A Guerra EUA-Israel/G-7 ( a Besta) contra o Irã será o início do fim do domínio sionista no Oriente Médio

Os EUA-Israel/G-7 (a Besta) deveriam estar muito preocupados com as suas bases militares e ativos no Oriente Médio e na África porque o Irã responderá com força total. Todas as Linhas Vermelhas foram ultrapassadas com os dois ataques sem precedentes, o primeiro ao consulado do Irã, irritando assim os governos aliados do Irã, incluindo a Rússia e a China e a maior parte do Sul Global e o posterior ataque com mísseis e drones do Irã à Israel.  

A guerra EUA-Israel/G-7 ( a Besta) contra o Irã será o início do fim do domínio sionista judeu khazar no Oriente Médio

Fonte: Global Research – por Timothy Alexander Guzman 

Após o ataque terrorista de Israel ao edifício diplomático da embaixada do Irã em Damasco, na Síria, que resultou na morte de vários oficiais das forças armadas iranianas, incluindo um funcionário altamente respeitado do IRGC, o general Mohammad Reza Zahedi é essencialmente o princípio do fim da estrutura de poder para os sionistas judeus khazares no Oriente Médio. 

A reação do presidente iraniano Ebrahim Raisi ao ataque terrorista de Israel disse que:

“Depois de repetidas derrotas e fracassos contra a fé e a vontade dos combatentes da Frente de Resistência, o regime sionista colocou assassinatos cegos na sua agenda na luta para se salvar”, continuou ele “Dia após dia, temos testemunhado o fortalecimento da Frente de Resistência e o desgosto e revolta das nações livres pela natureza ilegítima de (Israel). Este crime covarde não ficará sem resposta.” 

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, escreveu em sua conta na plataforma de mídia social X:

“Uma mensagem importante foi enviada ao governo americano como apoiador [um lacaio] do regime sionista. A América deve ser responsabilizada.”

General do Comando Central dos EUA visita Israel  

O general Michael Erik Kurilla está em Israel para coordenar os preparativos com altos funcionários das Forças de Defesa de Israel (IDF) para conter um ataque iraniano. O Jerusalem Post informou que:

“Nos últimos dias, “autoridades” israelenses e americanas realizaram uma série de consultas em todos os níveis para se prepararem para uma resposta iraniana, disseram altos funcionários de ambos os países.” O relatório também destacou o que Biden disse: “Nosso compromisso com a segurança de Israel é um compromisso firme”. 

Soa familiar? claro, porque todos os presidentes antes de Biden basicamente disseram a mesma coisa muitas vezes, sempre à favor dos interesses dos sionistas judeus khazares.  Os militares dos EUA estabeleceram uma base em Israel em 2017. A organização de notícias financiada pelo governo dos EUA, Voice of America, informou sobre o desenvolvimento,

“Israel e os EUA inauguraram na segunda-feira a primeira base militar americana em solo israelense, onde servirá dezenas de soldados que operam um sistema de defesa antimísseis.” O relatório também dizia que “a base está localizada dentro de uma base existente da força aérea israelense e operará sob as diretrizes militares israelenses”. 

Avançando para a Guerra em Gaza, o regime de Biden está enviando mais de 1000 soldados dos EUA que ajudarão na construção de um porto marítimo para levar alimentos ao povo palestino, embora o seu regime esteja armando, financiando e apoiando o genocídio do governo israelita contra as mesmas pessoas que ele afirma estar ajudando. 

No início deste mês, um site de notícias militares, ‘Stars and Stripes’, publicou a manchete ‘1.000 soldados dos EUA serão destacados para operações portuárias temporárias para transportar ajuda para Gaza’, o que sabemos ser uma mentira completa porque se trata de estabelecer uma presença militar dos EUA numa demonstração de força. contra os inimigos de Israel, que inclui a resistência palestina, o Líbano, o Hezbollah, a Síria, o Iraque, o Irão, o Iémen e mais cerca de 1,5 bilhões de muçulmanos.  

Biden ordenou ao Pentágono que apoiasse os esforços para levar “ajuda humanitária” a Gaza,

“O Pentágono irá em breve enviar cerca de 1.000 soldados americanos para construir um porto marítimo temporário perto da costa de Gaza devastada pela guerra para fornecer aos seus habitantes cerca de 2 milhões de refeições por dia, disse um porta-voz do Departamento de Defesa na sexta-feira”, mas esta é claramente ‘Missão Creep’, portanto, na realidade, as tropas dos EUA que estão estacionadas em Israel estão prontas para se tornarem bucha de canhão para Israel.

Israel e os EUA enfrentam uma situação incontrolável no Oriente Médio

Não há como voltar atrás após o ataque descarado de Israel porque o Irã retaliou contra Israel, que já está em guerra com o Hezbollah nas suas fronteiras do norte e com os combatentes do Hamas na Faixa de Gaza. Israel também está em guerra com os Houthis no Iémen, vários grupos de resistência no Iraque e com o governo sírio. 

Israel e as forças dos EUA-Israel/G-7 (a Besta) acabarão por enfrentar o Oriente Médio com mais de um bilhão de muçulmanos que rejeitam o sionismo judeu khazar de Israel e as suas reivindicações sobre as terras palestinas. O Irã pode ter como alvo todas as bases militares dos EUA no Iraque, na Síria (que é uma base militar ilegal na Síria que está literalmente roubando petróleo sírio), na Arábia Saudita e nos estados do Golfo, incluindo as suas bases secretas em todo o Oriente Médio repletas de agentes da CIA, MI-6, Mossad, ISIS e agentes da Al-Qaeda conduzindo operações terroristas para desestabilizar ainda mais a região.

O Irã tem perto de 750 mil soldados ativos e de reserva e lembrem-se, se Israel ou os EUA atacassem diretamente o Irã, a maior parte do Irão unir-se-ia em torno da sua bandeira, portanto, enfrentariam dezenas de milhões de iranianos furiosos. Os iranianos abrirão os portões do inferno e usarão tudo o que tiverem para derrotar Israel e os EUA/G-7 (a Besta), incluindo os seus mísseis balísticos que podem atingir todas as bases dos EUA no Oriente Médio. 

Os mapas abaixo mostram que qualquer míssil que o Irã decida lançar pode atingir qualquer base militar dos EUA na região:

As bases militares dos EUA estão dentro do perímetro listado na imagem a seguir:

Israel conscientemente cometeu um ataque terrorista, desrespeitando as leis internacionais, sabendo que qualquer retaliação do Irã provavelmente atrairia os EUA/G-7 (a Besta), tal como o que fizeram no Iraque com Saddam Hussein alegando armas de destruição em massa. Essa mentira acabou por se tornar um desastre para a máquina de guerra dos EUA, que claramente perdeu a guerra no Iraque sem nada de positivo para mostrar ao mundo, apenas o ressentimento da população iraquiana que quer as forças dos EUA fora do seu país.  

Apesar do que aconteceu no Iraque, a população dos EUA, especialmente nas partes do Centro-Oeste e do Sul que apoiam cegamente Israel, sacrificaria avidamente os seus filhos para lutar pelo estado Judeu khazar sionista para proteger os “escolhidos” a todo o custo. 

Israel e os Estados Unidos irão possivelmente contra-atacar, e então uma guerra em grande escala, sem a utilização de armas nucleares, assumirá o centro das atenções, aumentando assim os preços do petróleo num cenário econômico global instável. Fiquem tranquilo, a Rússia e a China, que estão assistindo à tudo se envolverão de alguma forma.

O programa de mísseis balísticos do Irã tem sido considerado por muitos especialistas em todo o mundo como o maior dos países do Oriente Médio. Portanto, todas as bases militares dos EUA serão atingidas com a variedade de mísseis do Irã, incluindo um dos mísseis balísticos mais avançados, como o Zolfaghar, que é capaz de atingir alvos a uma distância de 300 a 700 km. Eles também têm o Fateh-110, um míssil balístico de curto alcance (SRBM) com alcance de 300 km e há muitos outros mísseis à sua disposição. 

Israel e o seu aliado mais próximo, os EUA, enfrentarão uma guerra invencível, especialmente se mais países intervierem à favor do Irã. Será que ela se tornaria nuclear? Israel é o curinga com armas nucleares. Estão dispostos a usá-los contra o Irã? Não sabemos, mas uma coisa é certa: se Israel usasse armas nucleares contra o Irã, todas as pessoas no mundo muçulmano e fora dele atacariam Israel, portanto, os judeus khazares nunca viverão em paz. 

Será que uma nova guerra no Oriente Médio entre Israel e o Irã criaria uma nova crise de refugiados nas fronteiras dos EUA? Sim, mas desta vez serão israelitas que tentarão entrar nos EUA porque terão de fugir de uma guerra que os seus próprios políticos sionistas iniciaram. 

Então, será que o governo dos EUA acolheria os israelitas e criaria uma nova pátria judaica algures no Texas ou na Flórida? Será que aqueles que apoiam Israel nos EUA desistiriam das suas terras para ajudar os judeus khazares sionistas? Eu me pergunto como a maioria dos americanos reagiria a essa ideia.  

Timothy Alexander Guzman escreve em seu próprio blog, Silent Crow News, onde este artigo foi publicado originalmente. Ele é um colaborador regular da Global Research. Todas as imagens neste artigo são da SCNA fonte original deste artigo é Global Research – Direitos autorais © Timothy Alexander Guzman, Global Research, 2024


Poder bélico do Irã: Arsenal de mísseis de Teerã, usado em parte contra Israel, também pode atingir a Europa

Irã disparou, na noite de sábado, cerca de 330 drones, mísseis balísticos e mísseis de cruzeiro contra Israel, no primeiro ataque direto lançado por Teerã contra o Estado judeu khazar. Embora as Forças Armadas israelenses tenham afirmado que a maioria dos equipamentos foram interceptados e que os danos provocados pela ação foram mínimos, os ataques foram uma breve exibição da capacidade militar iraniana, bem como do alcance e da sofisticação de parte de seu arsenal, que evoluiu em qualidade e quantidade nos últimos 15 anos.

Estimativas de fontes de inteligência dos Estados Unidos indicam que o regime dos aiatolás conta com mais de 3 mil mísseis balísticos, de tipos e com alcances variados, incluindo alguns capazes de alcançar Israel. Uma das armas com capacidade de atingir o Estado judeu é o míssil Kheibar Shekan, com autonomia para atingir alvos a 1.450 Km, distância similar a do país islâmico até Tel Aviv. A preocupação com o míssil específico aumentou em janeiro, quando a Guarda Revolucionária o utilizou para atingir alvos inimigos na Síria.

O desenvolvimento de um arsenal de mísseis modernos se tornou uma prioridade para o Irã, como forma de projetar poder para além de suas fronteiras. De acordo com o Centro de Políticas dos Emirados Árabes Unidos, Teerã reservou 41% de seu orçamento militar do ano passado para o programa de mísseis. Enquanto projéteis cada vez mais tecnológicos, precisos e aerodinâmicos são desenvolvidos no país, organizações como o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS, na sigla em inglês) avaliam que equipamentos das Forças Armadas , como tanques e aeronaves de combate, estão defasados.

O míssil com maior alcance entre os comprovadamente operacionais e incorporados às forças iranianas é o “Sejjil”, de acordo com o ‘Missile Defense Project’, do Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais. O projétil tem capacidade de atingir um alvo a 2 mil Km de distância, o suficiente para ameaçar Israel, Arábia Saudita e mesmo o sul da Europa.

Alcances (e missões) variadas

O programa de mísseis iraniano desenvolveu uma grande variedade de mísseis, capazes de operar em diferentes tipos de missão. Entre os operacionais com menor alcance estão os Fateh-110, criados para atender a ofensivas de curto alcance, com alvos a 200 Km ou 300 Km de distância. De acordo com a agência estatal de notícias Nour News, o armamento foi utilizado em um ataque contra um alvo designado como centro de espionagem de Israel no Iraque.

Ainda de acordo com a imprensa iraniana, contra os alvos no Iraque também foram disparados mísseis Fateh-313, uma variação do projétil de combustível sólido, com capacidade ampliada para acertar alvos a até 500 Km.

Disparo de míssil durante exercício militar iraniano — Foto: Forças Armadas do Irã via AFP
Disparo de míssil durante exercício militar iraniano — Foto: Forças Armadas do Irã via AFP

No caso do Kheibar Shekanque acertou alvos do Estado Islâmico em Idlib, na Síria, a 1,3 mil Km, trata-se de um míssil de propulsão sólida guiado à distância. Revelado em 2022, o armamento é apontado como um projeto preferencial da Guarda Revolucionária do Irã. Embora não seja o item com maior alcance no arsenal em operação — posição reservada ao Sejjil, que alcança 2 mil Km e está em operação desde 2012 — sua principal valência seria a tecnologia embarcada à arma.

Míssil de propulsão sólida guiado com precisão, tem uma ogiva capaz de manobrar agilmente com pequenas barbatanas aerodinâmicas para escapar de pelo menos alguns sistemas tradicionais de defesa aérea.

“É provavelmente o míssil mais sofisticado que eles têm com alcance para atacar Israel”, disse Fabian Hinz, pesquisador do think tank do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, em entrevista ao The New York Times, na época.

Desenvolvimento contínuo

Segundo o Iran Watch, um monitor americano das capacidades bélicas iranianas do Wisconsin Project on Nuclear Arms Control, o limite de alcance máximo em 2 mil Km foi um teto autoimposto por Teerã, que priorizou o desenvolvimento tecnológico e a precisão de suas armas — uma estratégia diferente, por exemplo, da Coreia do Norte, que aposta no desenvolvimento de Mísseis Balísticos Intercontinentais-ICBMs, com capacidade de viajar mais de 5 mil Km.

A “autocensura”, que teria chegado a conhecimento público em 2015, não limitou, contudo, a criação de projetos e o teste (ou desenvolvimento) de armas com maior alcance , sem sua incorporação ao arsenal em uso.

É o caso do Soumar, um míssil de cruzeiro de lançamento do solo. O ‘Missile Defense Project’, do Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais, afirma que a arma, revelada em 2015, está “presumivelmente” operacional. O projeto teria sido desenvolvido a partir do míssil russo Kh-55, com capacidade nuclear. (Com The New York Times e Bloomberg)


4 respostas

  1. Lamentável uma guerra dessas. Todos sabem que se houve ataque ao consulado do Irã, lá havia algo fora do normal, pois ninguém é inocente, especialmente o Irã, porém uma guerra trará apenas dor e sofrimento ao seu povo.
    Os homens fazem tudo errado por serem guiados pela ganância e a sede de poder.

    1. Hitler tentou. Não deu certo. A URSS tentou na Guerra dos seis dias e yon kipur. Não deu certo. Porque tu acha que seu amigos terroristas conseguirão o que nações modernas e poderosas não conseguiram?

  2. É dificil acreditar que o responsavel por esta midia, do alto de sua sabedoria, acredita em um artigo destes. O Iran lançou 300 artefatos militares contra Israel, entre drones e misseis balísticos. Nenhum atingiu seu objetivo, sendo 99% deles destruidos pelos sistemas de defesa israelenses. Portanto, me pergunto: onde esse pessoal encontra fé para acreditar ser possível derrotar o mais bem preparado exercito e força aerea do mundo?

    O Iran acha que a tática de usar o Hisbollá para saturar o sistema de defesa isralense, para depois mandar seus milhares de misseis dará certo. Não dará pelo simples fato de que se os israelenses perceberem que seu sistema foi saturado pelos foguetes do Hisbollá, imediatamente lancarão maos de seus misseis nucleares. Portanto, o Iran não tem como vencer. E se o iran porventura adquirir meios nucleares, isso será o fim do Líbano. Israel jamais permitirá que milhares de foguetes e drones libaneses abram caminho para misseis nucleares do Iran. Se Israel perceber ou suspeitar que o Iran chegou perto de adquirir armas nucleares, não existarão em destruir o Líbano. Portanto, que os católicos desta mídia avisem seus pares libaneses: se continuarem permitindo o Iran controlar o Hisbollá, dentro do Líbano, certamente isso causará a ruína total da nação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth