browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Profecias dos nativos peles vermelha HOPI e ZUNI, com Clifford Mahooty

Posted by on 10/07/2018

Clifford Mahooty, um guardião da sabedoria para a tribo Zuni Pueblo do Novo México se junta a David Wilcock e Corey Goode para discutir a história de contatos de sua tribo com civilizações extraterrestres. Esta informação foi contida dentro de sua comunidade por gerações e inclui interações com as “pessoas do céu”, gigantes de cabelos vermelhos e lugares sagrados com portais para outros mundos. Corey confirma que essas revelações se correlacionam com as coisas que ele aprendeu de seu tempo de serviço nos programas espaciais secretos. Mahooty nos diz que chegou a hora de falar sobre essas coisas com o resto do mundo para que todos possamos iniciar o processo de cura juntos.  

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Profecias dos nativos peles vermelha HOPI e ZUNI com  Clifford Mahooty

Fonte:  https://spherebeingalliance.com/

Tudo bem. Bem-vindos de volta a “Divulgação Cósmica”. Eu sou seu anfitrião, David Wilcock, e estamos aqui com nosso convidado especial Clifford Mahooty, que foi trazido à nossa atenção pelo núcleo interno de relações do nosso insider, Corey Goode. Então, continuando esta discussão fascinante, aqui estamos nós. Clifford, bem vindo ao show.

Clifford Mahooty: Fico feliz em estar aqui.

David: E Corey, obrigado por estar aqui.

Corey Goode: Obrigado.

David: Então, Clifford, vamos começar a falar sobre alguns desses artefatos muito interessantes que seu povo, os Zuni, tem em sua posse. Você disse publicamente agora que acredita que eles têm artefatos de fora do nosso mundo. Você poderia ser um pouco mais especifico?

Clifford: Acredito que uma das primeiras coisas fora do nosso mundo que conheci foram os cristais. E ambos foram usados ​​como transmissor e receptor, então eu acho que eles cairiam na categoria de transceptores.

David: Hm

Clifford: E eles usariam estes cristais para comunicações com outros grupos, neste caso, provavelmente alguns dos grupos sagrados por toda a terra aqui no planeta, e também outros lugares. E tem havido alguns artefatos que foram salvos ao longo dos anos, mas a maioria deles está agora nas mãos de pessoas que não sabem o que eles são.

David: Então, esses parecem cristais regulares, ou eles têm um visual esculpido? Ou o que veríamos?

Clifford: Eles vêm em diferentes formas. Alguns deles são naturais. Como se você pegasse um cristal de quartzo, por exemplo, eles têm o mesmo tamanho. E alguns deles são redondos – as bolas de cristal que eles usam para olhar lá, especialmente nas outras sociedades e outros grupos em todo o mundo. E eu também estudei isso em termos do que eles usam agora em computadores. A tecnologia de computador também é usada na tecnologia de cristal, principalmente para armazenamento de dados.  E eu acredito que eles usam isso como um banco de informações que poderia ser infinito. E, é claro, eles também se conectam com outros sistemas, talvez fora do mundo ou do mundo interno (Terra Interior, Inner Earth), que podem transmitir mensagens e, provavelmente, visualizar essas tecnologias que existem desde, desde o início da cultura indígena e dos seres humanos.

Corey: Então os cristais realmente armazenam informações.

Clifford: Sim.

Corey: Então isso é meio que uma correlação. Em depoimento anterior em Divulgação Cósmica, falamos sobre o grupo da Terra Interior (Inner Earth), o Anshar. E eles usam cristais basicamente como computadores gigantes. É bancos de dados para armazenar informação.

Clifford: Uh-hm.

Corey: Então é uma correlação interessante que eles podem armazenar informações neles e usá-los como um transceptor para se comunicar com pessoas do espaço e pessoas do mundo interior, eu penso.

Clifford: Eu acho que eles são de todas as dimensões diferentes, se você quiser ver dessa maneira, não apenas as dimensões que nós, como seres humanos, conhecemos. Mas eu acho que eles também vão além de outras áreas ou zonas dimensionais, ou talvez em um tipo de sistema interdimensional, sobre o qual eu realmente não tenho nenhuma ideia. Mas acho que essas mensagens são recebidas instantaneamente na maioria dos casos.  E muito disso entre as tribos primitivas tem sido usado para as práticas de cura. E as práticas de cura também são usadas por outros grupos para também se interconectarem com outros, talvez, no mundo interior, de fora do mundo e até mesmo nos sistemas de superfície para transferência de conhecimento que é tão necessária naquele tempo. E geralmente é feito sem qualquer linguagem. Acho que, de certa forma, apenas transmite em uma zona diferente. . .

Corey: Pensamento.

Clifford: . . para comunicação. Os processos de pensamento.

Corey: Certo.

David: Então, Clifford, houve algum outro artefato que o povo Zuni obteve das pessoas que você conhece?

Clifford: Eu acredito que houve muitas coisas que foram dadas ou sobreviveram ao longo dos milhares de anos, mas a maioria delas foi tirada pelos primeiros exploradores como o (Instituto) Smithsonian. E há muitos registros. E eu até os vi na década de 1960, de algumas das coisas que eles tiraram dos Zuni ao longo de diferentes expedições, começando na década de 1880.  E eles até escavaram algumas ruínas, as ruínas originais que existiam durante a invasão espanhola. E assim esses artefatos foram armazenados no Smithsonian Institute

 Voltamos anos depois para pedir de volta, mas eles disseram que se livraram deles ou não puderam mais rastreá-los. Mas eu os vi em 1966, algumas das máscaras, alguns dos apetrechos que eles usavam para fins religiosos e de cura, e também alguns dos artefatos originais que eles recuperaram das tribos. E há muitas coisas em outros museus diferentes, como o Hyde Museum em Nova York e outros museus em todo o país. Depois da Lei de Repatriação Indígena e da Lei de Proteção aos Cemitérios, eles devolveram muita coisa aos índios, mas não sabemos exatamente qual foi o processo.

Corey: Poderia ter havido tecnologia, tecnologia fora do mundo, envolvida no que o Smithsonian removeu, porque você mencionou antes que havia. . . falam de “escudos de vôo” que foram entregues à população nativa, e eles realmente voaram neles.

Clifford: Não só isso, eles usaram os escudos, mas outras embarcações que eles usaram para o transporte nos velhos tempos.

David: Quando você diz “escudos”, eu só quero ser claro. São estes como esculturas que se parecem como discos voadores, ou eles são uma nave real?

Clifford: É uma nave, mas parece um escudo, os escudos voadores.

David: Oh!

Clifford: Uma referência também é feita das “cabaças voadoras”, que são vasos redondos.

David: Ah!

Clifford: Então, por que naquela época, a (forma) com que eles relacionariam?

David: Certo.

Clifford: É algo com (a forma) que eles estavam familiarizados. Então o escudo, neste caso, seria algo com que você se protege. . . contra. A maioria das tribos indígenas tinha seus escudos nos dias de guerra. E essa é a única referência que você pode fazer.  E se o seu escudo voador está voando por aí, bem, essa é a única referência que eles tinham.

David: Você pode estar ciente de que aqui em Gaia estamos investigando algumas múmias muito incomuns, humanóides. Você já teve algum encontro com possíveis artefatos dessa natureza?

Clifford: Eu só estou ciente deles através da informação que me foi dada. Por exemplo, o que essa pessoa Hopi me contou é que,. . . especialmente das “pessoas” que os Hopis conhecem bem. Agora, eu ouvi falar de outros seres mumificados como o que eles tiraram do Chaco Canyon, de acordo com esse mesmo indivíduo, que estava dentro de um tronco que eles transportaram do Chaco para território Hopi.

David: Hm

Clifford: Ao primeiro olhar, é mumificado. Mas também tem uma cobertura que parece. . . Se você olhar para um pedaço de madeira de mogno ou uma raiz, uma raiz de mogno, e é como polido. Mas posso sentir imediatamente que havia algo que costumava estar vivo, como um ser vivo.  Mas é sobre isso. . . Eu diria que era mais ou menos desse tamanho.  [Clifford abre um espaço entre as mãos de cerca de 30 centímetros de distância]

David: Você está dizendo que era realmente brilhante?

Clifford: Sim.

David: Com um polimento brilhante?

Clifford: Era algum tipo de seiva ou algum tipo de composto que estava lá.

David: Como para mumificação.

Clifford: Sim.

David: Uau!

Corey: Bem, eles provavelmente já viram. . . Ao longo dos anos, eles encontraram a seiva da árvore, e então haveria algo preservado nela como um inseto ou algo parecido. Eles provavelmente sabiam que poderiam preservar. . .

Clifford: O modo como eu vejo, que eles aprenderam isso com os seres de fora do nosso planeta sobre como preservar essas coisas. Nós todos fomos ensinados por esses seres.

David: Agora essa múmia parecia com um ser humano normal de um metro de altura, ou tinha algumas características incomuns?

Clifford: Tem muitas, muitas características incomuns. Não se parecia com um ser humano (da Terra).

David: Realmente?

Clifford: Sim. Parecia com . . . Minha primeira reação é que seria um ET porque eu vi muitas fotos deles. E a minha avaliação das informações que estudei ao longo dos anos é que tinha que ser um ser vivo, um ET ou seja, de fora do planeta, ou algo que veio de uma espécie humana não terrestre ou regular. . . centauro. . .

David: Bem, posso fazer algumas perguntas?

Clifford: Claro.

David: Ok. Ele tinha cinco dedos ou? . .

Clifford: Não, naquela época eu não entrei em detalhes sobre isso porque ele apenas me mostrou e disse: “Nós vamos passar por isso da próxima vez.”  E eu o respeitei, e eu disse: “Ok, tudo bem.”

Corey: E existe a possibilidade de podermos fazer raios-x.

Clifford: Ele até se ofereceu para que alguém olhasse para essas coisas, porque ele é a última pessoa da First Mesa. E ele quer que seja reconhecido de que “eu tenho essa informação”.  Então ele meio que me perguntou, de certa forma, “O que eu devo fazer?” E eu disse: “Bem, eu acho que nós devemos documentar isso.”  E um deles passa pela análise científica dessas coisas, porque isso é importante demais para deixá-lo de lado.

David: Eu suponho que tenha uma cabeça humana com olhos, nariz, boca ou. . .

Clifford: Bem, tem as características da forma com que os seres humanos são feitos: olhos, pernas, mãos.

David: Mas as proporções são todas diferentes?

Clifford: As proporções são diferentes. E pode ter sido apenas um espécime das raças menores. . . porque existem muitas espécies (diferentes). Em nossos ensinamentos, houve tamanhos diferentes. Mesmo nos aliens com aparência de formiga, há tamanhos diferentes. No mundo dos insetos, existem tamanhos diferentes. Então, pode ser uma das mesmas espécies, mas de um tipo diferente.

David: Uau!

Corey: Ele tem a história de como o corpo foi encontrado? . .

Clifford: Sim.

Corey: . . . onde foi encontrado?

Clifford: Ele tem toda a história.

Corey: excelente.

Clifford: E ele também tem informações detalhadas de como ele conseguiu isso, quando aconteceu, as datas e assim por diante. Então ele é muito minucioso nisso. Sr. Malava, esse é o nome Hopi dele, e ele tem muita informação. E ele é como o último dos sacerdotes (Ancião) da Primeira (First Mesa) Mesa Hopi. Eles são todos diferentes. Mas ele se tornou o porta-voz do que foi deixado com ele ao longo dos tempos, desde os seus avós e o grupo de onde ele obteve seus ensinamentos. E ele sente que agora é a hora de deixar o público geral saber, principalmente por duas razões. 

A primeira razão é que ele quer esclarecer os outros escritores que têm contado um monte de notícias falsas sobre os Hopi e fazer o registro correto. E o outro motivo é pela longevidade da informação para as futuras gerações.  Mesmo que estejamos no final deste quarto mundo, ele quer transferir essa informação para a próxima geração, para que eles tenham uma ideia do que a história (real) está envolvida com o povo Hopi. Ele tem muitas informações, incluindo não apenas sobre as coisas mumificadas de que falou, o escudo voador, mas também sobre os asteróides e como isso aconteceu no passado e o que poderia acontecer no futuro.


A Profecia dos HOPIs esta gravada na Rocha

E ele está no estágio de sua vida que ele quer passar esta informação para o público em geral. E ninguém. . . Ele tentou convencer alguém a exercer as suas funções em First Mesa. E ele não está conseguindo ninguém para trabalhar com ele para ser seu protegido. E o que ele quer fazer é que ele quer gravar isso e transmitir, em qualquer lugar, desde os mais simples até a abordagem do tipo narrativa para coisas avançadas como o que estamos falando.

Corey: Você pode explicar um pouco sobre as profecias Hopi do primeiro, segundo, terceiro e quarto mundos, e por que estamos no quarto?

Clifford: Bem, os primeiros três mundos foram destruídos por eventos naturais, como terra, vento, fogo. E o último foi, claro, a inundaçãoE é por isso que nós, como povo (pele vermelha nativo) Pueblo, sobrevivemos no Grand Canyon, e nos tornamos como protegidos das diferentes raças aliens insetoides. É isso que nossa história nos diz. Não é algo que foi inventado. Não foi alguém que veio de algum lugar e nos deu essa informação. Faz parte da nossa história e é parte do sistema (tradições) do nosso povo.

Corey: Como os aliens insetoides se ligam ao quarto e terceiro mundo?

Clifford: O modo que eles descrevem isto, eu penso que eles não eram só do mundo interior, mas eu acredito que eles também, de acordo com os ensinamentos, eles eram de outros sistemas fora do nosso mundo, que estariam na mesma categoria como os Guardiões e os Guardiões da Terra que assistiram essa catástrofe. E havia uma razão para muitas dessas “limpezas”, por assim dizer. Você tem que limpar a Terra das coisas ruins. E eu acho que a mesma teoria se aplica com os dinossauros ou os gigantes que tinham de se livrar dessas coisas. E quem está no comando, se você o chama de Deus ou o Grande Espírito ou o que quer que seja, é aquele que se encarregou de dizer que “nós fomos longe demais ou cometemos erros, então vamos limpar isso de novo (o planeta). Ou que “a humanidade não seguiu o que dissemos a eles para fazer e eles se desviaram do caminho, então nós temos que destruir aquele planeta pois que eles também criaram uma confusão lá”.  E eu acho que isso se repete; A história se repete.

Corey: sim.

Clifford: Então agora estamos dentro . . O que os Hopis, os Zuni e outros povos Pueblo dizem que agora já estamos no final do quarto mundo.

David: Todo (era do) mundo, como já foi descrito, termina em uma catástrofe de algum tipo – essas limpezas (do planeta) de que você está falando?

Clifford: De acordo com a história que tenho estudado, eles deram-nos a oportunidade de não chegar a esse ponto, mas foram e excederam o que lhes disseram para não ser feito. Então esse foi o último recurso que diz: “Bem, se você não seguir o que nós lhe ensinamos como correto, e você está violando isso, não temos escolha”.

Corey: Quando essas pessoas, os aliens insetoides perceberam que vocês estavam no fim do terceiro mundo, onde eles levaram os Zuni, por quanto tempo e como foi a vida deles?

Clifford: Bem, de acordo com os ensinamentos, nós estávamos no quarto submundo. E eles progrediram a cada passo do quarto mundo, que era “um mundo escuro”.  E então cada camada que eles passaram se torna muito mais limpa e mais clara que as anteriores. E há muitas, muitas histórias sobre como eles chegaram ao próximo mundo. Os Hopis usaram a cana para subir. Os Zunis, eles falam sobre o cultivo de uma certa árvore, e eu acho que estas são apenas alegorias que eles tiveram que fazer uma referência a ela.  E assim eles se aproximaram do próximo mundo e ficaram lá por um tempo. E então, finalmente, chegamos ao que chamamos de “o mundo da luz”. E eles usam a alegoria como o Pai-Sol criando aquilo, o que é verdade até certo ponto, por causa da luz e o que sabemos sobre a energia do Sol hoje em dia. 

Então, há muitas coisas misturadas aí. . . você olha para isso do ponto de vista da ciência, o que é verdade do ponto de vista da física quântica, e então você também olha para isso do ponto de vista da espiritualidade, e você os coloca juntos e eles se encaixam perfeitamente sobre o que a interpretação do índio fala e o que a física moderna irá falar sobre isso.  E eles falam sobre a mesma coisa mas de forma diferente e um conceito diferente.

Corey: Os zunis e os hopis foram trazidos para baixo da Terra por gerações?

Clifford: Ah, isso é há milhares de anos.

Corey: Milhares de anos.

Clifford: Pelo menos sim.

Corey: E quando vocês resurgiram, você sabe de onde seu pessoal Zuni emergiu e para onde você foi em seguida?

Clifford: Bem, eles disseram que foi no Grand Canyon. . .

Corey: Grand Canyon.

Clifford: E há vários lugares. A confluência do Little Colorado vem do leste. E o Big Colorado. . . Há uma cúpula de travertino. Eles chamam de “O Sipapu”.  Todos os indigenas têm uma referência a um “Sipapu” ou um “Sipapulima”.  E é daí que eles saíram de outras partes do universo, que eles têm que ter um portal pelo qual passam, onde hoje em dia podemos chamar de um buraco de minhoca ou um vórtice (Wormhole).

Corey: Uau! Então, quando os Zunis foram trazidos para o subsolo, eles podem ter sido trazidos para outro planeta através de um portal.

Clifford: Uh-huh. Eu acho que se você realmente olhar para isso do ponto de vista da ciência, eu acho que eles foram realmente transportados não apenas para o mundo interior, mas os outros seres vieram do mundo externo. Eles passaram por aqueles que chamamos de buracos de minhoca ou vórtices de energia. E eles vieram diretamente por lá. 

Costumava haver uma expedição, especialmente da minha tribo Zuni, isso. . . Eles recrutavam pelo menos 20 pessoas todos os anos. Eles iriam trazê-los para o Grand Canyon, e eles tinham como uma viagem de barco de 10 dias, e eles identificaram todos os seus lugares sagrados, os índios não sabiam que estavam procurando por esses vórtices, e eles realmente os mostraram.

Corey: O Grand Canyon tem muitos outros mistérios. No final do século XIX, houve uma descoberta de que alguns dos artefatos pareciam possivelmente egípcios.

Clifford: Uh-huh.

Corey: Você tem alguma informação sobre isso?

Clifford: Bem, nós realmente fizemos um documentário, acho que há quatro anos. [“Expedition to Sipapu”] E nosso propósito era ir lá e procurar a expedição de 1890 que foi financiada pelo Smithsonian através de um cara chamado Kincaid. E ele realmente encontrou e entrou numa imensa caverna, e nós estávamos lá em cima para procurar por aquele lugar. E enquanto estávamos lá, houve algumas perfurações que estavam acontecendo. Nós não sabíamos disso até chegarmos lá. 

Mistérios de Imensa Caverna descoberta no Grand Canyon: Quase uma milha abaixo do solo, a cerca de 490 metros abaixo da superfície, a longa passagem principal foi cavada para encontrar outra câmara gigantesca da qual irradia dezenas de passagens, como os raios de uma roda.Várias centenas de quartos foram descobertos, alcançados por corredores que vão da passagem principal, um deles tendo sido explorado por 285 metros e outros 215 metros. Os achados recentes incluem artigos, que nunca foram conhecidos como nativos deste país e que, sem dúvida, eles tiveram sua origem no Oriente.

E o propósito de nós irmos até lá foi descobrir a caverna onde eles tinham estátuas egípcias e budistas que foram removidas pela expedição Kincaid e transportadas para o Smithsonian em Washington, DC.  Perguntamos sobre isso por meios oficiais, e nos disseram que haviam jogado no oceano as estátuas de ouro.

David: sim.

Corey: Nós ouvimos sobre ossos de gigantes, corpos de gigantes, sendo jogados no oceano pelo Smithsonian no passado.

Clifford: Sim. Mas essa expedição está no YouTube. Chama-se “Expedição a Sipapu”. Tudo é factual. Nós passamos pelos arquivos.

Corey: Mas você não se lembra de nenhuma história específica sobre pessoas que vivem em terras diferentes?

Clifford: Bem, você sabe, você tem que realmente ouvir a história e você tem que realmente entender a linguagem do que eles querem dizer.  Quando eles dizem que eles passaram. . . Lembre-se, eu disse que eles passaram por camadas.

Corey: sim.

Clifford: Então eles tiveram que estar lá embaixo. E isso é . . . E nós temos uma vida cíclica. Todos nós voltamos para onde estávamos, que é a Terra Interior.  E a Terra Interior pode ser visitada pela através de EFC, você sabe, experiências fora do corpo. E eu conheço muitas pessoas que estiveram lá, e eles estavam tristes por voltarem aqui porque é tão bonito lá fora. Eu sei que eles não estão mentindo. Eles não podem mentir para mim.

David: Certo.

Corey: Eu tive um pouco de experiência com isso eu mesmo.

Clifford: Sim, é lindo, eles dizem. “Eu não queria voltar”, dizem eles.

Corey: Acredito em seu testemunho, você mencionou um tipo diferente de insetoide também.

Clifford: Esse é o tipo de louva-a-deus (Mantis)?

Corey: sim. Muitas pessoas neste público estarão familiarizadas com os insectóides do tipo mantis.

Um Alien da raça insetoide Mantis

Clifford: Sim. Eu acho que havia outras espécies, e não apenas as que basicamente estão no chão, ou dentro do solo como as formigas, as espécies de insetos, mas também havia outras espécies que também eram raças de professores.

Corey: Eu ouvi algo que eu achei interessante nas Smart Glass Pads (no SSP-Secret Space Program) sobre nativos americanos que relataram um grupo chamado The Two Hearts.

Clifford: Uh-huh.

Corey: E eu achei isso interessante porque os Reptilianos têm um coração primário e um secundário. Você acha que esses são os mesmos seres?

Clifford: De acordo com a mitologia ou as histórias dos Zuni, é que todas as pessoas que foram criadas eram todas boas pessoas. Mas havia um povo de dois corações, que agora chamamos de “o povo das forças das trevas”, ou o termo mais flagrante é chamado de “povo feiticeiro”.  Esses são os que são referidos como “pessoas de dois corações”, porque eles não têm a mesma missão que um ser humano normal. Sua missão é servir às forças das trevas para ser necessário uma busca pelo equilíbrio.

Corey: Ah sim.

Clifford: E o equilíbrio deveria ser o controle populacional. Mas eles ultrapassaram esse controle e se tornaram mais poderosos, e é por isso que estamos passando agora. Estamos em um desequilíbrio da Força das Trevas. Mas tudo isso vai ser endireitado.

David: Uma das coisas, Clifford, em termos de pesquisa que eu acho que é muito convincente, é que você olha para esses crânios que foram originalmente encontrados na África do Sul, os crânios de Boskop, e eles são alongados.

Clifford: Uh-huh.

David: O cérebro tem quase o dobro do tamanho de um cérebro humano normal. Este não é o resultado do enfaixamento da cabeça. Nós os encontramos na Sibéria. Nós os encontramos na África do Sul. As representações egípcias dos faraós têm essa característica. Nós agora os encontramos em túmulos na Europa. E parece que algumas das clássicas inscrições maias mostram pessoas com crânios alongados também. Então, eu estou querendo saber se você tem alguma informação sobre isso.

Clifford: A teoria que eu olhei é que no começo, para ter uma liderança para levar adiante as funções do “novo ser humano”, é que eles tinham que ter um programa híbrido. E aquelas pessoas, naquela época, ainda estavam nos estágios de se tornarem humanos avançados. E eu estou falando sobre os povos indígenas.  Então eles tiveram que fazer uma transição. E acredito que, com base nas orações e nos rituais, e são apenas nos fatos históricos, baseados em um estudo abrangente sobre essas coisas, e você vê isso, e esses eram um tipo especial de pessoas. E eles tinham características diferentes do grupo regular.  Por isso, mesmo na história do povo Zuni, o sacerdócio era como ser metade do que significa ser fora do mundo, mas ao mesmo tempo eram pessoas meio humanos.

Então eles começaram uma “linhagem azul”, por assim dizer – as organizações bluebloods. E isso foi feito por um certo grupo, por um sistema de clãs ou por uma ordem do que você poderia chamar de sistema social. Há muitas sociedades em muitos pueblos diferentes. Eles têm a sociedade da medicina, a sociedade kachina, a sociedade do sacerdócio de todas as direções e todas são diferentes. . . E cada uma tem certas funções.

David: Clifford, o que você acha dos cassinos sendo construídos em terras indígenas americanas?

Clifford: Reservas indígenas são onde os cassinos estão. E eles tiveram acesso a eles todos esses anos, mas eu acredito que há muitas atividades, atividades de construção, acontecendo nas reservas indígenas, porque é uma terra que ninguém pode entrar. É como um parque nacional, mesmo status, ou uma base militar, mesmo status. Então, eles podem continuar a fazer o que quiserem. E os cassinos devem afastar as pessoas de suas atividades habituais e tirar todo o seu dinheiro, número um. E depois também para lhes dar mais outro desvio, porque eles já têm o alcoolismo.  Os índios já têm violência doméstica, drogas e tudo mais.

Corey: Faça algumas jogadas lá.

Clifford: Então isso é outra coisa. O jogo é. . . Você pode fazer isso até mesmo sóbrio. Então eu acredito que é também mais outro desvio.

David: Você acha que cada uma dessas terras sagradas para os índios americanos tem áreas subterrâneas abaixo delas, que talvez esses cassinos sejam construídos lá para que eles tenham uma boa cobertura para acessar essas áreas subterrâneas?

Clifford: Sim, especialmente, por exemplo, como na Jicarilla Apache, em Dulce [Novo México]. Eu acho que há dois cassinos por lá. As histórias e as lendas, ou muitas vezes, a mitologia, sobre alguns desses lugares, que o povo subterrâneo costumava ocupar – eles ainda fazem até hoje – eles costumavam entrar nessas montanhas por peregrinações de diferentes tribos. É onde eles costumavam ter contato diretamente com eles. Mas, com o passar do tempo, começaram a colocar cercas; eles começaram a isolá-lo. Então nós não mais. . .

Corey: . . . podem ter acesso.

Clifford: . . ter acesso.

Corey: Então este é o exército dos EUA que tem esses locais trancados?

Clifford: Ninguém realmente sabe quem.

Corey: Ok.

Clifford: Mas eu nunca consegui obter informações dessas pessoas porque. . . Eu acho que o que eles fizeram foi assinar um documento: “Se alguém te perguntar isso, você não fala para eles”.

Corey: Não  sem revelação.

Clifford: Então eles disseram: “Bem. . . . ”E eles receberam um dinheiro muito bom.

David: Tudo bem. Bem, Clifford, isso tem sido ótimo, e sou muito grato por você querer se apresentar e compartilhar todo seu conhecimento conosco. E Corey, você tem alguma coisa que gostaria de dizer para ele no encerramento?

Corey: sim. Tem sido uma honra ter você e suas informações aqui. Estou muito feliz que isso possa ser um canal para corrigir muitos equívocos sobre as pessoas Hopi e Zuni.

Clifford: Estou feliz por estar aqui.

David: Bem, obrigada, Clifford. E eu quero agradecer por nos lerem. Isto é ” Divulgação Cósmica ” com Corey Goode, eu mesmo, David Wilcock , e nosso convidado especial, Clifford Mahooty, um ancião pele vermelha do povo Zuni.


  • “NÃO ANDE ATRÁS DE MIM, TALVEZ EU NÃO SAIBA LIDERÁ-LO.
  • POR FAVOR, NEM ANDE EM MINHA FRENTE, TALVEZ EU NÃO SAIBA SEGUI-LO.
  • ANDE AO MEU LADO PARA QUE JUNTOS POSSAMOS CRESCER E GALGAR OS DEGRAUS DA ELEVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA.”  –   Provérbio Sioux

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.