Todos os Governos dos Países estão seguindo uma agenda globalista de Despovoamento ?

Nenhum ser humano atento e consciente e que se preze pode negar que, dentro das instituições políticas responsáveis ​​pela administração dos assuntos humanos hoje, na maioria dos países, há apenas uma pequena fração de indivíduos que colocam a responsabilidade de cuidar dos outros seres humanos e do nosso planeta, no topo da sua agenda – se é que o fazem. Aqueles homens e mulheres sedutores que se retratam como salvadores e santos das suas comunidades antes da sua eleição, transformam-se em parasitas egoístas e entregam seu cargo para o programa do governo paralelo globalista assim que são eleitos para os mesmos.

Todos os Governos dos Países estão seguindo uma agenda globalista do Despovoamento ?

Fonte: Julianrose.info

A ‘democracia’ representativa [via eleições] é a forma de governo que muitos ainda acreditam ser a melhor solução para a governança cidadã, estas mesmas pessoas também defendem que os políticos eleitos através dos sistemas de votação nacionais são ‘servidores do povo’, uma vez que constitucionalmente é isso que está indicado em suas Constituições nacionais pelos membros do parlamento/congresso aos quais é confiada a responsabilidade de prestar contas àqueles que os elegem.

No entanto, apesar de a massa em geral da população se agarrar ao sonho de um mundo em que a democracia signifique uma forma de governança “do povo, pelo povo, para o povo”, após inspecionarmos a realidade o que constatamos é precisamente o oposto.

Aqueles homens e mulheres sedutores que se retratam como salvadores e santos das suas comunidades antes da sua eleição, transformam-se em parasitas e lacaios servis e egoístas para o programa do governo paralelo globalista assim que são eleitos para o cargo.

E o que o eleitorado faz a respeito?

Alguns permitem-se pensar que tal estado de coisas é de alguma forma inevitável “neste mundo irrevogavelmente corrompido”. Outros expressam consternação e proclamam em voz alta que votarão no partido da oposição nas próximas eleições (..e obterão precisamente o mesmo resultado). Outros ainda tentam ignorar completamente a realidade, murmurando cinicamente sobre “não votar de todo no futuro”.

Uma minoria muito pequena responsabiliza os seus representantes eleitos, exigindo que estes defendam as políticas que prometeram apoiar antes das eleições. Não que tal determinação produza necessariamente o resultado desejado; mas é pelo menos honroso.

O resultado líquido de tudo isto é que parlamentares, senadores e congressistas, cada um dos quais preocupados principalmente em fazer uma carreira política de $uce$$o, alinham-se instantaneamente com o “programa do partido”. Uma agenda fixa de cima para baixo, baseada nos desejos dos doadores de campanha bilionários corporativos, cujo financiamento abundante vem com a garantia de que o seu apoio será devidamente retribuído no atendimento dos seus interesses.

Esta é Democracia em ação, você entende.

O homem ou mulher que você pensava que iria lutar pelos interesses do eleitorado a nível local, regional e nacional acaba por ser simplesmente um fantoche para aqueles que estão no topo da pirâmide política. Os novos parlamentares, se ainda não sabiam, logo descobrem que a única maneira de manter vivas as suas per$pectiva$ política$ é seguir a agenda do partido e nunca sair da linha.

No Reino Unido, qualquer intenção de se desviar da linha partidária é recebida com a ameaça de ser “chicoteado”, o que significa ser forçado a cumprir a vontade dos líderes partidários – ou correr o risco de ser expulso do partido.

Agora que compreendemos a fixação essencialmente da visão de túnel dos nossos sistemas políticos partidários, podemos voltar a nossa atenção para a agenda do núcleo global de poder paralelo em torno do qual tudo está realmente girando.

Para aqueles que não estão plenamente conscientes da motivação desta pequena mas todo-poderosa cabala – que prefere permanecer nas sombras – é um choque profundo ser confrontado com a constatação de que tudo o que está acontecendo visivelmente sob a influência predominante da globalização é um motivo oculto e uma farsa para algo consideravelmente mais sinistro, eclodido fora da vista e, portanto, “fora da mente” e da percepção – da grande maioria dos cidadãos do mundo, incluindo a maioria dos políticos que elegem.

Não precisamos entrar em detalhes sobre o que as pre$$tituta$ da grande mídia chama de “notícias falsas” e “teorias da conspiração”. Aqueles que estão lendo este artigo já estarão mais do que familiarizados com a tentativa cada vez mais desesperada da cabala do governo paralelo – e, portanto, também dos governos nacionais que eles controlam, de desacreditar – ou, em casos graves, de eliminar – aqueles armados com a verdade e a determinação de faze-la conhecida para os poucos interessados.

Qualquer pessoa que não tenha sido profundamente abalada pelos acontecimentos em Gaza desde 7 de Outubro, também dificilmente reconhecerá a importância do fracasso abjeto dos Estados-nação e dos seus representantes governamentais em saírem das suas camisas de força de agendas políticas ocultas e virem em socorro de um país cujos cidadãos são essencialmente indefesos, os milhares de cidadãos palestinos que estão sendo assassinados sistemática e brutalmente, à vista de todos os que têm uma tela de tv na parede da sala ou na secretária do escritório.

Para a cabala, o que importa é a “não intervenção”, porque esta seita sombria é a força motivadora por detrás do horror e tem um interesse obscuro parasitário em beneficiar-se das consequências.

A incapacidade, ou recusa, das nações e dos principais porta-vozes de assumirem uma posição humanitária internacional e coordenada face a este holocausto, revela uma reação em cadeia ininterrupta cujo início remonta ao parlamentar que mencionei anteriormente, que não conseguiu resistir à sua posição, capitulando assim à vontade de figuras importantes, a fim de não comprometer uma ambição primordial de promover a sua importante carreira.

É aqui que começa a queda na escravidão e termina a verdadeira expressão da liberdade humana; a responsabilidade inata do ser humano senciente e moral, de agir na causa da verdade e da justiça – substituída, em vez disso, pelo desejo narcisista de alimentar as exigências de um ego insaciável.

Agora justaponha isso com a ambição do culto do topo da pirâmide de viver a fantasia de ‘Deus-Rei’ O sonho da linhagem sanguínea é alcançar o “poder absoluto” através da “possessão absoluta” – e os elos da corrente se encaixam.

A proclamação de Klaus Schwab “Não possuireis nada e sereis felizes [e comendo insetos preso numa cidade de 15 minutos]” expõe simplesmente o programa segundo o qual as nossas casas e bens relacionados serão confiscados no interesse de um regime totalitário que se declara ser a única autoridade capaz de alinhar todo o planeta com objetivos de “desenvolvimento sustentável” do Grande Reset e do Green New Deal.

Na verdade, é irónica a escolha do termo “desenvolvimento sustentável” para descrever a tomada do mundo por um pequeno grupo de psicopatas megalomaníacos, usando o grande engano das “Mudanças Climáticas” e “Emissão CO² Zero até 2050” para autenticar a aplicação da sua tomada de poder global.

Mas era sabido com bastante antecedência que este estratagema certamente funcionaria, porque versões menos grandiosas já foram praticadas com sucesso durante décadas – se não séculos – sob a fórmula “problema, reação, solução” [Dialética Hegeliana]. Invente uma crise, provoque uma reação e ofereçae uma solução para o problema que você criou para impor as soluções propostas, que é a agenda.

Quantas bandeiras falsas iniciadas pela cabala foram usadas para catalisar um resultado pré-planejado apenas nos últimos vinte e cinco anos, [sendo a maior delas o atentado às torres gêmeas de 11 de setembro]?

Pessoas como Schwab, Gates, Soros, Rockefeller, Rothschild, Harari, Trudeau, Macron, et caterva, são o fim visível desta agenda de controle. O mesmo acontece com as instituições globais como as Nações Unidas, o WEF-Fórum Económico Mundial, a Organização Mundial da Saúde, SWIFT, BIS, Bco Mundial, FMI e a União Europeia. Depois, há os banqueiros como os Rothschilds, Goldman Sachs, JP Morgan e Layman Brothers que se unem a sociedades semi-secretas como o Clube Bilderberg, a Comissão Trilateral, o Clube de Roma e a Chatham House.

Também visíveis e ostentando poderes financeiros esmagadores estão empresas de gestão de ativos como BlackRock, Vanguard e UBS. Sem mencionar os conglomerados gigantes fabricantes de armas como o Complexo Industrial Militar e o controle da narrativa, a censura e manipulação das Big Techs do Vale do Silício.

Tudo isto, e muitos mais, claro, são a expressão material exterior de uma compulsão interior para dominar e, no processo, esmagar a ordem natural expressa na ecologia, na família, nas comunidades, criatividade, diversidade e espiritualidade.

Em resposta a este vasto conglomerado de parasitas agressivos da globalização, estão os parlamentos dos Estados-nação, exercendo o seu subterfúgio de governança democrática e de “gestão adequada” dos recursos nacionais.

  • Eles têm uma agenda de alguma forma separada da cabala globalista?
  • Estarão eles defendendo a sua professada crença “democrática” na justiça, na honra e nos direitos humanos fundamentais?
  • Estão lutando para proteger a santidade da propriedade, a privacidade, liberdade de expressão e a dignidade humana?
  • Estão eles defendendo os direitos dos seus eleitores de terem acesso direto a alimentos não contaminados a preços acessíveis, livres de toxinas e de distorções genéticas criadas em laboratório?
  • Será que aqueles que têm assento nestes parlamentos estão dando um exemplo digno pela forma como conduzem as suas próprias vidas?

Além daqueles poucos indivíduos que se mantêm firmes e cumprem com determinação os seus deveres de cargo, não há realmente nada que distinga o comportamento e a atitude daqueles que estão no governo daqueles que estão na linha da frente da violação globalista da base de recursos planetários da humanidade e de todas as formas de vida que depende disso.

No final, eles também são agentes de destruição, apologética e passivamente cúmplices no seu fracasso em tomar uma posição contra o esmagamento de todos os que resistem a uma vida de escravidão. Então, o que realmente são os governos hoje em dia?

São instituições que oferecem a pretensão covarde de deliberar sobre os méritos ou deméritos da adoção do que é, na realidade, uma agenda fixa e secreta, de cima para baixo, ao serviço da causa de uma “Grande Reinicialização” e de uma “Nova Ordem Mundial” a ser administrada por uma forma centralizada de IA de tecnocracia robótica, moeda digital CBDC e sistema de crédito social.

Trabalhando de mãos dadas com os mestres da hipnose em massa da indústria da comunicação, eles consideram a escravatura à cabala como “o funcionamento adequado da sociedade”.

Em todo o mundo, a forma como os governos lidaram com a pandemia Covid fabricada, com muito poucas exceções, foi um acordo coletivo para se envolverem no genocídio e despovoamento e ainda ganhando muito dinheiro. Será então de admirar que estes mesmos governos se escondam atrás de um véu de conluio, recusando-se a tomar medidas para impedir o genocídio em massa que está a sendo perpetrado em Gaza?

“Nós, o povo”, temos um desafio extraordinário pela frente para retomar o controle dos nossos destinos e, em última análise, do nosso planeta.

Já não devemos ter ilusões sobre o papel das nossas instituições políticas. Eles são uma farsa perigosa; um teatro, um circo ‘acordado’, LGBTQ+ e Transgênero sombrio e hipócrita cujos jogos carregados de vaidade com a democracia estão rapidamente levando ao colapso auto-infligido.

Certamente não é nosso dever tentar salvá-los, mas sim adotar uma abordagem ousada, fresca e inspiradora que realce as melhores qualidades da raça humana, de modo a romper a matriz distópica e pôr em movimento um verdadeiro sentido de direção e propósito. Alguém capaz de superar e eventualmente derrotar as forças demoníacas que pretendem descaradamente o nosso empobrecimento completo.

Julian Rose é agricultor orgânico a décadas, escritor, locutor e ativista internacional. Ele é autor de quatro livros, dos quais o último ‘Superando a Mente Robótica’ é um chamado para resistir à despótica tomada de controle de nossas vidas pela Nova Ordem Mundial. Visite seu site para mais informações.


Uma resposta

  1. E POR INCRÍVEL QUE POSSA PARECER, MESMO ESTES PSICOPATAS VOLTA E MEIA DEIXAR ESCAPAR EM PÚBLICO OS SEUS PLANOS DE DESPOVOAMENTO E OUTROS MAIS, A MAIORIA DAS PESSOAS AINDA SE NEGAM A ACEITAR, O QUE ME FAZ PENSAR QUE TALVEZ MEREÇAM O QUE ESTA POR VIR! EXISTEM HOJE 3 TPOS DE PESSOAS; AS DESPERTAS, AS QUE NÃO CONSEGUEM DESPERTAR, E OS QUE SIMPLESMENTE SE NEGAM EM DESPERTAR E ESSES SÃO OS MAIS PREJUDICIAIS A ASCENÇÃO PLANETÁRIA!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth