browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Seres humanos sem ALMA – Portais Orgânicos (4)

Posted by on 11/04/2019

“Uma porcentagem considerável das pessoas que encontramos na rua são pessoas que estão completamente vazias por dentro, ou seja, elas já estão mortas. É afortunado para nós que não as vejamos e não as conheçamos. 

Se soubéssemos dessas muitas pessoas que estão realmente mortas e quais são essas pessoas sem alma que governam nossas vidas, deveríamos ficar bravos e horrorizados “.  –  G.I. Gurdjieff 

“Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada. E muitos deles estão tão acostumados, tão irremediavelmente dependentes do sistema, que vão lutar para protegê-lo”…  –  Morpheus em “The Matrix

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

PORTAIS ORGÂNICOS – SERES HUMANOS SEM ALMA

Por Bernhard Guenther  – Fonte: https://veilofreality.com/

Parte 1 AQUI, – Parte 2 AQUI – Parte 3 AQUI

Estes são momentos interessantes. Por um lado, há mudanças acontecendo em uma escala global que não podem ser realmente ignoradas por muito mais tempo. Por outro lado, a maioria da população parece viver suas vidas como se tudo fosse exatamente como sempre foi e sempre será, encerrado em uma visão de túnel de interesse meramente egoísta, pessoal e material.


Mouravieff escreve:

Quando pedimos a alguém que vive sob essa pressão constante da vida contemporânea para transformar sua visão mental em relação a si mesmo, ele geralmente responde que não tem tempo suficiente para empreender tais práticas. … Se ele concorda, ele na maioria dos casos diz que não vê nada: Neblina; Obscuridade. Em casos menos comuns, o observador informa que ele percebe algo que ele não pode definir, porque ele muda o tempo todo.

Esta última observação está correta. Tudo está mudando continuamente dentro de nós. Um pequeno choque externo, agradável ou desagradável, feliz ou infeliz, é suficiente para dar ao nosso conteúdo interno uma aparência bastante diferente.  Se acompanharmos esta observação interior, essa introspecção, sem preconceitos, logo notaremos que nosso “eu”, do qual somos tão  orgulhosos, nem sempre é o mesmo eu: o “eu” muda.

À medida que esta impressão se torna mais definida, começamos a nos tornar mais conscientes de que não é um ser único que vive dentro de nós, mas vários, cada um com seus próprios gostos, suas próprias aspirações e cada um tentando alcançar seus próprios fins.

Se prosseguirmos com essa experiência, em breve poderemos distinguir três correntes com aquela vida eternamente em movimento: a da vida vegetativa dos instintos, por assim dizer; o da vida animal das emoçõess; e, finalmente, a da vida humana no sentido próprio do termo, caracterizada pelo pensamento, a fala e o sentimento. É como se houvesse três seres dentro de nós, todos enredados de maneira extraordinária. Então, nós apreciamos o valor da introspecção como um método de trabalho prático que nos permite conhecer a nós mesmos e a entrar em nós mesmos.

O conteúdo interno do homem é análogo a um vaso cheio de limalhas de ferro em um estado de mistura como resultado da ação mecânica. Todo choque recebido pelo vaso causa o deslocamento das partículas de limalhas de ferro. Assim, a vida real permanece escondida do ser humano devido às mudanças constantes que ocorrem em sua vida interior.


Mesmo assim, como veremos mais adiante, esta situação sem sentido e perigosa pode ser modificada de forma benéfica. Mas isso requer MUITO trabalho; disciplina, esforço consciencioso e sustentado. A introspecção realizada sem cessar resulta em uma sensibilidade interna aprimorada. Esta sensibilidade melhorada, por sua vez, intensifica a amplitude e a freqüência de movimento sempre que os limbos de ferro são perturbados. Como resultado, os choques que anteriormente não foram notados agora provocam reações vívidas. Esses movimentos, por causa de sua amplificação contínua, podem criar fricção entre partículas de ferro tão intensas que podemos um dia sentir o fogo interior acender dentro de nós.


O incêndio não deve permanecer um incêndio inofensivo. Nem é suficiente que o fogo fumegue adormecido sob as cinzas. Um fogo vivo e ardente, uma vez aceso, deve ser cuidadosamente mantido aceso pela vontade de refinar e cultivar a sensibilidade. Se continuar assim, nosso estado pode mudar: o calor da chama começará um processo de fusão dentro de nós.


A partir deste ponto, o conteúdo interno já não se comportará como um monte de limalhas de ferro: ele formará um bloco. Em seguida, novos choques já não provocarão mudanças interiores no homem como anteriormente. Tendo chegado a este ponto, ele terá adquirido firmeza; Ele permanecerá no meio das tempestades a que a vida pode expô-lo sem sair de seu centro e ser perturbado pelas condições externas.

Assim, vemos que a ideia de que não existe um eu unitário é correta do ponto de vista esotérico.  Somente, vamos além de Dennett. Consideramos que existe a possibilidade de criar este “eu” e que aproximadamente 50% da população da Terra atualmente possui os recursos latentes com os quais fazer isso. Este trabalho envolve estar ciente de nossas ações e respostas e levar nossos “programas” à luz para que possamos alcançar o que está por trás, o que é obscurecido por muitos “I”, o “eu” real e unificado.

Para demonstrar ainda mais o funcionamento da mente científica do portal orgânico, temos o seguinte de Francis Heylighen , professor de pesquisa na Universidade Livre de Bruxelas e editor do Principia Cybernetica Project, “uma organização internacional para o desenvolvimento colaborativo de uma filosofia evolutiva-sistêmica“. Ao tentar convencer-nos da mente como teoria das máquinas, ele define esta situação e nos dá uma visão e uma descrição da mente e da natureza de um típico ser Portal Orgânico.

Em ” Existe um Problemático Problema da Consciência “, ele escreve:

As experiências de primeira pessoa ou qualia são sentimentos ou experiências essencialmente subjetivas ou pessoais que cada um de nós tem (por exemplo, o sentimento de “vermelhidão” ou “frio”), e isso não pode ser descrito por palavras, fórmulas, programas ou qualquer outra representação objetiva. De acordo com alguns teóricos da consciência, como David Chalmers, um agente sem tal qualia seria meramente um “zumbi”, uma criatura que pode se comportar, se sentir e se comunicar como um ser humano, mas isso não teria o aspecto mais crucial da consciência. O “problema difícil” da pesquisa da consciência consiste então em elucidar a natureza das experiências de primeira pessoa.

Acreditamos que essa abordagem é essencialmente equivocada. Se o hipotético zumbi se comporta de todos os aspectos indistinguível de uma pessoa com consciência, então o princípio da identidade do indistinguível nos forçaria a concluir que o “zumbi” tem consciência. De que outra forma saberíamos que as pessoas que nos rodeiam não são zumbis? Nós assumimos que eles têm uma experiência consciente semelhante a nós mesmos porque eles se comportam em todos os outros aspectos semelhantes a nós. Mas se você tomasse esse raciocínio a sério, então você pode começar a ter fantasias do tipo pesadelo em que você é a única pessoa real e consciente do mundo, e todos os outros são apenas autômatos sofisticados que fingem ser como você.

Autômato humano ou sofisticado consciente?

Você já teve essa “fantasia de pesadelo” que o mundo é povoado por zumbis? Bem, adivinhe, não é uma fantasia. A metade das pessoas lá fora é exatamente isso: “autômatos sofisticados que fingem ser como você”.



É inteiramente apropriado que ele use o termo “agente” (o filme Matrix, qualquer um?) Para o tipo de ser programado, “seja feito de carne e sangue ou chips de silício”.

Ele continua dizendo:

Os agentes não sentem o mundo como se fossem transgressores impessoais e objetivos, que tentam representar internamente o mundo, independentemente de si mesmos. Para um agente, uma sensação é significativa somente na medida em que se relaciona com os objetivos do agente, o que, na prática, significa que é relevante para a sobrevivência individual do agente.

Heylighen está descrevendo a mente do predador. Isso é surpreendentemente próximo dos cenários reais da vida real do comportamento dos psicopatas e do pensamento que são apresentados no livro de Cleckely “A máscara da sanidade”.

O autor conclui:

A consciência não é uma substância misteriosa, fluida ou propriedade da matéria, mas um nível de organização emergente de processos e relações abstratas. As pessoas que procuram a consciência em partículas elementares (uma forma de panpsiquismo que foi sugerida como uma maneira de enfrentar o “problema difícil”), porque não podem de outra forma explicar de onde a consciência em nosso cérebro vem, estão equivocadas. Sua intuição pode ser correta na medida em que as partículas, assim como qualquer outro sistema, devem ser vistas como relações e não apenas como aglomerados de matéria. Mas atribuir a consciência a esses tipos de relações extremamente simples é meramente uma maneira de evadir o problema realmente difícil, mas resolvido, de reconstruir a complexa organização cibernética da mente humana em todos os seus detalhes e sutilezas.

Aqui vimos a visão do Portal Orgânico de si mesmos. Seja ou não a pessoa chamada Portal Orgânicos, não é o problema. Eles podem ser indivíduos “espirituosos” que ainda não conseguiram ver atrás da mentira da Personalidade-EGO. Enquanto isso não aconteceu, os indivíduos saudados funcionarão e verão o mundo e eles mesmos como se fossem portais orgânicos. Mas é claro que essa maneira de “explicar” a consciência é limitada, explicando apenas a forma particular de consciência manifestada pela Personalidade – o homem exterior. Pode descrever o funcionamento do PO ou do homem exterior; mas não pode fazer justiça à consciência do Buscador envolvido no trabalho de fusão para acomodar os anseios de sua alma.





Examinamos a questão da criatividade.



Vimos que o PO aprende através da imitação. A teoria de Meme postula que os memes se espalham através da imitação. E obras de arte, livros, música, “idéias científicas”, todas essas formas de “criação” são meramente a difusão de memes. Um “criador” é alguém que leva memes e encontra novas maneiras de juntar, organizar e reorganizar. Mas nada é realmente “criado”.

Isso ocorre porque o centro móvel do Portal Orgânico, incapaz de extrair energia dos centros emocionais e intelectuais superiores que não existem para ele. Sua criatividade na forma de “amor” é limitada em seu funcionamento ao amor meramente físico e carnal.

Mouravieff escreve:

É importante lembrar que – exceto, claro, para o homem adâmico – toda criatura que participa da vida orgânica na Terra, quer tenha um centro em sua psique, dois ou três como no homem do VI dia da Criação [o portal orgânico] , tem apenas um centro superior. Na verdade, no plano híclico (?), o centro sexual é análogo aos centros intelectuais emocionais e superiores, pois é por natureza e estrutura inteira, isto é, indivisível.

Exceto quando sua energia é usurpada pelos três centros da Personalidade, o centro sexual em sua função direta, que é amor carnal físico (mero desejo), tem um objetivo bem definido pelas palavras: seja frutífero e multiplique. Em outras palavras, em um organismo saudável, este centro, como os centros emocionais e intelectuais superiores, não conhece dúvidas, nem hesitação, nem tristeza, o que é bem o contrário com o que é muitas vezes o caso com os três centros inferiores. [Gnose, Livro III, p. 143.]

A função especial do centro sexual em seres espiritualizados é explicada ainda mais pelos Cs:

P: A recarga do ser sem alma é proveniente de um pool similar, apenas talvez o grupo “humano”?
R: Não – recarrega-se do chamado centro sexual, que é um centro superior de energia criativa. Durante o sono, o centro emocional, não sendo bloqueado pelo centro intelectual mais baixo e pelo centro móvel, transduz a energia do centro sexual. É também o tempo durante o qual os centros emocionais e intelectuais superiores podem descansar do “dreno” da interação dos centros inferiores com os enormes portais orgânicos muito apreciados pelos centros inferiores. Essa única pausa é suficiente para fazer a diferença. Mas, mais do que isso, a energia do centro sexual também está mais disponível para os outros centros superiores.
P: De onde o chamado “centro sexual” obtém sua energia?
R: O centro sexual está em contato direto com a 7ª densidade em seu pensamento criativo “feminino” de “Tu, Eu Amo”. A “exalação” de “Deus” no relevo da constrição. Pulsação. Ondas gravitacionais ​​instáveis.

A verdadeira criatividade vem dessa conexão com a “7ª densidade em seu sentimento feminino” de “Tu, Eu Amo” em sua conjugação com os centros emocionais e intelectuais superiores. Assim, o indivíduo com alma é capaz de “criar” no sentido de manifestar algo novo através do seu pensamento e da conexão com a 7ª Densidade. Este é um processo profundo pois isso nos liga diretamente ao “Criador”, ao UNO, a UNICIDADE.


O portal orgânico, ao procurar definir esse impulso criativo genuíno, é obrigado a recair sobre a ideia do meme, da imitação. Olhe como Dennett descreve o ato criativo:

Esta é uma nova maneira de pensar sobre idéias. Também espero mostrar um bom caminho, mas, desde logo, a perspectiva que oferece é claramente perturbadora, até mesmo espantosa. Podemos resumir com um slogan: um estudioso é apenas uma forma de biblioteca de fazer outra biblioteca.

Eu não sei sobre você, mas não sou atraído inicialmente pela idéia de que o meu cérebro é como uma espécie de “monte de esterco” em que as larvas das idéias de outras pessoas se renovam, antes de enviar cópias de si mesmas em uma diáspora informacional. Parece roubar minha mente de sua importância como um autor e crítico. Quem é responsável, de acordo com essa visão – nós ou nossos memes?

Não há, claro, nenhuma resposta simples. Gostaríamos de pensar em nós mesmos como criadores de ideias divinas, manipulando-as e controlando-as conforme nosso capricho ditar e julgá-las de um ponto de vista independente e olímpico. Mas mesmo que este seja o nosso ideal, sabemos que raramente é sempre essa a realidade, mesmo com as mentes mais magistrais e criativos. Como Mozart observou com fama sobre seus próprios criadores:

“Quando eu me sinto bem e de bom humor, ou quando estou caminhando ou depois de uma boa refeição, ou na noite em que não consigo dormir, os pensamentos se agitam tão facilmente quanto você deseja. De onde e como eles vêm? Eu não sei e não tenho nada a ver com isso. Aqueles que me agradam, eu continuo na minha cabeça e hum; pelo menos outros pensamentos me disseram que eu faço isso”.

Mozart está em boa companhia. Raro é o romancista que não reivindica personagens que “assumem uma vida própria”; os artistas gostam bastante de confessar que suas pinturas se encarregam e se pintam a si mesmas, e os poetas submetem humildemente que são criados ou até escravos das idéias que surgem  na cabeça e não dos chefes. E todos nós podemos citar casos de memes que persistem inesquecíveis e não apreciados em nossas próprias mentes.

Vejamos essa noção sobre “de onde surgiram as idéias criativas?” No Homem Externo, isto é, o indivíduo inocente que ainda não iniciou o trabalho de formação dos centro magnéticos superiores, há uma conexão, embora velada, com os centros superiores. Por ser velado, as “idéias” que são capazes de perfurar o véu terão a aparência de “aparecer do nada”. Podem ser verdadeiramente atos criativos, no entanto, a Personalidade não tem conhecimento disso é NÃO É A CAUSA.



A chegada de um meme na mente do portal orgânico também terá a aparência de “aparecer do nada”, mas neste caso, não há véu que tenha sido perfurado, nenhum centro superior do qual recebeu alimento. Como o PO e o indivíduo inocente que ainda começaram o trabalho esotérico estão descrevendo os mesmos recursos de superfície de um evento – o ato “criativo” – eles podem confundir o ato criativo genuíno com a mera propagação do meme.

Assim, a “criação”, a nossa ligação com a “7ª densidade em seu pensamento criativo” feminino “de” Você, eu te amo “, é reduzida a mera imitação e esvaziada de sua expressão de Amor. Se cada ato criativo é uma expressão de Amor, e cada ato de imitação não é, podemos ver claramente que vivemos em um mundo absolutamente sem Amor.


Identificando POs

Tendo chegado à conclusão de que existem 3 bilhões de seres sem alma portais orgânicos no mundo, a discussão na Quantum Future School voltou para “Como os identificamos?” Isso não é fácil, pois seu principal talento é o da imitação, do mimetismo. Como vimos na seção de onde eles se encaixam no mundo orgânico, é através da imitação que eles são capazes de iniciar o processo de desenvolver suas próprias almas. Esta capacidade de imitar deve, portanto, ser parte integrante do seu caráter e personalidade. Para progredir, eles devem ser bons nisso. Isso implica que os “melhores” POs serão os melhores imitadores, os mais capazes de imitar serem seres com alma.

No entanto, a estrutura interna do PO está perdendo os centros superiores, tendo apenas os três centros inferiores que formam a Personalidade, o “eu” dos pequenos “I” e o “eu” do corpo e um centro sexual desconectado com os outros centros superiores. Um estudo da seguinte passagem de Mouravieff dá indicações sobre como um estudo cuidadoso da dinâmica interna das pessoas pode separar a “boa semente” do “joio”.

O homem adâmico que mesmo tenha uma consciência vaga de seu “Eu” real descobre que esta é uma fonte de conflito interno que ele não pode resolver em um plano puramente humano intelectual. Esse conflito torna-se mais agudo desde o momento em que ele entra ativamente no trabalho de crescimento evolutivo. É então que ele se torna fraco e cai presa de incertezas, dúvidas, medos e desconfiança em relação a si mesmo, pois a estrada que conduz à Verdade sempre passa por duvidas. Ao longo deste trabalho, vimos várias vezes a considerável soma dos esforços que exigem do homem adâmico, que, depois de ter reconhecido sua posição na vida, cruza resolutamente o Primeiro Limiar e sobe a escada evolutiva para alcançar e passar o Segundo Limiar com a Redenção prometida. [Gnose, Livro III, pp. 131-132]

Portanto, a primeira indicação de um Portal Orgânico é a falta de “conflito interno e dúvida disso resultante”(não há quetionamentos). Há pessoas que nunca retém seus próprios pensamentos ou o que lhes é dito ou no que escolheram acreditar. Não importa as circunstâncias, as falhas ou compensações, essas pessoas não são assaltadas por questionamento, dúvidas ou perguntas à respeito do sistema de CONTROLE.

Quantos de vocês que lêem este site foram solicitados a fazê-lo por causa de um sentimento de conflito ou dúvida INTERNA sobre o que estava “lá fora” e o que alguma intuição ou conhecimento interno estava sugerindo exitir algo mais profundo? O personagem Morpheus, do filme MATRIX resume tudo isso muito bem na trilogia “The Matrix”:

“Você está aqui porque você SABE alguma coisa”. The Matrix

Um PO não tem esse conflito interno, eles não reagem à evidência de que há algo “mais na vida” do que a mera existência material. Mas, mesmo que o PO não esteja envolvido com esse tipo de dúvida, eles podem e têm uma forma de “conflito interno” que é baseado na sua personalidade.  Mouravieff explica:

As pré-decorações não estão sujeitas a esses ataques de angústia e a esses conflitos internos permanentes; não que eles vivam em paz perfeita, ou nunca sejam incomodados por conflitos – longe disso – mas, na maioria dos casos, seus conflitos ocorrem no interior da Personalidade, entre diferentes grupos dos pequenos ‘I’s que produzem esses conflitos. Como resultado, o caráter dos conflitos é puramente psíquico, e geralmente são resolvidos por algum tipo de compromisso.

Os conflitos mais agudos que ocorrem no homem pré-adâmico ocorrem entre o “Eu” da Personalidade e o “eu” do corpo. Nós resistimos extensivamente a este assunto no volume II da Gnose, enfatizando o fato de que o “eu” do corpo geralmente ganha sobre a personalidade fraca e em mudança, que capitula sem muita luta sempre que se trata de satisfazer o estômago ou os apetites sexuais.

A justificação é então procurada em slogans como aqueles que nos permitem pensar que é normal “agir como todos os outros”, ou em um labirinto de razões paradoxais que são simplesmente mentiras para si mesmo. [Gnose, Livro III, p. 132]

Os conflitos internos do Portal Orgânico não são sobre sua relação com o mundo no sentido de seu “Ser” fundamental neste mundo. Ele não pode se preocupar com tais questões, porque elas surgem da influência do “eu” real. Não pode haver contradição entre o Portal Orgânico e o Seu Ser neste mundo porque ele é completamente propriedade deste mundo, ele é a expressão dele como um domínio material.

O indivíduo com Alma, no entanto, é diferente, tendo “caído” neste mundo, mantendo uma lembrança dos mundos superiores que lhe chegam através do “Eu” real. A tensão entre este “re-lembrar” de sua verdadeira natureza do “eu” real e a natureza caída de sua Personalidade é o que cria o potencial para o trabalho esotérico evolutivo, é o que cria os motivos para o aquecimento do cadinho na medida em que os Dois entram em conflito. [O conflito descrito em textos alquímicos, as provas do Cavaleiro na procura pelo Santo Graal.]

Mas os conflitos internos do homem adâmico, que muitas vezes entra no trabalho da autorealização de seu potencial evolutivo porque ele atingiu a última extremidade da falência moral, não podem ser resolvidos por meio de um compromisso, pois não há lugar para esse tipo de solução na consciência do eu real de que ele recebe suas chamadas. Nele, é o conjunto formado por toda a Personalidade, com o “eu” do corpo, um conjunto que, direta ou indiretamente, é muitas vezes feito para agir pelo centro sexual, que foge da voz da consciência, ou seja, do “eu” real. Ele então tem a opção de obedecer ao seu “eu” real e triunfar sobre si mesmo, ou fugir deste combate invisível para se entreter em poderosas ilusões auto-calmantes e oferecidas por uma vida de mentira para si mesmo.

Em todos os casos, se ele triunfar sobre si mesmo, o que permitirá ao homem adâmico resolver o conflito interno do momento, isso inevitavelmente envolverá uma modificação de sua atitude em relação à vida exterior e ao sistema de controle.  Geralmente, o resultado será o conflito com os seres que vivem mais próximos dele, a menos que o último  siga passo a passo em sua evolução esotérica, o que é raro.

Isso não significa que aqueles que estão perto e lhe sejam queridos desejam-lhe algum mal; pelo contrário, quase sempre é bom o que eles têm em vista: o conflito surge simplesmente de suas diferentes concepções sobre o que é real. Se aqueles que cercam o indivíduo em questão são pré-adâmicos POs, nunca poderão concordar com ele, com seus anseios, sendo incapazes de entender os motivos de sua mudança de atitude e incapazes de compreender a natureza do fim que ele persegue. Eles se tornarão automaticamente os instrumentos da Lei Geral, o que garante que aqueles que saem da linha sejam trazidos de volta ao sistema de controle da Matrix. É assim que E assim os inimigos do homem serão os seus próprios familiares”. Mateus 10:36“. [Ibid.]

  CONTINUA …




Sobre seres sem alma:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

One Response to Seres humanos sem ALMA – Portais Orgânicos (4)

  1. Elmadã

    Namastê
    Obrigado mais uma vez pela visão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.