Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Soros, Thornton, Hawke: Novo livro detalha como PCC da China Manipulou as ‘Elites Ocidentais’

O altamente secreto Ministério da Segurança d o Estado (MSS) do PCC em Pequim alavancou e manipulou as principais elites políticas e empresariais ocidentais para aprofundar a influência do Partido Comunista Chinês em todo o mundo, de acordo com um novo livro de Alex Joske, especialista em interferência estrangeira chinesa. Joske também observa que o MSS foi muito hábil em explorar a ambição das elites ocidentais e cita o exemplo do banqueiro ex-co-presidente do Goldman Sachs, John Lawson Thornton.

Soros, Thornton, Hawke: Novo livro detalha como PCC da China Manipulou as ‘Elites Ocidentais’

Fonte: The Epoch Times

As primeiras páginas de “Spies and Lies: How China’s Greatest Covert Operations Fooled the World”  detalham como o bilionário judeu khazar húngaro George Soros, inspirado por seu trabalho que estabeleceu a Open Society Foundation na Hungria pós-comunista, realizou um trabalho semelhante para a China durante a guerra do líder chinês Deng Xiaoping. era da reforma econômica.

O veículo idealizado por Soros e o parceiro Liang Heng foi estabelecer o Fundo para a Reforma e Abertura da China (o Fundo da China) para apoiar a pesquisa cultural, empresarial e científica para ajudar na abertura do país, de acordo com Joske, um analista sênior do Australian Strategic Policy Institute.

No entanto, em meio a manobras políticas entre facções na década de 1980, o Fundo China foi forçado a fazer parceria com o Centro Internacional de Intercâmbio de Cultura da China (CICEC), uma organização que afirma estar sob o controle do Ministério da Cultura.

Joske alega que Soros e Liang logo descobriram, no entanto, que o CICEC tinha seus próprios motivos para o Fundo da China, e isso era apoiar iniciativas políticas do PCC em vez de atividades associadas à liberalização da China.

Mais tarde, Soros fechou o Fundo da China com o co-presidente do CICEC, Yu Enguang, revelado como um “funcionário de alto escalão da polícia externa” ou MSS.

“A apreensão do Fundo da China pela MSS foi uma demonstração impressionante da confiança da agência em se envolver com um dos homens mais bem relacionados e ricos [Soros] dos Estados Unidos. O que aprendeu poderia ser aplicado a operações futuras à medida que a agência se tornasse mais agressiva e focada internacionalmente na década seguinte”, escreveu Joske.

O próprio CICEC continuaria a ser um “órgão feito sob medida” para conhecer e influenciar secretamente recrutas membros da ‘elite’ de todo o mundo.

“Missões politicamente sensíveis, como se envolver diretamente com George Soros ou se passar por liberais do Partido para ganhar a confiança de estrangeiros, são território doméstico para esses oficiais”, disse ele.

Explorando a ambição

Joske também observa que o MSS era muito hábil em ‘explorar a ambição das elites’ ocidentais e cita o exemplo do ex-co-presidente da Goldman Sachs, John Lawson Thornton. Depois de deixar o gigante bancário khazar de Wall Street, Thornton ocupou vários cargos de destaque em grandes instituições chinesas, incluindo uma diretoria na conhecida Universidade de Tsinghua.

O jornalista Josh Rogin alegou que Thornton desenvolveu uma das “redes mais confiáveis ??e de alto nível com as famílias que dirigem o PCC”, que moldou a visão de Thornton sobre como administrar as relações com a China.

“As crenças de Thornton sobre o futuro da China foram caracterizadas pelas mesmas narrativas falsas que o MSS Social Investigation Bureau impulsionou a acadêmicos, diplomatas e elites estrangeiros. Em 2008, ele argumentou em um ensaio para a revista Foreign Affairs que o Partido comunista chinês estava considerando ativamente avançar para a democracia”, escreveu Joske.

“Os escritos de Thornton refletem o mesmo otimismo sobre a China que os líderes do Partido e os MSS aprenderam a capitalizar décadas antes.”

O ex-executivo do Goldman Sachs passou a encorajar o governo Trump a fazer amizade diretamente com o líder chinês Xi Jinping. No entanto, esses esforços de engajamento diplomático com a liderança chinesa acabariam dando lugar a duras sanções à China para corrigir anos de roubo de propriedade intelectual e comércio desequilibrado chinês com os EUA.

Thornton, juntamente com várias figuras importantes de Wall Street, também supostamente tentou influenciar o governo so senil presidente marionete [‘Dementia’ Joe] Biden em sua política para a China, mas esses esforços também caíram no esquecimento à medida que o escrutínio do Partido Comunista Chinês se torna mais amplo.

Explorando o ‘amor’ pela China

Joske também chama a atenção para o uso pelo regime chinês do amor do povo pela China, descrevendo o exemplo envolvendo o ex-primeiro-ministro trabalhista australiano Bob Hawke. Hawke ficou perturbado após o Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989 e respondeu com a concessão de asilo a 42.000 cidadãos chineses.

Joske diz que quatro anos após o massacre, Hawke recebeu uma mensagem do cônsul chinês em Sydney convidando-o a visitar a China.

Hawke sentiu que era importante que as relações Austrália-China crescessem, então concordou em fazê-lo. Lá ele foi recebido pelo então líder chinês Jiang Zemin e pelo então primeiro-ministro Li Peng.

“O bromance especial entre líderes chineses e australianos estava de volta aos trilhos. Hawke achou que o destino do [ex-primeiro-ministro] Zhao Ziyang, que acabou morrendo em prisão domiciliar, foi ‘extremamente triste’, mas a importância de construir laços com a liderança do Partido comunista chinês veio em primeiro lugar”, escreveu Joske.

Ele acrescentou ainda que a questão de Tiananmen acabou sendo “varrida para debaixo do tapete”, e Hawke desempenharia um papel valioso na venda da imagem da China para o resto do mundo.

Hardie Grant Books, 2022, 202 páginas

Daniel Y. Teng – ESCRITOR, está baseado em Sydney. Ele se concentra em assuntos nacionais, incluindo política federal, resposta ao COVID-19 e relações Austrália-China. Tem uma dica? Entre em contato com ele em daniel.teng@epochtimes.com.au.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *