Os Segredos de Antibióticos Naturais e Antivirais

Durante grande parte da história humana, a verdadeira causa das doenças infecciosas permaneceu um mistério. Na ausência de tratamento, muitos pacientes sucumbiram às suas doenças. Não foi até o século XIX que a evidência da existência de germes, vírus e bactérias foi revelada. A descoberta da penicilina em 1929, e depois de muitos outros antibióticos farmacêuticos, finalmente permitiu o tratamento específico de doenças infecciosas. A mortalidade e o sofrimento ligados a essas doenças caíram tão espetacularmente que as plantas que usávamos com a sabedoria empírica até então na luta contra os germes invisíveis foram abandonadas.

Segredos de antibióticos naturais e antivirais

Fonte: New Dawn Magazine – Por Christopher Vasey ND

No entanto, nas últimas décadas, um número crescente de estudos trouxe essas plantas de volta aos holofotes. Uma extensa pesquisa tornou possível obter uma compreensão mais profunda de suas propriedades antibióticas. Não só demonstraram ter maior eficácia terapêutica do que se acreditava, mas também um espectro de ação muito maior

De fato, muitas plantas são eficazes contra os vírus, o que não é o caso dos antibióticos farmacêuticos. Além disso, seus efeitos colaterais – se houver – tendem a ser benignos, e as plantas não estimulam os germes a desenvolver resistência contra elas.

Hoje, também nos beneficiamos de melhores métodos de preparação de remédios à base de plantas, permitindo obter produtos mais poderosos e confiáveis ​​do que os de séculos passados.

Antibióticos Naturais

Os antibióticos naturais são substâncias químicas NATURAIS produzidas pelas plantas que vão desde as ervas mais comuns (Tomilho, Salgado, Orégano etc.) do nosso entorno local até espécies mais exóticas (Eucalipto, Ravintsara, Tea Tree – Melaleuca, etc.). Várias centenas de plantas possuem propriedades antibióticas, então nossa reserva desses remédios é bastante extensa. As pessoas nativas se beneficiam de suas propriedades curativas há milhares de anos.

Os antibióticos naturais têm uma dupla ação: um efeito direto contra o agente invasor e um efeito indireto através do terreno. A ação direta de uma planta vem da toxicidade e da natureza cáustica das substâncias antibióticas que ela possui. A ação indireta dos antibióticos naturais (que os antibióticos convencionais não possuem) é igualmente perigosa para os germes. Embora não sejam atacados diretamente, os germes ainda sofrem sérios danos porque, ao alterar as características do ambiente biológico, os antibióticos naturais o tornam impróprio para sua sobrevivência. 

Propriedades antivirais

Embora ambos os tipos de antibióticos compartilhem pontos em comum – um efeito mais ou menos poderoso dependendo do germe, um espectro de ação estreito ou amplo e a capacidade de atacar protozoários, bactérias e fungos – a comparação termina aí. Os antibióticos naturais possuem, de fato, outras características que os distinguem fundamentalmente dos antibióticos convencionais.

A maioria dos antibióticos naturais são antivirais, o que nunca acontece com os antibióticos naturais convencionais.  Além disso, suas propriedades antivirais costumam ser bastante poderosas. Eles oferecem tratamento eficaz e não tóxico contra inúmeras doenças (gripe, herpes zoster, etc.) que não podem ser tratadas com antibióticos convencionais. Isso é ainda mais valioso porque, fora dos antivirais naturais, o número de antivirais existentes é bastante limitado e seu uso já esta saturado.

Uma vantagem dos antibióticos naturais é que eles não estimulam os germes a desenvolver resistência a eles. Quais são as razões para isso? 

Os antibióticos convencionais [produtos químicos] consistem em uma única molécula. Isso torna mais fácil para um germe fabricar uma enzima capaz de neutralizá-los. Os antibióticos naturais, por outro lado, são compostos de muitas moléculas diferentes. O óleo essencial de salgados da montanha, por exemplo, deve sua ação a uma cetona, quatro tipos de fenóis e sete tipos de monoterpenos, para citar apenas alguns de seus componentes. Um germe que tentasse desenvolver resistência a esse antibiótico natural teria que produzir uma enzima capaz de neutralizar todas essas moléculas de uma só vez (o que é impossível) ou uma dúzia de enzimas diferentes (o que também é impossível).

Outra vantagem é que os efeitos colaterais comuns à antibioticoterapia convencional – diarreia, inchaço, distúrbios digestivos – não se manifestam com os antibióticos naturais porque não desequilibram a flora intestinal. Pelo contrário, eles suportam um equilíbrio microbiano saudável, matando os germes virulentos. Se eles desencadearem tais sintomas, seria apenas devido ao efeito laxante de certas plantas.

Óleos essenciais

Os antibióticos naturais são usados ​​principalmente na forma de óleos essenciais. Estes são os óleos aromáticos voláteis que dão às plantas seus odores característicos e contêm seus constituintes medicinais. Eles são extraídos de plantas por destilação ou expressão. Esses óleos estão contidos nas minúsculas gotículas de substâncias aromáticas que são liberadas ao esmagar as folhas de hortelã ou tomilho, por exemplo.

Segundo os biólogos, os óleos essenciais naturais contêm mais compostos do que todos os químicos do mundo poderiam sintetizar trabalhando por mil anos. Entre esses compostos estão os terpenos, fenóis, aldeídos e álcoois com propriedades antibióticas. Eles estão entre os mais poderosos antibióticos naturais existentes no planeta.

Os óleos essenciais podem ser tomados por via oral, usar como pomada na pele, ou por aspiração – ou seja, usando vapores (de vapores, fumaça, etc.). Seu poder de distribuição nos tecidos é enorme. Vários minutos depois de terem sido espalhados na pele, eles terão entrado na corrente sanguínea. Vinte minutos a duas horas depois, eles estão nos pulmões, sendo exalados a cada respiração.

Como os óleos essenciais são extremamente concentrados – são necessários quilos de plantas para obter várias gotas de óleo essencial – é importante respeitar escrupulosamente as dosagens indicadas e as instruções de uso.

Uma dessas instruções é que uma cura com óleos essenciais não deve durar mais do que cerca de sete dias. Se for necessária um tratamento adicional, deve-se mudar para antibióticos naturais na forma de tinturas-mãe, que são preparações à base de álcool e água. Estes podem ser usados ​​para tratamentos de longa duração.

Seguem-se três exemplos de poderosos antibióticonaturais, dois na forma de óleo essencial e outro na forma de tintura-mãe.

O óleo essencial de Niaouli (Melaleuca quinquenervia)

O óleo essencial de Niaouli é extraído das folhas da árvore de casca de papel, que é difundida na Nova Caledônia e Madagascar. As propriedades antibióticas desta árvore são conhecidas há muito tempo pelos nativos dessas regiões, que as usavam para desinfetar a água. 

O óleo Niaouli é destilado das folhas frescas e galhos da árvore de casca de papel.

O óleo essencial de Niaouli é um antibiótico natural muito poderoso contra inúmeras bactérias (incluindo Staphylococcus aureus e os estreptococos responsáveis ​​pela escarlatina e reumatismo articular agudo ) e contra a maioria dos vírus e fungos. É, portanto, um excelente antibacteriano, antiviral e antifúngico. Em menor grau, também é ativo contra parasitas como o plasmódio, responsável pela malária.

As esferas de atividade deste óleo essencial são o trato respiratório, o trato digestivo e os domínios genital e urinário. Diluído em um pouco de óleo de amêndoa doce, é eficaz contra infecções da pele.

Dosagem:

Oral: Tomar 2 a 4 gotas, três a cinco vezes ao dia, diluídas em 1 colher de chá de mel ou dispersante 

Tópico: Dilua 5 a 10 gotas em 1 colher de chá de óleo de amêndoa doce para uso como pomada.

Um antiviral natural: Ravintsara (Cinnamomum Camphora)

Cinnamomum Camphora, comumente conhecida como árvore de cânfora, é nativa da China, Japão e Taiwan e foi introduzida em muitos outros países. O óleo extraído da Cinnamomum camphora que também cresce em Madagascar é conhecido como ravintsara. Este é o remédio dos malgaxes, que há muito conhecem as propriedades medicinais das folhas da árvore e se beneficiam de usá-las para tratar um grande número de problemas de saúde.

O óleo essencial de Ravintsara é rico em 1,8-cineol e alfa-terpineol. É um antiviral extremamente poderoso com amplo espectro de ação. Esse espectro é, de fato, tão amplo que o óleo essencial de ravintsara é recomendado para todas as aflições virais: herpes, hepatite, enterite viral, varicela e muito mais. É especialmente eficaz contra o vírus da gripe (seja usado para preveni-lo ou curá-lo), herpes zoster e mononucleose infecciosa. Além de suas atividades antivirais, o óleo essencial de ravintsara também é um antibacteriano eficaz e tem efeitos antifúngicos e antiparasitários. Suas esferas de operação são principalmente o trato respiratório, o trato digestivo e a pele.

O óleo essencial de Ravintsara não tem efeitos cáusticos e, portanto, pode ser usado puro (não diluído) na pele.

Dosagem:

Oral: Tomar 3 a 5 gotas, três vezes ao dia, em 1 colher de chá de mel ou dispersante.

Tópico: Para massagens ou pomadas, use 3 a 5 gotas não diluídas; para banhos, adicione 10 a 15 gotas à água do banho.

Nota: Não confunda ravintsara com ravensara ( Ravensara aromatica )

A Tintura Mãe de Coneflower Roxo (Echinacea Purpurea)

A Echinacea deve sua eficácia à sua combinação de propriedades antibióticas e imunoestimulantes. Suas enzimas destroem as enzimas que as bactérias liberam para enfraquecer as membranas celulares de suas células hospedeiras.  As bactérias devem, portanto, permanecer fora das células para realizar suas atividades nocivas, e lá são destruídas pelos macrófagos cuja produção e atividade são fortemente aumentadas pelas propriedades imunoestimulantes da equinácea.

A atividade dos macrófagos – que consiste em engolir e depois destruir os invasores – é um sistema de defesa inespecífico. Ele funciona contra bactérias, bem como vírus, fungos e parasitas. A Echinacea tem, portanto, um espectro de ação extremamente amplo, o que a torna útil contra todas as infecções, onde quer que estejam localizadas. Devido à sua natureza completamente inócua [SEM EFEITOS COLATERAIS], é recomendado para uso por todos, incluindo crianças e idosos.

A tintura mãe de equinácea oferece um meio simples e eficaz de usar esta planta medicinal. Pequenas doses ingeridas várias vezes ao dia (cinco ou seis vezes, por exemplo) mostraram ser mais eficazes do que uma dose mais alta tomada uma vez. Em tratamentos de longo prazo (para tratar infecções crônicas ou prevenção da gripe, por exemplo), as ações imunoestimulantes da equinácea são mais eficazes se forem tomadas em cursos com uma pausa entre eles. Por exemplo, você pode tomar equinácea por duas semanas, depois pausar por uma semana e repetir.

Dosagem:

Oral: Tomar 20 a 30 gotas do MT, em um pouco de água, três a cinco vezes ao dia. Para distúrbios agudos, tome 20 gotas a cada duas horas durante os primeiros dois dias e depois comece a tomar a dosagem normal.

Tópico: Tente gargarejar com echinacea MT para tratar uma infecção da garganta, dentes ou boca (aftas); diluir 30 a 50 gotas em um copo de água morna e gargarejar. A mesma dosagem pode ser aplicada ao enchimento de algodão para uma compressa para tratar infecções em feridas, mordidas, furúnculos, abscessos e assim por diante.

Para saber mais, obtenha uma cópia do livro de Christopher Vasey Natural Antibiotics and Antivirals: 18 Infection-Fighting Herbs and Essential Oils. Este artigo foi publicado em New Dawn 184 .


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores.  Como a receita de anúncios foi  “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante.  Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth