Sul Global: Moedas Lastreadas em Ouro para substituir o dólar americano

A adoção de moedas lastreadas em commodities pelo Sul Global poderia derrubar o domínio do dólar americano e nivelar o campo de jogo no comércio internacional. Vamos começar com três fatos multipolares interconectados analisados à frente. A ministra das Relações Exteriores da África do Sul, Naledi Pandor, acaba de confirmar que os BRICS querem encontrar uma maneira de contornar o dólar americano e, assim, criar “um sistema de pagamento mais justo, não direcionado para os países mais ricos”.

Sul Global: Moedas Lastreadas em Ouro para substituir o dólar americano

Fonte: The Cradle – por Pepe Escobar

Primeiro: uma das principais conclusões da festa [circo] anual do Fórum Econômico Mundial-WEF em Davos, na Suíça, é quando o ministro das Finanças saudita, Mohammed al-Jadaan, em um painel sobre a “Transformação da Arábia Saudita”, deixou claro que Riad “considerará o comércio de moedas exceto o dólar americano.”

Então, o petroyuan está finalmente disponível? Possivelmente, mas Al-Jadaan optou sabiamente por uma cobertura cuidadosa: “Temos um relacionamento muito estratégico com a China e desfrutamos desse mesmo relacionamento estratégico com outras nações, incluindo os EUA, e queremos desenvolvê-lo com a Europa e outros países”.

Segundo: os Bancos Centrais do Irã e da Rússia estudam a adoção de uma “moeda estável” para os acordos de comércio exterior, substituindo o dólar americano, o rublo e o rial. A multidão cripto já está em pé de guerra, ponderando os prós e contras de uma moeda digital de banco central lastreada em ouro (CBDC-O) para o comércio que será de fato impermeável ao dólar americano armado e politizado.

Uma moeda digital lastreada em ouro

A questão realmente atraente aqui é que essa moeda digital lastreada em ouro seria particularmente eficaz na Zona Econômica Especial (SEZ) de Astrakhan, Oblast [estado] russo no Mar Cáspio.

Astrakhan é o principal porto russo no Mar Cáspio que participa do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INTSC), com a Rússia processando cargas que viajam pelo Irã em navios mercantes até a Ásia Ocidental, África, Oceano Índico e Sul da Ásia.

O sucesso do INSTC – progressivamente vinculado a um CBDC apoiado em ouro – dependerá em grande parte de dezenas de países asiáticos, asiáticos ocidentais e africanos se recusarem a aplicar sanções ditadas pelos EUA/OTAN à Rússia e ao Irã.

Tal como está, as exportações são principalmente de energia e produtos agrícolas; as empresas iranianas são o terceiro maior importador de grãos russos. Em seguida, serão turbinas, polímeros, equipamentos médicos e peças de automóveis. Apenas a seção Rússia-Irã do INSTC representa um negócio de US$ 25 bilhões.

E depois há o ângulo de energia crucial do INSTC – cujos principais atores são a tríade Rússia-Irã-Índia.

As compras de petróleo bruto russo pela Índia aumentaram ano a ano em um fator colossal de 33. A Índia é o terceiro maior importador mundial de petróleo; em dezembro, recebeu 1,2 milhão de barris da Rússia, que há vários meses se posiciona à frente do Iraque e da Arábia Saudita como principal fornecedor de Delhi.

‘Um sistema de pagamento mais justo’

Terceiro: a África do Sul detém a presidência rotativa do BRICS neste ano. E este ano marcará o início da expansão do BRICS+, com candidatos que vão da Argélia, Irã e Argentina à Turquia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

A ministra das Relações Exteriores da África do Sul, Naledi Pandor, acaba de confirmar que os BRICS querem encontrar uma maneira de contornar o dólar americano e, assim, criar “um sistema de pagamento mais justo, não direcionado para os países mais ricos”.

Há anos, Yaroslav Lissovolik, chefe do departamento analítico dos negócios corporativos e de investimentos do Sberbank russo, tem defendido uma integração mais estreita do BRICS e a adoção de uma moeda de reserva do BRICS .

Lissovolik lembra que a primeira proposta “para criar uma nova moeda de reserva baseada em uma cesta de moedas dos países do BRICS  foi formulada  pelo Clube Valdai em 2018”.

Você está pronto para o R5?

A ideia original girava em torno de uma cesta de moedas semelhante ao modelo de Direitos Especiais de Saque (SDR), composta pelas moedas nacionais dos membros do BRICS – e depois, mais adiante, por outras moedas do círculo BRICS+ expandido.

Lissovolik explica que a escolha das moedas nacionais dos BRICS fazia sentido porque “estas estavam entre as moedas mais líquidas dos mercados emergentes. O nome da nova moeda de reserva – R5 ou R5+ – foi baseado nas primeiras letras das moedas do BRICS, todas começando com a letra R (real, rublo, rupia, renminbi, rand).”

Portanto, os BRICS já têm uma plataforma para suas deliberações aprofundadas em 2023. Como observa Lissovolik, “no longo prazo, a moeda R5-BRICS pode começar a desempenhar o papel de liquidações e pagamentos, bem como reserva de valor/reservas para o bancos centrais de economias de mercado emergentes”.

É praticamente certo que o yuan chinês se destacará desde o início, aproveitando seu “status de reserva já avançada”.

Os candidatos potenciais que podem se tornar parte da cesta de moedas R5+ incluem o dólar de Cingapura e o dirham dos Emirados Árabes Unidos.

De forma bastante diplomática, Lissovolik afirma que “o projeto R5 pode, assim, se tornar uma das contribuições mais importantes dos mercados emergentes para a construção de um sistema financeiro internacional mais seguro”.

O projeto R5, ou R5+, se cruza com o que está sendo desenhado na União Econômica da Eurásia (EAEU) , liderada pelo Ministro de Macroeconomia da Comissão Econômica da Eurásia, Sergey Glazyev.

Um novo padrão ouro

Em Golden Ruble 3.0, seu artigo mais recente, Glazyev faz uma referência direta a dois já notórios relatórios do estrategista do Credit Suisse, Zoltan Pozsar, um insider ex-FMI, Departamento do Tesouro dos EUA e Federal Reserve de Nova York:  War and Commodity Encumbrance  (dezembro 27) e  War and Currency Statecraft  (29 de dezembro).

Pozsar é um firme defensor de um Bretton Woods III – uma ideia que vem ganhando enorme força entre a multidão cética do Fed. O que é bastante intrigante é que o americano Pozsar agora cita diretamente o russo Glazyev, e vice-versa, implicando uma fascinante convergência de suas ideias.

Vamos começar com a ênfase de Glazyev na importância do ouro. Ele observa o acúmulo atual de saldos de caixa multibilionários nas contas de exportadores russos em moedas “suaves” nos bancos dos principais parceiros econômicos estrangeiros da Rússia: nações da EAEU, China, Índia, Irã, Turquia e Emirados Árabes Unidos.

Ele então explica como o ouro pode ser uma ferramenta única para combater as sanções ocidentais se os preços do petróleo e gás, alimentos e fertilizantes, metais e minerais sólidos forem recalculados:

“Fixar o preço do petróleo em ouro no nível de 2 barris por 1g dará um segundo aumento no preço do ouro em dólares, calculou o estrategista do Credit Suisse Zoltan Pozsar. Esta seria uma resposta adequada aos ‘tetos de preços’ introduzidos pelo Ocidente – uma espécie de ‘piso’, uma base sólida. E a Índia e a China podem ocupar o lugar dos comerciantes globais de commodities, em vez da Glencore ou da Trafigura.”

Aqui vemos Glazyev e Pozsar convergindo. Muitos jogadores importantes em Nova York ficarão surpresos. Glazyev então traça o caminho em direção ao Gold Ruble 3.0. O primeiro padrão-ouro foi pressionado pelos Rothschilds no século XIX, o que “deu a eles a oportunidade de subordinar a Europa continental ao sistema financeiro britânico [controlado pelos Rothschild] por meio de empréstimos de ouro”. O Rublo Dourado 1.0, escreve Glazyev, “forneceu o processo de acumulação capitalista”.

Golden Ruble 2.0, depois de Bretton Woods, “garantiu uma rápida recuperação econômica após a II guerra mundial”. Mas então o “reformador Khrushchev cancelou a vinculação do rublo ao ouro na URSS, realizando uma reforma monetária em 1961 com a desvalorização real do rublo em 2,5 vezes, criando condições para a subsequente transformação do país [Rússia] em um “apêndice de matéria-prima do sistema financeiro ocidental”.

O que Glazyev propõe agora é que a Rússia aumente a mineração de ouro para até 3% do PIB: a base para o rápido crescimento de todo o setor de commodities (30% do PIB russo). Com o país se tornando líder mundial na produção de ouro, obtém “um rublo forte, um orçamento forte e uma economia forte”.

Todos os ovos do Sul Global em uma cesta

Enquanto isso, no centro das discussões da EAEU, Glazyev parece estar projetando uma nova moeda não apenas baseada no ouro, mas também parcialmente baseada nas reservas de petróleo e gás natural dos países participantes [commodities]. Pozsar parece considerar isso potencialmente inflacionário: pode ser se resultar em alguns excessos, considerando que a nova moeda estaria atrelada a uma base tão grande.

Fora do registro, fontes bancárias de Nova York admitem que o dólar americano seria “extinto, uma vez que é uma moeda fiduciária sem valor, se Sergey Glazyev vincular a nova moeda ao ouro. A razão é que o sistema Bretton Woods não tem mais uma base de ouro e não tem valor intrínseco, como a criptomoeda FTX. O plano de Sergey também vinculando a moeda ao petróleo e ao gás natural parece ser um vencedor.”

Então, na verdade, Glazyev pode estar criando toda a estrutura monetária para o que Pozsar chamou, meio de brincadeira, de “G7 do Leste”: os atuais 5 BRICS mais os próximos 2 que serão os primeiros novos membros do BRICS+.

Tanto Glazyev quanto Pozsar sabem melhor do que ninguém que, quando Bretton Woods foi criado, os EUA possuíam a maior parte do ouro do Banco Central e controlavam metade do PIB mundial. Esta foi a base para os EUA assumirem o controle de todo o sistema financeiro global.

Agora, vastas áreas do mundo não-ocidental estão prestando muita atenção a Glazyev e ao impulso em direção a uma nova moeda diferente do dólar americano, completa com um novo padrão-ouro que, com o tempo, substituirá totalmente o dólar americano.

Pozsar entendeu completamente como Glazyev está buscando uma fórmula com uma cesta de moedas (como sugeriu Lissovolik). Por mais que ele entendesse o impulso inovador em direção ao petroyuan. Ele descreve as ramificações industriais assim:

“Como acabamos de dizer que Rússia, Irã e Venezuela respondem por cerca de 40% das reservas comprovadas de petróleo do mundo, e cada um deles está atualmente vendendo petróleo para a China por renminbi com um grande desconto, achamos que a decisão da BASF de reduzir permanentemente suas operações em sua fábrica principal em Ludwigshafen e, em vez disso, mudar suas operações químicas para a China foi motivada pelo fato de que a China está garantindo energia com descontos, não margens de lucro como a Europa”.

A corrida para substituir o dólar

Uma conclusão importante é que as principais indústrias de uso intensivo de energia vão se mudar para a China. Pequim se tornou um grande exportador de gás natural liquefeito russo (GNL) para a Europa, enquanto a Índia se tornou um grande exportador de petróleo russo e produtos refinados como o diesel – também para a Europa. Tanto a China quanto a Índia – membros do BRICS – compram abaixo do preço de mercado da Rússia, também membro do BRICS, e revendem para a Europa com um lucro considerável. E as Sanções? Que sanções?

Enquanto isso, a corrida para constituir a nova cesta de moedas para uma nova unidade monetária continua. Esse diálogo de longa distância entre Glazyev e Pozsar se tornará ainda mais fascinante, pois Glazyev tentará encontrar uma solução para o que Pozsar afirmou: o aproveitamento de recursos naturais para a criação da nova moeda pode ser inflacionário se a oferta de dinheiro também aumentar rapidamente.

Tudo o que está acontecendo enquanto a Ucrânia – um enorme abismo em uma junção crítica da Nova Rota da Seda bloqueando a Europa de relacionamento com Rússia/China – desaparece lenta mas seguramente em um vazio negro. O Império hegemon pode ter engolido a Europa por enquanto, mas o que realmente importa geoeconomicamente é como a maioria absoluta do Sul Global está decidindo se comprometer com o bloco liderado pela Rússia/China.

O domínio econômico do BRICS+ pode estar a não mais de 7 anos de distância – quaisquer que sejam as toxicidades inventadas por aquele grande e disfuncional estado nuclear desonesto do outro lado do Atlântico. Mas primeiro, vamos colocar essa nova moeda em funcionamento.

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta“, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth