Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Tudo ‘Quieto’ (Pânico) no Hospício Ocidental

Davos Freak Show do Fórum Econômico Mundial (WEF)  está de volta aos negócios nessa segunda-feira (16). As grandes pre$$tituta$ da mídia do hospício ocidental, em uníssono, estará gritando sem parar, durante uma semana, todas as “notícias” que cabem imprimir para exaltar novas declinações do The Great Reset, rebatizado de “The Great Narrative”, mas na verdade enquadrado como uma oferta benigna do  “capitalismo das partes interessadas”. Estas são as tábuas principais da plataforma obscura de uma ONG obscura registrada em Cologny, o WEF com sede num subúrbio chique de Genebra.

Tudo ‘Quieto’ (Pânico) no Hospício Ocidental

Fonte: The Unz Review – Por Pepe Escobar

Luzes! Ação! Redefinir!

A lista de participantes de Davos foi devidamente vazada. Proverbialmente, é um festival de diversão excepcionalista anglo-americano, completo com chefões da inteligência, como a Diretora de Inteligência Nacional dos EUA, Avril “Madam Torture” Haines; o chefe do MI6 Richard Moore; e o diretor do FBI, Christopher Wray.

Enciclopédias remixadas de Diderot e D’Alembert poderiam ser escritas sobre a patologia de Davos – onde uma lista robusta de multibilionários, chefes de estado, políticos corruptos até a medula e psicopatas queridinhos corporativos (de propriedade da BlackRock, Vanguard, State Street e companhia) “se envolvem” na venda de pacotes de Distopia Demente para as massas desavisadas e bovinamente ignorantes.

Mas vamos direto ao ponto e nos concentremos em alguns painéis na próxima semana – que podem ser facilmente confundidos com sessões Straight to Hell.

A lista de terça-feira, 17 de janeiro, é particularmente envolvente. Ele apresenta uma “desglobalização ou reglobalização?” num painel com os oradores Ian Bremmer, Adam Tooze, Niall Ferguson, Péter Szijjártó e Ngaire Woods. Destacam-se três Atlanticistas/Excepcionalistas, com destaque para o ultratóxico Ferguson.

Depois de “In Defense of Europe”, apresentando um monte de nulidades, incluindo o polonês Andrjez Duda, os participantes serão recebidos com uma Temporada Especial no Inferno (desculpe, Rimbaud) apresentando ninguém menos que a “dominatrix” da EC Ursula von der Leyen, conhecida pela grande maioria dos Alemães como Ursula von der Leichen (“Ursula dos Cadáveres”) em uma tag team com o idealizador do WEF, o emulador do Terceiro Reich Klaus “Nosferatu” Schwab.

Rumores são de que Lúcifer, em sua privilegiada morada subterrânea, está verde de inveja.

Há também “Ucrânia: o que vem a seguir?” com outro monte de nulidades, e “Guerra na Europa: Ano 2” com a garota acordada da Moldávia Maia Sandu e a festeira finlandesa Sanna Marin.

Na seção de Criminosos de Guerra, o lugar de destaque vai para “Uma Conversa com o khazar Henry Kissinger: Perspectivas Históricas sobre a Guerra”, onde o Dr. K. venderá todas as permutações de sua marca registrada ‘Divide and Rule’. O enxofre adicionado será fornecido pelo estrangulador de Tucídides, Graham Allison.

Em seu discurso especial, o chanceler Olaf Scholz, “Salsicha de Fígado”, estará lado a lado com Nosferatu Schwab, esperando que ele não seja – literalmente – grelhado.

Então, na quarta-feira, 18 de janeiro, vem a apoteose: “Restaurando a segurança e a Paz” com os palestrantes Fareed Zakaria – o homem marrom de estimação do establishment americano; Jens “Guerra é Paz” Stoltenberg da OTAN; Andrzej Duda – novamente; e a belicista canadense Chrystia Freeland – com rumores de que ela se tornará a próxima secretária-geral da OTAN.

E fica mais suculento: o comediante judeu khazar Zelensky da cocaína posando como senhor da guerra pode entrar via zoom direto de Kiev, isso se um míssil da Rússia não tiver destruído as comunicações em Kiev.

A noção de que este painel tem o direito de emitir julgamentos sobre “paz” merece nada menos que seu próprio Prêmio Nobel da Paz.

Como monetizar o mundo inteiro

Cínicos, loucos, hipócritas, psicopatas de todas as persuasões podem ser desculpados por lamentar que o Sr. Zircon – atualmente em patrulha oceânica abrangendo o Atlântico, o Oceano Índico e, claro, o “Mare Nostrum” Mediterrâneo – não apresentará seu cartão de visita em Davos.

O analista Peter Koenig desenvolveu uma  tese convincente de  que o WEF, a OMS e a OTAN podem estar executando algum tipo de sofisticado culto à morte. O “Great Reset” se mistura alegremente com a agenda da OTAN como agente provocador, financiador e armador da guerra por procuração do Império contra a Rússia no buraco negro da Ucrânia. NAKO – um acrônimo para North Atlantic Killing Organization – seria mais apropriado neste caso.

Como Koenig resume, “a OTAN entra em qualquer território onde a máquina de mentiras da mídia ‘convencional’ e a engenharia social estão falhando ou não completando seus objetivos de ordenação [controle e manipulação] de pessoas com rapidez suficiente”.

Paralelamente, poucas pessoas sabem que em 13 de junho de 2019 em Nova York, um acordo secreto foi fechado entre a ONU, o WEF, uma série de ONGs armadas por oligarcas – com a OMS na linha de frente – e por último, mas não menos, as maiores corporações do mundo, todas pertencentes a um labirinto interligado com a Vanguard e a BlackRock no centro, controlados desde as sombras pelos judeus khazares Rothschilds.

O resultado prático do acordo é a Agenda 2030 da ONU.

Praticamente todos os governos na área da OTANstan e no “Hemisfério (Hospício) Ocidental” (definição do establishment dos EUA) foram sequestrados pela Agenda 2030 – que se traduz, essencialmente, como acumular, privatizar e financiar todos os ativos da Terra, sob o pretexto de “protegê-los”.

Tradução: a mercantilização e monetização de todo o mundo natural (ver, por exemplo, aquiaqui e aqui)

Os superstars de Davos, como o chato insuportável Niall Ferguson, são apenas vassalos bem recompensados: intelectuais ocidentais do molde de Harvard, Yale e Princeton que nunca ousariam morder a mão que os alimenta, com sua expressão máxima no intelectual judeu khazar Yuval Harari.

Ferguson acabou de escrever uma coluna na Bloomberg intitulada “Nem tudo está quieto na Frente Oriental” – basicamente para vender o risco da Terceira Guerra Mundial, em nome de seus mestres, culpando, é claro, “a China como o arsenal da autocracia”.

Entre as futilidades em série, esta se destaca. Ferguson escreve: “Há dois problemas óbvios com a estratégia dos EUA (…) O primeiro é que, se os sistemas de armas algorítmicas são o equivalente a armas nucleares táticas, Putin pode eventualmente ser levado a usar o último, já que ele claramente não tem o primeiro”.

A falta de noção aqui é um eufemismo. Ferguson claramente não tem ideia do significado de “armas algorítmicas”; se ele está se referindo à guerra eletrônica, os EUA podem ter conseguido manter a superioridade por um tempo na Ucrânia, mas acabou.

Bem, isso é típico de Ferguson – que escreveu toda uma hagiografia dos khazares Rothschild exatamente como sua coluna, bebendo dos arquivos da ‘famiglia’ Rothschild que pareciam ter sido higienizados, pois ele não sabia quase nada significativo sobre sua história.

Ferguson “deduziu” que a Rússia é fraca e a China é forte. Absurdo. Ambos são fortes – e a Rússia é mais avançada tecnologicamente do que a China em seu desenvolvimento avançado de mísseis ofensivos e defensivos, e pode vencer os EUA em uma guerra nuclear, já que o espaço aéreo russo é selado por defesas em camadas, com os sistemas antiaéreos S-400 até o já testado S-500s e o projetado S-600s.

No que diz respeito aos chips semicondutores, a vantagem que Taiwan tem na fabricação de chips está na produção em massa dos chips mais avançados; mas a China e a Rússia podem fabricar os chips necessários para uso militar próprio, embora não se envolvam na produção comercial em massa. Os EUA têm uma vantagem comercial importante aqui com Taiwan, mas não é uma vantagem militar.

Ferguson entrega seu jogo quando critica a necessidade de “impedir que uma nascente combinação de Rússia, Irã e China, semelhante ao Eixo, arrisque um conflito simultâneo em três teatros: Europa Oriental, Oriente Médio e Extremo Oriente”.

Aqui temos a demonização atlantista dos três principais vetores da integração da Eurásia misturada com um coquetel tóxico de ignorância e arrogância: é a OTAN que está alimentando o “conflito” na Europa Oriental; e é o Império que está sendo expulso do “Extremo Oriente” (oh, isso é tão colonial) e logo do Oriente Médio (na verdade, da Ásia Ocidental).

Um conto AMGOT [Allied Military Government of Occupied Territories]

Ninguém com um QI acima da temperatura ambiente esperará que Davos na próxima semana discuta seriamente qualquer aspecto da guerra existencial da OTAN contra a Eurásia – para não mencionar a proposta de diplomacia. Deixo-vos então com mais uma típica história de mau gosto sobre como o Império – que governa Davos – lida na prática com os seus vassalos.

Enquanto estava na Sicília no início deste ano, eu soube que um ativo de alto valor do Pentágono havia desembarcado em Roma, “às pressas”, como parte de uma visita não programada. Poucos dias depois, o motivo da visita foi publicado no La Repubblica, um dos jornais do tóxico clã Agnelli.

Isso foi um golpe estilo da Máfia: uma “sugestão” cara a cara para o governo Meloni fornecer imperativa e imediatamente a Kiev, o mais rápido possível, o caro sistema de mísseis anti-Samp-T, desenvolvido por um consórcio europeu, Eurosam, unindo a MBDA Itália, MBDA França e Thales. A Itália possui apenas 5 baterias deste sistema de defesa antiaérea, não exatamente brilhantes contra mísseis balísticos, mas eficientes contra mísseis de cruzeiro.

O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, já havia telefonado para o Palazzo Chigi para anunciar a “oferta que você não pode recusar”. Aparentemente, isso não foi suficiente, daí a viagem apressada do enviado. Roma terá que seguir a linha. Se não. Afinal, nunca se esqueça da terminologia empregada pelos generais americanos para designar a Sicília, e a Itália como um todo: AMGOT (Governo Militar Aliado dos Territórios Ocupados).

Território ocupado pelo governo americano.

Divirta-se com o show de horrores de Davos em seu encontro anual de psicopatas do Hospício Ocidental.

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle e da Press TV.


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta“, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. Ao invés do despovoamento do planeta através da agenda 2030, com fraudemia, imposição de vacinas mortais, etc, porque não implantar um controle no número de nascimentos e dentro de 50 anos estaríamos com a população devidamente estabilizada?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *