Os EUA e o Reino Unido estão pressionando por uma Guerra Total em Todas as Frentes

Os acontecimentos das últimas semanas produziram um abalo repentino na política ocidental. A partir de uma letargia que começava a insinuar-se no discurso dos EUA e do Ocidente sobre a guerra na Ucrânia, o ataque do Irão a Israel pareceu subitamente ter tido o efeito de despertar Ronald Reagan da sua sepultura e de conduzir a uma onda de neoconservadorismo com esteróides, tanto em lados do Atlântico.

O confronto Irã-Israel serviu de catalisador para uma nova escalada por parte dos marionetes líderes ocidentais, e uma Terceira Guerra Mundial já não pode ser descartada.

Fonte: Rússia Today

O presidente da Câmara dos EUA, Mike Johnson, deu uma reviravolta completa de 180 graus e proclamou-se um “republicano Reagan”, aprovando uma série de projetos de lei de ajuda para despesas astronômicas no financiamento de guerras no exterior que, de outra forma, teria bloqueado durante meses, enquanto denunciava um “eixo do mal”.  Junto com isso, uma proposta de lei de proibição do TikTok também surgiu do nada e foi rapidamente aprovada.

Depois, o Reino Unido decidiu dedicar o seu maior pacote de ajuda de sempre à Ucrânia, com o Primeiro-Ministro Rishi Sunak a alertar para um “eixo de Estados autoritários” e a amplificar a retórica ideologicamente combativa. Ao mesmo tempo, foi então revelado que os EUA tinham enviado mísseis ATACMS de longo alcance de 300 km para a Ucrânia, apesar de ter prometido não o fazer durante anos, temendo uma escalada.

Finalmente, a Presidente da UE, a vovó psicopata Ursula von der Leyen, aumentou repentina e dramaticamente a guerra econômica contra a China, levando a Comissão Europeia a abrir investigações sobre dezenas de exportações chinesas. De onde exatamente veio tudo isso?

É quase como se os EUA e os seus aliados do G-7/OTAN se aproveitassem das tensões entre o Irã e seu aliado Israel para “encobrir” a sua situação e reforçar uma série de objetivos para os quais, de outra forma, estariam perdendo o apoio público, incluindo a guerra na Ucrânia, mas também a guerra de Israel com os palestinos na invasão de Gaza.

É de perguntar se o ataque israelita ao complexo iraniano em Damasco, que provocou a resposta de Teerã, foi deliberadamente encenado, coordenado e planejado para este fim. Serviu ao objetivo mutuamente conveniente de deixar tanto o Primeiro-Ministro Netanyahu como os governos ocidentais livres de qualquer oposição que de outra forma tivessem enfrentado.

Deveria estar perfeitamente claro agora que as atuais potências, em Londres e Washington, não têm absolutamente nenhuma intenção de abrandar as guerras que provocaram, ao mesmo tempo que pressionam por uma potencial terceira frente de guerra com a China, e parecem indiferentes às consequências, mesmo que, por exemplo, a guerra entre Israel e Gaza esteja destruindo as reivindicações de “superioridade moral” do Ocidente e de Israel.

Em cada caso, os riscos são muito elevados, a política externa ocidental em geral assumiu um carácter ideológico e de soma zero que lamenta a perda de sua hegemonia imperialista e procura sustentá-la a todo o custo.

É reacionário na medida em que não tem uma visão para melhorar o mundo, mas quer fazer com que o mundo volte a ser como era. É um sentimento de direito e privilégio hegemônico que quer suprimir uma multipolaridade emergente.

Devido a isto, tornou-se impossível para os marionetes líderes ocidentais alguma vez considerarem o conceito de compromisso nestes respectivos teatros, e recusam-se, em qualquer circunstância, a fazer concessões que possam ser consideradas estratégicas.

Isto produziu uma posição em que o único resultado que estão dispostos a aceitar na Ucrânia é o que consideram  “a derrota de Putin”,  e tem vindo a aumentar sutilmente desde então, aproximando-se cada vez mais do ponto em que uma “guerra por procuração”  se torna uma guerra direta, para todos os efeitos e propósitos. Os conselheiros militares da OTAN já estão no terreno e os ataques ucranianos estão sendo guiados pela inteligência da OTAN ou mesmo coordenados por almirantes britânicos.

As PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação social no Ocidente, especialmente na Grã-Bretanha (há mais dissidência nos EUA), estão efetivamente em modo de guerra total. A BBC amplifica diária e ininterruptamente a propaganda ucraniana, promovendo qualquer afirmação que possa ajudar Kiev, independentemente do seu valor empírico ou evidência, e todas as vozes de dissidência foram caladas.

Parece evidente que a decisão pode ter sido tomada no sentido de arriscar uma guerra total com a Rússia, em vez de considerar qualquer cenário de negociação. Assim, as ondas de choque da saga Irã-Israel foram utilizadas para levar a cabo uma nova e repentina ronda de escalada em todas as frentes, que só pode ter sido reforçada pelas possíveis eleições que se aproximam tanto nos EUA como no Reino Unido e na União Europeia.

Por causa disto, é justo dizer que o mundo enfrenta uma perspectiva mais perigosa e incerta do que em qualquer momento desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Esta safra atual de líderes ocidentais não segue uma mentalidade mais contida e calculada, como se viu durante a maior parte da Guerra Fria, mas uma mentalidade agressiva e evangelística de psicopatas que não preferem a estabilidade, mas afirmam a hegemonia como um direito absoluto, assemelhando-se, portanto, mais a um pré- mundo de 1914.

Por esta razão, deveríamos tirar a conclusão de que os líderes ocidentais não procuram verdadeiramente evitar a guerra, mas estão preparados para adotá-la, se necessário. O establishment militar britânico e as PRE$$TITUTA$ da mídia há muito que fazem barulho sobre o recrutamento.

Nos EUA, se Joe Biden for reeleito, podemos assumir que ele irá escalar assumidamente em todas as frentes. A Terceira Guerra Mundial já não é um espectro dramatizado de pânico improvável, mas uma possibilidade real que não deve ser descartada.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth