browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Por que a remota Groenlândia interessa tanto aos EUA e à China?

Posted by on 23/08/2019

Image result for GroenlândiaA proposta de compra da remota ilha da Groenlândia proposta pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pode soar estranha. Afinal, trata-se do território menos povoado da Terra, com mais de 2 milhões de quilômetros quadrados – mais ou menos um quarto da área do Brasil – e apenas 57 mil habitantes. Não é a primeira vez, no entanto, que os Estados Unidos tentam comprar a Groenlândia. Tecnicamente, o local é um território autônomo pertencente à Dinamarca – país responsável por bancar 60% do orçamento anual do governo e pela política externa e de defesa da ilha.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Por que a remota Groenlândia interessa tanto aos EUA e à China

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/geral-49429641

Na terça-feira (20/08), Trump decidiu suspender uma viagem no começo de setembro à Dinamarca (a quem a Groenlândia pertence) devido à falta de interesse da primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, em discutir a proposta. A Groenlândia é a maior ilha do mundo (a Austrália não é considerada uma ilha, e sim um continente).

Foto de satélite do território da gelada Groenlândia

Não é a primeira vez, no entanto, que os Estados Unidos tentam comprar a Groenlândia. Tecnicamente, o local é um território autônomo pertencente à Dinamarca – país responsável por bancar 60% do orçamento anual do governo e pela política externa e de defesa da ilha.

A ideia surgiu nos EUA durante a década de 1860, pelo então presidente Andrew Johnson. Um relatório do Departamento de Estado dos EUA, de 1867, sugere que a localização estratégica e a abundância de recursos tornavam a ilha uma aquisição importante.

Jonathan Marcus, analista de assuntos diplomáticos da BBC, diz que “basta olhar no mapa para ver como Rússia e Alasca (que pertence aos EUA) estão perto da Groenlândia.”

“A Groenlândia é um território importante do ponto de vista da defesa dos EUA. Eles têm lá uma importante base (militar) com sistemas de rastreamento espacial e de detecção de lançamentos de mísseis”, diz Marcus.

“A zona é importante estrategicamente e, conforme avança o degelo (na região ártica), e as rotas marítimas se abrem, o local de se torna cada vez mais crucial para os países que estão fisicamente próximos dele e também para a China”, diz.

Primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen.

“Estou surpresa e chateada que o presidente dos EUA tenha cancelado uma visita de Estado”, dise a primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, o território tornou-se um ponto-chave para evitar um hipotético ataque soviético. A Groenlândia está no meio do caminho entre os EUA e a Rússia. Em 1946, o presidente americano Harry Truman ofereceu à Dinamarca US$ 100 milhões em ouro pela Groenlândia, mas a Dinamarca rejeitou a oferta.

A recusa dinamarquesa, no entanto, não impediu que os dois países assinassem um tratado de defesa em 1951. Paralelamente à criação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o tratado permitiu aos Estados Unidos construir uma base aérea em Thule, a menos de 1.600 km do Pólo Norte, na costa noroeste da ilha.

Base Aérea de Thule, também conhecida como Aeroporto de Thule ou Aeroporto de Pituffik é um aeroporto militar da Força Aérea dos Estados Unidos. Está situado no noroeste da Groenlândia e é o segundo aeroporto mais setentrional da Groenlândia, estando mais a norte apenas o Aeroporto de Qaanaaq.

Este aeroporto foi muito importante durante a Segunda Guerra Mundial e oferece uma das únicas paisagens do mundo, com alguns icebergs, a calota polar e o Fiorde Wolstenholme. Possui uma pista asfaltada com 3.047 metros de comprimento, sendo um dos aeroportos mais compridos da Groenlândia.

A base militar de Thule, pertencente aos EUA, fica no local conhecido como Pituffik.

A base dos EUA, em operação até hoje, é a única instalação militar dentro do Círculo Polar Ártico. É também o porto e a base aérea mais setentrional (mais ao norte) dos EUA, o que faz dela uma peça-chave em um eventual conflito na região do Círculo Polar Ártico.

O local também abriga o 12º Esquadrão de Alerta Espacial dos EUA, um grupo de oficiais e combatentes da Força Aérea americana responsável pela defesa antimísseis e espacial do país. Para isso, contam com um enorme sistema de radares, segundo o site Defensenews. A base na Groenlândia é “ideal para rastrear mísseis balísticos intercontinentais e satélites em órbita terrestre baixa”, segundo a publicação.

Mudança climática e recursos naturais

Os Estados Unidos têm interesse em reforçar sua presença no Ártico para, entre outras coisas, fazer frente à crescente presença russa na região – tanto militar quanto civil. Isto “tornaria mais difícil para a Rússia selar seu controle do Mar do Norte e aliar-se com a China para monopolizar a rota”, diz o colunista da agência de notícias Bloomberg, Leonid Bershidsky.

A rota é a via marítima mais ativa do Ártico, e passa por águas territoriais russas. Vai desde o mar de Barents, perto da fronteira da Rússia com a Noruega, até o Estreito de Bering, entre a Sibéria e o Alasca. As embarcações que trafegam por esta rota precisam de autorização da Rússia, explica uma reportagem da revista britânica The Economist.

Mas não é só a localização estratégica que faz da Groenlândia, com seus 56 mil habitantes, um território desejado pelas grandes potências. A mudança climática e o consequente degelo do Ártico, que está acontecendo de forma acelerada na região, tornam mais fácil o acesso aos grandes recursos naturais da região.

Operação da Nasa no Ártico

A Nasa usa a base de Thule para realizar pesquisas espaciais

Em junho passado, na contramão da busca global por combustíveis alternativos, as autoridades da Groenlândia detalharam o plano de tornar a região uma potência petroleira. Os 10 pontos do plano propõem uma estratégia de cinco anos para iniciar a prospecção de petróleo no local. Estima-se que o Ártico, onde a Groenlândia está localizada, detenha 13% das reservas de petróleo a serem descobertas no mundo.

Além disso, já em 2013, o parlamento local suspendeu a proibição, que vigorava há 25 anos, para atividades de mineração de materiais radioativos como o urânio. A ilha tem alguns dos maiores depósitos de “terras raras” do mundo, entre as quais destacam-se o neodímio, o praseodímio, o disprósio e o térbio, entre outras. Além do urânio, também existem na ilha derivados de zinco.

O papel da China

As chamadas “terras raras” possuem propriedades comerciais únicas e são matérias-primas fundamentais para a produção de tecnologias de comunicação e energia, como turbinas eólicas, veículos elétricos e aparelhos celulares.

Patrik Andersson, Jesper Willaing Zeuthen e Per Kalvig, da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Aalborg (na Dinamarca), argumentam em um artigo acadêmico que a China alcançou o monopólio de todos os segmentos das cadeias produtivas associados a esses elementos químicos.

Criança

A maioria da população da ilha, que foi uma colônia dinamarquesa, é de origem Inuit, conhecidos como esquimós.

Atualmente, a União Europeia importa 90% de suas terras raras da China. Na Groenlândia, o país asiático está envolvido no Projeto Kvanefjeld, no sul da ilha. O objetivo é abrir uma mina de urânio e terras raras (como neodímio, disprósio e ítrio), em conjunto com uma empresa australiana.

Esta não é a única aposta da China para aumentar sua presença na Groenlândia. No ano passado, uma empresa estatal chinesa se propôs a construir três novos aeroportos na ilha, o que levou o governo dinamarquês a fornecer metade do financiamento.

De acordo com o que Andersson, Willaing e Kalvig, a iniciativa do governo foi amplamente interpretada na Groenlândia e na Dinamarca como uma tentativa de afastar a influência chinesa e impedir que a potência asiática tivesse um aeroporto para suas aeronaves militares, bem como maior poder econômico sobre o governo local.

“A questão da mineração na Groenlândia e, principalmente, o investimento chinês nesse setor provocou debate sobre o papel do setor nas questões de segurança, bem como se os interesses econômicos chineses na Groenlândia podem afetar a discussão sobre a eventual independência da Groenlândia (da Dinamarca)”, explica Marc Lanteigne, professor associado de Ciência Política na Universidade de Tromsø, no site The Diplomat.

Vista de cidade na Groenlândia

A Groenlândia é um território imenso no qual vivem apenas 57 mil pessoas

Numa viagem à Groenlândia no fim do ano passado, o jornalista da BBC John Simpson percebeu que a opinião sobre a influência chinesa na ilha tendia a se dividir de acordo com a etnia. Os dinamarqueses estavam mais preocupados, enquanto que os Inuits – que formam 80% da população local – viam a aproximação chinesa de forma positiva.

Embora a proposta de Trump tenha pouca (ou nenhuma) chance de sucesso, a movimentação “poderia pressionar a Dinamarca a se manter firme contra a expansão dos interesses chineses no território e dar mais espaço comercial e militar aos Estados Unidos”, escreve Catherine Philp, correspondente diplomática do The Times.

A atitude do líder dos EUA também poderia, por outro lado, “danificar as relações entre dois aliados da Otan e afastar a Dinamarca e a Groenlândia“. De qualquer forma, é uma amostra da importância estratégica crescente desta ilha remota no Ártico.


Image result for the end gifs

Isto é tudo pessoal, o Tempo acabou!

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente  ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

One Response to Por que a remota Groenlândia interessa tanto aos EUA e à China?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.