browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Raios cósmicos causam flares solares e mudanças dos pólos magnéticos da Terra (3)

Posted by on 19/10/2019

foton-belt-cinturão-de-fotons (1)Raios cósmicos agem como gatilhos para flashes solares, erupções do núcleo da Terra e mudanças dos pólos e campo magnéticos. Em 11 de janeiro, uma dos principais publicações científicas do mundo, a revista Nature, relatou uma aceleração inesperada e drástica na mudança dos pólos magnéticos da Terra, que exigiu uma atualização imediata do Modelo Magnético Mundial usado para navegação e posicionamento global por navios no mar, pelo Google Maps e smartphones. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Raios cósmicos como gatilhos para flashes solares, erupções do núcleo da Terra e mudanças dos pólos e campo magnéticos (3)

Fonte: https://www.exopolitics.org/

Para a Parte 1, clique AQUI.  Para a parte 2, clique AQUI.

Os cientistas especularam que a aceleração inesperada na mudança dos pólos magnéticos da Terra é devida ao “líquido de ferro no interior do planeta”, e que no caso do pólo norte magnético, o provável culpado foi um “jato de alta velocidade de ferro líquido abaixo do Canadá, movendo o pólo para o interior da Sibéria”, na Rússia.

É importante ressaltar que os cientistas concordam amplamente que a aceleração no movimento dos pólos magnéticos aponta para algo muito incomum acontecendo no núcleo externo da Terra, que é preenchido com uma liga de ferro-níquel em torno de um núcleo interno sólido de ferro. Na parte 2 desta série de artigos investigando as questões levantadas por Ben Davidson em sua série de vídeos Earth Catastrophe Cycle (Catástrofes Cíclicas da Terra), eu discuti um documento da CIA de autoria de um geólogo, Chan Thomas, que só foi desclassificado em 2013. Thomas supôs que o núcleo interno da Terra se comporta exatamente como uma estrela em termos de emissão de plasma ou “matéria neutra” em explosões periódicas a cada poucos milhares de anos no núcleo externo, desencadeando assim mudanças de pólos magnéticos e geofísicos.

Raios cósmicos agem como gatilhos para flashes solares, erupções do núcleo da Terra e mudanças dos pólos e campo magnéticos.

Na parte 1 desta série, eu examinei a evidência de eventos de flash (Flare) solar (aka micronova) na história, e as perspectivas de uma ocorrência recorrente no futuro próximo. Isso levanta a possibilidade de algum tipo de conexão entre eventos de flash (Flare) solar e erupções de “matéria neutra” que ocorrem no fundo do núcleo da Terra. Neste artigo, examino se os raios cósmicos de alta energia com origem de fora do nosso sistema solar (por exemplo, vindos do Sol Central da Galáxia) são o mecanismo de disparo tanto para os flash (Flare) solar quanto para as erupções de matéria neutra que levam a mudanças de pólos.

É importante ressaltar primeiro que o movimento acelerado dos pólos magnéticos está acontecendo em um momento em que o campo magnético da Terra está enfraquecendo e o Ciclo de Mínimo Solar (baixa atividade das manchas solares e ejeção de massa coronal e flares) tornou o planeta mais suscetível do que nunca aos raios cósmicos. Eles são os núcleos atômicos de hidrogênio, hélio e moléculas maiores que foram removidos de seus elétrons. Raios cósmicos  foram gerados a partir de eventos galácticos, como supernovas e quasares, e viajam pelo universo quase à velocidade da luz.

Enquanto o nosso sol também gera raios cósmicos, são os raios cósmicos do núcleo do SOL CENTRAL galáctico que carregam mais energia à medida que penetram profundamente no nosso sistema solar, no nosso sol e finalmente no interior da Terra.

Os Raios cósmicos estão impactando tanto a Terra quanto o Sol com impacto crescente porque o escudo de energia criado pelo vento solar está em seu nível mais fraco como resultado do atual Ciclo de Mínimo Solar. Alguns modelos científicos preveem que o mínimo solar continuará até outubro de 2020, e pode até se estender em um grande mínimo solar duradouro até 2070, período no qual a humanidade testemunha uma mini idade do gelo semelhante ao Mínimo de Maunder que ocorreu de 1645 a 1715.

Os cientistas acompanharam por décadas a atividade dos raios solares e cósmicos e confirmaram que os raios cósmicos atingem o pico durante os mínimos solares, como mostra o diagrama a seguir. O gráfico superior mostra os ciclos solares e a parte inferior mostra a atividade dos raios cósmicos durante o mesmo período:

O gráfico superior mostra os ciclos solares e a parte inferior mostra a atividade dos raios cósmicos durante o mesmo período.CLIQUE para ampliar imagem.

A intensidade dos raios cósmicos que impactam nosso sistema solar e a Terra depende em grande parte da força do vento solar gerado pelo nosso sol que funciona como um escudo, conforme explicado pela NASA :

Nossa primeira linha de defesa é o nosso próprio sol: o campo magnético do sol e o vento solar se combinam para criar um “escudo” de energia que amortecem e amenizam os efeitos dos raios cósmicos que tentam entrar no sistema solar. A ação de proteção do sol é mais forte durante o máximo solar e mais fraca durante o mínimo solar, que, COINCIDENTEMENTE, é o período no qual o nosso sol se encontra pelos próximos DEZ anos!

Estudos da NASA confirmaram que os raios cósmicos, durante um mínimo solar, aumentam a exposição à radiação dos astronautas, encurtando assim o tempo que eles podem gastar na órbita da Terra. Vale ressaltar que os raios cósmicos são tipicamente desviados pelo campo magnético da Terra (campo magnético) ou atraídos pelo campo em direção às regiões polares onde a maioria dos detectores de raios cósmicos do mundo foram montados.

Estudos têm demonstrado o campo magnético da Terra, que atua como a segunda linha de defesa contra os raios cósmicos, bem como ser um escudo contra a alta energia do vento solar, tem vindo a enfraquecer ao longo de todo o século XX. Desde o ano 2000, no entanto, o enfraquecimento aumentou dramaticamente, conforme ilustrado na imagem a seguir fornecida por Davidson em sua série Ciclo da catástrofe da Terra.

Source: Ben Davidson. Video: “Energy from Space | The Shift Has Begun” (Energia do Espaço| A Mudança {dos polos} Começou)

O enfraquecimento do campo magnético da Terra levou a que alguns cientistas concluíssem que isso é um prelúdio para a mudança dos pólos magnéticos (e do próprio campo eletromagnético do planeta).

Em 2014, Rune Florberghagen, o gerente de missão do projeto Swarm da Agência Espacial Européia, confirmou que o campo magnético da Terra estava enfraquecendo 10 vezes mais rápido do que o usual, e que isso era um sinal de uma futura mudança de pólos magnéticos.  Florberghagen disse que isso “levaria muitas centenas, se não alguns milhares de anos…. Eles já aconteceram muitas vezes no passado”.

No entanto, outros cientistas que estudam dados paleomagnéticos reduziram drasticamente o tempo na estimativa de Florberghagen. Um estudo da Universidade de Berkeley disse que uma futura mudança de pólos magnéticos pode acontecer em menos de um século, a qualquer momento durante a nossa vida.

O dramático enfraquecimento do campo magnético significa que menos raios cósmicos estão sendo desviados, e mais deles foram absorvidos pela Terra, especialmente nas regiões polares onde as linhas do campo magnético atraem os raios cósmicos para os pólos magnéticos norte e sul.

Isso levanta questões importantes sobre o que os cientistas descobriram recentemente sobre a aceleração inesperada na mudança de local e o movimento dos pólos magnéticos norte e sul, e o que sabemos sobre a crescente influência dos raios cósmicos durante um mínimo solar que pode se estender bem além do início previsto para 2020 do ciclo solar 25.

Primeiro, os raios cósmicos estão entrando com maior intensidade no campo magnético da Terra nas regiões polares que penetram profundamente no interior da Terra, impactando de alguma forma o núcleo interno derretido do planeta afetando o próprio campo eletromagnético? 

Segundo, os raios cósmicos foram recentemente detectados saindo da Antártida, de alguma forma relacionados às erupções de “matéria neutra” descritas por Chad Thomas?  Finalmente, as misteriosas ondas globais sísmicas foram detectadas em 11 de novembro de 2018, de alguma forma relacionadas a erupções de matéria neutra do núcleo de ferro líquido do planeta e / ou raios cósmicos? 

Os Raios Cósmicos Afetam o Interior da Terra?

A suposição generalizada sobre os raios cósmicos é que eles são absorvidos pela atmosfera da Terra ao impactar as moléculas de ar, que por sua vez são rapidamente aceleradas e impactam outras moléculas em cascata, como ilustra o diagrama a seguir. Vários estudos mostraram, por exemplo, que os raios cósmicos causam impacto na formação de nuvens, levando a maiores coberturas de nuvens durante os mínimos solares.  

O novo telescópio NuSTAR- Nuclear Spectroscopic Telescope, gravou esta expansão violenta de energia emitida pelo supermassivo buraco negro chamado de Sagitário A do Sol Central da nossa Galáxia Via Láctea no final de julho de 2017. A imagem de fundo mostra um amplo campo de visão, em infravermelho do centro da Galáxia. Inserções de zoom no buraco negro gravou como a energia se inflama desde o centro em repouso, explodindo para em seguida, desaparecer. Foto: NASA / JPL-Caltech. FONTE 

Enquanto a energia dos raios cósmicos é absorvida por outras partículas quando colidem na atmosfera da Terra, essas “partículas em cascata” assumem o momento e a energia dos raios cósmicos e alcançam a superfície da Terra e, juntamente com os raios cósmicos sobreviventes, penetram na atmosfera. A crosta terrestre estende o efeito cascata para o interior do manto terrestre e, eventualmente, atinge o seu núcleo.

Partículas subatômicas que são criadas como um subproduto da colisão de raios cósmicos e moléculas de ar, como múons e neutrinos , penetram mais facilmente no manto e no núcleo da Terra devido à sua menor seção transversal. O impacto dos raios cósmicos através de seu efeito cascata pode ser visualizado como uma explosão de espingarda que transporta a energia dos raios cósmicos primários para o interior da Terra através de “partículas em cascata” e seus subprodutos subatômicos.

A penetração dos raios cósmicos na superfície da Terra teve o efeito de desencadear atividade sísmica e erupções vulcânicas, como confirmado por uma equipe de quatro cientistas japoneses. Em um estudo de 11 de junho de 2011 sobre 11 erupções vulcânicas intituladas “ Explosivas erupções vulcânicas desencadeadas por raios cósmicos ”, os cientistas descobriram que os raios cósmicos foram um fator que desencadeou nove das erupções:

É bem sabido que o fluxo de raios cósmicos é negativamente correlacionado com a atividade magnética solar, já que o forte campo magnético do vento solar repele partículas carregadas, como os raios cósmicos galáticos que se originam de fora do sistema solar. A forte correlação negativa observada entre o momento das erupções ricas em sílica e a atividade solar pode ser explicada pelas variações no fluxo de raios cósmicos decorrentes da modulação solar.

O estudo japonês confirma que os raios cósmicos, através de seu efeito cascata, têm uma influência dentro do interior da Terra. A questão crítica é: “em que profundidade no interior da Terra os raios cósmicos penetram?”  Estudos mostram que a energia transmitida pelos raios cósmicos pode ser levada para dentro do interior da Terra:

Durante o Ciclo de Mínimo Solar, a radiação cósmica de alta energia pode penetrar a uma distância muito profunda abaixo da superfície da Terra, em alguns casos, algumas centenas de quilômetros. Esta é a razão pela qual a maioria, se não todos os terremotos durante o mínimo solar, são terremotos profundos.

Isso me leva de volta a Chan Thomas e sua afirmação de que o núcleo da Terra libera periodicamente “matéria neutra” a cada poucos milhares de anos, e que o sol experimenta um flash (Flare) solar em um ciclo milenar similar. Os raios cósmicos têm a capacidade de interagir não apenas com o sol de uma forma que, em última análise, aciona um flash (Flare) solar gigante (micronova), mas também interagem com o núcleo da Terra de uma forma que desencadeia a emissão de “matéria neutra”, como afirma o livro de Thomas.

Se o núcleo da Terra está sendo estimulado pelos raios cósmicos a emitir matéria neutra de maneira análoga a uma Ejeção de Massa Coronal pelo Sol, há alguma evidência disto ocorrendo? O sinal mais convincente seria se o núcleo da Terra, como o Sol, estivesse emitindo raios cósmicos. De fato, isso ocorreu com detectores de raios cósmicos descobrindo raios cósmicos saindo da Terra, ao invés de penetrar nela.

Raios cósmicos observados como sendo provenientes da Antártida foram detectados pela primeira vez em janeiro de 2007, quando o experimento com balão Antena Impulsiva Transitória Antena (ANITA) começou, como explica a escritora de ciência Emma Fiala :

Usando sensores, o ANITA começou a detectar neutrinos de alta energia interagindo com a camada de gelo abaixo … Durante o tempo do ANITA na Antártica, detectou “eventos de raios cósmicos apontando para cima”. Os raios detectados tinham planos horizontais de polarização, o que pode sugerir que eles não se originaram no espaço.

Os raios cósmicos que saem dos lençóis de gelo antárticos foram novamente observados por ANITA em dezembro de 2016 e provocaram intensa especulação científica sobre se um novo tipo de partícula havia sido descoberto. Isso levou a uma equipe de cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia a estudar os dados ANITA, e em 25 de setembro de 2018, a liberação divulgou seu relatório sobre os eventos anormais de 2007 e 2016 que foram  publicados no arquivo acadêmico, arxiv.org :

A colaboração do projeto ANITA relatou a observação de dois eventos anômalos que parecem ser chuveiros de raios cósmicos ε cr≈0.6 EeV emergindo da Terra com ângulos de saída de 27∘ e 35∘, respectivamente…. Nós exploramos aqui se partículas “além do Modelo Padrão” (BSM) são necessárias para explicar os eventos ANITA, se interpretadas corretamente, e concluímos que elas são. Buscando a confirmação ou refutação do fenômeno físico dos raios cósmicos emergentes da sub-EeV em dados de outras instalações, encontramos suporte para a realidade dos eventos ANITA, e três eventos analógicos candidatos, entre os neutrinos do Extremamente Alta Energia da Trilha do Norte da Terra. IceCube Neutrino Observatory.

Deve-se notar que tanto em janeiro de 2007 quanto em dezembro de 2016, os números de manchas solares estavam, respectivamente, próximos do mínimo solar para a atividade das manchas solares. Consequentemente, deve-se notar que, ao mesmo tempo que os raios cósmicos atingiam o pico quando entravam em nosso sistema solar devido à mínima atividade solar, observava-se que raios cósmicos estavam saindo da Terra.

Isso é consistente com a observação anterior de que os raios cósmicos estavam penetrando profundamente na Terra e disparando as ejeções de matéria neutra no núcleo externo, que por sua vez estimulou o que poderia ser descrito como “raios cósmicos sendo emitidos da Terra” que foram detectados por ANITA.

Isso me leva à misteriosa onda global sísmica detectada em 11 de novembro de 2018, a 15 milhas da costa de Mayotte, uma ilha francesa entre Madagascar e a África. Nesse dia, foi detectada uma onda sísmica que percorreu o mundo por cerca de 20 minutos sem ter origem em evento sísmico (terremoto). Enquanto as ondas sísmicas rotineiramente seguem os terremotos, não houve nenhum terremoto detectado pelos sismógrafos, como explicado em um artigo publicado pela National Geographic .

Baseado no estudo de 2011, citado anteriormente pelos cientistas japoneses, uma explicação que surge é que a onda sísmica global foi causada por ondas cósmicas que penetram no interior da Terra. Outra explicação, mais perturbadora, é que as misteriosas ondas sísmicas globais foram resultado de “raios cósmicos da Terra” únicos, emanando de uma ejeção de matéria neutra análoga a uma ejeção de massa coronal descrita pela primeira vez por Thomas.

Conclusão

O movimento acelerado de mudança dos pólos magnéticos para a Sibéria, interior da Rússia é um sinal de que algo significativo está acontecendo atualmente no núcleo líquido do interior da Terra, no núcleo externo fundido. A explicação convencional de que essa mudança de pólo é meramente um resultado do movimento de magma na porção central externa da América do Norte não leva em conta o importante papel desempenhado pelas ondas cósmicas em penetrar profundamente na Terra e influenciar a atividade do núcleo de nosso planeta e o seu equilíbrio eletromagnético.

O fato de que os raios cósmicos estão entrando na Terra devido a um campo magnético enfraquecido e ao sol estar em seu mínimo solar, pode estar provocando uma ejeção de matéria neutra do núcleo da Terra no manto e na superfície, as possibilidades devem ser seriamente consideradas. Além disso, o fato de que a CIA classificou o livro de Thomas algum tempo após sua publicação de 1963 e apenas o desclassificou em 2013, sugere que seus conceitos e teoria da dinâmica da Terra interna e deslocamentos associados precisavam ser suprimidos, pois continham verdades importantes. que poderia desestabilizar a sociedade.

Neste momento em nossa história coletiva, como os raios cósmicos estão impactando nosso planeta em níveis crescentes e inéditos, precisamos entender melhor como os raios cósmicos influenciam tanto nosso planeta quanto o nosso sol (nota Thoth: e a nós mesmos como seres biológicos vivendo na superfície de um planeta em mudança acelerada de sua bioesfera, que já esta impactando tudo que vive na Terra) durante seu período de mínima atividade solar. Precisamos prestar especial atenção à evidência de que nosso sistema solar, em sua viagem orbital do sol central da galáxia, entrou em uma região da mesma com níveis aumentados de energia de raios cósmicos (nota de Thoth: o tão comentado Cinturão de Fótons na década de 1990), e como isso pode desencadear os flashes solares (micronovas) e mudanças geofísicas de pólos magnéticos norte e sul da Terra ocorridas inúmeras vezes no distante passado da existência de nosso planeta Azul.                

© Michael E. Salla, Ph.D.  – Continua…

Para a Parte 1, clique AQUI.  Para a parte 2, clique AQUI.


“E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e fosse semelhantemente a noite”.  Apocalipse 8:12

“E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo”.   Apocalipse 16:8


{Nota de Thoth: O que é uma ejeção de massa coronal ou CME-Coronal Mass Ejection? A ANATOMIA DE UM FLARE SOLAR GIGANTE

Os choques resultantes ondulam através do sistema solar e podem interromper satélites e derrubar e destruir redes elétricas na Terra. Durante um FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol), enormes bolhas de gás superaquecido – chamado plasma – são ejetadas do sol. Ao longo de várias horas, bilhões de toneladas de material carregado energeticamente são levantadas da superfície do sol e aceleradas a velocidades superiores a um milhão de milhas por hora.

Uma Coronal Mass Ejection, CME gigantesca emitida pelo sol em 24 de agosto de 2014. Se fosse dirigida à Terra todos os nossos sistemas de comunicação, geração/distribuição de energia, navegação, internet, telefonia, etc… entrariam em colapso total…

Isso pode acontecer várias vezes ao dia quando o sol está mais ativo. Durante os períodos mais calmos, as CMEs FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol) ocorrem apenas uma vez a cerca de cada cinco dias. O próprio plasma solar é uma nuvem carregada energeticamente de prótons e elétrons levados pelo vento solar.  SAIBA MAIS:

Viajando a um milhão de milhas por hora, a ejeção pode atravessar a distância de 93 milhões de milhas para a Terra em apenas alguns dias. Uma aeronave à jato movendo-se tão rápido poderia levá-lo de Los Angeles a Nova York em 18 segundos. Fim de citação}


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to Raios cósmicos causam flares solares e mudanças dos pólos magnéticos da Terra (3)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.