browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

‘Preparados para o Juízo Final’ alertam para tempos difíceis à frente na medida que a crise generalizada acontece

Posted by on 04/04/2022

Escassez de alimentos. Combustíveis. Gás. Motins de comida e saques em lojas. Lei Marcial. Tudo isso está chegando – e em breve, diz o cientista de alimentos do Texas e podcaster do “Health Ranger” Mike Adams, que vê esses eventos terríveis se desenrolando nos EUA e Europa no curto prazo. Seu AVISO: as pessoas precisam se preparar agora, previdência é tudo. “O que realmente deve ser observado é a inflação dos alimentos”, disse Adams.

Doomsday ‘Preppers’ alertam para tempos difíceis à medida que a Preparação para enfrentar o Juízo Final’ se torna mainstream

Fonte: The Epoch Times – Por Allan Stein

“Minha posição é que veremos distúrbios alimentares nos Estados Unidos antes do final deste ano. Vamos ver saques em supermercados – especialmente para produtos de carne. “Os supermercados vão responder com mais segurança e postos de controle. Em algum momento, provavelmente veremos uma tentativa de controle de preços e racionamento. 

“E não será em tudo – apenas certos tipos de produtis. É quase certo que o racionamento eles tentarão aplicar com um aplicativo de passaporte de vacina que se torna um aplicativo de racionamento de alimentos”, disse Adams ao Epoch Times.

Adams não está sozinho em suas previsões de tempos difíceis para a América – e o mundo. Com a produção de alimentos diminuindo sob o peso da inflação descontrolada, os custos de combustível disparados e a escassez de fertilizantes , muito do que está reservado já está “embutido” e acontecendo.

Solo infértil

Na América do Norte, há dois anos, o fertilizante custava em média cerca de US$ 200 o acre para fertilizar uma fazenda comercial de 1.000 acres, disse Adams. No momento, com o plantio de primavera [no hemisfério norte] se iniciando agora, os agricultores podem esperar pagar de US$ 1.200 a US$ 2.000 por acre, é um aumento brutal.

E os consumidores pagarão por isso em preços mais altos para atender às suas necessidades básicas de alimentos derivados de trigo, milho, soja, arroz, cevada, aveia e outros cereais, além da carne vermelha, peixe, frango e todos os seus derivados. 

“Muitos agricultores estão decidindo não plantar. Além disso, os preços do diesel e a escassez de diesel entram na equação se devem ou não plantar”, disse Adams. O resultado, disse ele, é que menos agricultores estão plantando, o que significa menos comida para distribuir.

Como cientista de alimentos, Adams é um grande defensor de alimentos limpos, cultivados organicamente e livres de metais pesados, que ele disponibiliza através da venda online de “Ranger Buckets”.  A demanda por seus produtos foi extremamente alta desde o início do bloqueio do COVID-19 em 2020. 

Adams disse que leva em média de seis a oito semanas para produzir 2.000 baldes de produtos, que normalmente se esgotam em 30 minutos a três horas. Mesmo antes da invasão russa da Ucrânia, a demanda por alimentos de sobrevivência nos Estados Unidos estava aumentando entre vários fornecedores nacionais. 

“A cadeia de suprimentos nos Estados Unidos continua a desmoronar. Mais americanos estão percebendo que são necessárias quatro viagens a diferentes lojas de materiais de construção para encontrar peças para fazer reparos domésticos, em vez de todas as suas necessidades estarem em uma loja”, disse Lori Hunt, da Practical Preppers, na Carolina do Sul. 

“Isso está fazendo as pessoas perceberem que isso se estende a tudo: alimentos, livros, equipamentos solares – e considerando que a Ucrânia é uma fonte de matérias-primas críticas na indústria solar e cereais, isso vai ficar muito pior nos próximos meses”, disse ela ao The Epoch Tempos. 

“Muitos de nossos clientes estão se movendo em direção à independência energética, e isso está aumentando a demanda e diminuindo a situação de oferta. Pedimos aos nossos clientes que estejam preparados para uma espera de 2 a 4 meses para reunir todas as peças necessárias para seus sistemas autônomos de geração de eletricidade. Muitos instaladores nos Estados Unidos estão nos dizendo que estão passando pelo mesmo.”

Byron Walker, fundador e CEO da Survival Frog em Denver, disse ao Epoch Times: “Lutamos com problemas da cadeia de suprimentos e as coisas parecem estar piorando”.

A Allied Marketing Research (AMR) informou que o mercado global de incidentes e emergências, avaliado em US$ 75,5 bilhões em 2017, deve atingir US$ 423 bilhões até 2025.

“Fatores como o aumento da necessidade de soluções de segurança e proteção, devido ao aumento de calamidades naturais e ataques terroristas, tumultos e protestos, a implementação de políticas regulatórias para a segurança pública e a necessidade de preparação para emergências impulsionam o crescimento do mercado global de gerenciamento de incidentes e emergências”. AMR disse em seu site.

“Além disso, espera-se que o aumento das cidades inteligentes impulsione a adoção de sistemas inteligentes de evacuação e sistemas de vigilância, alimentando assim o crescimento do mercado de gerenciamento de incidentes e emergências”.

Aumento de preços ‘chegou para ficar’

Nas últimas semanas, “preppers” de sobrevivência do YouTube, como City Prepping e Alaska Prepper, soaram o alarme de que tempos difíceis estão à frente. Matt, o “Magic Prepper”, em Dakota do Norte, disse que estar preparado continua a se tornar um “gênero financeiro e de escassez” em vista dos atuais eventos globais.

“Com problemas de produção de alimentos, problemas na logística na cadeia de suprimentos, uma lenta recuperação econômica da pandemia e os efeitos em cascata de um conflito no exterior, parece bastante claro que a escassez, interrupções e aumentos de preços vieram para ficar”, disse Matt ao Epoch Times. . 

Ele disse que a situação na Ucrânia reavivou o interesse na preparação em caso de um ataque nuclear, biológico ou químico. 

“Com o conflito criando uma retórica volátil de várias superpotências globais, nos encontramos mais perto de tal evento do que em qualquer ponto da história recente”, disse Matt. “Eu opero sob a suposição de que há e provavelmente sempre haverá mais tempo para me preparar.”

Ainda assim, o estado de preparação é “exponencialmente limitado” pelo tempo que leva para se preparar e outros fatores, disse ele. 

“Cada dólar gasto hoje vale menos em relação aos preparativos do que um dólar que você gastaria três anos atrás. Portanto, ao esperar para começar, você inerentemente será capaz de se preparar cada vez menos. Se preparar em plena crise é a pior situação em termos de riscos.

“Isso fica mais evidente quando você o relaciona a itens como munição. Estocar munição agora fornece a você de 50% a 75% menos munição para a mesma quantia gasta três anos atrás”.

“Mesmo se nos encontrarmos no meio de um colapso econômico total ou de um conflito quente, as habilidades de treinamento e aprendizado provavelmente ainda estarão acessíveis”, disse ele. A preparação também requer a capacidade de rede e comunicação, ter suprimentos em quantidade suficiente, um local “protegido” e conhecimento sobre como sobreviver a um colapso econômico. 

“Eu sugeri seguir em frente, independentemente dos eventos que se desenrolam atualmente. Se as coisas finalmente desmoronarem a ponto de termos que confiar em nossos esforços de preparação, teremos nos preparado da melhor maneira possível até esse ponto”.

“Estou fazendo telefonemas, assumindo compromissos e planos todos os dias para tentar melhorar minha própria preparação pessoal”, disse Matt. 

Dado o protecionismo econômico de interromper as exportações de alimentos de países como Hungria, Ucrânia, Rússia e Bielorrússia, a oferta mundial de grãos será severamente limitada, disse Adams. Isso, disse ele, resultará na “mais extrema escassez de alimentos que vimos em nossa vida”.

Melhor agora do que nunca

“Começará por volta de agosto e continuará até o final do ano. Muito disso depende das decisões econômicas do [presidente Joe] Biden sobre se ele permite que as companhias de petróleo dos EUA terminem os oleodutos e façam mais perfurações. Se ele não o fizer, veremos ainda mais escassez ao longo de 2023.”

Fora do caos, no entanto, Adams prevê um despertar da liberdade e autoconfiança na forma como cultivamos e produzimos alimentos.

“Acho que este é um momento de pílula vermelha para as pessoas do mundo que precisam ser mais autossuficientes. Precisamos de descentralização da produção de alimentos. Sou um grande defensor da descentralização – alimentos cultivados localmente.”

A má notícia é que apenas cerca de 5% das pessoas nos Estados Unidos estão preparadas. Mas “quanto mais as pessoas se preparam, menos entram em pânico quando a escassez aparece”, disse Adams.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.