Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Por que Hospício Ocidental está revelando a presença de seus soldados na Ucrânia?

ILLUMINATI-DEEP-STATE-FIM-DE-JOGO

Já há algum tempo que é um segredo aberto que o Ocidente tem fornecido à Ucrânia financiamento, armas, treino, manutenção, informação direcionada e informações sobre a posição das forças e vulnerabilidades russas, e até mesmo jogos de guerra. Eles forneceram tudo à Ucrânia, menos aberta e diretamente os corpos. O presidente Joe Biden há muito insiste  que as tropas americanas “não estão e não estarão envolvidas num conflito com a Rússia na Ucrânia”. O Ocidente há muito nega que esteja diretamente envolvido na guerra ou que tenha tropas na Ucrânia. Mas . . .

Por que Hospício Ocidental está revelando a presença de seus soldados na Ucrânia?

Fonte: The Libertarian Institute – De autoria de Ted Snider 

E isso é principalmente verdade. São os soldados ucranianos que estão sendo feridos e mortos, às centenas de milhares. Mas isso não é inteiramente verdade. Após dois anos de negação firme, houve, durante apenas algumas semanas, em Fevereiro e Março, uma enxurrada de admissões e revelações de que há tropas de países da OTAN na UcrâniaA questão é: por quê agora, até porque a Ucrânia esta sendo derrotada ? Qual é a motivação por trás desse súbito tesouro de revelações ?

O frenesi foi desencadeado pela divulgação de uma transcrição de uma conversa interceptada em 19 de fevereiro entre altos funcionários da força aérea alemã, que revelou que o Reino Unido tem pessoas no terreno na Ucrânia. Discutindo como os mísseis de longo alcance alemães Taurus poderiam ser operados na Ucrânia, um funcionário disse que os alemães “sabem como os ingleses fazem isso…Eles têm várias pessoas no local”. 

A conversa entre os militares alemães também parece implicar os Estados Unidos. Um funcionário disse: “Sabe-se que há muitas pessoas em trajes civis que falam com sotaque americano”.

Em 26 de fevereiro, uma  reportagem do New York Times revelou quem poderiam ser esses civis. Mais de 200 funcionários atuais e antigos vazaram para o Times que “dezenas” de oficiais da CIA estão no terreno na Ucrânia, onde “ajudam os ucranianos”, fornecendo “inteligência para ataques com mísseis direcionados” e ” apoio de inteligência para operações letais contra forças russas em solo ucraniano”.

Em 26 de fevereiro, o chanceler alemão, Olaf Scholz, ampliou a lista para incluir a França. Scholz defendeu a sua decisão de não enviar mísseis Taurus para a Ucrânia, dizendo que isso exigiria a presença de alemães na Ucrânia para igualar os seus homólogos britânicos e franceses. Ele explicou  candidamente que: “O que está sendo feito em termos de controle de alvos e acompanhamento do controle de alvos por parte dos britânicos e franceses não pode ser feito pela Alemanha.”

E em 8 de Março, o Ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Radoslaw Sikorski, confirmou de forma surpreendente  que “o pessoal militar da OTAN já está presente na Ucrânia”. Crítico de Scholz, diferenciou-se ao não revelar quais os países da OTAN que já estão com militares na Ucrânia.

“Os soldados da OTAN já estão presentes na Ucrânia. E gostaria de agradecer aos embaixadores desses países que assumiram esse risco. Estes países sabem quem são, mas não posso divulgá-los. Ao contrário de outros políticos [Sholz], não vou listar esses países .”

O ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Radek Sikorski, diz “As tropas dos países da OTAN já estão na Ucrânia” – e depois agradece a esses países. Sikorski é casado com a escritora neoconservadora raivosa Anne Applebaum. Esses lunáticos começarão a 3ª Guerra Mundial se tiverem oportunidade.

A França e a Grã-Bretanha teriam respondido com indignação à conversa interceptada da Força Aérea da Alemanha. E eles ficaram igualmente furiosos com Scholz por sua revelação. O ex-ministro da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, disse que “o comportamento de Scholz mostrou que, no que diz respeito à segurança da Europa, ele é o homem errado, no emprego errado, na hora errada”.

Alicia Kearns, presidente da comissão de relações exteriores do Parlamento britânico, classificou  o comentário de Scholz como “errado, irresponsável e um tapa na cara dos aliados”. Um diplomata baseado em Berlim teria dito que “Macron e Scholz nem sequer estão conversando um com o outro”.

Mas apesar da raiva por terem sido criticados, nem os britânicos nem os franceses negaram a revelação de Scholz. Apesar do comentário de Kearns de que Scholz está “errado”, o gabinete do primeiro-ministro britânico confirmou que eles têm forças no terreno ucraniano: “Além do pequeno número de pessoal que temos no país apoiando as forças armadas da Ucrânia, não temos planos para implantação em larga escala“.

Os franceses responderam dizendo que se não têm tropas na Ucrânia, talvez devessem tê-las; não é exatamente uma repreensão furiosa a Scholz. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse: “Hoje não há consenso para enviar tropas oficiais e endossadas para o terreno. Mas em termos de dinâmica, nada pode ser descartado”.

Embora Scholz tenha respondido imediatamente que o consenso era “que não haverá tropas terrestres, nem soldados da OTAN em solo ucraniano que sejam enviados para lá por estados europeus ou estados da OTAN”, Macron destacou: “Muitas das pessoas que dizem ‘nunca, nunca’ hoje foram as mesmas pessoas que disseram nunca, nunca tanques; nunca, nunca aviões; nunca, nunca mísseis de longo alcance… Lembro-lhes que há dois anos, muitos em torno desta mesa disseram: ‘Ofereceremos sacos de dormir e capacetes.”

Em apenas algumas semanas, “vazamentos” de informações americanas e alemãs colocaram tropas dos EUA na Ucrânia, a Alemanha colocou a França e a Grã-Bretanha na Ucrânia, os britânicos confirmaram que estavam na Ucrânia, a Polônia confirmou que as tropas da OTAN estavam na Ucrânia e a França sugeriu que, se eles ‘não estão oficialmente’, talvez devessem estar. Qual é a motivação por trás deste súbito coro de confissões?

Existem pelo menos quatro – e provavelmente muito mais – possibilidades. Todas elas são apenas especulações.

O menos assustador é que, reconhecendo que o Ocidente perdeu a guerra na Ucrânia e que, depois de encorajar a Ucrânia a rejeitar uma solução diplomática a favor de prosseguir a luta com a promessa de armas e apoio ocidentais durante o tempo que fosse necessário, os líderes os apoiantes da Ucrânia estão tentando provar que fizeram tudo o que podiam: até colocar tropas no terreno na Ucrânia.

A segunda menos assustadora é que “vazamentos” de informações e revelações têm como objetivo pressionar os Estados Unidos e alguns países europeus a enviarem mais ajuda financeira e pacotes de armas e munições para a Ucrânia [que esta sem soldados]. A crença pode ser que eles achariam essa opção mais palatável do que cruzar a sua própria linha vermelha e enviar tropas para a Ucrânia.

A terceira menos assustadora é que o Ocidente esteja tentando criar na Rússia uma percepção de ambiguidade estratégica. O jornal francês Le Monde relata :

“O gabinete de Macron explicou que o objetivo é restaurar a ‘ambiguidade estratégica’ do Ocidente. Após o fracasso da contra-ofensiva ucraniana de 2023, o presidente francês acredita que prometer dezenas de bilhões de euros em ajuda e entregar equipamento militar – adiado – a Kiev já não é suficiente. Especialmente se Putin estiver convencido de que o Ocidente descartou permanentemente a mobilização das suas forças”.

A possibilidade mais assustadora que me foi sugerida é a de que os psicopatas e dementes do Hospício do Ocidente está levando a sério tanto o fato das tropas da OTAN já estarem na Ucrânia como a possibilidade de enviar mais soldados da OTAN não estar descartada [porque é justamente SOLDADOS que estão faltando desesperadamente para lutar na e pela Ucrânia].

Os vazamentos e revelações têm como objetivo lançar as bases para o envio de mais tropas. A ideia é vender a ideia de enviar mais tropas, dessensibilizando os relutantes parceiros ocidentais ao risco, salientando que o risco já foi assumido. Poderiam até acrescentar que a Rússia sabe disso e [AINDA] não intensificou e atraiu o Ocidente para uma guerra OTAN-Rússia.

Se for verdade, esse é um risco perigoso e difícil de calcular. Quantos soldados poderiam ser enviados antes de desencadear uma pesada resposta russa? Esperemos que os Estados Unidos, a Alemanha e outros, incluindo a Espanha, a Grécia e a Eslováquia, sejam sinceros na sua insistência em que não sejam enviadas (mais?) tropas da OTAN para a Ucrânia.

Uma fonte alemã disse ao  Le Monde  que Macron “disse que não havia consenso sobre o assunto, mas isso não é verdade: a verdade é que a França estava isolada porque a maioria dos participantes expressou a sua clara recusa de participar no envio de soldados para lutar contra a Rússia”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *