Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um Cavalo de Tróia Totalitário: Os ’17 Objetivos de Desenvolvimento ‘Sustentável’ (ODS)’ da Agenda 2030 da ONU

Ao examinarmos atentamente os “17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” da ONU incluídos na conhecida “Agenda 2030”, pode-se concluir que são todos objetivos inofensivos, bem intencionados e inteiramente razoáveis. Afinal, Quem poderia opor-se à redução da pobreza e da fome ou ao avanço das infra-estruturas, da inovação e da indústria? Esta exploração dos objetivos da Agenda 2030 da ONU é exatamente como o Cavalo de Tróia que esconde as pessoas que irão destruir a cidade sob o disfarce de um presente impressionante e encantador.

A Agenda 2030 da ONU: O Cavalo de Tróia Totalitário

Fonte: The Epoch Times – De autoria de Daniel Lacalle

O truque, semelhante à história do Cavalo de Tróia, é que esses objetivos foram apropriados pelo intervencionismo mais hediondo, e os burocratas com uma base de presunção e estupidez usam-no para impor o controle governamental sobre todos os aspectos da economia.

Estão atacando a agricultura, a agricultura e quase toda e qualquer atividade privada numa Europa que começa a assemelhar-se a uma sociedade sufocada por um Estado predatório e por zumbis próximos do governo, à la Capítulo 9 de “Atlas Shrugged” de Ayn Rand.

Agenda 2030 é um compromisso global assumido em 2015 por 193 países, incluindo o Brasil. A agenda é coordenada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e propõe a ação de governos, instituições, empresas e a sociedade em geral para o enfrentamento dos maiores desafios do mundo contemporâneo.

Foram eleitos “17 Objetivos de Desenvolvimento ‘Sustentável‘ (ODS)“, relacionados com a efetivação dos direitos humanos e a promoção do desenvolvimento sustentável em suas dimensões social, econômica, ambiental e institucional. 

Conheça os 17 ODS:

01 – Erradicação da pobreza;
02 – Fome zero e agricultura sustentável;
03 – Saúde e bem-estar;
04 – Educação de qualidade;
05 – Igualdade de gênero;
06 – Água potável e saneamento;
07 – Energia limpa e acessível;
08 – Trabalho decente e crescimento econômico;
09 – Indústria, inovação e infraestrutura;
10 – Redução de desigualdades;
11 – Cidades e comunidades sustentáveis;
12 – Consumo e produção responsável;
13 – Ação contra a mudança global do clima;
14 – Vida na água;
15 – Vida terrestre;
16 – Paz, justiça e instituições eficazes;
17 – Parcerias e meios de implementação.

Primeiro, destruíram a própria indústria europeia que a Agenda 2030 estaria supostamente empenhada em fortalecer.

Os políticos mais intervencionistas estão realmente atacando a Agenda 2030 da ONU porque, apesar das suas pretensões em contrário, as suas políticas têm invariável e exatamente o efeito oposto daquilo que pretendem apoiar.

Os socialistas e liberais esquerdistas de todos os partidos assumiram a Agenda 2030, que não promove a indústria, o crescimento, a igualdade ou a luta contra a pobreza ou a fome.

Esta exploração dos “17 Objetivos de Desenvolvimento ‘Sustentável‘ (ODS)” – Agenda 2030 da ONU é exatamente como o Cavalo de Tróia que esconde as pessoas que irão destruir a cidade sob o disfarce de um presente impressionante e encantador.

O número de explorações agrícolas na União Europeia diminuiu drasticamente nos últimos anos. De acordo com o Eurostat, havia 9,1 milhões de explorações agrícolas em 2020, uma diminuição prevista de 37%, ou cerca de 5,3 milhões menos do que em 2005. Esta tendência só piorou desde 2020.

De acordo com a própria Comissão Europeia, prevê-se que as terras agrícolas da UE diminuam 1,1 por cento entre 2015 e 2030, principalmente devido ao declínio dos dois principais grupos (terras agrícolas e agricultura), que deverão diminuir 4 e 2,6 por cento, respectivamente. Isto implica arruinar o nosso futuro, a segurança alimentar e aumentar a dependência e a pobreza da Europa.

Não é aceitável que o tecido industrial europeu seja destruído. De acordo com a Agência Internacional de Energia, as empresas pagam agora o dobro pela eletricidade e pelo gás natural do que pagariam na China ou nos Estados Unidos, devido a uma estratégia energética que é incorreta e aplicada por ativistas climáticos histéricos e ‘acordados’ que não têm conhecimento do setor. E como isso é justificado pela corrupta burocracia?

“A análise desagregada revela que o menor crescimento econômico na UE em relação ao mundo teve o maior impacto negativo na contribuição do seu setor industrial”, segundo um estudo publicado pela Comissão Europeia.

Não é que estejam destruindo a indústria, então não se preocupe. Acontece que a UE está crescendo muito menos do que antes. Fascinante (observe a ironia). Como se o declínio da competitividade já não fosse um fator em si mesmo e um indicativo que contribui para a estagnação.

Um relatório da Mesa Redonda Europeia para a Indústria (Documento de Visão 2024–2029) afirma que a quota de mercado da indústria da União Europeia no mundo caiu de 21 por cento em 2001 para lamentáveis ​​14,5 por cento. O documento também oferece soluções positivas. A proporção dos EUA, que tinha uma participação de 21 por cento durante o mesmo período, diminuiu de forma menos significativa, para 16,5 por cento. Eles reafirmam que “os negócios são a força vital de uma economia robusta”.

“O setor industrial da UE contribui com 16% do seu PIB. Cria milhões de empregos indiretamente e 25 por cento do emprego direto. É essencial para promover a inovação e melhorar as capacidades da força de trabalho, além de criar rendimentos, impostos e empregos. O seu potencial para promover o crescimento e a prosperidade é enorme, dadas as condições corretas. Estes fatores deixam claro que a Europa precisa de aumentar o seu apelo aos investidores estrangeiros.”

Além disso, o que foi conseguido? Os impostos, as restrições e a burocracia aumentam, destruindo exatamente aquilo que afirmam salvaguardar.

Porque é que as pessoas aceitam os 17 objetivos da Agenda 2030 da ONU, que são redundantes, uma vez que o capitalismo de livre mercado alcançaria todos eles sem a necessidade de propaganda e intervenção? 

O intervencionismo denegriu o capitalismo e os mercados livres, ao mesmo tempo que se posicionou como a resposta aos erros provocados pela intervenção extensiva. As únicas formas de qualquer um desses objetivos ser realmente alcançado é através do aumento do investimento e da liberdade econômica. O socialismo não só fica aquém de todos estes objetivos, como também acrescenta um número e item oculto, o 18ª objetivo: o cancelamento, censura e a perseguição dos queixosos.

Não é antieuropeu criticar a imposição incorreta desta agenda. É a favor da Europa.

Muitos de nós fomos rotulados de antieuropeu há anos por apoiarmos a energia nuclear. A UE fez acordos recentemente para criar novos reatores em grandes quantidades. Quando criticamos a pilhagem fiscal e a burocracia impostas à agricultura, à agropecuária e à indústria, há anos, fomos rotulados de antieuropeu. Muitos governos na Europa estão agora apercebendo-se da gravidade do erro que cometeram.

Da mesma forma, criticar o euro digital não significa atacar o euro; pelo contrário, significa argumentar que a moeda deve continuar a ser uma reserva de valor e manter o seu poder de compra.

Ser pró-europeu não significa aceitar todas as políticas intervencionistas apresentadas por um comité de burocratas com agendas ocultas. Devemos rejeitar o socialismo e o planejamento centralizado do comunismo se quisermos proteger a Europa. Apesar de décadas de apoio financeiro, a Alemanha Oriental ainda luta para recuperar-se da devastação causada pelo planejamento central dos tempos comunista.

O planejamento centralizado não funciona.

Nunca teve sucesso em lugar algum. Porém, sempre há quem acredite que se colocar em prática vai dar certo porque não precisa pagar pelas repercussões.

Qual é o estratagema e a “real intenção” por trás deste último ataque à liberdade?

As habituais “boas intenções” de visar e penalizar quem produz e cria empregos, quem produz alimentos utilizando objetivos que parecem inocentes e que todos defendemos. Assim, se discordar, alguns poderão alegar que se opõe ao fim da pobreza, da fome e da desigualdade se publicar um artigo como este ou alertar contra os riscos do planejamento central. Você consegue identificar o estratagema? Na realidade, emprega a mesma tática do leninismo, que consiste em criar um governo opressivo enquanto se esconde atrás de uma causa pseudo benéfica que todos apoiam.

As pessoas que abasteceram este Cavalo de Tróia com guerreiros esquerdistas liberais acordados prontos para massacrar impiedosamente a população da cidade assim que estiverem atrás do muro estão bem conscientes de que o seu esquema irá falhar, por isso devem impor o objetivo número 18, que estabelece a única ligação entre a realidade e a falácia da Planejamento central. O que significa o objetivo número 18? Supressão e aniquilação da autonomia pessoal, empobrecimento e eliminação da livre iniciativa.

Não é nem mesmo um alvo oculto. Este conjunto de autoproclamados salvadores europeus está consciente de que impor uma contração na demanda é a única forma de equilibrar a equação entre a destruição corporativa e o declínio da oferta, tornando-nos menos livres, mais pobres, mais servis e controláveis.

A primeira coisa que devemos fazer é desistir do socialismo e defender a promoção da liberdade individual se quisermos alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável sem o décimo oitavo dissimulado da pobreza e da eliminação dos direitos dos indivíduos.

A única forma de alcançar os objetivos que a Agenda 2030 pretende apoiar é tirar estas políticas das mãos do intervencionismo socialista e exorbitante e dar à Europa maior liberdade econômica, empresas mais robustas e regulamentos que sejam simples, previsíveis e conducentes à investimentos. Deveria haver menos redistribuidores da pobreza e mais indústria transformadora, agricultura e pecuária nos campos europeus.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *