Ucrânia: a Guerra que deu Errado. O Fim do Império esta próximo

O apoio da OTAN para a guerra na Ucrânia, projetado para degradar as forças armadas russas e tirar Vladimir Putin do poder e mais tarde dividir em cinco regiões o vasto território russo e as suas imensas riquezas naturais não está saindo de acordo com o planejado. Os novos equipamentos militares sofisticados, como o fornecimento de tanques pesados, não vai ajudar.

Ucrânia: a Guerra que deu Errado. O Fim do Império esta próximo

Fonte: chrishedges.substack.com

Impérios em declínio terminal saltam de um fiasco militar para outro. A guerra na Ucrânia, outra tentativa frustrada de reafirmar a hegemonia global do imperialismo dos EUA, se encaixa nesse padrão. O perigo é que quanto mais terríveis as coisas parecerem, mais os EUA escalarão o conflito, potencialmente provocando um confronto aberto com a Rússia. Se a Rússia realizar ataques de retaliação a bases de abastecimento e treinamento nos países vizinhos da OTAN, ou usar armas nucleares táticas, a OTAN quase certamente responderá atacando as forças russas. Teremos desencadeado a Terceira Guerra Mundial, que pode resultar em um holocausto nuclear.

O apoio militar dos EUA à Ucrânia começou com o básico – munição e armas de assalto. A administração de (‘Dementia’ Joe) Biden, no entanto, logo cruzou várias linhas vermelhas auto-impostas para fornecer  uma onda de maquinaria de guerra letal: sistemas antiaéreos Stinger; Sistemas de mísseis anti-tanques Javelin;  Obuses rebocados M777; Foguetes GRAD de 122 mm; M142 lançadores de foguetes múltiplos, ou HIMARS; Mísseis lançados por tubo, rastreados opticamente e guiados por fio (TOW); Baterias de defesa aérea Patriot; Sistemas Nacionais Avançados de Mísseis Superfície-Ar (NASAMS); Veículos blindados de transporte de pessoal M113; e por último 31 tanques pesados M1 Abrams, como parte de um novo pacote de $ 400 milhões. Esses tanques serão complementados por 14 tanques alemães Leopard 2A6, 14 tanques britânicos Challenger 2, bem como tanques de outros membros da OTAN, incluindo a Polônia. Em seguida na lista estão munição de urânio empobrecido (DU) perfurantes e caças F-15 e F-16 .

Desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro de 2022, o Congresso dos EUA aprovou mais de US$ 113 bilhões em ajuda à Ucrânia e às nações aliadas que apoiam a guerra na Ucrânia. Três quintos dessa ajuda, US$ 67 bilhões, foram alocados para gastos militares. Há 28 países transferindo armas para a Ucrânia.  Todos eles, com exceção de três, a Austrália, Canadá e Estados Unidos, estão na Europa. 

A rápida atualização de equipamentos militares sofisticados e a ajuda fornecida à Ucrânia não é um bom sinal para a aliança da OTAN. Leva muitos meses, se não anos, de treinamento para operar e coordenar esses sistemas de armas de forma eficiente no campo de batalha. Batalhas de tanques – eu estava na última grande batalha de tanques fora da Cidade do Kuwait durante a primeira Guerra do Golfo como repórter – são operações altamente coreografadas e complexas. 

Os blindados pesados devem trabalhar em conjunto com o poder aéreo, navios de guerra, infantaria e baterias de artilharia. Levará muitos, muitos meses, senão anos, até que as forças ucranianas recebam treinamento adequado para operar este equipamento e coordenar os diversos componentes de um campo de batalha moderno. De fato, os EUA nunca conseguiram treinar os exércitos iraquiano e afegão na guerra de manobra de armas combinadas, apesar de duas décadas de ocupação.

Eu estava com as unidades do Corpo de Fuzileiros Navais em fevereiro de 1991 que expulsaram as forças iraquianas da cidade de Khafji, na Arábia Saudita. Fornecidos com equipamento militar superior, os soldados sauditas que mantinham Khafji ofereceram resistência ineficaz. Ao entrarmos na cidade, vimos tropas sauditas em caminhões de bombeiros comandados, fugindo para o sul para escapar dos combates. Todo o sofisticado equipamento militar, que os sauditas compraram dos Estados Unidos, provou ser inútil porque eles não sabiam como usá-lo.

Os comandantes militares da OTAN entendem que a infusão desses sistemas de armas na guerra não alterará o que é, na melhor das hipóteses, um impasse, definido em grande parte por duelos de artilharia ao longo de centenas de quilômetros de linhas de frente. A compra desses sistemas de armas – um tanque M1 Abrams custa US$ 10 milhões, incluindo treinamento e manutenção – aumenta os lucros dos fabricantes de armas do Complexo Industrial Militar. O uso dessas armas na Ucrânia permite que sejam testadas em condições de campo de batalha, tornando a guerra um laboratório para fabricantes de armas como a Lockheed Martin. Tudo isso é útil para a OTAN e para a indústria de armas. Mas não é muito útil para os soldados da Ucrânia.

O outro problema com sistemas de armas avançados, como o tanque M1 Abrams, que possui motores de turbina de 1.500 cavalos que funcionam com combustível de aviação, é que eles são temperamentais e exigem manutenção altamente especializada e quase constante. Eles não perdoam aqueles que os operam e cometem erros; na verdade, os erros podem ser letais. 

O cenário mais otimista para a implantação de tanques M1-Abrams na Ucrânia é de seis a oito meses, provavelmente mais. Se a Rússia lançar uma grande ofensiva na primavera [março a junho 2023], como esperado, o M1 Abrams não fará parte do arsenal ucraniano. Mesmo quando chegarem, não alterarão significativamente o equilíbrio de poder, especialmente se os russos conseguirem transformar os tanques, tripulados por tripulações inexperientes, em cascos carbonizados.

Então, por que toda essa última e apressada infusão de armamento de alta tecnologia na Ucrânia? Podemos resumir em uma palavra: pânico total do ocidente.

Tendo declarado uma guerra de fato à Rússia e pedindo abertamente a remoção de Vladimir Putin, os proxenetas neoconservadores da guerra assistem com pavor enquanto a Ucrânia está sendo golpeada por uma implacável máquina de guerra russa de desgaste. 

A Ucrânia já sofreu quase 18.000 baixas civis (6.919 mortos e 11.075 feridos). Também viu cerca de 8 por cento de suas habitações destruídas ou danificadas e 50 por cento de sua infraestrutura de energia diretamente impactada com cortes de energia frequentes. A Ucrânia requer pelo menos US$ 3 bilhões por mês em apoio externo para manter sua economia à tona, disse recentemente o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional. 

Quase 14 milhões de ucranianos foram deslocados — 8 milhões na Europa e 6 milhões internamente — e até 18 milhões de pessoas, ou 40% da população da Ucrânia, em breve precisarão de todo tipo de assistência humanitária. A economia da Ucrânia contraiu 35% em 2022, e 60% dos ucranianos agora estão preparados para viver com menos de US$ 5,5 por dia, segundo estimativas do Banco Mundial. Nove milhões de ucranianos estão sem eletricidade e água em temperaturas abaixo de zero, diz o presidente ucraniano. De acordo com estimativas do Estado-Maior Conjunto dos EUA, 100.000 soldados ucranianos e 100.000 russos foram mortos ou feridos na guerra desde novembro passado.  

“Minha sensação é que estamos em um momento crucial no conflito, quando o ímpeto pode mudar a favor da Rússia se não agirmos de forma decisiva e rápida”, disse o ex-senador dos EUA Rob Portman  no Fórum Econômico Mundial-WEF em um post pelo Conselho do Atlântico. “É necessária uma onda.”

Virando a lógica de cabeça para baixo, os partidários da guerra argumentam que “a maior ameaça nuclear que enfrentamos é uma vitória russa”. A atitude descuidada em relação a um possível confronto nuclear com a Rússia por parte das líderes de torcida da guerra na Ucrânia é muito, muito assustadora, especialmente considerando os fiascos que eles supervisionaram por vinte anos no Oriente Médio.

Os apelos quase histéricos para apoiar a Ucrânia com mais armas e munições como um baluarte da liberdade e da democracia pelos mandarins em Washington são uma resposta à podridão palpável e declínio do império dos EUA. A autoridade global dos Estados Unidos foi dizimada por crimes de guerra bem divulgados, tortura, declínio econômico, desintegração social – incluindo o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro, a resposta malfeita e mal conduzida à pandemia, declínio da expectativa de vida e a praga dos tiroteios em massa – e uma série de desastres militares desde o Vietnã ao Afeganistão

Os golpes, assassinatos políticos, fraudes eleitorais em casa e no exterior, propaganda negra, chantagem, sequestro, campanhas brutais de contra-insurgência, massacres sancionados pelos EUA, tortura em locais negros globais, guerras por procuração e intervenções militares realizadas pelos Estados Unidos em todo o mundo desde o final da Segunda Guerra Mundial nunca resultou no estabelecimento de um governo democrático em nenhum país. Em vez disso, essas intervenções levaram a mais de 20 milhões de mortos e geraram uma repulsa global pelo imperialismo dos EUA. 

Desesperado, o império injeta somas cada vez maiores em sua máquina de guerra. A mais recente conta de gastos de US$ 1,7 trilhão incluía US$ 847 bilhões para os militares; o total aumenta para US$ 858 bilhões quando contabilizadas contas que não se enquadram na jurisdição dos comitês das Forças Armadas, como o Departamento de Energia, que supervisiona a manutenção de armas nucleares e a infraestrutura que as desenvolve. Em 2021, quando os Estados Unidos tinham um orçamento militar de US$ 801 bilhões, ele representou quase 40% de todos os gastos militares globais, mais do que os próximos nove países, incluindo Rússia e China, gastaram em suas forças armadas juntas.

Como Edward Gibbon observou sobre o próprio desejo fatal do Império Romano por uma guerra sem fim:

“[O] declínio de Roma foi o efeito natural e inevitável da grandeza imoderada. A prosperidade amadureceu o princípio da decadência; a causa da destruição se multiplicou com a extensão da conquista; e, assim que o tempo ou o acidente removeu os suportes artificiais, o estupendo tecido cedeu à pressão de seu próprio peso. A história da ruína é simples e óbvia; e, em vez de indagar por que o Império Romano foi destruído, deveríamos nos surpreender por ele ter subsistido por tanto tempo”.

Um estado de guerra permanente cria burocracias complexas, sustentadas por políticos corruptos e complacentes, jornalistas pre$$tituta$, cientistas sem nenhuma moral e caráter, tecnocratas e acadêmicos corruptos, que servem obsequiosamente à máquina de guerra. Esse militarismo precisa de inimigos mortais perpétuos – os últimos são a Rússia e a China – mesmo quando os demonizados não têm intenção ou capacidade, como foi o caso do Iraque, de prejudicar os EUA. Somos reféns dessas estruturas institucionais incestuosas. 

No início deste mês, os Comitês de Serviços Armados da Câmara e do Senado, por exemplo, nomearam oito comissários para revisar a Estratégia de Defesa Nacional (NDS) de (‘Dementia’ Joe) Biden para “examinar as suposições, objetivos, investimentos em defesa, postura e estrutura da força, conceitos operacionais e riscos militares da NDS. A comissão, como Eli Clifton escreve no Quincy Institute for Responsible Statecraft, é “em grande parte composta por indivíduos com laços financeiros com a indústria de armas e empreiteiros de defesa do governo dos EUA, levantando questões sobre se a comissão terá um olhar crítico para empreiteiros que recebem US$ 400 bilhões do orçamento de defesa de US$ 858 bilhões do ano fiscal de 2023”. 

A presidente da comissão, observa Clifton, é a ex-deputada Jane Harman (D-CA), que “tem assento no conselho da Iridium Communications, uma empresa de comunicações por satélite que recebeu um contrato de US$ 738,5 milhões por sete anos com o Departamento de Defesa em 2019.”

Relatos sobre a interferência russa nas eleições e os robôs russos manipulando a opinião pública – que a reportagem recente de Matt Taibbi sobre os “Arquivos do Twitter” expõe como uma peça elaborada de propaganda falsa – foram amplificados de forma acrítica pelas servis pre$$tituta$ da imprensa. Seduziu os democratas e seus partidários liberais a ver a Rússia como um inimigo mortal. O apoio quase universal para uma guerra prolongada com a Ucrânia não seria possível sem esse golpe de falsa propaganda.

Os dois partidos governantes dos Estados Unidos dependem de fundos de campanha da indústria de guerra e são pressionados por fabricantes de armas em seus estados ou distritos, que empregam eleitores, para aprovar orçamentos militares gigantescos. Os políticos estão perfeitamente cientes de que desafiar a economia de guerra permanente é ser atacado como antipatriótico e geralmente é um ato de suicídio político e em sua maioria são corrompidos pelas mesmas empresas. 

“A alma que é escravizada pela guerra clama por libertação”escreve Simone Weil em seu ensaio “A Ilíada ou o Poema da Força”, “mas a própria libertação lhe parece um aspecto extremo e trágico, o aspecto da destruição”.

Os historiadores se referem à tentativa quixotesca dos impérios em declínio de recuperar uma hegemonia perdida por meio do aventureirismo militar como “micromilitarismo”. Durante a Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.), os atenienses invadiram a Sicília, perdendo 200 navios e milhares de soldados. A derrota desencadeou uma série de revoltas bem-sucedidas em todo o império ateniense. O Império Romano, que no seu auge durou dois séculos, tornou-se cativo de seu exército de um único militar que, semelhante à indústria bélica dos Estados Unidos, era um estado dentro do estado. As outroras poderosas legiões de Roma no estágio final do império sofreram derrota após derrota enquanto extraíam cada vez mais recursos de um estado empobrecido e em ruínas. No final, a Guarda Pretoriana da elite leiloou o reinado pelo maior lance. 

O Império Britânico, já dizimado pela loucura militar suicida da Primeira Guerra Mundial, deu seu último suspiro em 1956 quando atacou o Egito em uma disputa pela nacionalização do Canal de Suez. A Grã-Bretanha retirou-se humilhada e tornou-se um apêndice dos Estados Unidos. Uma década de guerra no Afeganistão selou o destino de uma decrépita União Soviética.

“Enquanto os impérios emergentes são frequentemente criteriosos, até mesmo racionais em sua aplicação da força armada para a conquista e controle de domínios ultramarinos, os impérios decadentes estão inclinados a demonstrações de poder imprudentes, sonhando com ousados ????golpes militares que de alguma forma recuperariam prestígio e poder perdidos”. O historiador Alfred W. McCoy escreve em seu livro, “Nas sombras do século americano: a ascensão e o declínio do poder global dos EUA”. “Muitas vezes irracionais mesmo do ponto de vista imperial, essas operações micromilitares podem render gastos hemorrágicos ou derrotas humilhantes que apenas aceleram o processo de dissolução já em pleno andamento.” 

O plano de remodelar a Europa e o equilíbrio de poder global degradando a Rússia e a própria Europa, especialmente a Alemanha, está se tornando semelhante ao plano fracassado de remodelar o Oriente Médio. Está alimentando uma crise alimentar global e energética, devastando a Europa com uma inflação de quase dois dígitos. 

Está expondo a impotência, mais uma vez, dos Estados Unidos e a falência de seus oligarcas governantes. Como contrapeso aos Estados Unidos, nações como China, Rússia, Índia, Brasil e Irã estão se separando da tirania do dólar como moeda de reserva mundial, um movimento que desencadeará uma catástrofe econômica e social nos Estados Unidos. Washington está dando à Ucrânia sistemas de armas cada vez mais sofisticados e bilhões e bilhões em ajuda em uma tentativa inútil de salvar a Ucrânia, mas, mais importante, de salvar a si mesma, tentando desesperadamente evitar a sua debacle inexorável. 


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth