Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Os “Verdes” Arrastam a Alemanha para baixo com suas políticas, Externa e Energética

Cortar sistematicamente as parcerias internacionais de Berlim e o acesso à energia barata já está sendo a ruína do país. A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, a marionete Annalena Baerbock, descreveu sua recente visita à China como “mais do que chocante”, argumentando que, embora a Alemanha não deva “se separar” de Pequim, a China não deve mais ser o parceiro comercial mais importante de Berlim.

Os “Verdes” Arrastam a Alemanha para baixo com suas políticas, Externa e Energética

Fonte: Rússia Today

Baerbock esteve em Pequim em uma aparente visita de controle de danos, após a viagem amplamente divulgada de Emmanuel Macron ao país e as críticas subsequentes aos EUA. Seus comentários críticos sobre a China foram feitos na quarta-feira, quando ela falou ao Bundestag.

O Partido Verde da Alemanha, que faz parte de uma coalizão de governo com o maior Partido Social Democrata (SPD), é conhecido por políticas externas atlantistas agressivas. Tendo começado como um partido ambientalista anti-guerra em 1980, seus pontos de vista agora mudaram para apoiar a OTAN e sua expansão para o leste, vendo a aliança militar como crucial para a defesa da Europa e pressionando contra acordos com a Rússia e a China.

Agora, tendo assumido o controle do Ministério das Relações Exteriores do país, os [idiotas] “Verdes” estão tentando desmantelar a relação geopolítica altamente favorável de Berlim com a China, ao mesmo tempo em que avançam a todo vapor em seu confronto com Moscou. Já se foram os dias de pragmatismo, prudência e bom senso, e aqui estão os dias do fundamentalismo liberal divisivo, que permitiu aos EUA desmantelar prontamente os alicerces da prosperidade e força econômica da Alemanha. Baerbock é um desastre ambulante, assim como o seu partido “Verde” e está levando a Alemanha com ela para o ostracismo.

Apesar de ser a maior e mais poderosa economia da Europa [por enquanto], que moldou a direção e a integração de todo um continente, o futuro da Alemanha agora parece sombrio. A escalada do conflito na Ucrânia, combinada com a provável mas veementemente negada destruição do gasoduto Nord Stream 1 e 2 por Washington, destruiu os alicerces da segurança energética do país e sua competitividade industrial. O dano causado é evidenciado pelo fato de que se prevê uma taxa de crescimento do PIB de 0,3% em 2023, enquanto a inflação homóloga foi de 8,7% em fevereiro.

Baerbock agora parece satisfeita em lançar a bola da demolição no relacionamento de seu país com a China, seu maior parceiro comercial. Ela tem procurado desvendar novas regras para desestimular a expansão dos negócios alemães no país, usando o argumento de “reduzir a dependência”. 

O comércio da Alemanha com a China foi de € 245 bilhões (US$ 270,8 bilhões) em 2021. Mas a questão é: se não a China, então quem? Porque vejam as consequências desta “redução da dependência” da Rússia. Os “Verdes” estão subordinando a Alemanha à agenda dos EUA e estão desmantelando ativamente tudo o que tornou a Alemanha bem-sucedida, em troca de praticamente nada.

As fanáticas e estúpidas políticas ambientais dos Verdes, misturadas com sua política externa, estão piorando ainda mais a situação. Apesar de o país ter sofrido uma crise energética, tendo perdido sua parceria com a Rússia, os Verdes sempre perseguiram um pilar fundamental de sua política – a oposição à energia nuclear. 

Isso forçou o país a permanecer na rota autodestrutiva de abandonar a energia nuclear, apesar do consenso esmagador de que é barata, segura e, claro, estrategicamente importante no ambiente que estão criando. A Alemanha, atendendo a pressão dos “Verdes”, fechou suas últimas usinas nucleares na semana passada, em uma medida que deixou perplexos comentaristas internacionais e especialistas em energia.

Por causa dessas políticas, a Alemanha está sob ameaça de declínio nacional. O legado da influência do Partido Verde no governo de Olaf Scholz foi desmantelar as bases de seu crescimento econômico, expandir a influência dos EUA sobre a Alemanha por atacado e, é claro, romper parcerias geopolíticas que foram construídas com base no realismo e no interesse próprio.

Sob a liderança de Angela Merkel, a Alemanha foi um jogador poderoso e influente porque agiu como um dissidente, sem se desviar dos valores que considerava importantes. O preço de rasgar esses legados, encorajado por think-tankers patrocinados pelos EUA visando Berlim implacavelmente, foi criar uma Alemanha que será mais fraca, mais pobre e menos relevante – apenas um estado vassalo americano. 

Quem precisa de multipolaridade quando você pode colocar um “Partido Verde” no comando de seu ministério de relações exteriores? A Alemanha está, portanto, experimentando uma morte lenta nas mãos dos “Verdes”.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *