Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Putin: Louco como uma ‘Raposa’

À medida que a invasão russa da Ucrânia continua, o mundo se pergunta qual foi a razão por trás de um ato tão precipitado. A mídia ocidental pró-Ucrânia apresentou uma narrativa construída em torno dos temas auto-sustentáveis ??da  irracionalidade por parte do presidente russo, Vladimir Putin, e suas fantasias pós-Guerra Fria de ressuscitar a antiga União Soviética. Essa narrativa estilo propaganda ignora que, longe de agir por capricho, o presidente russo está trabalhando a partir de uma cartilha que iniciou em 2007, portanto, há quinze anos.

Putin: Louco como uma Raposa

Fonte: Consortium News, – Por Scott Ritter

Vladimir Putin se dirigiu à Conferência de Segurança de Munique em 2007 e alertou a liderança reunida da Europa sobre a necessidade de uma nova estrutura de segurança europeia para substituir o sistema unitário existente atualmente em vigor, construído como era em torno de uma aliança transatlântica (OTAN) liderada pelos Estados Unidos logo após o fim da II guerra mundial.

Além disso, longe de buscar a reconstituição da antiga União Soviética, Putin está simplesmente buscando um sistema pós-Guerra Fria que proteja os interesses e a segurança do povo russo, incluindo aqueles que, sem culpa própria, se encontraram residindo fora das fronteiras da Rússia após o colapso da antiga União Soviética em 1991.

Nesta era de modelagem narrativa politizada [ou pura propaganda através da mídia pre$$titute$ ocidental], que se conforma às demandas dos imperativos políticos domésticos em oposição à realidade geopolítica, a lógica baseada em fatos não está em voga. Há décadas, a liderança russa vem enfrentando um fenômeno difícil onde as democracias ocidentais, lutando para lidar com sérias fraturas derivadas de sua própria fraqueza interna, produzem liderança política sem continuidade de foco e propósito nas relações de segurança nacional e internacional.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é DEEP-STATE-RUSSIA-OTAN-UCRANIA.jpg

Liderança consistente

Enquanto a Rússia teve o luxo de ter uma liderança [e um governo] consistente nas últimas duas décadas, e pode olhar para outra década ou mais do mesmo, a liderança ocidental é de natureza transitória. Basta refletir sobre o fato de Putin ter, em seu mandato, lidado com cinco presidentes norte-americanos que, pela natureza alternada dos partidos políticos que ocupam a Casa Branca, produziram políticas de natureza inconsistente e contraditória .

A Casa Branca é refém das restrições políticas impostas pela realidade da política partidária doméstica. “É a economia, estúpido” ressoa muito mais do que qualquer discussão baseada em fatos sobre a relevância da OTAN pós-Guerra Fria. 

O que passa por uma discussão nacional sobre questões importantes de segurança externa e nacional é, na maioria das vezes, reduzido a frases enérgicas . As complexidades de um diálogo equilibrado são substituídas por uma simplicidade do tipo luta do bem contra o mal mais facilmente digerida por um eleitorado [ignorante e manipulado mentalmente] onde buracos e taxas de impostos importam mais do que geopolítica.

Em vez de tentar explicar ao povo americano as raízes históricas das preocupações de Putin com a expansão da adesão de países ex membros da URSS à OTAN, ou as impraticabilidades associadas a qualquer reconstituição teórica da antiga União Soviética, a elite política dos EUA define Putin como um ditador autocrático (ele não é ) possuindo sonhos grandiosos de um império global liderado pela Rússia (não existem tais sonhos).

É impossível raciocinar com uma contraparte política cujas formulações precisam estar em conformidade com narrativas baseadas na ignorância e medo constante. A Rússia, confrontada com a realidade de que nem os EUA nem a OTAN estavam dispostos a iniciar uma discussão responsável sobre a necessidade de um quadro de segurança europeu que transcendesse a instabilidade inerente de uma OTAN expansiva que procura invadir diretamente as fronteiras da Rússia, tomou medidas para mudar a quadro em que essas discussões ocorreriam.

A Rússia estava procurando criar um amortecedor neutro entre ela e a OTAN por meio de acordos que impediriam a adesão à OTAN para a Ucrânia e distanciariam o poder de combate da OTAN de suas fronteiras , insistindo que as capacidades técnico-militares da aliança fossem retiradas para trás das fronteiras da OTAN como existiam em 1997 . Os EUA e a OTAN rejeitaram a própria premissa de tal diálogo.

A invasão russa da Ucrânia deve ser avaliada neste contexto. Ao invadir a Ucrânia, a Rússia está criando uma nova realidade geopolítica que gira em torno da criação de um amortecedor de estados eslavos aliados (Bielorrússia e Ucrânia) que confina a OTAN de maneira semelhante à fronteira da era da Guerra Fria representada pela fronteira que separa a Alemanha Oriental e Ocidental .

A Rússia, ao redistribuir o 1º Exército Blindado de Guardas para o território da Bielorrússia, militarizou esta zona tampão, criando as condições para o tipo de impasse que existia durante a Guerra Fria. Os EUA e a OTAN terão que se ajustar a essa nova realidade, gastando bilhões para ressuscitar uma capacidade militar que se atrofia desde o colapso da União Soviética.

Aqui está a conclusão – a probabilidade de a Europa recusar a retomada da Guerra Fria é alta . E quando isso acontecer, a Rússia poderá trocar a retirada de suas forças da Bielorrússia e da Ucrânia em troca de suas exigências em relação ao retorno da OTAN às fronteiras de 1997.

Vladimir Putin pode, de fato, ser um louco – louco como uma “RAPOSA”.

Scott Ritter é um ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA que serviu na antiga União Soviética implementando tratados de controle de armas, no Golfo Pérsico durante a Operação Tempestade no Deserto e no Iraque supervisionando o desarmamento de armas de destruição em massa.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *