Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Rússia x Ucrânia: Operação Militar Especial, Temporada II

As coisas estão começando a esquentar: Os dias 9 e 11 de setembro ficarão na história como um período de grande importância na guerra russo-ucraniana. Ambas as partes beligerantes cruzaram limites muito importantes, que juntos sugerem que a guerra está entrando em uma nova fase. Nos dias 9 e 10, a Ucrânia alcançou seu primeiro sucesso concreto da guerra ao retomar todo o território controlado pelos russos em Kharkov Oblast a oeste do rio Oskil, incluindo a margem ocidental de Kupyansk e o nó de trânsito de Izyum.

Rússia x Ucrânia: Operação Militar Especial, Temporada II, uma escalada geral no conflito?

Fonte: BigSerge.substack.com

Enquanto isso, Vladimir Putin convocou uma reunião de emergência de seu conselho de segurança nacional, que precipitou a escalada da própria Rússia já no dia 11, quando a infraestrutura vital ucraniana esteve finalmente sujeita a ataques pesados de artilharia e mísseis, mergulhando grande parte da Ucrânia na escuridão.

Parece claro que a guerra está entrando em uma nova fase, e parece altamente provável que ambas as partes tentarão tomar uma ação decisiva no próximo round. Por enquanto, vamos tentar analisar os desenvolvimentos da semana passada e entender para onde a guerra está indo.

A contra-ofensiva de Kharkov

Correndo o risco de soar muito pedante, a contra-ofensiva da Ucrânia no leste de Kharkov Oblast é uma excelente demonstração das dificuldades em avaliar as operações militares estando longe do terreno. Todos concordam com a geografia básica do que aconteceu: a Ucrânia limpou tudo a oeste do rio Oskil das forças russas. Ninguém concorda sobre o que isso significa, no entanto. Eu vi todas as seguintes interpretações postuladas – observe, as pessoas chegaram a todas essas conclusões a partir do mesmo conjunto de dados:

  • Rússia atraiu a Ucrânia para uma armadilha e em breve contra-atacará;
  • Rússia se retirou voluntariamente de Kharkov para priorizar outras frentes;
  • A Rússia atraiu os ucranianos para atingi-los com artilharia;
  • A Rússia sofreu uma falha maciça de inteligência e não percebeu ou respondeu à ofensiva da Ucrânia;
  • A Rússia sofreu uma derrota na batalha e foi forçada a recuar.

Vamos fazer uma autópsia metódica e ver o que conseguimos.

A primeira coisa que queremos notar é que a disparidade de forças nessa frente era absolutamente risível. A Ucrânia montou um grupo de ataque de pelo menos cinco brigadas completas e visava uma linha de contato que não tinha tropas regulares russas. As defesas russas da linha de frente na região atacada eram guarnecidas por milícias do Donbas aliadas e guardas nacionais. Parece que havia um único Grupo Tático de Batalhão (BTG) em Izyum, mas pouco mais.

É inegável, mesmo para os ucranianos que comemoram o avanço, que o oblast de Kharkov foi quase completamente esvaziado das tropas russas, deixando pouco mais que uma força de triagem. Duas coisas importantes decorrem disso:

Primeiro, que o grupo de choque ucraniano estava, na maioria dos lugares, avançando contra uma resistência praticamente inexistente. 

Em segundo lugar, e mais ameaçador para a Ucrânia, as unidades de baixa qualidade deixadas para trás para fins de triagem foram capazes de oferecer boa resistência contra os ucranianos – os homens Rosgvardiya em Balakliya resistiram tenazmente por vários dias antes de evacuar por um corredor.

Em minha análise anterior, conduzida enquanto a contra-ofensiva ucraniana estava apenas começando a se desenvolver, e foi completamente rechaçada no front sul, observei duas coisas importantes sobre a forma do campo de batalha.

  1. Argumentei que a Ucrânia seria incapaz de atravessar o Oskil e explorar adequadamente sua ofensiva.
  2. Notei que a Ucrânia estava fazendo avanços rápidos contra porções ocas e escassas do front russo, e que a Rússia havia se comprometido muito pouco com a batalha.

Ambas as afirmações estavam corretas. Admito livremente, no entanto, que tirei a conclusão incorreta delas. Acredito que o avanço ucraniano culminaria no rio Oskil, deixando-os vulneráveis ??a um contra-ataque russo das reservas que chegavam. Parece bastante claro agora que isso está incorreto, e as reservas russas que estavam em rota foram encarregadas de estabilizar a defesa no Oskil, não lançar um contra-ataque.

Esta não foi uma armadilha operacional da Rússia, mas também não foi uma vitória na batalha para a Ucrânia – pela simples razão de que não houve muita batalha. A Rússia já havia esvaziado essas posições e retirou as forças de triagem restantes muito rapidamente. A Ucrânia cobriu muito terreno, mas não conseguiu destruir nenhuma unidade russa, porque realmente não havia nenhuma lá.

Seria tolice tentar convencer o lado ucraniano de sua empolgação agora. Crédito onde o crédito é devido, eles conseguiram montar um grupo de choque de bom tamanho, apontá-lo para uma parte fraca da frente russa e recuperar um bom pedaço de terreno. Considerando a abjeta falta de sucessos para a Ucrânia nesta guerra, eles estão justamente tentando elevar todo o moral possível e obter muita propaganda disso, visando mais apoio da OTAN.

No entanto, não acredito que as perdas territoriais em Kharkov mudem de forma alguma o cálculo final da guerra. A Rússia esvaziou essa frente e se retirou, mas conseguiu atacar as forças ucranianas à medida que avançavam com artilharia e ataques aéreos implacáveis. Canais ucranianos relatam amplamente hospitais superlotados. 

O Ministério da Defesa russo reivindicou em torno de 4.000 mortos e 8.000 feridos para a Ucrânia durante seu avanço – acredito que isso seja alto, mas mesmo se reduzirmos os números em 50% (nos deixando com 6.000 baixas totais, razoável dada a quantidade de munição que a Rússia descarregou) é muito claro que os índices de perda nesta operação foram mal empilhados contra a Ucrânia, como sempre são.

Impulso

Como previ em meu último artigo, a Ucrânia até agora não conseguiu explorar sua ofensiva atingindo a profundidade operacional. Eles foram totalmente incapazes de projetar forças através do rio Oskil. Com o avanço para o leste firmemente culminado, eles procuram manter seu ímpeto, ou pelo menos a aparência dele.

O avanço bem-sucedido da Ucrânia em Kharkov Oblast foi aumentado com uma explosão de falsificação e propaganda projetada para simular uma mudança total no momento estratégico. Isso inclui falsificações relacionadas à política doméstica russa, como pedidos fabricados para o impeachment de Putin e desinformação no campo de batalha, como alegações de que o Exército ucraniano violou as fronteiras do LNR ou invadiu a cidade de Donetsk. Eles também circularam vídeos fora de contexto (o mais popular mostra um depósito de veículos russos… na Crimeia) pretendendo mostrar que os russos abandonaram centenas de veículos em Izyum.

A falsificação não é importante para a guerra, mas para efeito de propaganda sim. A Ucrânia, no entanto, também tentará manter o ímpeto do campo de batalha pegando carona na operação de Kharkov com contra-ofensivas adicionais. Eles continuam tentando atravessar o rio Donets em força para atacar Lyman, sem sucesso. Eles também continuam seus ataques na direção de Kherson, fazendo pouco progresso e tendo muitas baixas.

O desenvolvimento mais importante, no entanto, é a alegação de que um segundo grupo de choque ucraniano foi montado em Zaparozhia, onde esta situada a maior usina nuclear da Europa sob o controle dos russos. 

Esta é uma área onde a geografia realmente permitiria à Ucrânia alcançar a exploração operacional. Um movimento bem sucedido em direção a Melitopol ou Mariupol comprometeria a ponte terrestre para a Crimeia e ameaçaria desmoronar toda a posição da Rússia conquistada no sul.

Ao contrário de Kharkov, no entanto, esta não é uma ‘parte oca’ de soldados russos do front. O recém-formado 3º Corpo russo está concentrado no sul, e comboios russos foram vistos recentemente se movendo pela região de Mariupol. A Ucrânia pode muito bem tentar mais uma operação ofensiva nesse sentido, mas dada a força do agrupamento russo aqui, os resultados serão mais parecidos com [o fracasso em] Kherson do que com o sucesso em Kharkov.

Soberania

Durante os primeiros meses da guerra, argumentei no Twitter que as ofensivas em massa são difíceis e que a Ucrânia ainda não havia demonstrado capacidade organizacional de seus militares para organizar um nível operacional superior ao de brigada. Toda a ação de ataque que vimos da Ucrânia no início tomou a forma de uma única brigada – ou mais frequentemente, um único batalhão – com os comandantes das unidades tomando a iniciativa.

Bem, eis que a Ucrânia conseguiu colocar em campo pelo menos dois (Kherson, Kharkov) e talvez três (Zaporizhia) grupos de choque de várias brigadas e lançar operações coordenadas. Isso foi possível porque a Ucrânia é um pseudo-Estado, que é abastecido, financiado e cada vez mais administrado pela OTAN. As agências ocidentais não podem resistir a se gabar – a Grã-Bretanha se identificou como a parte responsável pelo planejamento e organização da operação Kherson, enquanto os EUA reivindicam o crédito pelo ataque mais bem-sucedido de Kharkov.

É difícil exagerar até que ponto a Ucrânia é sustentada apenas pelo Ocidente. Soldados ucranianos são treinados por oficiais da OTAN, armados com armas da OTAN, acompanhados em campo por soldados da OTAN  “voluntários” [mercenários] estrangeiros, e o pseudo-estado ucraniano e seu governo é mantido funcionando por injeções de dinheiro do ocidente. Os vídeos da frente de Kharkov estão repletos de soldados que falam inglês e de armas estrangeiras.

A questão não é apenas apontar, mais uma vez, que a Ucrânia é um estado falido – um cadáver que recebe a ilusão de vida por atores externos movendo os seus membros como um boneco de marionetes. A questão é que a Rússia entende isso e entende corretamente que está em uma colisão civilizacional com todo o ocidente [EUA-OTAN]. Para isso, devemos entender que a escalada russa está em andamento e pensar no que isso significa.

Escalação e Mobilização

A essa altura, a ideia de que a Rússia precisa se mobilizar completamente se tornou um velho meme cansado, cortesia do perturbado Igor Strelkov. Certamente é verdade que a Rússia deve escalar, mas saltar diretamente para a mobilização (colocar a economia em pé de guerra e convocar recrutas) seria um grave erro. A Rússia tem outras maneiras melhores de escalar o conflito. O recente avanço ucraniano em Kharkov é um sinal óbvio para aumentar o desdobramento da força, e tiros ucranianos em alvos na fronteira russa só aumentam a pressão para se tirar as luvas e entrar em modo de guerra total.

Em primeiro lugar, gostaria de comentar por que sou contra a mobilização. Uma das dimensões mais importantes dessa guerra é a frente econômica. A Europa já está sendo levada à beira da crise energética, com fábricas fechando, ameaças de distúrbios civis pelo elevado aumento do custo da energia… e o inverno esta às portas. O Wall Street Journal falou sobre o que acredito ser a descrição mais adequada da crise, alertando para uma “nova era de desindustrialização na Europa”[deixando os EUA sem um concorrente direto, com a falência da União Europeia, enquanto desgasta e enfraquece a Rússia, outro concorrente a desafiar o hegemon norte americano].

Uma mobilização total seria muito custosa para a economia russa, arriscando a vantagem que o pais atualmente detém no confronto econômico com a Europa. Esta, acredito, é a principal razão pela qual o governo russo foi rápido em reprimir os rumores de mobilização hoje. Há outros degraus na escada de escalada da guerra antes de entrar em modo de guerra total.

Já existem rumores de que a Rússia está planejando mudar a designação formal da guerra com a Ucrânia, de “Operação Militar Especial”. Embora isso possa significar uma declaração formal de guerra, acho que isso é improvável. Em vez disso, a Rússia provavelmente dará à operação na Ucrânia a mesma designação de suas operações militares na Síria, afrouxando as regras de engajamento e começando a atacar os ativos e infra estrutura ucranianos com muita mais seriedade.

Vimos uma amostra disso ontem à noite, quando a Rússia eliminou, sem muito esforço, mais da metade da geração e distribuição de energia da Ucrânia com apenas alguns mísseis. Há muitos outros alvos que eles podem atacar – “outros nós” na rede elétrica, instalações de bombeamento e filtragem de água e postos de comando de nível superior. 

Há pelo menos alguma probabilidade de que a Rússia comece a atacar as instalações de comando com pessoal da OTAN nelas. A negação plausível funciona nos dois sentidos; porque a OTAN não está “oficialmente” na Ucrânia – apenas “voluntários” europeus – e a Rússia eliminar seu pessoal não é um ato abertamente agressivo.

A Rússia também tem muitas maneiras de aumentar seu desdobramento de forças na Ucrânia que ficam aquém da mobilização total. Eles têm um grupo de soldados contratados desmobilizados que podem convocar, bem como um grupo de reservistas que podem mobilizar com uma mobilização parcial.

A linha russa da guerra está endurecendo. Apenas nas últimas 24 horas, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que “não havia perspectiva de negociações” com a Ucrânia, e Putin disse que “forças hostis estão nos atacando e devemos tomar a iniciativa para conseguir enfrentá-los”. 

O ex presidente da Rússia, Medvedev foi ainda mais longe agora: “Um certo Zelenskyy disse que não manterá um diálogo com aqueles que derem ultimatos. Os ‘ultimatos’ atuais são um aquecimento para as crianças, uma prévia das demandas a serem feitas no futuro. Ele os conhece: a rendição total do regime de Kiev nos termos da Rússia”

Se você acredita que o governo russo é totalmente incompetente e dúbio, sinta-se à vontade para ver declarações como essa como fanfarronice. Mas dado os primeiros tiros de alerta com precisão na geração de energia ucraniana ontem, minha sensação é que a Rússia está se preparando para escalar para um nível mais alto de intensidade nos seus ataques, o que a Ucrânia não pode igualar com seus recursos nacionais. O único outro jogador na escalada da guerra na Ucrânia são os Estados Unidos.

Tempos sombrios estão à frente para a Ucrânia – e talvez para os americanos na outra frente desta guerra, a econômica.

A Outra Frente Sul

Síria e Ucrânia são duas frentes na mesma guerra [que possuem mãos ocultas agindo em ambos os terrenos, os “interesses” de Israel, pois a Ucrânia é a origem dos atuais judeus khazares que criaram o estado judeu, com Zelensky sendo um judeu khazar, e na Síria a intervenção da Rússia pôs por terra as pretenções de Israel de expansão territorial, algo pelo que os judeus não perdoaram Putin….]. Isso é muito importante para entender. Na Síria, os Estados Unidos tentaram destruir o mais importante aliado da Rússia no Oriente Médio e criar um caixote do lixo para sugar os recursos russos; na Ucrânia, a OTAN armou um estado kamikaze para lançar na fronteira ocidental da Rússia. Na mente russa, essas guerras estão inextricavelmente ligadas.

Sobre os judeus khazares, saiba mais:

Após a contra-ofensiva de Kharkov, suspeito fortemente que a Rússia procurará uma maneira de contra-atacar os Estados Unidos, sem cruzar linhas vermelhas que possam levar a um confronto mais direto. A Síria é o lugar onde isso aconteceria [pois também prejudicaria Israel e seus interesses]. 

Os Estados Unidos mantêm várias bases ilegais em solo sírio, que a Rússia poderia atacar usando seus aliados sírios da mesma forma que os Estados Unidos estão usando a Ucrânia. A Rússia está em fase de acabamento treinando uma nova divisão aerotransportada síria

Com a cobertura aérea russa, um ataque a uma das bases americanas na Síria seria possível – os EUA seriam forçados a escolher entre derrubar aviões russos e flertar com a guerra nuclear, ou aceitar humildemente a perda de uma base ilegal que funcionou difícil de esconder de seus próprios cidadãos.  Dada a total falta de entusiasmo entre o público americano por mais uma guerra no Oriente Médio, parece que os EUA simplesmente teriam que engolir a sua perda na região.

Grandes Expectativas em desdobramento:

  1. Escalada russa de ataques à infraestrutura, ativos e centros de comando ucranianos.
  2. O desdobramento da força russa foi levantado sem mobilização total.
  3. Intensificação dos esforços russos para recuperar o território DNR.
  4. Possível escalada na Síria, provavelmente na forma de “ataques do exército sírio a bases dos EUA.

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *