browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Planos para emissão de “passaportes de imunidade” ao coronavírus devem preocupar a todos

Posted by on 08/06/2020

Se você já foi infectado pelo Covid-19, o recebimento de um passaporte de imunidade pode ser o seu bilhete para voltar a viver num mundo sem qualquer tipo de bloqueio e/ou lockdown- mas mesmo as empresas que projetam esses sistemas [de controle] não têm certeza de que esta é uma ideia que será ou deve ser amplamente utilizada. Um passaporte de imunidade ou certificado de saúde é uma maneira de provar às outras pessoas – seu chefe, uma companhia aérea ou um segurança em um bar, restaurante, lojas – que você tem anticorpos contra o coronavírus que causa o Covid-19. Pode ser um pedaço de papel, um código QR ou um código de cores em um aplicativo, mas, independentemente do formato, ele mostra que você não corre o risco de espalhar infecções para as outras pessoas.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Planos para emissão de “passaportes de imunidade” ao coronavírus devem preocupar a todos

Fontes:  https://www.wired.co.uk/article/uk-immunity-passports-coronavirus – 

“A ideia de que você pode limitar os direitos de ir e vir das pessoas com base nesse tipo de categorização é extremamente problemática”

No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou em abril contra a adoção de passaportes de imunidade, alegando que ainda não sabemos como a imunidade funciona com o Covid-19. Parece que ter tido a doença significa que é provável que você não a pegue novamente, mas ainda não está claro exatamente quanto tempo essa proteção dura ou quão forte ela será. 

A ciência ainda esta, indiscutivelmente, indecisa. Além disso, ainda não temos testes de anticorpos comprovados e prontamente disponíveis . “A OMS disse muito claramente que a ciência não existe”, diz Imogen Parker, chefe de políticas do Ada Lovelace Institute.

A ideia de emitir um passaporte ou certificado de imunidade digital também levanta preocupações de segurança e privacidade, não muito diferentes das que envolvem aplicativos de rastreamento de contatos . E, o sistema eleva o espectro de uma sociedade de duas camadas, com as pessoas consideradas imunes a continuar as suas vidas normalmente, enquanto o restante permanece em vários estados de bloqueio e diferentes tipos de restrições.

Apesar desses desafios e avisos, variações no certificado de imunidade ou passaporte já estão sendo usadas no Chile, enquanto Itália e Alemanha estão considerando adotar à ideia. O Reino Unido está ativamente interessado, com o secretário de saúde Matt Hancock dizendo que o governo estava trabalhando em “sistemas de certificação” – embora a imunidade deva ser melhor compreendida e os testes classificados primeiro.

Muitas empresas de tecnologia entraram na briga para oferecer versões digitais, e a Estônia está testando um sistema chamado Immunity Passport, desenvolvido por um grupo chamado Back to Work, liderado pelo fundador da Transferwise, Taavet Hinrikus. À medida que o país afrouxava seu bloqueio, buscou ferramentas para ajudar nesse processo, especialmente para os empregadores saberem que seus funcionários haviam sido testados. A Estônia já possui identidades digitais para todos os cidadãos, portanto o projeto foi vinculado a esse sistema. “A ideia era que eles pudessem agir com base nos dados, em vez de adivinhar os sintomas”, diz Harsh Sinha, CTO da Transferwise que também trabalhou no projeto.

Sinha diz que o trabalho começou em meio a discussões mais amplas sobre os testes de anticorpos, com colegas se perguntando se havia uma maneira de certificar os testes e mostrar essas evidências para outra pessoa por meio de um smartphone. Testes certificados são registrados no sistema e os usuários podem compartilhar seu status por meio de um código QR temporário. Uma vez digitalizado, mostra as informações de saúde necessárias e uma foto do usuário para identificação. O objetivo era dar aos trabalhadores da linha de frente mais confiança de que o ambiente de trabalho era seguro, além de permitir que as pessoas que haviam se recuperado da doença ajudassem a cuidar de parentes mais velhos.

Uma equipe de meia dúzia de colegas trabalhava à noite e nos fins de semana para montar um sistema, sabendo que os governos se esforçariam para avançar rapidamente. “Queríamos construir um protótipo rápido e interativo”, diz Sinha. É de código aberto e genérico o suficiente para ser adaptado à evidência científica à medida que surge.  Enquanto trabalhava no projeto, ficou claro que o teste de anticorpos era questionável, sugerindo que os passaportes de imunidade podem nunca ser úteis.

“Ficou claro que a probabilidade de ver a luz do dia era menor que um por cento”, diz Sinha. Isso porque sem testes de anticorpos prontamente disponíveis e confiáveis, esse aplicativo tem pouco uso. “A captura de dados deve estar presente no teste”, diz Sinha. “Sem isso, a tecnologia é tão boa quanto nada.”

Mesmo com os testes, e na medida que ainda não sabemos como a imunidade funciona, há pouco sentido em uma implantação mais ampla, diz Hinrikus. “Até que isso fique claro, não há sentido em expandir o projeto piloto”, diz Hinrikus. “Devemos ser claros quanto a isso, estamos construindo isso para economizar tempo no futuro… Depois que tivermos acordo sobre imunidade e disponibilidade de testes generalizados e baratos, poderemos implementá-lo mais amplamente. Mas não estamos sugerindo que, com base nos testes atuais de baixa qualidade, deveríamos realmente usá-lo”.

Além da ciência, há outro obstáculo para os passaportes de imunidade: a privacidade dos cidadãos. Essas ferramentas mantêm dados de saúde essenciais para o trabalho e a vida social, mantendo, portanto, a segurança e a privacidade. O sistema ImmunityPassport criado pela equipe da Transferwise é mantido centralmente e, por necessidade, não é anônimo, mas possui uma quantidade limitada de dados pessoais: seu nome, foto e status.

Existe uma versão descentralizada nos trabalhos, criada por pesquisadores do Instituto Turing. O sistema Secure AntiBody Certificate (SecureABC) permite que um profissional de saúde ou teste emita um certificado digital ou em papel confirmando um teste positivo de anticorpos, diz Chris Hicks, um dos principais pesquisadores do projeto.

O usuário receberia um código QR para imprimir ou armazenar em um aplicativo, que poderia ser digitalizado para provar os resultados e a identidade dos testes por meio de uma fotografia. “É um sistema descentralizado, no sentido em que o usuário mantém seu certificado e o profissional de saúde fica essencialmente offline ao provar o resultado do teste de anticorpos”, diz Hicks. 

“Nosso objetivo é replicar a privacidade de documentos de identidade não digitais tradicionais, como carteiras de motorista e passaportes, nos quais o emissor não aprende cada vez que uso um em uma loja para provar minha idade.” Seu co-autor, David Butler, acrescenta que a equipe prefere o termo certificado de anticorpos ao invés de passaporte de imunidade, pois o primeiro pode não levar ao segundo. “É um reflexo mais preciso do que o certificado faz”, diz ele.

E esse é um ponto chave e crítico, pois esses sistemas não são necessária e  especificamente sobre imunidade, diz Husayn Kassai, CEO e cofundador da Onfido, que está fornecendo sua verificação de identificação para projetos de certificação. Além de mostrar os resultados de um teste de anticorpos, eles também podem mostrar se você fez um teste de infecção recente ou está apresentando sintomas. “Pode verificar se você está portando o vírus agora – nesse caso, você deve estar isolado”, diz Kassai. “Ou pode ser um exame geral de saúde … se sua respiração estiver anormal, talvez não deva voltar ao trabalho.”

Qualquer sistema, um teste se você tem o vírus ou um verificador de sintomas, pode ser usado pelas companhias aéreas para permitir que os passageiros viajem ou façam check-in em hotéis ou até em shows, diz ele. Um sistema de verificação de sintomas está sendo testado em uma universidade dos EUA , com os alunos preenchendo um formulário digital antes de serem admitidos no campus.

Parker, do Ada Lovelace Institute, alerta que os sistemas baseados em sintomas podem causar problemas se eles incluírem uma ampla gama de fatores demográficos ou de saúde para avaliar o risco – por exemplo, os homens correm mais riscos de Covid do que os grupos BAME. “Atualmente, temos maneiras muito desajeitadas de efetivamente marcar grupos de risco”, diz Parker. “A idéia de que você possa vir a limitar os direitos das pessoas com base nesse tipo de categorização é extremamente problemática”.

Independentemente do tipo de teste usado, qualquer certificação de saúde levanta questões éticas de que os trabalhadores poderiam ser forçados a divulgar seu status de saúde aos empregadores e que esses dados poderiam dividir a sociedade. Hinrikus argumenta que essa é uma das razões pelas quais esses sistemas devem ser cuidadosamente implantados. “Como qualquer ferramenta, pode ser mal utilizada. Eu acho que há casos muito claros, nos quais estamos falando de idosos ou trabalhadores da linha de frente, onde faz muito sentido, mas exigir que toda a população use isso provavelmente não é possível.” Entre esses extremos, ele diz, há muito espaço em cinza onde os casos de uso precisarão ser discutidos e cuidadosamente considerados.

Se a única maneira de ir para o trabalho, recuperar uma vida social normal , ir a um restaurante e ou bar e ver a sua família é ter imunidade, existem alguns que podem levar as pessoas a serem infectadas intencionalmente, especialmente aqueles grupos que têm menor probabilidade estatisticamente de enfrentar doenças graves por Covid -19 – uma ideia que foi comparada com “festas de catapora” “Acho que é uma preocupação válida”, diz Rebecca Brown, do Centro Oxford de Ética Prática Uehiro da Universidade de Oxford. “Mas ter imunidade é uma vantagem quer os passaportes de imunidade existam ou não.”

Brown explica que também há um dilema ético de manter as pessoas recuperadas em isolamento quando elas não precisam mais estar lá. “Se você tem um grupo de pessoas imunes e um bloqueio geral, não está claro como você está justificando a manutenção de pessoas imunes no bloqueio”, diz Brown. “Qual é a justificativa para manter essas pessoas em uma situação em que suas liberdades civis são restritas de uma maneira que é muito incomum?”

Além disso, Brown acrescenta que as pessoas que sabem que se recuperaram do Covid-19 não precisam de um teste para provar a si mesmas, e isso provavelmente os levará a se comportar de maneira diferente, independentemente de um certificado digital. “Se você não está colocando em risco outras pessoas, viajando um pouco mais ou visitando a família, parece bastante provável que as pessoas tomem essa decisão por conta própria”, diz ela. “Introduzir uma política de imunidade geral como uma forma de formalizar isso e é uma maneira de confirmar se eles realmente são imunes ou se estão fingindo ou apenas supondo.”

Os políticos que procuram uma maneira fácil de sair do confinamento devem saber que essa tecnologia não é tão simples quanto parece. “É realmente crítico que … isso não é visto como uma solução para o problema da pandemia realmente muito difícil em que estamos atualmente”, diz Parker. “Há todo tipo de perguntas desafiadoras que precisam ser consideradas.”


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis“.  –  Apocalipse 13:11-18


Leitura adicional:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.