Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Tempestade Solar detonou minas da Marinha dos EUA durante a Guerra do Vietnã

Coronal mass ejection sun storm plasma GIFComo a energia liberada por uma tempestade solar detonou minas marítimas magnéticas da Marinha dos EUA durante a Guerra do Vietnã. O clima espacial afetado pelo sol fez com que dúzias de bombas marinhas explodissem espontaneamente, revelam documentos recentemente liberados. Falamos de um evento de CME-Emissão de Massa Coronal semelhante ao mostrado ao lado, de uma explosão do sol capturada em agosto de 2012 pelo Solar Dynamics Observatory da NASA. Crédito: Solar Dynamics Observatory NASA

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Uma forte tempestade solar detonou minas da Marinha dos EUA durante a Guerra do Vietnã, revelaram documentos recentemente desclassificados

Fonte:  https://www.scientificamerican.com/

Vivemos juntos na superfície de um planeta como uma rocha pequena na vizinhança imediata de uma bola gigantesca de plasma que nos dá a energia de que precisamos para vivermos, mas que também poderia engolir toda a nossa” casa” com apenas um pequeno “arroto” que seja emitido em nossa direção.

Então, você sabe, às vezes essa bola de plasma causa sérios problemas. Como explodir um monte de minas submarinas durante a Guerra do Vietnã, de acordo com um artigo publicado em 25 de outubro na revista Space Weather.

“Space Weather (Clima espacial)” é um termo coletivo para as várias emissões energéticas que o sol periodicamente “arrota/vomita”, imprevisivelmente, em nossa direção, ou através o espaço interplanetário de nosso sistema solar, afinal o sol é o rei do pedaço. Essas emissões de energia são geralmente suaves, mas podem ser bastante poderosas como a que mostramos na imagem abaixo.

Veja a explicação. Clicando na imagem, você baixará a versão de maior resolução disponível.

Explicação evento imagem acima: Em 27 de fevereiro de 2000, um filamento em erupção ergueu-se da superfície solar ativa e explodiu essa gigantesca bolha de plasma de energia magnética no espaço. A luz direta do sol é bloqueada nesta imagem do evento com a posição relativa do sol e o tamanho indicado pelo meio círculo branco no centro inferior embaixo na foto. O campo de visão se estende por 2 milhões de quilômetros ou mais a partir da superfície solar. Embora as descobertas desses eventos explosivos, chamadas de Ejeções de Massa Coronal ou CMEs, tenham sido descobertas por sondas espaciais da NASA no início dos anos 70, essa imagem dramática faz parte de um registro detalhado do desenvolvimento deste CME a partir da espaçonave SOlar e Heliosférico  Observatory  (SOHO). Embora este CME claramente não fosse dirigido para a Terra (caso contrário voce não estaria lendo esta matéria…), as CMEs fortes são vistas como influenciadores profundos do clima espacial , e aqueles direcionados ao nosso planeta podem ter sérios efeitos em toda a estrutura de geração e distribuição de energia elétrica, rádio e TV,  comunicações, satélites, etc…

Os cientistas do “Clima Espacial” ainda não sabem exatamente com que frequência elas ocorrem, e as bolhas de energia têm o potencial de causar todos os tipos de danos, desde fritar toda a infra-estrutura global de satélites, destruir todo o sistema de geração e distribuição de energia elétrica (como aconteceu em 1859 no Canadá) até desordenar drástica e completamente a vida na Terra. O exemplo mais poderoso já registrado foi estudado em 1859, e seus efeitos foram notados principalmente por observadores do céu, telegrafistas e pessoas que viram as auroras boreais estranhamente chegando até o sul que o evento solar criou.Se isso acontecer nos dias de hoje em nossa moderna era tecnológica, suas consequências seriam muito, muito mais sérias.

Houve grandes incidentes climáticos espaciais desde então, embora nenhum na escala do evento de 1859. E os pesquisadores ainda estão descobrindo a extensão do seu potencial de danos. No artigo sobre o Clima Espacial, os pesquisadores descobriram antigos registros da Marinha que sugerem que uma famosa tempestade solar de 1972 foi ainda mais grave do que eles imaginaram. [Flying Saucers to Mind Control: 22 Declassified Military & CIA Secrets]

“Entre 2 e 4 de agosto de 1972 [uma mancha solar] produziu uma série de explosões brilhantes, aprimoramentos energéticos de partículas e material ejetado dirigido para a Terra”, escreveram eles. Essas chamas abriram caminho para “o choque ultra-rápido subseqüente … que atingiu a Terra em tempo recorde – apenas 14,6 horas”.

Pessoas de todo o planeta notaram os efeitos do imenso flare solar.

“Blecautes de rádio na cidade … desenvolvidos em minutos. As emissões de raios-X do surto de longa duração permaneceram [altas] por [mais de] 16 horas. Pela primeira vez, um detector baseado no espaço observou raios gama durante esta erupção solar. [Especialistas] classificaram o flare no Índice Compreensivo de Flare 17 – o nível mais alto, e um designado apenas para os flares mais extremos e de amplo espectro – eles escreveram, acrescentando que “auroras espetaculares”, brilhantes o suficiente para lançar sombras, apareceram junto a costa meridional do Reino Unido … Dentro de duas horas, pilotos de linhas aéreas relataram auroraa boreal até o sul de Bilboa, na Espanha”.

Os pesquisadores descobriram mais tarde que a emissão de intensa energia solar causou danos aos painéis solares nos satélites no espaço; um satélite de comunicações de defesa “sofreu uma falha na órbita por uma falha de energia”; e os sensores da Força Aérea foram ligados, sugerindo falsamente que uma bomba nuclear havia detonado em algum lugar do planeta.

“Este é apenas um dos poucos eventos na era espacial que representariam uma ameaça imediata à segurança dos astronautas”, escreveram os pesquisadores, “se seres humanos estivessem em trânsito para a Lua na época”.

E de alguma forma, em meio a todo esse drama, os pesquisadores do clima espacial haviam ignorado uma outra conseqüência da tempestade solar: “a súbita detonação espontânea de um ‘grande número’ de minas marítimas da Marinha dos EUA [que] haviam caído nas águas costeiras do Vietnã do Norte apenas três meses antes”.

Pilotos sobrevoando a área observaram cerca de duas dúzias de explosões em um campo minado em apenas 30 segundos, segundo os pesquisadores. Pesquisadores navais investigaram a ocorrência à época, e eles concluíram que as explosões foram o resultado da tempestade solar acionando sensores magnéticos nas minas que haviam sido preparadas para detectar a passagem de navios de metal.

Salem
Acima: Um Transformador da Public Service Electric and Gas (PSE&G) na Salem Nuclear Generating Station em New Jersey, nos Estados Unidos, queimado pelas correntes elétricas geomagneticamente induzidas, causadas pela tempestade geomagnéticade 13-14 de março de 1989, causada por uma CME ejetada do suol. O custo total do dano foi de US$ 20 milhões. Na frente do transformador está Peter Balma, co-autor do estudo sobre os danos ao transformador. FONTE

Segundo os pesquisadores, este evento levou a grandes mudanças dentro da Marinha, que rapidamente pesquisou alternativas para as minas com sensor magnético que seriam mais resistentes aos efeitos das explosões solares. No entanto, a história nunca chegou até a comunidade de pesquisa sobre o clima espacial.

Agora, segundo os pesquisadores, este evento ilustra o desafio moderno de descobrir como tempestades solares como esta (ou mais poderosas) afetariam a infraestrutura moderna. E ainda não está claro, eles escreveram, que características da tempestade a tornaram tão intensa. Foi a velocidade do surto?  Os múltiplos flares abrindo caminho pelo espaço antes do grande? O ambiente magnético ao redor da Terra no momento?

Ainda não está claro, eles escreveram, o que uma poderosa tempestade solar poderia fazer para satélites críticos, ou quão comum ela foi. Em julho de 2012, uma grande tempestade solar por muito pouco não atingiu a Terra, mas atingiu satélites próximos. Como isso se compara? Ainda há muitas incógnitas sobre o assunto.


“E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a Lua tornou-se como sangue;”  Apocalipse 6:12

“E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da Lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e (ficasse) semelhantemente a noite”.  Apocalipse 8:12


“E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória”.   Apocalipse 16:8,9


Vídeo de uma explosão solar, feito pela sonda STEREO da NASA, no dia 28 de novembro de 2013, que revelou a existência de um imenso objeto já dentro do sistema solar.

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da GRANDE COLHEITA se aproxima rapidamente  ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. 

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS,e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol) que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais AQUI


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *