Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Visita de Xi Jinping à Arábia Saudita e a derrocada do ‘Hospício Ocidental’

China's Xi Jinping Visits Saudi Arabia in Historic Trip | Arab Nations Snub  US | China Arab Summit - YouTube

Enquanto os atlantistas liberais, acordados, globalistas, et caterva, continuam seu compromisso com um futuro moldado pela escassez de energia, escassez de alimentos, inflação alta e guerra com seus vizinhos com capacidade nuclear, a maioria dos estados do Golfo Pérsico, que há muito são aliados de confiança do Ocidente, rapidamente perceberam que perseguir os seus próprios interesses são a melhor escolha garantida pela cooperação com estados eurasianos como China e Rússia, que não pensam em termos de soma zero.

Visita de Xi Jinping à Arábia Saudita e a derrocada do ‘Hospício Ocidental

Fonte: The Cradle

Com a tão esperada visita de três dias do presidente chinês Xi Jinping à Arábia Saudita, uma poderosa mudança de comportamento do estado árabe mais estratégico do Golfo Pérsico em direção à aliança multipolar está sendo consolidada. Dependendo de qual lado da cerca ideológica você está, essa consolidação está sendo vista de perto com grande esperança ou raiva.

A visita de Xi contrasta fortemente com a reunião desanimadora e patética do [senil marionete] presidente dos EUA, [‘Dementia’ Joe] Biden, no meio do ano, que viu o autoproclamado [pseudo] líder do mundo livre adormecer em uma mesa de conferência e exigir mais produção de petróleo saudita, sem oferecer nada durável em troca.

Em contraste, a chegada de Xi foi saudada por uma salva de vários canhões e jatos sauditas pintando as cores vermelha e amarela da bandeira da China nos céus de Riad. A delegação das elites políticas e empresariais de Pequim, nos próximos dias, continuará a reunir-se com os seus homólogos sauditas para fechar acordos estratégicos de longo prazo nos domínios cultural, econômico e científico [sem a necessária agenda ‘acordada’, inclusiva, transgêreno, LGBTQ+, et caterva, do hospício ocidental]

A visita culminará na primeira Cúpula China-Árabe na sexta-feira, 9 de dezembro, quando Xi se reunirá com 30 chefes de estado. O Ministério das Relações Exteriores da China descreveu isso como “um marco histórico na história do desenvolvimento das relações Sino-Árabes”.

Enquanto US$ 30 bilhões em acordos serão assinados entre Pequim e Riad, algo muito maior está em jogo e poucos chegaram a apreciar adequadamente.

Os passos de Riad em direção ao BRI desde 2016

Xi Jinping visitou o reino pela última vez em 2016, para promover a participação de Riad na recém-revelada Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) da China. Um relatório de política de janeiro de 2016 do governo chinês para todos os estados árabes diz:

“No processo de buscar conjuntamente o Cinturão Econômico da Rota da Seda e a iniciativa da Rota da Seda Marítima do Século XXI, a China está disposta a coordenar estratégias de desenvolvimento com os estados árabes, colocar em jogo as vantagens e potenciais de cada um, promover a cooperação internacional na capacidade de produção e aumentar a cooperação nas áreas de construção de infraestrutura, facilitação de comércio e investimento, energia nuclear, satélite espacial, novas energias, agricultura e finanças, de modo a alcançar progresso e desenvolvimento comuns e beneficiar nossos dois povos.”

Apenas três meses depois, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman (MbS) inaugurou a Visão Saudita 2030, que delineou firmemente uma nova agenda de política externa muito mais compatível com o espírito de “desenvolvimento pacífico” da China.

Depois de décadas servindo como um estado cliente e vassalo dos EUA sem perspectivas viáveis ??de fabricação ou autonomia além de seu papel no apoio a operações terroristas gerenciadas pelo Ocidente, a Saudi Vision 2030 demonstrou os primeiros sinais de pensamento criativo e autônomo em anos, com uma perspectiva de uma era pós-petróleo.

Na frente energética, a China Energy Corp está construindo uma extensa estação de energia solar de 2,6 GW na Arábia Saudita, e os desenvolvedores nucleares chineses estão ajudando Riad a desenvolver seus vastos recursos de urânio, ao mesmo tempo em que domina todos os ramos do ciclo do combustível nuclear.

Em 2016, ambas as nações assinaram um MoU para construir reatores nucleares refrigerados a gás de quarta geração. Isso segue o recente salto dos Emirados Árabes Unidos para o século 21, com  2,7 GW de energia já construídos.

No início de 2017, Riyadh havia comprado firmemente sua passagem na Nova Rota da Seda com um  acordo de US$ 65 bilhões integrando o Saudi Vision 2030 e o BRI com foco em integração petroquímica, engenharia, refino, aquisição, construção, captura de carbono e desenvolvimento upstream/downstream .

Na nova época pós-americana, os sinais desse espírito de cooperação e construção de pontes têm se sentido cada vez mais, mesmo quando seus efeitos foram contidos à força – como podem testemunhar milhões de iemenitas que sofrem em sete anos de guerra.

Ao contrário da fixação doentia ocidental em Green New Deals que ameaçam aniquilar a indústria e a agricultura, a perspectiva pós-petróleo de Riad é muito mais sinérgica com a ideia da China de “crescimento sustentado” que exige energia nuclear, hidrocarbonetos contínuos e desenvolvimento agroindustrial robusto.

O comércio da China com a Arábia Saudita aumentou para US$ 87,3 bilhões em 2021, um aumento de 39% em relação a 2020, enquanto o comércio EUA-Saudita caiu de US$ 76 bilhões em 2012 para apenas US$ 29 bilhões em 2021.

Parte desse comércio Pequim-Riyadh pode agora ser conduzido no Yuan chinês , o que só prejudicará ainda mais o relacionamento EUA-Arábia Saudita , claro o dólar americano.

Nos primeiros 10 meses de 2022, as importações da China da Arábia Saudita foram de US$ 57 bilhões e as exportações para o reino saudita subiram para US$ 30,3 bilhões. A China também está construindo sistemas 5G e cultivando um vasto centro de tecnologia com foco na venda de produtos eletrônicos, ao mesmo tempo em que ajuda a Arábia Saudita a construir um setor de manufatura local.

Uma tendência de harmonização

Apesar do caos contínuo no Iêmen e da devastação econômica no Líbano, Síria e Iraque, a tendência sutil de Pequim tem sido de cura com a Arábia Saudita – e com a potência regional Turquia.

A Arábia Saudita e a Turquia sempre atuaram como rivais e lideram duas agendas estrangeiras distintas com amplas ambições regionais que se sobrepõem em muitas frentes. Mas, apesar desse passado competitivo, necessidades mais elevadas induziram ambas as nações a harmonizar suas perspectivas de política externa com um novo foco de “olhar para o leste”.

Isso foi expresso durante a visita do príncipe herdeiro saudita a Ancara em junho de 2022, onde os dois chefes de estado pediram “uma nova era de cooperação” com foco na cooperação política, econômica, militar e cultural delineada em um comunicado conjunto.

Apenas alguns dias após o retorno de MbS da Turquia, o então primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi visitou Jeddah para promover a estabilidade regional afirmando em um comunicado de imprensa que “eles mudaram de ponto de vista sobre uma série de questões que contribuiriam para apoiar e fortalecer a segurança e estabilidade regional”.

Enquanto isso, no Hospício Ocidental . . .

O Iraque e a Arábia Saudita só restabeleceram os laços diplomáticos em novembro de 2020 devido à invasão do Kuwait por Saddam Hussein 30 anos antes.

Entre 2021-2022, o Iraque trabalhou duro para sediar negociações bilaterais entre a Arábia Saudita e o Irã com cinco rodadas de negociações realizadas e Kadhimi afirmando sua crença de que “a reconciliação está próxima”. Os laços diplomáticos Teerã-Riyadh foram cortados após a execução em 2016 do clérigo xiita saudita Nimr al-Nimr, levando à invasão da embaixada saudita em Teerã por manifestantes furiosos.

Em março de 2022, MbS  afirmou que o Irã e a Arábia Saudita “foram vizinhos para sempre” e afirmou que é “melhor para nós dois resolvermos isso e procurar maneiras pelas quais possamos coexistir”.

Em 23 de agosto de 2022, os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait criaram um novo marco ao reiniciar as relações diplomáticas com o Irã. E embora quase todos os estados do Golfo Pérsico (mais Turquia) tenham dedicado anos a apoiar a mudança de regime na Síria, uma nova realidade se impôs com todos os partidos árabes se voltando para o modelo chinês via BRI em acordos de integração regional e desenvolvimento econômico.

O papel fundamental do Irã

O Irã não é apenas um ator-chave na Parceria da Grande Eurásia, servindo como um centro estratégico para a rota sul da BRI da China, mas também é uma pedra angular do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC) liderado pela Rússia-Irã-Índia, que vai tornar-se uma grande força em sinergia com o BRI.

O próprio Iraque e o Irã estão nos estágios finais de construção da tão esperada ferrovia Shalamcheh-Basra, que unirá as duas nações por ferrovia pela primeira vez em décadas, ao mesmo tempo em que oferece uma extensão potencial para a já existente ferrovia de 1.500 km através do Iraque até a Síria.

O clima de cooperação foi, sem dúvida, possibilitado pela presença da diplomacia econômica chinesa, que estabeleceu um acordo de 25 anos e US$ 400 bilhões em energia e segurança com o Irã – mas também a Rússia, cujo acordo semelhante, porém menor, de US$ 25 bilhões e 20 anos com Teerã pode facilmente expandir-se para US$ 40 bilhões em investimentos russos nos vastos campos de petróleo e gás natural do Irã nos próximos anos.

O relacionamento da Arábia Saudita e da Rússia com a OPEP + demonstrou sua potência neste verão, quando Riad provocou a ira de Washington não apenas negando os pedidos de Biden para aumentar a produção de petróleo, mas cortando a produção geral de petróleo em dois milhões de barris e elevando os preços globais do óleo. A Arábia Saudita se beneficiou com o aumento enorme das importações de petróleo russo com desconto, que foi então vendido para uma Europa desesperada.

Além disso, a Arábia planeja ingressar no próprio centro global de multipolaridade, o BRICS+ ( ao lado de Turquia,  Egito e Argélia ), além de se tornar recentemente um parceiro de diálogo de pleno direito da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), colocou seu destino cada vez mais fundo no crescente Aliança Multipolar.

Com o aumento do potencial de estabilidade e harmonização de interesses em vários blocos de poder, uma atmosfera mais propícia a investimentos econômicos de longo prazo está finalmente se apresentando aos investidores chineses que há muito olham para a Ásia Ocidental dominada por conflitos com apreensão justificável.

Em agosto de 2022, a petrolífera estatal saudita Aramco e a Petroleum and Chemical Corporation Ltd da China assinaram um MOU expandindo o acordo de cooperação de $ 65 bilhões acima mencionado de 2017, que envolve a construção da Fujian Refining and Petrochemical Company (FREP) e da Sinopec Senmei Petroleum Company ( SSPC) em Fujian, China, e Yanbu Aramco Sinopec Refining Company (YASREF) na Arábia Saudita.

Ferrovia e interconectividade

Talvez o mais empolgante sejam as perspectivas de interconectividade que atuam diretamente nos corredores de desenvolvimento vinculados à BRI. Na Arábia Saudita, este trem se moveu em ritmo constante com a Haramain Railway de alta velocidade de 450 km construída pela China Railway Construction Company conectando Meca a Medina concluída em 2018.

Crédito da foto: O berço
Crédito da foto: The Cradle

As discussões estão bem encaminhadas para estender esta linha aos 2.400 km da Ferrovia Norte-Sul de Riad a Al Haditha, concluída em 2015. Enquanto isso, 460 km de ferrovia conectando todos os membros do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) estão atualmente em construção, o que está impulsionando reformas na engenharia, escolas de comércio e centros de manufatura em toda a Península Arábica.

Em 2021, todos os estados do GCC deram seu total apoio a uma ferrovia de alta velocidade do Golfo Pérsico-Mar Vermelho de $ 200 bilhões apelidada de “The Saudi Landbridge”, que também une outro megaprojeto de $ 500 bilhões com vastos investimentos chineses, apelidada de megacidade futurista NEOM no Mar Vermelho.

Os eurasianistas têm a ganhar

Só podemos esperar que esta nova química de harmonização e cooperação ganha-ganha em breve forneça uma chave para acabar com o fogo do conflito no Iêmen e em outros estados regionais.

Além disso, com a Rússia e a China ajudando a intermediar os backchannels diplomáticos e com o Irã desempenhando um papel ativo nesse processo, talvez as negociações para a reconstrução possam começar nesta zona de conflito devastada pela guerra.

Não é um esforço extremo da imaginação ver o novo projeto ferroviário Golfo Pérsico-Mar Vermelho estendendo-se para o norte até o Egito e para o sul até o Iêmen.

Olhando para um mapa da região, pode-se imaginar a reativação da “Ponte do Chifre da África” inaugurada em 2009, que teria estendido a ferrovia pelos 25 km do estreito de Bab el Mandeb, conectando dutos e linhas ferroviárias em Djibuti e Leste da África, de forma mais ampla.

Enquanto uma Primavera Árabe manipulada pelo Ocidente descarrilou esse conceito em 2011, e a guerra saudita contra o Iêmen o levou ainda mais à clandestinidade desde 2015, talvez esse novo espírito de cooperação intercivilizacional sob uma nova arquitetura econômica liberada da escravidão do sistema do dólar dominado pelos psicopatas do hospício ocidental possa fornecer apenas o que é preciso para reviver a idéia mais uma vez.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *