Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Porque a tão esperada ‘Contra-Ofensiva’ ucraniana foi adiada 

O mês de maio chegou [a primavera no hemisfério norte], mas sem a tão esperada, propagandeada e alardeada “contra-ofensiva” ucraniana. A mídia ocidental está especulando que ela pode chegar no final de maio. Há também a ideia de que Kiev é criteriosa em “ganhar tempo”. As chances da Ucrânia fazer algum tipo de “avanço” na linha de frente russa de 950 km de extensão não podem ser descartadas, mas uma contra-ofensiva russa é quase certo que aconteça. 

Para onde vai a tão esperada e alardeada contra-ofensiva da Ucrânia?

Fonte: indianpunchline.com

Uma guerra sem fim não será adequada para as potências ocidentais.

Na semana passada, o principal comandante da OTAN, o general do Exército dos EUA Christopher Cavoli afirmou que o exército russo operando na Ucrânia é maior do que quando o Kremlin lançou sua operação militar especial e os ucranianos “têm que ser melhores do que a força russa que enfrentarão” e decidir quando e onde eles vão atacar.

Cavoli disse que a Rússia tem profundidade estratégica em mão de obra e perdeu apenas um navio de guerra e cerca de 80 caças e bombardeiros táticos em uma frota aérea de cerca de mais de 1.000 aviões até agora. O general contradisse honesta e gentilmente o secretário de Defesa Lloyd Austin e o chefe do Estado-Maior o general ‘acordado’ Mark Milley, que têm propagado que a Rússia está “à beira da derrota”.

Falando no painel da Câmara na quarta-feira, o general Cavoli disse: “Esta guerra está longe de terminar”.  Na quinta-feira, ele foi além ao dizer ao Senado: “Acho que [os russos] podem lutar mais um ano”.  Na audiência da Câmara, Cavoli também disse que a atividade submarina russa só aumentou no Atlântico Norte desde o início da guerra e nenhuma das forças nucleares estratégicas do Kremlin foi afetada pelas operações na Ucrânia. Ele disse em um ponto de seu testemunho escrito :

“As forças aéreas, marítimas, espaciais, cibernéticas e estratégicas russas não sofreram nenhuma degradação significativa na guerra atual. Além disso, a Rússia provavelmente reconstruirá seu futuro Exército em uma força terrestre considerável e muito mais capaz… A Rússia mantém um vasto estoque de armas nucleares implantadas e não implantadas, que representam uma ameaça existencial para os EUA.” 

Claramente, toda a narrativa de mentiras, propaganda e ofuscamento criada pelos neocons na manipulação e controle do governo [de ‘Dementia’ Joe] Biden no ano passado se desfez. O balanço mostra que não há nada que justifique a enorme quantidade de ajuda à Ucrânia durante o período de um ano – mais de $ 100 bilhões de dólares, o que é pro rata muito mais do que o que os EUA gastaram nos vinte anos de guerra no Afeganistão. 

O testemunho do general Cavoli veio logo após o vazamento mais recente de documentos do Pentágono que apresentou uma imagem sombria do estado de preparação militar de Kiev e da falta de confiança do governo Biden no regime de Zelensky.

Os documentos do Pentágono ecoaram, com efeito, um estudo de janeiro intitulado Evitando uma longa guerra pela RAND Corporation, que recomendou que “o interesse primordial dos EUA em minimizar os riscos de escalada deve aumentar o interesse dos EUA em evitar uma longa guerra (na Ucrânia). Em suma, as consequências de uma guerra longa – variando de riscos elevados persistentes a danos econômicos – superam em muito os possíveis benefícios”. 

De fato, parece que há um fluxo significativo de opiniões divergentes dentro do establishment de segurança e defesa dos EUA, que estima que os controladores do senil marionete presidente [‘Dementia’ Joe] Biden levou os EUA a uma trajetória política desastrosa que está fadada a ter um resultado calamitoso – uma inevitável derrota humilhante na Ucrânia que pode prejudicar a aliança da OTAN, enfraquecer o sistema transatlântico e corroer a credibilidade dos EUA como potência global. 

Veteranos bem informados da comunidade de inteligência dos EUA consideram o vazamento de documentos do Pentágono como um minimotim. O ex-analista da CIA, Ray McGovern, disse à CGTN da China:

“Acredito que alguns formuladores de políticas seniores do Pentágono, nos escalões mais altos do Departamento de Defesa, tenham decidido: ‘Sabe, é uma missão tola na Ucrânia. Talvez tenhamos que revelar a verdade. Talvez tenhamos exposto pessoas como o chefe de gabinete Milley e o secretário Austin pelas mentiras que contaram sobre o progresso ucraniano a de que os russos estão sendo pulverizados. E, talvez, isso impeça esse alargamento da guerra”.

O conhecido ex-analista da CIA, Larry Johnson, compartilha da mesma opinião. Ele escreveu :

“Isso parece um vazamento controlado e direcionado… o material vazado não é material de inteligência aleatório. Ele é projetado para contar várias histórias. O mais proeminente é a deterioração das capacidades militares ucranianas e os principais obstáculos enfrentados pelos Estados Unidos e o restante da OTAN no fornecimento de defesa aérea, projéteis de artilharia, peças de artilharia e tanques extremamente necessários. Em outras palavras, a Ucrânia vai quebrar e queimar.”

Johnson acrescentou :

“Deixe-me sugerir uma possibilidade para esse vazamento – criar um predicado para forçar [o senil marionete presidente ‘Dementia’ Joe] Biden a deixar o cargo. As revelações nos documentos classificados não são invenções destinadas a enganar os russos. Tampouco são o tipo de material para reunir mais apoio dos EUA para despejar mais recursos no buraco negro da Ucrânia. Esses vazamentos alimentam o meme de que a equipe de Biden é incompetente e está colocando em risco os interesses americanos no exterior”. 

Não se engane, essas tentativas de golpe do Estado Profundo não são novidade na história presidencial dos EUA – Eisenhower foi prejudicado quando buscou détente com a União Soviética; todo um corpus de materiais disponíveis hoje sugere que a CIA incriminou Nixon no caso Watergate. Hoje, tudo isso está acontecendo tendo como pano de fundo o presidente [‘Dementia’ Joe] Biden buscando um segundo mandato nas eleições de 2024.

Quanto ao próprio Zelensky, ele tem plena consciência de que o sucesso ou o fracasso de sua “contra-ofensiva” será crítico para a continuidade do apoio ocidental. Levando tudo em consideração, um cenário diplomático confuso se aproxima, um cenário que também abriria divisões entre os países ocidentais e no qual a China poderia desempenhar um papel mais importante. 

Não há garantia de que o apoio público à guerra por procuração de Biden se manterá até a eleição de 2024. Basta dizer que é cada vez mais duvidoso que Biden sacrifique sua presidência por causa da guerra na Ucrânia. Estes são, obviamente, os primeiros dias. Um grande navio precisa de um grande arco para virar. 

Os russos estão tomando suas decisões com base em suas próprias avaliações. Houve uma perceptível escalada de ataques russos contra instalações militares ucranianas nos últimos dias. Ataques maciços nas áreas de retaguarda dos militares ucranianos foram relatados .

Um ataque no domingo à infraestrutura ferroviária e depósitos de munição e combustível em Pavlogrado, um importante centro de comunicação perto da quarta maior cidade da Ucrânia, Dnepropetrovsk, foi particularmente devastador, destruindo um comboio ferroviário com cerca de 200 toneladas de munição. As tropas ucranianas estavam se acumulando em Pavlogrado para uma ofensiva contra Zaporozhye. Duas divisões de mísseis S-300 também foram destruídas.

Guerra sem fim… Acho que não. A Ucrânia pode precisar de outra contra-ofensiva, e conseguir o F-16 dependerá dos resultados da primeira, – Chanceler Kuleba

“A batalha decisiva será aquela que levará à libertação completa dos territórios ucranianos”. Kuleba também disse que a decisão de fornecer caças F-16 à Ucrânia “estará ligada aos resultados da contra-ofensiva”, disse Kuleba. Se a Ucrânia tivesse F-16 agora, a contra-ofensiva “seria muito mais rápida”, disse ele.

No fim de semana, o ex-presidente da Rússia Dmitry Medvedev escreveu no canal Telegram que a Rússia deveria buscar a “destruição em massa” de pessoal e equipamento militar ucraniano e impor uma “derrota militar máxima” às Forças Armadas da Ucrânia; lutar pela “derrota completa do inimigo e a derrubada final do regime nazista em Kiev com a desmilitarização completa de todo o território da ex-Ucrânia”; e seguir em frente com represálias contra figuras-chave do governo Zelensky, “independentemente de sua localização e sem limites”.

Medvedev acrescentou: “Caso contrário, eles não vão se acalmar… e a guerra vai se arrastar por muito tempo. Nosso país não precisa disso.” O clima ficou feio e o conflito está prestes a tomar um rumo cruel, já que a diplomacia encalhou completamente.


Rússia lançou ataque em larga escala contra instalações industriais militares ucranianas

Os ataques interromperam a produção de munição e armamento de Kiev, de acordo com o Ministério da Defesa da Rússia.

Os militares russos lançaram um ataque de mísseis em larga escala contra a indústria militar da Ucrânia, interrompendo a produção de armas e munições, disse o Ministério da Defesa nessa segunda-feira [01/05].

“… as Forças Armadas Russas da Federação Russa lançaram um grupo de ataque de mísseis com armas de precisão de longo alcance, baseadas no ar e no mar, no complexo militar-industrial da Ucrânia”, disse o ministério durante seu briefing diário à mídia, acrescentando que “todos os alvos designados foram atingidos.”

Embora os militares russos não tenham especificado quais locais foram atingidos exatamente, a mídia ucraniana relatou ataques nas regiões de Kiev, Sumy e Dnepropetrovsk. Este último aparentemente experimentou o pior, com uma grande explosão relatada nos arredores da cidade de Pavlogrado.

Imagens não verificadas que circulam online mostram as consequências dos ataques perto da cidade. O ataque aparentemente também causou uma enorme explosão secundária, seguida por várias explosões menores. As imagens disponíveis mostram numerosas colunas de fumaça branca no local, normalmente causadas pela detonação de projéteis de combustível sólido, como mísseis antiaéreos.

O ataque de Pavlogrado destruiu os estoques de combustível e munição da 46ª Brigada Aerotransportada da Ucrânia, que está se preparando para a tão esperada contra-ofensiva ucraniana, afirmou Vladimir Rogov, um alto oficial russo na região de Zaporozhye, citando relatos de moradores locais. Os ataques também destruíram duas baterias antiaéreas S-300 estacionadas na área, disse o oficial à agência de notícias TASS.

De acordo com os serviços de emergência ucranianos, as explosões em Pavlogrado danificaram e destruíram até 80 residências e cerca de duas dúzias de prédios de vários andares. Os serviços de emergência também reconheceram danos a uma “instalação industrial” não especificada na área, sem revelar sua natureza exata.

Nos últimos dias, tanto a Rússia quanto a Ucrânia aparentemente aumentaram os ataques de longo alcance um contra o outro, com o aumento das atividades militares antes da contra-ofensiva ucraniana há muito anunciada. Moscou reivindicou a destruição de vários postos de comando usados ??pelos militares ucranianos e relatou agrupamentos impressionantes de reservas ucranianas. Kiev’, por sua vez, intensificou o bombardeio de áreas residenciais da cidade russa de Donetsk, bem como de outras regiões fronteiriças, causando várias baixas civis.

As forças ucranianas também realizaram um ataque a um depósito de petróleo na Crimeia, com a porta-voz do comando militar ucraniano do sul, Natalya Gumenyuk, confirmando que o ataque ocorreu em preparação para a contra-ofensiva de Kiev.


Trem de munição ucraniano destruído – MoD russo

Um grande carregamento de armamento foi destruído em um ataque perto de Kramatorsk, de acordo com o Ministério da Defesa da Rússia

As forças russas destruíram um trem ucraniano que transportava até 200 toneladas de munição, afirmou o Ministério da Defesa de Moscou no domingo. O ataque teria ocorrido na República Popular de Donetsk, na Rússia, perto da cidade de Kramatorsk, que permanece sob controle ucraniano.

Os militares russos também têm visado ativamente as unidades de artilharia ucranianas, anunciou o porta-voz do ministério, tenente-general Igor Konashenkov, durante uma coletiva de imprensa.

“Nas últimas 24 horas, unidades de aviação tática e militar, mísseis e artilharia das Forças Armadas Russas atingiram 82 unidades de artilharia ucranianas em suas posições de tiro, mão de obra e equipamentos em 115 áreas”, afirmou Konashenkov 

O ataque ao trem parece ser o maior ganho militar do dia, mas as forças russas em ações anteriores também reivindicaram um ataque a um posto de comando da 81ª brigada aerotransportada da Ucrânia perto da vila de Belogorovka, na República Popular de Lugansk.

Nos últimos dias, as forças russas e ucranianas intensificaram os ataques de longo alcance umas contra as outras. No sábado, os militares russos reivindicaram a destruição de um importante centro de comando ucraniano, responsável pelas operações das tropas do sul de Kiev. O bombardeio foi realizado com mísseis de cruzeiro baseados no mar Negro, de acordo com Moscou.

No início desta semana, os militares russos lançaram uma grande salva de mísseis na Ucrânia, visando vários agrupamentos de reservas militares ucranianas. Os militares disseram que o ataque foi um sucesso e impediu a redistribuição de reservas para a linha de frente.

Durante o bombardeio, um prédio residencial de vários andares foi danificado na cidade ucraniana de Uman, com mais de 20 civis mortos, segundo Kiev. Embora não tenha ficado imediatamente claro o que exatamente atingiu o prédio, as autoridades ucranianas culparam Moscou pelo incidente. No entanto, as próprias tropas de Kiev atingiram alvos civis no país – e até além – com projéteis de defesa aérea em várias ocasiões durante o conflito, que dura desde fevereiro de 2022.

A Ucrânia, enquanto isso, intensificou o bombardeio das regiões fronteiriças da Rússia, incluindo a cidade de Donetsk, que tem sido submetida a ataques de artilharia e foguetes quase diariamente. Na sexta-feira, a cidade sofreu um grande bombardeio, que destruiu e danificou vários edifícios residenciais e infraestrutura crítica, deixando pelo menos nove civis mortos e mais de uma dúzia de feridos.

Durante a noite, as forças de Kiev bombardearam a aldeia de Suzemka na região russa de Bryansk, matando pelo menos quatro civis, de acordo com o governador local, Aleksandr Bogomaz.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. Essa é a guerra mais estranha que estamos vendo… os dois lados se concentram na destruição completa da Ucrânia… parece que não querem deixar rastros das atividades anteriores a essa guerra…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *