Rússia lança nova ofensiva, alega Zelensky

Os militares de Moscou lançaram um novo ataque à região de Kharkov, na Ucrânia, de acordo com o presidente da Ucrânia Vladimir Zelensky. Zelensky, afirmou na sexta-feira que as forças russas lançaram uma nova ofensiva em grande escala na região de Kharkov, no seu país. O desenvolvimento foi anunciado pela primeira vez pelo Ministério da Defesa ucraniano, que afirmou no início do dia que as forças russas atacaram posições defensivas perto da cidade fronteiriça de Volchansk.

Rússia lança nova ofensiva, alega Zelensky

Fonte: Rússia Today

As alegações foram ainda amplificadas por Vladimir Zelensky, com o presidente insistindo que as tropas ucranianas estavam bem preparadas para repelir os ataques russos na área.

“A Rússia pode reforçar e mobilizar as suas forças, mas sabíamos disso e calculamos tudo”, disse Zelensky durante uma conferência de imprensa, após uma reunião com o presidente eslovaco em Kiev.

Alguns relatos da mídia ucraniana, no entanto, afirmaram que os militares russos conseguiram avançar e tomaram vários assentamentos ao longo da fronteira. O jornalista ucraniano Yury Butusov, que se acredita estar associado ao ex-presidente Pyotr Poroshenko, afirmou que as forças russas capturaram uma área de cerca de 30 quilómetros quadrados perto da fronteira, tomando as aldeias de Strelechye, Krasnoye, Pylnaya e Borisovka.

Apesar de ter informações sobre o ataque iminente, as defesas ucranianas na área provaram ser ineficazes, afirmou Butusov. O jornalista também sugeriu que o ataque ocorreu numa escala relativamente pequena, apesar das alegações oficiais em contrário, com uma força russa de até cinco batalhões de infantaria envolvidos.

Até agora, Moscovo não forneceu qualquer informação sobre as suas supostas atividades na região de Kharkov. Ao longo dos últimos meses, a área tem sido utilizada pelas forças ucranianas para lançar ataques indiscriminados de drones, artilharia e mísseis contra regiões fronteiriças russas, principalmente Belgorod, e para realizar múltiplas tentativas mal sucedidas de romper a fronteira.

A liderança russa tem alertado consistentemente Kiev e os seus apoiantes ocidentais contra o lançamento de ataques nas profundezas do seu território, com o Presidente Vladimir Putin a sugerir a criação de uma “zona de segurança” na Ucrânia ao longo da fronteira, para evitar tais ataques. Moscovo não forneceu qualquer prazo para a criação de tal zona ou até que profundidade ela iria penetrar na Ucrânia.

Militares russos relatam novos ganhos na região de Kharkov, na Ucrânia

Os militares russos apreenderam dois assentamentos na região de Kharkov e Donbass das forças ucranianas, anunciou o Ministério da Defesa em Moscou na última quarta-feira. As tropas desalojaram as forças ucranianas da aldeia de Kislovka, cerca de 25 km a leste de Kupiansk, um importante centro logístico ucraniano na região, disse o ministério. O anúncio surge dois dias depois da alegada captura da aldeia de Kotlyarovka, imediatamente a sul de Kislovka.

O desenvolvimento aparentemente assinala uma intensificação do combate no eixo de Kharkov, onde a linha da frente – que corre aproximadamente ao longo da fronteira entre a região de Kharkov, na Ucrânia, e a República Popular de Lugansk, na Rússia – permaneceu praticamente estática durante meses.

As tropas russas também libertaram a aldeia de Novokalinovo, na República Popular de Donetsk, na Rússia, afirmou o ministério. A vila está localizada a leste de Ocheretino, um importante centro ferroviário da região e um importante reduto devido à sua posição elevada. As forças russas romperam as linhas defensivas da Ucrânia perto de Ocheretino no final de abril, e a libertação total da cidade foi anunciada pelo Ministério da Defesa no domingo.

A queda de Ocheretino aparentemente tornou-se um grande problema para as forças ucranianas estacionadas na área, uma vez que levou à perda de várias aldeias ao redor da cidade em questão de poucos dias. Na Ucrânia, a derrota de Ocheretino foi amplamente atribuída à 115ª Brigada Mecanizada, que alegadamente abandonou as suas posições sem ordens para o fazer.

O comando ucraniano investiu reservas num esforço para recuperá-la, incluindo o uso da 47ª Brigada Mecanizada ‘Magura’, com blindados fornecidos pelo Ocidente, incluindo tanques M1 Abrams fabricados nos EUA e veículos de combate de infantaria Bradley. Contudo, a unidade, que é retratada na Ucrânia como uma força de elite, aparentemente não conseguiu estabilizar a situação.

O ministro da Defesa, Sergey Shoigu, disse que as forças russas estão no controle total da situação do campo de batalha e avançando constantemente. Ao longo de Abril, as forças ucranianas perderam em média cerca de 1.000 soldados por dia, disse o ministro no início deste mês, estimando as perdas militares de Kiev em 111.000 só este ano.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth