Sequência de DNA do vírus símio 40 (SV40) na “vacina” mRNA da Pfizer Covid-19 pode gerar Novos Processos

A Pfizer e a sua parceira BioNTech podem estar vulneráveis a processos judiciais por incluírem uma sequência de ADN na sua vacina mRNA contra a Covid-19. A Lei de Prontidão Pública e Preparação para Emergências, conhecida como Lei PREP, protege amplamente os fabricantes de vacinas COVID-19 de ações judiciais, mas as empresas podem ser processadas por “má conduta intencional”. que inclui atos praticados “intencionalmente para atingir um propósito ilícito”.

Sequência de DNA do vírus símio 40 (SV40) na “vacina” mRNA da Pfizer Covid-19 pode gerar Novos Processos Judiciais, dizem advogados

Fonte: The Epoch Times

Acho que o que temos aqui é má conduta intencional,” Mat Staver, presidente do Liberty Counsel, disse ao Epoch Times. A “vacina” mRNA da Pfizer-BioNTech, em testes realizados por cientistas externos, foi descoberta como contendo uma sequência de DNA do vírus símio 40 (SV40), apesar do público nunca ter sido informado sobre a sequência.

Os reguladores no Canadá e na Europa reconheceram desde então que as empresas não destacaram existência da sequência de DNA de macaco e que deveriam tê-lo feito, embora as submissões regulatórias tenham mostrado a sequência completa de DNA do plasmídeo da vacina.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA recusou-se a divulgar se as empresas destacaram a sequência. A FDA alegou que nenhuma preocupação de segurança foi identificada no DNA residual deixado pela sequência do vírus SV40, embora a agência não tenha fornecido nenhuma evidência sobre o assunto.

Não consigo imaginar que a FDA soubesse disso. Não há nada nos documentos da FDA que eu saiba onde eles acusam de que sabiam sobre esse vírus SV40 contaminante,” Sr. Staver disse.

De acordo com uma declaração do então Secretário de Saúde Alex Azar em 2020, as vacinas COVID-19 enquadram-se na Lei PREP. Essa lei visa permitir uma resposta mais rápida a uma emergência de saúde e conceder imunidade generalizada aos fabricantes de vacinas e novos tratamentos, bem como aos médicos administradores dos medicamentos.

A proteção legal abrangente permanece em vigor até hoje graças às prorrogações das administrações Trump e Biden. A Lei PREP evitou em grande parte processos judiciais relativos aos graves efeitos colaterais das vacinas COVID-19, mas vários desenvolvimentos recentes podem mudar isso.

Em agosto, um juiz de Michigan decidiu que a fabricante de medicamentos Gilead Sciences não estava protegida pela lei no caso de um homem que precisou ter sua perna amputada após receber o medicamento Remdesivir da Gilead, usado como tratamento para COVID-19. O medicamento administrado estaria contaminado com “partículas de vidro”.

A outra é a revelação de que a injeção mRNA [ainda uma “vacina” experimental] da Pfizer contém a sequência do vírus símio SV40.

Isso poderia ajudar os demandantes a “quebrar a imunidade legal que é fornecida pela Lei PREP”. o Sr. Staver disse. Ele disse que ouviu falar de empresas e organizações de danos pessoais que estão explorando processos e que o Liberty Counsel também está considerando trazer alguns à luz dos últimos desenvolvimentos.

O Liberty Counsel esteve envolvido em vários processos importantes relativos às vacinas contra a COVID-19, incluindo alguns com militares que tiveram negados, em cartas padronizadas, pedidos de isenções religiosas do mandato militar da vacina contra a COVID-19. A empresa ajudou a obter ordens que impediam as forças armadas dos EUA de dispensar esses membros.

A Pfizer e BioNTech não retornaram pedidos de comentários. Warner Mendenhall, outro advogado americano, disse numa teleconferência recente que os advogados estão falando em adotar uma abordagem diferente.

A última conversa sobre a qual estivemos conversando… é se temos acesso agora, pelo menos para algumas pessoas, para provar a demanda” ele disse.

O consentimento informado requer informações do fabricante, “e ninguém sabia sobre o DNA do vírus SV40”. ele disse. Sem esse conhecimento, os recebedores da vacina não poderiam dar o consentimento adequado, de acordo com o Sr. Mendenhall.

“E se você não consentiu, e alguém faz algo com você sem voce ser informado e sem o devido consentimento, isso se chama agressão. Portanto, há alguma abertura para demandas judiciais. E estamos em discussões agora, e isso pode ser levado a cabo como o que chamamos de atos ilícitos em massa ou casos em massa. Então, estamos trabalhando nisso.”


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na CEF, Agência: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth