browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Pfizer exige reservas bancárias, bases militares e edifícios de embaixadas dos países como garantia para as ‘vacinas’ COVID-19

Posted by on 26/02/2021

A gigante [Big Pharma] farmacêutica Pfizer tem mantido governos soberanos como resgate, fazendo exigências bizarras, pedindo reservas bancárias, edifícios de embaixadas e bases militares como garantia em troca da venda de suas [pseudo] vacinas mRNA COVID-19, ao mesmo tempo que não aceita nenhuma imputação legal e responsabilidade pelas mortes e danos colaterais de suas injeções mRNA.

A Pfizer exigiu que a Argentina colocasse suas reservas bancárias, bases militares e edifícios da embaixada em risco. A Argentina não concordou com as exigências da Pfizer. Outro país que a Pfizer fez exigências tão bizarras foi o Brasil.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Pfizer exige reservas bancárias, bases militares e edifícios de embaixadas dos países como garantia para as vacinas COVID-19

Fonte: Great Game Índia

A empresa americana Pfizer está exigindo resgate de governos, interferindo em suas legislações e até exigindo bases militares como garantia.

A Pfizer pediu que o governo da Argentina fosse indenizado pelo custo de quaisquer ações civis futuras, informou a WION .

Se alguém abrir um processo civil contra a Pfizer na Argentina e vencer o caso, o governo da Argentina, e não a Pfizer, pagará a indenização. Portanto, o parlamento da Argentina aprovou uma nova lei em outubro de 2020, mas a Pfizer não gostou da sua formulação.

A lei diz que a Pfizer precisa pagar pelo menos por negligência, por seus próprios erros, se acontecer de cometer algum no futuro. A Pfizer rejeitou isso, após o que a Argentina se ofereceu para alterar a lei para definir a negligência mais claramente – para incluir apenas a distribuição da vacina e entrega sob negligência.

A Pfizer ainda não gostou e exigiu que a lei fosse alterada por meio de um novo decreto, que a Argentina recusou. A Pfizer então pediu à Argentina que comprasse um seguro internacional para pagar por potenciais casos futuros contra a Pfizer, com o qual o país concordou.

Mas isso não foi suficiente, em dezembro de 2020, a Pfizer voltou novamente com mais demandas.  E desta vez a Pfizer exigiu os ativos soberanos da Argentina como garantia.

A Pfizer exigiu que a Argentina colocasse suas reservas bancárias, bases militares e edifícios da embaixada em risco de garantia.

A Argentina não concordou com as exigências da Pfizer. Outro país que a Pfizer fez exigências tão bizarras foi o Brasil.

A Pfizer disse ao Governo do Brasil para criar um fundo de garantia e depositar o dinheiro em uma conta bancária no exterior.

Em 23 de janeiro de 2021 – o Ministério da Saúde do Brasil divulgou um comunicado citando trechos das cláusulas de pré-contrato da Pfizer.

Aqui está uma lista das demandas da Pfizer:

  • Brasil renuncia à soberania de seus ativos no exterior em favor da Pfizer,
  • que as leis do pais não sejam aplicadas na Pfizer que elege N. York para questões legais,
  • que o Brasil leve em consideração um atraso na entrega,
  • que a Pfizer não seja penalizada por atrasos na entrega, e
  • que em caso de quaisquer efeitos e danos colaterais, a Pfizer estará isenta de qualquer responsabilidade civil.

O governo do Brasil chama essas cláusulas de abusivas. O acordo da Pfizer com o Brasil também falhou. A Pfizer até queria que a Índia pedisse suas vacinas COVID-19 sem nenhum teste local .

De acordo com o co-fundador da BioNTech, Dr. Ugur Sahin, a vacina mRNA COVID-19 que ele projetou para a Pfizer foi desenvolvida em apenas algumas horas em um único dia em 25 de janeiro de 2020. Nenhuma outra vacina na história foi criada e fabricada tão rapidamente. Anteriormente, a vacina mais rápida já desenvolvida levava mais de quatro anos.

Conforme relatado anteriormente pelo GreatGameIndia , a Pfizer pagou US$ 2,3 bilhões no maior  acordo de fraude em saúde da história para resolver responsabilidades criminais e civis decorrentes da promoção ilegal de certos produtos farmacêuticos.

Até mesmo, o governo dos  EUA pagou mais de US$ 57 milhões em compensação por lesões  e mortes por vacinas até março de 2020.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informações adicionais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

One Response to Pfizer exige reservas bancárias, bases militares e edifícios de embaixadas dos países como garantia para as ‘vacinas’ COVID-19

  1. Paulo Henrique

    Que a Pfizer enfie esta “vacina” no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.