browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Patente de Reator de Fusão nuclear da Marinha dos EUA e a criação de grandes naves mães

Posted by on 14/10/2019

A Marinha dos EUA autorizou a publicação de uma patente para um reator de fusão nuclear que pode gerar enormes quantidades de energia e ainda ser pequeno o suficiente para ser instalado em espaçonaves, estações orbitais e outras aplicações, incluindo grandes naves mães espaciais. A publicação da patente apóia reivindicações de denunciantes e insiders dos programas espaciais secretos (Corey Goode, Randy Cramer, Willian Tompkins…) de grandes naves mães transportadoras espaciais com mais de uma milha (1,6 km) de comprimento que foram secretamente construídas e implantadas em programa espacial secreto desenvolvido pela Marinha (com tecnologia alien reversa e/ou transferência de tecnologia extraterrestre) desde o final dos anos 1970 e o início dos anos 1980.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Patente da Marinha dos EUA para reator de fusão nuclear apoia desenvolvimento de grandes naves mães (transportadoras espaciais) com mais de uma milha de comprimento

Fonte:  https://www.exopolitics.org/us-navy-patent-for-nuclear-fusion-reactor-supports-claims-of-mile-long-space-carriers/

O pedido de patente para um “Dispositivo de fusão por compressão de plasma” foi publicado em 26 de setembro após ser apresentado em nome do Secretário da Marinha em 22 de março de 2019. O inventor é o Dr. Salvatore Pais, que trabalha na Naval Air Warfare Center Aircraft Division (NAWCAD) e já havia apresentado outras patentes em nome da Marinha a respeito de um veículo híbrido para navegar no ar, água e no espaço, impulsionado e protegido por campos eletromagnéticos.

A publicação da patente apóia reivindicações de denunciantes e insiders dos programas espaciais secretos (Corey Goode, Randy Cramer, Willian Tompkins…) de grandes naves mães transportadoras espaciais com mais de uma milha (1,6 km) de comprimento que foram secretamente construídas e implantadas em programa espacial secreto desenvolvido pela Marinha (com tecnologia alien reversa e/ou transferência de tecnologia extraterrestre) desde o final dos anos 1970 e o início dos anos 1980.

Na descrição da patente, o Dr. Salvatore Pais explica como seu dispositivo de fusão nuclear difere de dispositivos semelhantes em desenvolvimento:

Atualmente, existem poucos reatores / dispositivos de fusão previstos que vêm em uma embalagem pequena e compacta (variando de 0,3 a 2 metros de diâmetro) e normalmente eles usam versões diferentes do confinamento magnético do plasma. Três desses dispositivos são o reator de fusão compacta Skunk Works da Lockheed Martin (LM) (LM-CFR), o conceito de fusão EMC2 Polywell e a máquina de configuração em campo reverso de Princeton (Princeton Field-Reversed Configuration – PFRC). […] Esses dispositivos apresentam tempos curtos de confinamento no plasma, possíveis instabilidades plasmáticas com a escala de tamanho, e é questionável se eles têm a capacidade de atingir a condição de fusão equilibrada, sem falar em uma queima de plasma auto-sustentada que leva à ignição.

A ignição é o ponto em que o processo de fusão nuclear começa a gerar energia elétrica de maneira autossustentável através do plasma superaquecido. O Dr. Salvatore Pais explica ainda como seu dispositivo usará campos eletromagnéticos para iniciar o processo de fusão nuclear:

O dispositivo de fusão por compressão de plasma utiliza movimento controlado de matéria eletricamente carregada via vibração acelerada e / ou rotação acelerada sujeita a transientes suaves, porém rápidos, de aceleração-desaceleração-aceleração, a fim de gerar campos eletromagnéticos de energia / alta intensidade extremamente altos. Esses campos não apenas confinam o núcleo do plasma, mas também o comprimem bastante (induzindo um poço com potencial negativo de alta energia), de modo a produzir uma queima de plasma de alta densidade de potência, levando à ignição.

A quantidade de energia que pode ser gerada é explicada por Brett Tingley e Tyler Rogoway , pesquisadores aeroespaciais do The Drive :

Alega-se no pedido de patente que este dispositivo de fusão por compressão de plasma é capaz de produzir energia na faixa de gigawatt (1 bilhão de watts) a terawatt (1 trilhão de watts) e acima com potência de entrada de apenas em kilowatt (1.000 watts) a um megawatt ( 1.000.000 de watts). Em comparação, a maior usina nuclear dos Estados Unidos, a usina nuclear de Palo Verde, no Arizona, gera cerca de 4.000 megawatts (4 gigawatts) e os reatores nucleares A1B projetados para os porta-aviões nucleares da classe Gerald R. Ford da marinha geram cerca de 700 megawatts .

A descrição do Dr. Salvatore Pais deixa claro que o reator de fusão nuclear é a fonte de alimentação de vários dispositivos de patentes inovadores que entrariam na Embarcação Subaquática Aeroespacial Híbrida (HAUC) cuja patente foi concedida em 4 de dezembro de 2018. O HAUC, conforme descrito anteriormente, geraria um campo de vácuo quântico fora do casco, removendo todo o ar, água ou outras moléculas, permitindo assim que a nave se movesse rapidamente pela atmosfera, oceano e espaço sem encontrar nenhuma resistência ao deslocar sua massa.

Notavelmente, o HAUC foi concedido depois que o diretor de tecnologia da empresa de aviação naval, Dr. James Sheehy, interveio com um recurso contra a rejeição do examinador de patentes que considerava o dispositivo HAUC inviável cientificamente devido à necessidade de uma fonte de alimentação extraordinariamente alta que produza “mais eletricidade do que a produzida por reatores nucleares“.

O examinador estava se referindo aos reatores de “fissão nuclear” usados ​​pela Marinha em suas frotas de porta-aviões e submarinos, e salientando que estes não seriam suficientes para atender às necessidades de energia do HAUC. O dispositivo do reator de fusão nuclear descrito no pedido de patente mais recente fornece uma explicação para o que alimentaria o HAUC e geraria o campo eletromagnético em torno dele, da sua massa.

O Programa Solar Warden mantém uma frota de várias naves espaciais. É constituída por oito enormes naves-mãe em forma de charuto e cerca de quatro dúzias de “navios exploradores” menores. Centenas de “Marines Espaciais” estão em serviço a bordo destas naves e cada nave-mãe tem uma tripulação adicional de aproximadamente 300 cientistas e técnicos a bordo. A Frota Espacial é operada pelo NNSOC (United States Naval Network and Space Operations Command), tudo isso desenvolvido em segredo absoluto em relação à opinião pública. FONTE

Os outros dispositivos de patente para a operação do HAUC incluem o “Gerador de Ondas Gravitacionais de Alta Frequência ” (High Frequency Gravitational Wave Generator”(HFGWG) que forneceria o sistema de propulsão da embarcação criando ondas de gravidade que criariam um efeito de deslizamento.

Outra patente é o “Gerador de Campo Eletromagnético e método para gerar um Campo Eletromagnético” (Electromagnetic Field Generator and method to generate an Electromagnetic Field” (EFG) que geraria um escudo eletromagnético para deslocar e proteger a nave de ataques de qualquer tipo de armas, a intensa energia emitida por Ejeção de Massa Coronal de um sol/estrela, de raios cósmicos e quaisquer detritos espaciais. É importante ressaltar que tanto o HFGWG quanto o EFG seriam criados/alimentados pelo reator de fusão nuclear.

Outra patente é o “Supercondutor de Temperatura Ambiente Induzido por Piezoeletricidade” (Piezoelectricity-induced Room Temperature Superconductor), que pode armazenar enormes quantidades de energia elétrica. Esse “supercondutor de temperatura ambiente” é o que acabaria armazenando a energia elétrica produzida pelo reator de fusão nuclear. O supercondutor também permitiria que o HAUC e outras plataformas móveis (veículos) operassem por longos períodos se o reator de fusão nuclear ficasse offline, e fosse necessário usar uma fonte de alimentação de reserva.

Uma espaçonave menor exploradora aterrissando em base dos EUA no Novo México, com sistema de propulsão eletromagnético de reator de fusão de plasma, muito semelhante à espaçonave nazista Haunebu III:

Pela segunda vez, o Dr. Sheehy, da Naval Aviation Enterprise, interveio em apoio ao pedido do Dr. Salvatore Pais quando um segundo examinador de patentes rejeitou o supercondutor de temperatura ambiente como cientificamente inviável. A carta do Dr. Sheehy explicou por que o supercondutor “é operável e ativado através da física descrita no pedido de patente”.

Tingley e Rogoway cobriram extensivamente patentes anteriores concedidas ao Dr. Salvatore Pais e a controvérsia sobre as extraordinárias intervenções da Marinha em apoio às suas invenções amplamente consideradas por cientistas de código aberto e especialistas estrangeiros. Tingley e Rogoway especulam sobre possíveis explicações de por que a Marinha está fazendo isso:

A Marinha está construindo algum tipo de embarcação incrível baseada na ciência que permanece estranha à comunidade científica (os “acadêmicos eruditos”) em geral? Eles já produziram a tecnologia anos atrás e somente agora estão levantando lentamente o véu para a opinião pública? Eles estão desajeitadamente tentando imitar o que seus pilotos estão vendo (sobre os vídeos com perseguição de UFOs por pilotos da Marinha) em campo, mas ainda não conseguem explicar completamente? Essas patentes poderiam representar apenas uma má administração de recursos em nome da Marinha? Ou isso é algum tipo de peça elaborada de desinformação da Marinha – que parece ter surgido bem no passo da crescente competição entre pares como a Rússia e China e a maior expansão de programas avançados de desenvolvimento aeroespacial em décadas ?

A pergunta de Tingley e Rogoway: Eles já produziram a tecnologia anos atrás e somente agora estão levantando lentamente o véu para a opinião pública? Nos leva diretamente ao testemunho ocular de insiders e denunciantes e especialistas que afirmam ter trabalhado no desenvolvimento de grandes transportadoras espaciais acima de quilômetros de comprimento secretamente projetadas e implantadas pela Marinha dos EUA nas décadas de 1970 e 1980.

Testemunho de William Tompkins, em particular, destaca-se por ele afirmar que ele trabalhou em projetos de naves  transportadores espaciais de quilômetros de comprimento em forma de charuto enquanto trabalhava em um think tank secreto na Douglas Aircraft Company e em outras grandes empresas aeroespaciais das décadas de 1950 a 1970. O que dá grande importância ao testemunho de Tompkins é que ele trabalhou diretamente com o Dr. Wolfgang Klemperer, o ex-designer-chefe dos porta-aviões da Marinha dos EUA, o USS Akron e Macon, construído e implantado na década de 1930 pela empresa Goodyear-Zeppelin, onde ele trabalhou até 1936.

É importante ressaltar que Tompkins afirma que antes da implantação desses imensas naves espaciais com quilômetros de comprimento no início dos anos 80, a Marinha modernizou submarinos movidos a energia nuclear (fissão) como protótipo de espaçonave no final dos anos 70. Recentemente, entrevistei um engenheiro químico, que ainda trabalha na indústria e optou por permanecer anônimo, que afirma ter servido em um submarino nuclear adaptado como uma espaçonave em forma de charuto (o formato é exatamente o mesmo) e implantado no espaço em 1979. 

Se submarinos nucleares adaptados e transportadores espaciais de quilômetros de comprimento fossem secretamente implantados pela Marinha no final dos anos 1970 e no início dos anos 1980, como Tompkins alegou, então a fonte de alimentação necessária para elevar e impulsionar essas embarcações para a órbita da Terra excederia amplamente o usado por reatores “normais” de fissão nuclear desenvolvido pela ciência (ignorante) convencional.

Como Tingley e Rogoway apontam, os reatores de fissão nuclear nos modernos porta-aviões da classe Gerald Ford geram 0,7 gigawatts. Isso empalidece em comparação com o reator de fusão nuclear do Dr. Salvatore Pais que pode gerar até 1.000 gigawatts. Um submarino movido a fusão nuclear adaptado ou um transportador espacial de quilômetros de comprimento poderia, consequentemente, gerar energia elétrica suficiente para os sistemas de propulsão eletromagnética incorporados a essas embarcações, semelhante ao que o Dr. Salvatore Pais propôs para o veículo multiuso (ar, água e espaço) HAUC.

A publicação da Marinha dos EUA de um pedido de patente para um reator de fusão nuclear parece fazer parte de um processo de divulgação projetado para preparar a indústria aeroespacial e o público em geral para futuros anúncios de existência dos programas espaciais secretos desenvolvidos sigilosamente ao longo das últimas décadas. Vale ressaltar que Tompkins e outros afirmam que submarinos e transportadores espaciais modernizados foram implantados nas décadas de 1970/80, é diretamente apoiado pelo reconhecimento da Marinha de que os motores de fusão nuclear necessários para alcançar um feito tão estupendo são uma tecnologia viável.

Consequentemente, os reatores de fusão nuclear usados ​​no programa espacial secreto da Marinha têm mais de quatro décadas, o que fornece uma razão convincente para o fato de a Marinha estar permitindo o lançamento dessas tecnologias agora.

Criticamente, ao patentear o reator de fusão nuclear e outras tecnologias revolucionárias de propulsão eletromagnética lançadas pelo Dr. Salvatore Pais, a Marinha não apenas economizaria fundos que, de outra forma, teria que pagar às empresas pelo uso de tais tecnologias, mas também aumentaria potencialmente uma receita enorme no futuro. para financiar seu programa espacial secreto nas próximas décadas. 

O lançamento PÚBLICO da patente da Marinha de reatores de fusão nuclear é um evento extraordinário que pode revolucionar a indústria aeroespacial e nosso planeta muito rapidamente com energia elétrica barata e praticamente ilimitada. (© Michael E. Salla, Ph.D.)


“O medo é a emoção predominante das massas que ainda estão presas no turbilhão da negatividade da estrutura de crença da (in)consciência de massa. Medo do futuro, medo da escassez, do governo, das empresas, de outras crenças religiosas, das raças e culturas diferentes, e até mesmo medo da ira divina. Há aversão e medo daqueles que olham, pensam e agem de modo diferente (os que OUVEM e SEGUEM a sua voz interior), e acima de tudo, existe medo de MUDAR e da própria MUDANÇA.” –  Arcanjo Miguel

“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”.  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.


Leitura Adicional

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

One Response to Patente de Reator de Fusão nuclear da Marinha dos EUA e a criação de grandes naves mães

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.