Partido de Scholz da Alemanha sofre Derrota Eleitoral na UE

A coligação governante Liberal/Verde “Acordada” de Olaf Scholz da Alemanha foi derrotada pelos partidos da oposição na votação de domingo para o Parlamento da UE, ficando atrás dos conservadores e do partido de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), de acordo com as últimas pesquisas. A principal oposição conservadora de centro-direita, a União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU), deverá ocupar o primeiro lugar com cerca de 30%.

Fonte: Rússia Today

O bloco governante Liberal/Verde “Acordado” de Olaf Scholz foi superado pela oposição conservadora e da direita AfD.

Os sociais-democratas (SPD) de centro-esquerda do chanceler Olaf Scholz receberam cerca de 14% dos votos, abaixo dos 15,8% em 2019, marcando os seus piores resultados em décadas, de acordo com as primeiras previsões da ZDF e ARD baseadas na contagem parcial. 

A principal oposição conservadora de centro-direita, a União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU), deverá ocupar o primeiro lugar com cerca de 30%.

A AfD subiu para o segundo lugar com cerca de 16%. O partido eurocético ultraconservador tem feito lobby para interromper as entregas de armas à Ucrânia e acabar com as sanções à Rússia, apelando, em vez disso, a negociações de paz. Apesar de vários escândalos no período que antecedeu as eleições, o seu apoio cresceu quase 5% nos últimos cinco anos.

Outros membros da “coligação de semáforos” de Scholz também sofreram perdas. Os Democratas Livres (FDP) registraram uma queda moderada no apoio, de 5,4% para cerca de 5%. No entanto, os “Verdes” caíram drasticamente para cerca de 12%, em comparação com 2019, quando o partido alcançou os melhores resultados de sempre, conquistando 20,5% dos votos e 21 assentos no Parlamento Europeu.

Sob o atual governo de coligação Liberal/Verde “Acordado” de Olaf Scholz, Berlim enfrentou o aumento dos custos energéticos [sem o gás barato da Rússia] e risco de recessão, na sequência da escalada do conflito Rússia-Ucrânia e das consequências das sanções impostas a Moscou. Entretanto, o lobby “Verde” resultou no encerramento das últimas três centrais nucleares alemãs em Abril do ano passado. O FMI projetou que o PIB alemão crescerá apenas míseros 0,2% em 2024.

Enquanto isso, a Aliança Sahra Wagenknecht (BSW), de esquerda, um partido formado por Wagenknecht e ex-políticos do Partido de Esquerda há menos de um ano, obteve cerca de 6% dos votos. O BSW inclinou-se para a esquerda na política econômica, mas, tal como alguns conservadores, fez lobby contra a migração descontrolada.

No período que antecedeu as eleições na UE, Wagenknecht alertou contra uma nova escalada do conflito na Ucrânia e contra a permissão de Kiev usar armas ocidentais em ataques em território russo, instando o Ocidente a “parar de brincar com fogo”.

O maior entre os 27 países membros da UE, a Alemanha detém atualmente 96 assentos no Parlamento Europeu. A presidente da Comissão Europeia, [a vovó psicopata] Ursula von der Leyen, é membro da CDU, que faz parte do maior grupo do Parlamento da UE, o Partido Popular Europeu.


2 respostas

  1. “A presidente da Comissão Europeia, [a vovó psicopata] Ursula von der Leyen, é membro da CDU, que faz parte do maior grupo do Parlamento da UE, o Partido Popular Europeu.” 👏👏👏👏

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth