browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Quão Confortável o Mundo está com o dólar americano?

Posted by on 01/08/2022

Indo para Samarcanda: A SCO (Organização para Cooperação de Shangai) e outras organizações pan-eurasianas jogam um jogo geopolítico completamente diferente – respeitoso e consensual. E é por isso que eles estão chamando a atenção da maior parte do Sul Global. A reunião do Conselho Ministerial da SCO em Tashkent na sexta-feira passada envolveu alguns assuntos muito sérios. Essa foi a principal reunião preparatória anterior à cúpula da SCO em meados de setembro na lendária Samarcanda, onde a SCO lançará uma muito aguardada “Declaração de Samarcanda”.

Quão Confortável o Mundo está com o dólar americano?

Fonte: Zero Hedge

O que aconteceu em Tashkent foi previsivelmente não relatado pela mídia pre$$titute$ em todo o Hospício do Ocidente coletivo e também ainda não foi completamente digerido em grandes áreas do Oriente eurasiano.

Então, mais uma vez, cabe ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, ir direto ao ponto. O principal diplomata do mundo – em meio ao drama trágico da Era da Não-Diplomacia, Ameaças e Sanções impostas pelos EUA e seus lacaios europeus [o tal de “primeiro mundo“] – destacou os dois temas principais sobrepostos que impulsionam a SCO como uma das principais organizações no caminho para a integração da Eurásia.

  1. Interconectividade e “a criação de corredores de transporte eficientes”. A  Guerra dos Corredores Econômicos  é uma das principais características do século XXI;
  2. Traçando “o roteiro para o aumento gradual da participação das moedas nacionais em acordos mútuos” e abandonar o uso do dólar como moeda de referência.

No entanto, foi na sessão de perguntas e respostas que Lavrov, para todos os efeitos práticos, detalhou todas as principais tendências no estado atual e incandescente das relações internacionais entre o hospício ocidental e o “resto” do mundo. Estas são as principais conclusões.

Quão confortável você está com o dólar americano?

África:

“Concordamos em apresentar aos líderes nacionais para consideração propostas sobre ações específicas para mudar para acordos de usos das moedas nacionais. Acho que agora todo mundo vai pensar nisso. A África já tem uma experiência semelhante: moedas comuns em algumas estruturas sub-regionais, que, no entanto, em geral, estão atreladas às ocidentais. A partir de 2023, uma zona de livre comércio continental começará a funcionar no continente africano. Um passo lógico seria reforçá-lo com acordos cambiais.”

Belarus – e muitos outros – ansiosos para se juntar à SCO:

“Há um amplo consenso sobre a candidatura bielorrussa (…) Senti isso hoje. Há uma série de candidatos ao estatuto de observador, parceiro de diálogo. Alguns países árabes demonstram esse interesse, como Armênia, Azerbaijão e vários estados asiáticos.”

Diplomacia de países produtores de grãos (ALIMENTO):

“Em relação à questão dos grãos russos, foram as sanções americanas que não permitiram a plena implementação dos contratos assinados devido às restrições impostas: navios russos estão proibidos de entrar em vários portos, há proibição de navios estrangeiros entrando em portos russos para pegar carga de exportação, e as taxas de seguro subiram (…) As cadeias financeiras também são interrompidas por sanções ilegítimas dos EUA e da UE. Em particular, o Rosselkhozbank, por onde passam todos os principais acordos de exportação de alimentos, foi um dos primeiros a ser incluído na lista de sanções. O secretário-geral da ONU, A. Guterres, comprometeu-se a remover essas barreiras para enfrentar a crise alimentar global. Vamos ver.”

Taiwan:

“Não discutimos isso com nosso colega chinês. A posição da Rússia de ter apenas uma China permanece inalterada. Os Estados Unidos confirmam periodicamente a mesma linha em palavras, mas na prática seus ‘feitos’ nem sempre coincidem com as suas palavras. Não temos nenhum problema em defender o princípio da soberania chinesa”.

O SCO deve abandonar o dólar americano?

“Cada país da SCO deve decidir por si mesmo o quão confortável se sente em confiar no dólar, levando em consideração a absoluta falta de confiabilidade dessa moeda para possíveis abusos e sanções. Os americanos usaram isso mais de uma vez em relação a vários estados”.

Por que o SCO é importante:

“Não há líderes e seguidores na SCO. Não há situações na organização como na OTAN, quando os EUA e seus aliados mais próximos impõem uma linha ou outra a todos os outros membros da aliança. Na Organização de Cooperação de Xangai, a situação que estamos vendo atualmente na UE não se repete: países soberanos estão literalmente sendo ‘nocauteados’, exigindo que parem de comprar gás ou reduzam seu consumo em violação aos planos e interesses nacionais de seus próprios povos. ”

Lavrov também fez questão de enfatizar como “outras estruturas no espaço eurasiano, por exemplo, a EAEU e o BRICS, são baseadas e operam nos mesmos princípios” da SCO. E ele se referiu à cooperação crucial com os 10 países membros da ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático).

Assim, ele preparou o cenário para o clinch :

“Todos esses processos, em interconexão, ajudam a formar a Grande Parceria Eurasiática, sobre a qual o presidente Vladimir Putin falou repetidamente. Vemos neles um benefício para toda a população do continente eurasiano.”

Essas vidas afegãs e árabes

A grande história real dos  Raging Twenties   é como a operação militar especial (SMO) na Ucrânia de fato deu início a “todos esses processos”, como Lavrov mencionou, simultaneamente levando à integração inexorável da Eurásia.

Mais uma vez ele teve que relembrar dois fatos básicos que continuam a escapar de qualquer análise séria em todo o Hospício do Ocidente coletivo:

Fato 1: “Todas as nossas propostas para sua remoção [referindo-se aos ativos de expansão da OTAN] com base no princípio do respeito mútuo pelos interesses de segurança foram ignoradas pelos EUA, pela UE e pela OTAN.”

Fato 2: “Quando a língua russa foi banida na Ucrânia, e o governo ucraniano promoveu teorias e práticas neonazistas, o Ocidente não se opôs, mas, ao contrário, encorajou as ações do regime de Kyev e exultou a Ucrânia como um ‘reduto da democracia’. Os países ocidentais forneceram armas ao regime de Kyev e planejaram a construção de bases navais em território ucraniano [além dos mais de vinte laboratórios de armas biológicas financiados pelos EUA]. Todas essas ações visavam abertamente conter a Federação Russa. Estamos alertando há 10 anos que isso é inaceitável”.

Também é apropriado que Lavrov coloque novamente o Afeganistão, Iraque e Líbia em contexto:

“Lembremos o exemplo do Afeganistão, quando até as cerimônias de casamento foram submetidas a ataques aéreos, ou do Iraque e da Líbia, onde o Estado foi completamente destruído, e muitas vidas foram sacrificadas. Quando os estados que facilmente adotaram tal política estão agora fazendo um alvoroço sobre a Ucrânia, posso concluir que as vidas dos afegãos e árabes não significam nada para os governos ocidentais. É lamentável. Padrões duplos, esses instintos racistas e coloniais devem ser eliminados”.

Putin, Lavrov, Patrushev, Madvedev têm enfatizado ultimamente o caráter racista e neocolonial da matriz OTAN. A SCO e outras organizações pan-eurasianas jogam um jogo geopolítico completamente diferente – respeitoso e consensual. E é por isso que eles estão chamando a atenção da maior parte do Sul Global. Próxima parada: Samarcanda.

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid WarRed Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research.


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.