Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um ‘Great Reset’ da Política Monetária está chegando após Explosão Maciça da Oferta de Dinheiro?

Em resposta à pandemia de coronavírus, o Federal Reserve [pseudo Banco Central dos EUA] tomou medidas extraordinárias e sem precedentes para amortecer os golpes econômicos resultantes dos lockdowns e bloqueios generalizados da crise global da saúde pela pandemia Fake da Covid. Nos últimos dois anos, o ‘banco central’ dos EUA expandiu a oferta monetária em mais de US$ 6 trilhões. A rodada de flexibilização quantitativa da era da pandemia levou à criação de quase 50% de todos os novos dólares americanos já criados na história do país e elevou a dívida pública dos EUA acima de seu PIB.

Um ‘Great Reset’ da Política Monetária está chegando após Explosão Maciça da Oferta de Dinheiro?

Fonte: The Epoch Times

Quando o Congresso dos EUA aprovou trilhões de dólares em novos gastos governamentais, seja a Lei CARES de US$ 2,1 trilhões (Ajuda, Alívio e Segurança Econômica ao combate ao Coronavírus) ou o Plano de Resgate Americano (ARP) de US$ 1,9 trilhão, o Departamento do Tesouro emitiu nova dívida para cobrir a enorme déficit. Isso levou o banco central a emitir novas unidades de moeda fiduciária para comprar a dívida.

O Fed não parou apenas com a compra de dívida do Tesouro dos EUA. A instituição também adquiriu títulos lastreados em hipotecas e títulos corporativos. Isso aumentou seu balanço patrimonial para um recorde de US$ 8,9 trilhões.

Em uma entrevista de março de 2020 com “60 Minutes”, Neel Kashkari, presidente do Federal Reserve Bank de Minneapolis, observou que o Fed tem “caixa ilimitado”, garantindo ao público que o sistema financeiro possui dinheiro suficiente.

Carteira do [Dementia] Tio Sam

Os críticos alegam que o Fed permitiu que as autoridades embarcassem em enormes esforços de gastos financiados pelo déficit ao monetizar a dívida. Isso poderia exacerbar as finanças dos Estados Unidos, resultando em consequências fiscais para o governo federal e, claro, ao povo norte americano.

A dívida nacional dos EUA ultrapassou os US$ 30 trilhões, o déficit federal deve permanecer acima de US$ 1 trilhão na próxima década, e o governo está enfrentando US$ 200 trilhões em passivos e gastos não financiados. Mas especialistas financeiros alertam que os pagamentos do serviço da dívida podem disparar nos próximos anos, especialmente se o Fed continuar aumentando as taxas de juros para combater a inflação que esta acelerando.

No ano passado, por exemplo, o governo dos EUA gastou mais de US$ 500 bilhões em juros de dívidas em poder do público. Com a taxa de referência dos fundos federais projetada para atingir 3,4% até o final de 2022, as ‘autoridades’ dos EUA pagarão mais pelo serviço da dívida nacional. Até 2031, os custos líquidos de juros de Washington devem aumentar para quase US$ 1 trilhão por ano (com base em uma taxa de juros de 2,8% sobre os títulos de 10 anos do Tesouro pelo atual governo).

Além disso, a dívida pode se tornar um fardo enorme para o país quando engole a produção de todo o país. Economistas alertam que a tinta vermelha de um país atinge um ponto crítico quando a relação dívida/PIB ultrapassa 77%. Hoje, a relação dívida/PIB dos EUA já é de cerca de 125% .

Se houver uma pitada de preocupação em torno da dívida nacional, os investidores do Tesouro exigirão uma compensação [juros] maior pelo risco aumentado. Além disso, isso pode ameaçar o dólar porque o valor do dólar diminui se houver menor demanda por títulos dos EUA.

Analistas de mercado afirmam que o Fed está fazendo um malabarismo: combater a inflação enquanto mantém o crescimento econômico. Mas pode haver outra façanha que o banco central precise realizar: combater os preços mais altos sem causar uma hemorragia severa nas finanças do governo federal.

Basta dizer que quanto mais a dívida nacional cresce – a previsão é de que atinja aproximadamente US$ 40 trilhões na próxima década – maior o desafio para o Fed aumentar as taxas que excedem os níveis de inflação.

A dívida pública dos EUA [o dólar] é sustentável?

Especialistas têm tocado alarmes sobre os níveis de dívida insustentáveis nos EUA.

“A dívida nacional pode ser sustentável no curto prazo, mas em algum momento as taxas vão subir e os déficits e a dívida terão que ser enfrentados por meio de cortes de gastos ou aumentos de impostos”, escreveu Meera Pandit, estrategista de mercado global do JPMorgan Chase, em um comunicado.  Nota de janeiro de 2021 .

Antes da crise de saúde pública do COVID-19, o presidente do Fed, Jerome Powell , disse ao Congresso que a dívida nacional estava em um caminho “insustentável”.

“O governo federal dos EUA está em um caminho fiscal insustentável”, disse Powell ao Comitê Bancário do Senado em novembro de 2019. “A dívida como porcentagem do PIB está crescendo e agora crescendo acentuadamente… E isso é insustentável por definição. Precisamos estabilizar a dívida em relação ao PIB. O momento de fazer isso, as maneiras de fazê-lo – por meio de receita, por meio de gastos – todas essas coisas não são para o Fed decidir.”

Durante um webinar patrocinado pelo Economic Club of Washington, DC, em abril de 2021, Powell  explicou que a economia dos EUA poderia lidar com a elevada carga de dívida. No entanto, ele alertou que a trajetória de longo prazo do orçamento dos EUA é insustentável.

Powell também disse ao senador John Kennedy (R-La.) no início deste ano que a dívida não pode crescer mais rápido do que a economia nacional indefinidamente. Mas o presidente do banco central [FeD] observou que o governo dos EUA só deve lidar com níveis maciços de dívida quando a economia se estabilizar.

De acordo com o Congressional Budget Office (CBO), a dívida federal deve superar 180% do produto interno bruto (PIB) até 2052, afetando o crescimento econômico, impedirá investimentos cruciais, acelerará uma crise fiscal e vai impedir que os funcionários respondam a eventos imprevistos.

“Os benefícios de reduzir o déficit mais cedo incluem uma dívida acumulada menor, mudanças políticas menores necessárias para alcançar resultados de longo prazo e menos incerteza sobre as políticas que os legisladores adotariam”escreveu o CBO em seu 2022 Long-Term Budget Outlook.

E quanto à economia mais ampla?

Desde que o ciclo de aperto do Fed começou na primavera passada, o crescimento da oferta de moeda ficou estável. Mas o dano já foi feito para a economia dos EUA?

A taxa de inflação anual de 8,5% é a mais alta em 40 anos. O Índice de Preços ao Produtor ( PPI ) ainda está pairando perto de níveis nunca vistos desde a crise financeira de 2008-09. O custo de vida crescente faz com que os consumidores transformem seus hábitos de compra, de consumir menos para alterar seus padrões de consumo.

Muitos economistas observam que o mercado de trabalho foi fraturado: o crescimento real dos salários ainda está em território negativo, a produtividade está caindo, o número de demissões permanece elevado, as vagas de emprego continuam acima de 10 milhões e 7,5 milhões de americanos trabalham em dois empregos.

As bolhas de ativos foram a próxima consequência notável da expansão monetária histórica do Fed. De ações a criptomoedas, esses ativos atingiram recordes antes de cair em um mercado em baixa. É incerto se os ganhos mais recentes são parte de uma recuperação do mercado de baixa ou se o fundo foi tocado e um ciclo de alta começou. Mas a arena de ações está pendurada em cada palavra do Federal Reserve, seja Powell ou o presidente do St. Louis Fed Bank, James Bullard.

O consenso em Wall Street é que a economia dos EUA entrará em uma desaceleração econômica acentuada ou moderada, se é que isso já não aconteceu. O país entrou em recessão técnica após dois trimestres consecutivos de crescimento negativo do PIB. Se as condições econômicas piorarem, há uma expectativa de que o Fed reverta sua campanha de aperto hawkish e comece a cortar as taxas de juros .

Autoridades do Fed afirmaram que isso não está acontecendo. Em vez disso, eles afirmam, a instituição provavelmente aumentará as taxas e as deixará lá até que haja evidências concretas de que a inflação está caindo substancialmente.

O que vem a seguir para o Fed?

O atual sistema monetário permanecerá intacto ou passará por uma revisão? Muitos desenvolvimentos estão se desenrolando que podem resultar em consequências de longo prazo para famílias, formuladores de políticas e atividades geopolíticas.

Os países fora do hospício ocidental [EUA-OTAN-Canadá-Austrália-Nova Zelândia-Coreia do sul-Japão] estão participando de uma iniciativa de desdolarização da economia global, ou seja, o dólar como moeda de reserva internacional, está sobre fortíssimo ataque. 

O Fed está avaliando a criação de uma moeda digital do banco central [CBDCs]. A inflação mais alta e os custos de empréstimos crescentes estão pesando sobre os consumidores do pais. A confiança no Federal Reserve diminuiu consideravelmente nos últimos dois anos.

Ainda não se sabe se os banqueiros centrais apertaram o botão de reset do sistema monetário do hospício ocidental a fim de reverter a catástrofe que se aproxima. Mas a pandemia pode ter inaugurado uma nova era para a economia e a política fiscal e monetária, que o sucessor de Powell pode facilitar e instalar na estrutura da infraestrutura do Fed.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

  1. Os políticos no mundo todo estão fazendo a farra da gastança do dinheiro público. Estão direcionando Bilhões pra todos os lados, movimentando cifras astronômicas, enquanto o povo fica espremido vivendo de salário fixo e cada vez mais defasado. Esse disparate dos Bilhões e Trilhões estão jogando a inflação pra cima, encarecendo os preços e fazendo produtos sumirem das prateleiras. Empresas fechando pra todo lado não conseguem acompanhar esse desiquilíbrio criado nas contas públicas. Enquanto o empresário tem que suar pra faturar alguns milhares de dólares e os empregados um salário de fome no fim do mês, os políticos estão movimentando Bilhões na ponta da caneta. Muito fácil está a movimentação do dinheiro público do povo, enquanto o povo, o verdadeiro dono do dinheiro público, fica a mingua esmagado e sem alimento na mesa. A corrupção mundial está demais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *