browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Romanos visitaram o Brasil antes de Cabral? – Evidência foi encontrada na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

Posted by on 07/06/2021

Existem muitas evidências históricas que têm um lugar especial na memória de cada pessoa.  Cristóvão Colombo e suas primeiras façanhas são algumas das aventuras notáveis ​​que foram gravadas em nossas mentes. No entanto, uma descoberta feita em 1982 no Brasil parece pintar uma história completamente diferente. Afinal, um dos exploradores mais famosos da história [Cabral] pode não ter sido exatamente o pássaro madrugador que pensávamos que era na descoberta do “Novo Mundo”. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Romanos visitaram o Brasil antes de Cabral? – Evidência foi encontrada na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro

Por Bipin Dimri – Fonte:  Anciente Origins

A descoberta dos artefatos de antigas ruínas romanas na Baía de Guanabara, situada a cerca de 15 milhas da costa do Rio de Janeiro, cria um pequeno quebra-cabeça e contesta a “história oficial”..

A descoberta dos antigos artefatos romanos na Baia da Guanabara vem na forma de uma grande coleção de ânforas romanas. Ânforas são potes altos de cerâmica, usados para transportar vinhos, azeite de oliva, óleos essenciais e outras mercadorias valiosas da antiguidade e eram frequentemente carregados em navios romanos por volta do século II a.C.

O arqueólogo americano Robert F. Marx descobriu as ruínas romanas na Baia de Guanabara, acrescentando mais um louro à sua longa lista de conquistas ao desenterrar antigos tesouros das profundezas dos mares.

Uma Galera romana

[Robert F. Marx (8 de dezembro de 1936 – 4 de julho de 2019) foi um pioneiro americano no mergulho, um autor prolífico e era mais conhecido por seu trabalho com arqueologia marinha. Ao longo de sua carreira, ele descobriu e localizou mais de 5.000 destroços de naufrágios em mais de 60 países. Embora alguns o tenham acusado de caçador de tesouros, o colega arqueólogo E. Lee Spence descreveu Marx como o “verdadeiro pai da arqueologia subaquática”

Marx é autor de 59 livros e mais de 900 artigos. Ele também foi o Editor de Aventura do Saturday Evening Post , Editor de Arqueologia da revista Argosy, bem como um consultor para televisão e cinema. Ele apareceu no documentário da série de televisão History’s Mysteries . Ele também produziu 55 documentários para a televisão e trabalhou ou apareceu em mais de uma centena. Marx também ajudou a redigir a legislação da UNESCO sobre naufrágios, visto que interagiu com os governos locais ao longo de sua carreira para obter acesso aos naufrágios.  – Wikipedia]

Pedro Alvares Cabral (George Mathias Heaton (1804 - depois de 1855) e Eduard Rensburg (1817–1898) / Domínio Público)

Pedro Alvares Cabral (George Mathias Heaton (1804 – após 1855) e Eduard Rensburg (1817–1898) /  Domínio Público )

Na maioria dos casos, o navegador português Pedro Álvares Cabral é conhecido por ser o primeiro europeu a descobrir o Brasil. Estima-se que Pedro chegou ao Brasil em 22 de abril no ano de 1500.

Curiosamente, Robert Marx também afirmou que as autoridades brasileiras impediram muitas de suas iniciativas de obter licenças para escavar o local. Esses detalhes refletem claramente muitos mistérios que cercam quem chegou primeiro ao Brasil: os [fenícios] romanos ou os portugueses.

O Mistério da Baia da Guanabara

A Baía de Guanabara fica na região sudeste do Brasil, na costa do Rio de Janeiro, na costa atlântica do Brasil. É conhecida por ser a segunda maior baía do Brasil. A cerca de 15 milhas da costa, localizada a 30 metros de profundidade e cobrindo um espaço de quase três quadras de tênis, é possível encontrar um detalhe estranho.

No local apareceram no fundo do mar relíquias da Roma antiga    distribuídas por toda a área, claramente muito longe de casa. Ao mesmo tempo, sua descoberta também cria muitas dúvidas e polêmicas quanto à exatidão da história acadêmica.

Ânforas romanas (Salvatore / Adobe Stock)

Ânforas romanas ( Salvatore  / Adobe Stock)

O local recebeu atenção pela primeira vez em 1976, com mergulhadores de lagosta sugerindo relatos de jarros antigos cobertos por cracas no fundo da baía. Em pouco tempo, um mergulhador de nome José Roberto Teixeira trouxe uma prova da existência das mesmas, apresentando dois potes. Os potes eram feitos de material cerâmico e eram altos e de formato estreito.

Os antigos jarros eram conhecidos como ânforas e eram usados ​​principalmente pelos antigos  gregos,  fenícios e romanos. Esses potes ou ânforas serviam como utensílios para transportar produtos essenciais como água, grãos, vinho, azeite ou óleo durante as viagens marítimas.

Robert Marx: Uma vida não ordinária

O homem por trás da descoberta das ruínas romanas na Baía de Guanabara, oamericano Robert Marx, tem uma história bastante interessante. Arqueólogo marítimo de profissão, Robert F. Marx conseguiu silenciar os críticos com sua descoberta, provando as pessoas que acreditavam que a sua descoberta era uma farsa, de que elas estavam erradas.

O trabalho de Robert Marx, juntamente com três outros sócios da agência brasileira, Fenicia Pesquisas Arqueologicas, ajudou a trazer um grande número de relíquias subaquáticas para o reconhecimento público. Curiosamente, Robert Marx também vinculou a descoberta a um  antigo naufrágio  para estabelecer a precisão histórica.

Quatro décadas depois, a descoberta de Robert Marx continua a ser uma descoberta significativa no domínio da arqueologia subaquática. Depois de muitos mergulhos exploratórios, Robert Marx estabeleceu que as ruínas eram de um antigo naufrágio, com características aparentemente romanas.

Robert Marx afirmou que cavou cerca de um metro de profundidade na lama com as mãos para descobrir pedaços de ânforas. Além disso, Marx também encontrou algumas peças de ânforas presas a formações rochosas e de coral, testemunho de sua antiguidade no local.

Robert Marx oferece muita credibilidade na história das antigas ruínas romanas na Baía de Guanabara. O homem da Flórida  tinha cerca de 2.000 escavações em terra e água em seu crédito. Se isso não bastasse, ele também [apenas] descobriu dois dos navios de Colombo  naufragados no fundo do mar do Caribe.

O mais interessante de tudo é que ele até ajudou a descobrir os ossos do próprio Cristóvão Colombo em uma catedral na Espanha. O espanhol  Crown cavaleiro Robert Marx para reiterar a viagem de Colombo, incluindo os figurinos detalhados das roupas ao lado da tecnologia do século XV.

Guanabara Bay

Parte da Baía de Guanabara no Rio de Janeiro, Brasil

Exploração pré-colombiana das Américas

Como as evidências de visitantes estrangeiros chegando às Américas agora potencialmente remontam aos tempos dos romanos, a história requer uma nova perspectiva. Muitos exploradores [como os fenícios] aparentemente já haviam encontrado seu caminho para o Novo Mundo muito antes de Colombo em 1492. Na verdade, muitos dos exploradores estavam quase mil anos à frente de Colombo na exploração do Atlântico, bem como dos  lados do Pacífico das Américas do Sul e do Norte.

Os exploradores também estabeleceram colônias e rotas comerciais complexas nas novas terras descobertas. As ânforas descobertas entre as antigas ruínas romanas da Baía de Guanabara mostram as possibilidades de troca comercial de diferentes mercadorias.

Os céticos se reúnem

Embora Robert Marx tenha apresentado um ponto de vista completamente novo da história e da exploração das Américas, seu trabalho foi amplamente criticado. Muitos não achavam que Robert Marx era realmente um arqueólogo. Uma das críticas mais notáveis ​​a Robert Marx é que ele estava interessado em tesouros e glórias, em vez de descobrir novos dados e entendê-los.

Robert Marx (à esquerda) em 1982 (álbum Omri Linder and Family / CC BY-SA 3.0)

Robert Marx (à esquerda) em 1982 (álbum Omri Linder and Family /  CC BY-SA 3.0 )

A crítica mais contundente a Robert Marx foi apresentada em um artigo de Jonathan Kirsch no LA Times. Jonathan apontou que Marx criou e exagerou descobertas no mundo ao seu redor para apoiar a narrativa que ele queria apresentar. Além disso, ele também acusou Robert Marx de ter sido banido dos locais subaquáticos brasileiros, devido ao roubo de artefatos do fundo do mar.

O que realmente aconteceu?

Há muitas evidências de que as ânforas eram de um naufrágio romano. Por outro lado, algumas fontes também questionam se Robert Marx foi o estimado arqueólogo que todos pensam que ele foi. Até que uma “prova definitiva” seja fornecida de qualquer maneira, o mistério sobre as supostamente antigas ruínas romanas na Baía de Guanabara permanece um tópico de interesse.

As ânforas realmente refletem a história das viagens romanas à América do Sul? Assim como muitas outras misteriosas descobertas históricas, em diferentes locais do planeta, as ruínas romanas da Baía de Guanabara continuam a atrair muitos buscadores de conhecimento e naturais contestadores da “história acadêmica oficial”, na narrativa defendida pelo establishment que nos mantém ignorantes em relação à verdade.

Imagem superior: Roman Trireme. Fonte:  Elenarts  / Adobe Stock


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


“O futuro será encontrar uma forma de reduzir a população … Claro, não seremos capazes de executar pessoas ou construir acampamentos [campos de concentração]. Livramo-nos deles fazendo-os acreditar que é para o seu próprio bem … Vamos encontrar ou causar alguma coisa, uma pandemia que atingirá certas pessoas, uma crise econômica real ou não, um vírus que afeta os idosos, tanto faz, os fracos e os medrosos sucumbirão a ela. O estúpido vai acreditar nisso e pedir para ser tratado.  Teremos cuidado de ter planejado o tratamento, um tratamento que será a solução.A seleção dos idiotas [para abate], portanto, será feita por si mesmos: eles irão para o matadouro sozinhos”.  – Excerto de livro de 1981 de Jacques Attalli [Membro do Grupo Bilderberger, num exemplo de mentalidade dos psicopatas da Elite]


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.