da agressão israelense contra os palestinos em Gaza como pré-condição para suspender as suas operações militares. As palavras exatas que dirigiram aos americanos foram: “Não estamos no círculo daqueles a quem vocês ditam a sua vontade e a de Israel”.

A situação só se intensificou quando o Ansarallah começou a implementar estratégias navais anteriormente não utilizadas – nem sequer utilizadas contra os agressores do Iémen, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, em nove anos de batalhas – com al-Houthi prometendo obstruir os navios israelitas no Mar Vermelho. 

Esta estratégia foi concretizada dias depois, em 19 de Novembro, quando comandos navais iemenitas atacaram um navio ligado a Israel, o Galaxy Leader, e a sua tripulação, redirecionando o navio para a costa iemenita.

Esta ousada ação naval levou os EUA a prosseguir estratégias duplas: a primeira, envolvendo intimidação e preparação para uma coligação naval para apoiar Israel, e a segunda, encorajando compromissos diplomáticos através de mediadores árabes e internacionais para travar as impactantes operações navais de Sanaa. 

A liderança de Sanaa não só rejeitou estas aberturas, mas expandiu o bloqueio naval para incluir navios não-israelitas a caminho dos portos israelitas e alargou o seu teatro de operações até ao Oceano Índico – para cortar os carregamentos de “rota alternativa longa” de Israel.

A firme recusa do Iémen em sucumbir à tentação ou à intimidação levou os EUA e o Reino Unido a iniciarem operações militares agressivas contra o pequeno e pobre estado devastado pela guerra do Golfo Pérsico há três meses, com o objetivo de neutralizar a ameaça iemenita e travar os ataques marítimos à navios de Israel em apoio aos palestinos em Gaza sob o pretexto de proteger a liberdade de navegação marítima.

Como contramedida, Sanaa intensificou a sua resposta militar, expandindo as operações para atingir não apenas navios dos EUA e britânicos, mas também introduzindo e usando armamento avançado no seu arsenal. 

Isto incluiu o afundamento do cargueiro britânico Rubymar, o ataque a outros navios e o alargamento do teatro de operações ao Mar Arábico e ao Oceano Índico – um movimento estratégico para aumentar a pressão sobre aqueles [judeus khazares sionistas] que executam a guerra brutal aos palestinos em Gaza.

O xeque-mate militar do Iêmen

À luz da situação atual, em que os EUA reconheceram a futilidade da sua estratégia militar e clamam por encontrar uma solução diplomática, Sanaa demonstrou claramente a sua relevância para todos e quaisquer cálculos geopolíticos da Ásia Ocidental.

As suas impressionantes conquistas dos últimos seis meses incluem a capacidade de Sanaa de perturbar seriamente a economia israelita, cortando ou alongando as rotas comerciais para as importações essenciais de Israel. Isto pode ser visto principalmente em Eilat, onde a interrupção operacional do porto mais ao sul de Israel levou a cortes significativos de empregos na empresa operadora do porto e paralisou totalmente o transporte marítimo. 

Ansarallah também frustrou medidas retaliatórias das forças navais mais célebres do Ocidente, zombou da sua “coligação” decrépita e criou desafios complexos para as ambições hegemônicas dos EUA no Golfo Pérsico, tanto atualmente como a longo prazo. 

Além disso, o Iémen demonstrou uma notável capacidade de manobra política e militar, demonstrando que um único e pequeno Estado árabe resolvido e determinado a lutar por seus irmãos palestinos pode fornecer à resistência palestina em Gaza um poderoso instrumento de negociação. 

É importante ressaltar que, através das suas operações militares nas vias navegáveis ​​da região, Sanaa solidificou a sua posição dentro do Eixo da Resistência, transformando-se numa das forças mais eficazes na estratégia de Unidade de Frentes do Eixo. Tudo isto ao mesmo tempo que atrai recursos navais britânicos e americanos para posições vulneráveis ​​– e invencíveis – e dificulta com sucesso as ligações marítimas de Israel com o mundo.

Um jogador regional em ascensão 

De acordo com a contagem mais recente de al-Houthi, as numerosas operações militares do Iémen lançaram mais de 520 mísseis e drones para atingir recursos navais e áreas no sul de Israel. Até à data, noventa navios foram alvo de ataques, com 34 operações realizadas apenas entre 4 e 5 de Março, utilizando 125 mísseis balísticos e alados e drones.

Em contraste, os EUA e o Reino Unido lançaram quase 500 ataques desde que a sua mal concebida coligação naval iniciou as operações, resultando no martírio de quase quarenta iemenitas.

Seis meses após o início da guerra, o Iémen continua a demonstrar as suas capacidades estratégicas em terra, nas vias navegáveis ​​regionais e até nos oceanos do mundo. As autoridades iemenitas insinuam que ainda estão por vir mais “surpresas” militares, que poderão implementar dependendo das ações israelitas em Gaza e na região em geral, bem como das ações do facilitador de Israel, os EUA, que Sanaa vê como a força mais destrutiva e desestabilizadora do Ocidente para a segurança e estabilidade do Oriente Médio.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth