Asteroide é descoberto por brasileiro horas antes de passar “raspando” pela Terra

Times Apocalypse GIFUm asteroide (nomeado 2019 OK) com tamanho entre 57 e 130 metros de comprimento passou a apenas 73 mil quilômetros da Terra na quinta-feira (AEST).  O objeto foi descoberto pelo pesquisador  brasileiro da SONEAR há apenas dois dias do objeto fazer sua perigosa aproximação máxima da Terra, na quinta feira, dia 25. A sua presença foi anunciada pelos brasileiros poucas horas antes de passar pelo nosso planeta. A falta de conhecimento de um corpo celeste errante deste tamanho mostra o quão rápida e perigosamente asteróides desconhecidos e perigosos podem nos surpreender.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Asteroide passou muito próximo à Terra (apenas um quinto da distância da Terra à Lua) fato que preocupa os astrônomos

Fontes: https://www.abc.net.au/  –  https://revistagalileu.globo.com/

Na última quinta-feira (25), um asteroide batizado de 2019 OK passou a apenas 73 mil quilômetros de distância da Terra – muito mais próximo do que a Lua está de nosso planeta, que dista em média 385 mil km da Terra. Problema: ele só foi detectado algumas horas antes de se aproximar do nosso planeta.

O corpo espacial, de tamanho entre 57 e 130 metros de comprimento, que viajava a 24 quilômetros por segundo, foi descoberto pelo observatório brasileiro SONEAR (Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research) só com alguns dias de antecedência, causando um alerta internacional para acompanhar sua trajetória de aproximação – o que tem preocupado muitos astrônomos. “Ele se aproximou de nós muito rápido”, disse o cientista Michael Brown, da Universidade Monash ao jornal The Washington Post.

Alan Duffy, cientista da Royal Institution of Australia, declarou ao Post que a distância do asteroide em relação ao nosso planeta é tão “próxima de uma forma nada confortável”. Em junho deste anooutro asteroide também foi detectado apenas algumas horas antes de chegar perto da Terra. 

Duffy acredita que o falha na detecção do asteroide 2019 OK ocorreu devido ao tamanho do objeto espacial – estima-se que ele seja largo, entre 57 e 130 metros de comprimento. Além disso, a órbita em forma de elipse e a velocidade do asteroide também teriam dificultado a sua detecção, pois o tempo gasto pelo 2019 OK próximo à Terra não foi longo o suficiente para detectar a rocha.

A última vez que um asteroide de tamanho similar ao 2019 OK chegou a atingir o nosso planeta foi mais de um século atrás, em 1908. O Tunguska causou uma explosão que espalhou destruição por mais de 2 mil quilômetros quadrados em uma região remota de florestas na Sibéria, na Rússia.

Agências espaciais do mundo todo monitoram o céu para rastrear os asteroides classificados como Objetos Próximos à Terra (do inglês, Near-Earth-Objects, NEO). Apesar de ser difícil detectá-los precocemente, não há motivo para pânico: os astrônomos “garantem” que o risco de um meteoro realmente perigoso atingir a Terra é “pequeno”.

O asteroide, tranquilizadoramente designado como 2019 OK , não é uma ameaça para a Terra neste momento, mas ele e outros asteróides próximos da Terra representam um risco genuíno. A explosão de Tunguska em 1908 e o meteoro de Chelyabinsk em 2013 foram equivalentes a grandes explosões nucleares e, sob as circunstâncias erradas, um impacto de meteoro poderia devastar uma grande cidade e sua região metropolitana, causando um grande desastre com potencial de matar e ferir milhões de pessoas.

O meteoro (metálico) de Chelyabinsk, que explodiu sobre a região dos Urais, em 15 de fevereiro de 2013, com apenas 20 metros de diâmetro, mas com cerca de 17 mil toneladas, demostrou como os asteróides podem ser destrutivos:

.

Rastreando e procurando por perigo vindo do espaço

Os astrônomos estão bem cientes dos riscos apresentados pelos asteróides que atingem a Terra. Crateras de meteoros podem ser encontradas em todo o mundo, e alguns exemplos relativamente recentes incluem Wolfe Creek no norte da Austrália e a imaginativa Cratera do Meteoro no Arizona. Um enorme impacto de asteroides, 65 milhões de anos atrás, perto de Chicxulub, no México moderno, iniciou a extinção dos dinossauros.

Conseqüentemente, astrônomos em todo o mundo dedicam esforços consideráveis ??para determinar o nível de ameaça representado pelos asteróides próximos à Terra e para identificar os asteróides individuais ainda desconhecidos e não detectados que poderiam representar uma ameaça significativa à vida na Terra. As pesquisas de asteroides incluem Pan-STARRS , ATLAS , SONEAR (o brasileiro que identificou 2019 OK) e o Catalina Sky Survey .

Os asteróides são tipicamente tão distantes da Terra que se assemelham a estrelas, em vez das rochas escarpadas que são. No entanto, como os asteróides circulam pelo Sistema Solar, eles se movem em relação às estrelas distantes.  Assim, os astrônomos podem descobrir asteróides tirando sequências de imagens e procurando objetos que se movem de imagem para imagem.

Usando essa abordagem para pesquisar grandes áreas do céu, os astrônomos descobriram milhares de asteróides próximos da Terra, incluindo mais de 2.000 apenas em 2017 .

E, no entanto, alguns asteróides ainda conseguem nos surpreender. Por quê?

Os astrônomos são bons em descobrir asteroides que são visíveis à noite, mas menos bons em detectar asteróides durante o dia. Asteroides também são visivelmente mais fracos quanto mais longe da Terra.

Na sua aproximação mais próxima da Terra e com céus escuros, o 2019 OK teria sido visível com um par de binóculos como um ponto de luz flutuando lentamente pelo céu, mas três dias antes estava 1.000 vezes mais fraco e, portanto, mais difícil de detectar. Além do mais, no mês passado, esteve relativamente perto do Sol no céu, por isso só era visível ao entardecer.

O asteroide 2019 A OK foi finalmente rastreado pela primeira vez pela pesquisa do brasileiro SONEAR na quarta-feira, e logo depois foi detectada de forma independente pela rede de telescópios ASAS-SN . Ambas as pesquisas usam telescópios relativamente pequenos com câmeras sensíveis para procurar grandes áreas do céu, em vez de usar grandes telescópios para estudar pequenos trechos de céu.


“E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva {asteroides, meteoros …}, com pedras do peso de um talento**; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva; porque a sua praga era muito grande.  –  Apocalipse 16:21

(**) Um talento grego, também chamado ático, pesava 26 kg (57 lb); um talento romano pesava 32,3 kg (71 lb); o egípcio 27 kg (60 lb). Na Babilônia eram usados dois tipos de talentos: um chamado “leve”, com 30,3 kg (67 lb), e o outro chamado “pesado”, com 60,6 kg (134 lb).


Image result for puppet gif

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth