Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Testes de Radiação de Celulares nos EUA são ‘Manipulados’, ignorando os efeitos de longo prazo na saúde

A recente proibição da venda do iPhone 12 pela França devido a preocupações com a radiação provocou apreensão em toda a Europa sobre os riscos para a saúde decorrentes da exposição à radiação dos telefones celulares. Embora os testes nos EUA se concentrem estritamente em saber se os telefones aquecem os tecidos, alguns especialistas argumentam que não conseguem mostrar o quadro completo.

Embora os testes nos EUA se concentrem estritamente em saber se os telefones aquecem os tecidos, alguns especialistas argumentam que eles não conseguem mostrar o quadro completo.

Fonte: The Epoch Times

“A forma como eles são testados é para ver se aquecem ou não, e não para os efeitos crônicos de longo prazo que foram demonstrados”, Devra Davis, epidemiologista do câncer com doutorado em estudos científicos e mestrado em saúde pública em epidemiologia, disse ao Epoch Times. “Particularmente os efeitos sobre os espermatozoides e a redução da testosterona, entre outros.”

Testes de radiação de celulares são ‘manipulados’: declara especialista

De acordo com Davis, o maior problema dos testes nos EUA é que eles não são realizados com o telefone encostado no corpo. Ela comparou isso ao escândalo “Dieselgate” envolvendo a Volkswagen, onde a empresa manipulou seus testes para mostrar emissões de escapamento mais baixas do que o veículo realmente produzia.

“A mesma coisa está acontecendo aqui”, acrescentou ela, lembrando que os testes foram inicialmente montados com espaçadores, como se os telefones estivessem em coldres ou suportes.

Quando o governo francês testa os aparelhos celulares tal como são realmente utilizados, “como na sua mão [ou] junto ao seu corpo”, disse Davis, os telefones excedem os limites de radiação da União Europeia (UE). A França retirou ou exigiu atualizações de software para outros 42 modelos de celulares que emitem radiação excessiva desde 2017, informou o The Telegraph.

Os Estados Unidos não têm essa supervisão, segundo Davis. A indústria de telecomunicações tem controle quase total da Comissão Federal de Comunicações (FCC), de acordo com um relatório publicado pelo Centro de Ética Edmond J. Safra da Universidade de Harvard ( pdf )

Um executivo de um grupo de lobby de telecomunicações vangloriava-se de que seus lobistas se reuniam com funcionários da FCC 500 vezes por ano, afirmou o relatório.

“Não temos nenhum programa para testar telefones depois de aprovados”, disse Davis. “E o processo de aprovação é autorregulado por causa dessa porta giratória que ocorre entre a FCC e a indústria de telecomunicações.” O Sr. Davis disse que se os telefones fossem submetidos a testes de drogas, eles seriam ilegais. Ela alertou sobre o perigo que os celulares representam, semelhante a certas drogas que causam câncer e outros problemas de saúde, em seu livro de 2010, “Disconnect: The Truth About Cell Phone Radiation, What the Industry Has Done to Hide It, and How to Protect Your Família “, e ainda mantém isso hoje.

O Epoch Times entrou em contato com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) para comentar esta história, mas eles ainda não responderam.

17 minutos de uso diário de celular aumentam o risco de câncer

O uso intenso de celulares tem uma “possível” associação com o aumento da incidência de câncer no cérebro, especialmente em pesquisas não financiadas pelas telecomunicações, de acordo com uma  revisão de 23 estudos de caso-controle em 2009, publicada no Journal of Clinical Oncology.

“Nosso governo, no entanto, parou de financiar pesquisas sobre os efeitos da radiação de radiofrequência na saúde na década de 1990”, disse o autor do estudo Joel Moskowitz, diretor do Centro de Saúde Familiar e Comunitária e Saúde Comunitária da Escola de Saúde Pública da UC Berkeley. em um comunicado à imprensa em julho de 2021.

“Nossa principal conclusão da revisão atual é que aproximadamente 1.000 horas de uso contínuo do celular, ou cerca de 17 minutos por dia durante um período de 10 anos, estão associadas a um aumento estatisticamente significativo de 60% de câncer no cérebro”, escreveu Moskowitz. A revisão de 2009 foi atualizada em 2020 para incluir 46 estudos com resultados semelhantes.

Câncer conectado a viver perto de torres de telefonia celular

A Comissão Internacional sobre os Efeitos Biológicos dos Campos Eletromagnéticos alertou em 2022 (pdf) que os limites de exposição à radiação de radiofrequência (RFR) estabelecidos na década de 1990 não protegem adequadamente o público, especialmente da nova tecnologia 5G sem estudos sobre seus efeitos na saúde.

Vários projetos de lei pendentes no Congresso dão à indústria de telecomunicações “livre liberdade” para colocar suas torres onde quiserem, inclusive “bem perto da janela do seu quarto” se você estiver morando em um prédio de apartamentos, de acordo com Davis.

Uma revisão de estudos científicos publicados em 2022 descobriu que a maioria das pesquisas encontrou taxas aumentadas de câncer e doenças de radiofrequência em pessoas que vivem nas proximidades de estações base de telefonia móvel. 

Um estudo recente realizado no Brasil descobriu que a mortalidade por câncer aumentou com a exposição da população às frequências das estações radiobase de telefonia celular.

“Acho que o 5G pertence aos locais médicos e militares, conectado [Ethernet], mas não às residências”, disse Davis. “O verdadeiro problema é que, para que o 5G funcione, precisamos de um milhão de novas torres.”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *