Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Twitter Rejeitou Apelos para remover Pornografia Infantil da plataforma porque ‘não violava as suas políticas’.

Twitter rejeitou apelos de vítima para remover Pornografia Infantil da plataforma porque as imagens não ‘violavam as suas políticas’: Um novo processo legal na Califórnia acusou o Twitter de “fechar os olhos à pornografia infantil”  exibidas em sua plataforma, alegando que desprezou os pedidos repetidos de uma vítima menor de idade de tráfico sexual para remover imagens explícitas obtidas por meio de chantagem.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Twitter rejeitou apelos de vítima para remover Pornografia Infantil da plataforma porque as imagens não ‘violavam as suas políticas’

Fonte:  Rússia Today

processo legal, movido pela vítima adolescente e sua mãe no Distrito Norte da Califórnia na quarta-feira, argumenta que o Twitter se recusou a retirar os vídeos sexualmente explícitos sob o argumento de que eles não violavam suas políticas, permitindo-lhes obter mais de 150.000 visualizações .

O querelante do caso – identificado apenas como “John Doe” nos autos do tribunal – diz que tinha apenas 13 anos quando foi manipulado para compartilhar imagens de si mesmo nu com um usuário do Snapchat que ele acreditava ser um colega de classe de 16 anos. Depois que ele fez isso, “a correspondência mudou para chantagem”, afirma o processo, acrescentando que os perpetradores ameaçaram compartilhar as fotos com os “pais, treinador, pastor e outras pessoas de sua comunidade” da vítima se ela não enviasse material adicional. A vítima cumpriu as novas exigências dos traficantes, enviando vídeos de si mesmo sexualmente explícitos, alguns dos quais com outro menor.

Em algum momento de 2019, um “vídeo de compilação” com as filmagens extorquidas de John Doe apareceu no Twitter por meio de pelo menos duas contas, eventualmente chegando até a identificação da vítima em janeiro de 2020 depois que “ele soube com seus colegas que [os] vídeos de ele e outro menor estavam no Twitter e que muitos alunos da escola os viram. ”

Devido à circulação desses vídeos, ele enfrentou provocações, assédio, bullying cruel e tornou-se um suicida.

Imediatamente, a vítima – que na época tinha 16 anos – informou seus pais sobre a situação, levando sua mãe, nomeada “Jane Doe” no processo, a abordar o assunto com funcionários da escola, polícia local e com o Twitter diretamente. Isso se seguiu a pelo menos uma reclamação anterior de um usuário do Twitter preocupado no final de 2019, que relatou uma das contas que compartilhava imagens da vítima. A empresa não agiu e os vídeos permaneceram no ar.

Em 21 de janeiro, o reclamante entrou com sua própria reclamação no Twitter, dizendo à plataforma “Esses vídeos foram retirados de assédio e de ameaças. Agora está se espalhando pela escola e precisamos retirá-los, pois somos menores e temos um boletim de ocorrência para a situação ”. A pedido do Twitter, ele forneceu uma foto de sua carteira de motorista para confirmar sua identidade.

Jane Doe também entrou com mais duas reclamações na empresa um dia depois, às quais o Twitter respondeu com mensagens automatizadas idênticas prometendo revisar o conteúdo em questão.

Depois de uma semana inteira sem resposta da empresa, apesar das repetidas tentativas da mãe da vítima além de suas reclamações iniciais, o Twitter finalmente respondeu em 28 de janeiro, afirmando que não encontrou problemas com os vídeos sexualmente explícitos e não faria nada para removê-los.

“Agradecemos seu contato. Revisamos o conteúdo e não encontramos nenhuma violação de nossas políticas, portanto, nenhuma ação será tomada neste momento”, disse o Twitter, ao mesmo tempo em que insistia, sem uma pitada de ironia, que “a sua segurança é o mais importante”.

A vítima respondeu no mesmo dia, indignada com a inação da plataforma, perguntando “O que você quer dizer com não vê nenhum problema?”

Nós dois somos menores agora e éramos menores na época em que esses vídeos foram feitos. Nós dois tínhamos 13 anos. Fomos iscados, perseguidos e ameaçados de exibirem esses vídeos que agora estão sendo postados sem nossa permissão. Não autorizamos esses vídeos de TODOS OS MODOS e eles precisam ser removidos.

Embora a empresa tenha ignorado o apelo final de John Doe, em poucos dias sua família  “conseguiu entrar em contato com um agente do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos” por meio de um contato mútuo, segundo o processo.

“O agente federal também iniciou contato com o Twitter e, a pedido do governo federal dos EUA, o [conteúdo explícito] foi finalmente removido do Twitter em ou por volta de 30 de janeiro de 2020” , continua o processo, acrescentando que as contas ofensivas também foram banidas .

O Twitter foi criticado no passado por lidar com pornografia infantil, com o Centro Canadense de Proteção à Criança descobrindo em uma revisão no ano passado que a plataforma torna  “extremamente difícil” relatar tal conteúdo, forçando os usuários a localizar um formulário diferente do sua “função de relatório facilmente acessível” encontrada em cada tweet.

Em março de 2019, o Twitter afirma aplicar uma “política de tolerância zero à exploração sexual infantil” e, em suas comunicações com John Doe e sua mãe, disse que encaminha todos os relatórios desse tipo de material para o National Center Missing and Exploited Children. No entanto, apesar dos esforços agressivos da vítima para que suas imagens fossem retiradas da plataforma, a empresa só o fez após ser contatada pelo governo federal dos Estados Unidos, não tendo repassado o caso de John Doe ao Centro até então.

A postura aparentemente frouxa e dúbia da empresa em relação à pornografia infantil contrasta fortemente com o policiamento vigoroso de conteúdo político que ela considera “odioso” ou para espalhar “desinformação”, eliminando regularmente milhares de postagens e usuários – entre eles até o ex-presidente Donald Trump – sobre políticas técnicas violações


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

0 resposta

  1. Nos envolvemos “alucinadamente” com a informática (pois, todos os argumentos são válidos) que não medimos possíveis consequências de ações movidas pelo entusiasmo e euforia.
    Todos nós somos responsáveis pelos resultados direta ou indiretamente.
    Estamos num período de farta tecnologia e seu uso tem que ser cuidadoso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *