browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

WEF realizou Simulação de Ataque Cibernético Financeiro que provocará a “Grande Reinicialização” da Economia Global

Posted by on 17/03/2021

Do “Evento 201” ao “Cyber ​​Polygon”: a Simulação  de um futuro “Ataque Cibernético Financeiro” do WEF: No ano passado, o Fórum Econômico Mundial se uniu ao governo russo e aos bancos globais para executar uma simulação de ataque cibernético de alto nível que tem como alvo o setor financeiro, um futuro evento real que abriria caminho para uma “reinicialização” da economia global [o Great Reset].

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Fórum Econômico Mundial Realizou Uma Simulação de Ataque Cibernético Financeiro que provocará a “Grande Reinicialização” da Economia Global

Fontes:  Unlimited Hangout –  Humans Are Free

por Johnny Vedmore e Whitney Webb

A simulação, chamada Cyber ​​Polygon, pode ter sido mais do que um exercício de planejamento típico e tem semelhanças com o Evento 201 de simulação de pandemia patrocinado pelo WEF, que precedeu em dois meses a crise do COVID-19 .

Cyber ​​Polygon 2021

Na quarta-feira, o Fórum Econômico Mundial (WEF), junto com o Sberbank da Rússia e sua subsidiária de segurança cibernética BI.ZONE  anunciaram que  uma nova simulação de ataque cibernético global aconteceria  em julho próximo  para instruir os participantes no “desenvolvimento de ecossistemas seguros” simulando uma cadeia de eventos de ataque cibernético semelhante ao  hack recente da SolarWinds  que “avaliaria a resiliência cibernética” dos participantes do exercício.

No site do evento recém-atualizado , a simulação, chamada Cyber ​​Polygon 2021, adverte de forma ameaçadora que, dadas as tendências de digitalização amplamente estimuladas pela crise do COVID-19, “um único link vulnerável é suficiente para derrubar todo o sistema, assim como um efeito dominó”, acrescentando que “uma abordagem segura para o desenvolvimento digital hoje determinará o futuro da humanidade nas próximas décadas ”.

O exercício vem vários meses depois que o WEF, a “organização internacional para a cooperação público-privada” que conta com oligarcas mais ricos do mundo entre seus membros, anunciou formalmente seu movimento por uma Grande Reinicialização , que envolveria a transição coordenada para uma Quarta Revolução Industrial global da economia na qual os trabalhadores humanos se tornam cada vez mais irrelevantes.

Esta revolução, incluindo seu maior proponente, o fundador do WEF Klaus Schwab , apresentou anteriormente um grande problema para os membros e organizações membros do WEF em termos do que acontecerá às massas de pessoas desempregadas pela crescente automação e digitalização da área do emprego no trabalho.

Novos sistemas econômicos com base digital e em parceria com ou administrados por bancos centrais são uma parte fundamental da Grande Reinicialização do WEF , e tais sistemas seriam parte da resposta para controlar as massas crescentes de desempregados.

Como outros  observaram , esses monopólios digitais, não apenas os serviços financeiros, permitiriam que aqueles que os controlam “desligassem” o dinheiro de uma pessoa e o acesso aos serviços se esse indivíduo não cumprir certas leis, mandatos e regulamentos ou se tornar um contestador do sistema, um rebelde, sem direito à manifestação de suas ideias.

O WEF tem promovido e criado ativamente esses sistemas e, mais recentemente, passou a chamar seu modelo preferido de “capitalismo de partes interessadas”.

Embora anunciado como uma forma mais “inclusiva” de capitalismo, o capitalismo das partes interessadas basicamente fundiria os setores público e privado, criando um sistema muito mais parecido com o estilo corporativista de fascismo italiano de Mussolini do que qualquer outra coisa.

No entanto, para inaugurar este sistema novo e radicalmente diferente, o sistema corrupto atual deve de alguma forma entrar em colapso [intencional] em sua totalidade, e sua substituição deve ser comercializada com sucesso para as massas como de alguma forma melhor do que o sistema antecessor.

Quando as pessoas mais poderosas do mundo, como membros do WEF, desejam fazer mudanças radicais, surgem crises convenientemente “planejadas” – seja uma guerra, uma praga, um vírus ou o colapso econômico – que permitem uma “reinicialização” do sistema, que é frequentemente acompanhada por uma transferência massiva de riqueza de baixo para cima.

Nas últimas décadas, esses eventos muitas vezes foram precedidos por simulações que vêm densas e rapidamente antes que o próprio evento que eles deveriam “prevenir” aconteça. Exemplos recentes incluem a  eleição de 2020 nos EUA  e a pandemia COVID-19 .

Cinema Secreto: Cinegnose: Coronavírus: quem está ganhando com a simulação de pandemia?

Um deles, o  Evento 201 , foi co-sediado pelo Fórum Econômico Mundial, Johns Hopkins University e Fundação Bill & Melinda Gates em outubro de 2019 e simulou, apenas semanas antes da crise, uma nova pandemia de coronavírus que se espalhava pelo mundo e causa grandes perturbações na economia global – poucas semanas antes do primeiro caso de COVID-19 “oficialmente” aparecer na China.

Leitura obrigatória absoluta : Bill Gates e o Fórum Econômico Mundial realizaram simulação de surto de Coronavirus apenas 6 semanas antes do surto real

Cyber ​​Polygon 2021 é apenas a simulação mais recente, co-patrocinada pelo Fórum Econômico Mundial. A agenda atual do fórum e seu histórico de hospedagem de simulações proféticas exigem que esse exercício de futurologia seja examinado.

Embora ainda faltem meses para o Cyber ​​Polygon 2021, ele foi precedido pelo Cyber ​​Polygon 2020, uma simulação semelhante patrocinada pelo WEF que ocorreu em julho passado, na qual os palestrantes alertaram sobre uma “pandemia” mortal de ataques cibernéticos que atingiria em grande parte dois setores econômicos, as áreas da saúde e as finanças.

O Cyber ​​Polygon  2020 foi oficialmente descrito como “treinamento online internacional para aumentar a resiliência cibernética global” e envolveu muitas das maiores empresas de tecnologia do mundo e autoridades internacionais, desde a IBM à INTERPOL. Houve também muitos participantes surpreendentes no evento, alguns dos quais tradicionalmente vistos como opostos aos interesses imperiais ocidentais.

Por exemplo, a pessoa escolhida para abrir o evento Cyber ​​Polygon foi o primeiro-ministro da Federação Russa,  Mikhail Mishustin , e seu principal anfitrião, BI.ZONE, era uma subsidiária do Sberbank, controlado pelo governo russo. Isso sugere que a narrativa exagerada do “hacker russo” pode estar chegando ao fim ou em breve será trocada por outro bicho-papão mais adequado à luz das realidades políticas atuais.

Além de Mishustin, o diretor executivo do WEF Klaus Schwab e o ex-primeiro ministro do Reino Unido Tony Blair participaram do evento Cyber ​​Polygon 2020, que deve ser repetido anualmente e tem muitas semelhanças com  o Evento 201 de 2019 que “previu” a pandemia Covid-19.

Em vez de se preparar para uma possível pandemia médica, o Cyber ​​Polygon 2020 se concentrou na preparação para uma “ciberpandemia”, que os meios de comunicação tradicionais  como o New Yorker  afirmam estar “em andamento”. Dadas as recentes simulações do WEF, poderosos empresários, oligarcas bilionários e banqueiros internacionais parecem estar preparados para usar pandemias físicas e digitais para reformar nossas sociedades de acordo com seus próprios desígnios e para seu próprio benefício.

Os Arquitetos do Cyber ​​Polygon 2020

De acordo com a empresa russa de segurança cibernética BI.ZONE, 120 organizações espalhadas por 29 países participaram dos dois cenários simulados no Cyber ​​Polygon 2020, com até cinco milhões de pessoas supostamente tendo assistido à transmissão ao vivo em mais de 57 países.

ceo dmitry samartsev da bi.zone apresenta-se na primeira sessão de polígonos cibernéticos no encontro anual do fórum econômico mundial, janeiro de 2020

O CEO da BI.ZONE, Dmitry Samartsev, se apresenta na primeira sessão do Cyber ​​Polygon na reunião anual do Fórum Econômico Mundial, janeiro de 2020. Fonte: BI.ZONE

Como muitos eventos ocorridos em 2020, as simulações do Cyber ​​Polygon foram realizadas online devido às restrições do COVID-19. Juntamente com o Fórum Econômico Mundial, BI.ZONE, uma subsidiária do Sberbank, gerencia o projeto Cyber ​​Polygon. O maior acionista do Sberbank, desde o ano passado, é  o governo russo e, portanto, é  frequentemente descrito  pela mídia em inglês como um banco controlado pelo Estado.

O evento de 2020 foi lançado com um  discurso do  primeiro-ministro da Federação Russa Mishustin, que tem um histórico de cortejar empresas ocidentais de tecnologia antes de entrar na política.

Em 1989, Mishustin se formou na Universidade Tecnológica do Estado de Moscou (geralmente conhecida como  Stankin ) com uma qualificação em engenharia de sistemas. Durante a década de 1990, ele trabalhou no  International Computer Club , uma organização sem fins lucrativos com o objetivo de “atrair tecnologias de informação avançadas ocidentais” para a Rússia. Entre 1996 e 1998, Mishustin foi o presidente do conselho da ICC, mas a empresa foi liquidada em 2016.

Entre 2010 e 2020, ele atuou como chefe do  Serviço  de Tributação Federal da Federação Russa. Mesmo que ele nunca tenha mostrado nenhuma ambição política anterior, em 16 de janeiro de 2020, ele  foi nomeado  primeiro-ministro da Federação Russa por uma ordem executiva emitida pelo presidente Putin.

Durante os comentários de boas-vindas de Mishustin no Cyber ​​Polygon 2020 do WEF, o PM russo alertou sobre a necessidade de criar uma política pública para “fortalecer a segurança digital de atividades críticas sem prejudicar os benefícios da transformação digital em setores críticos que restringiriam desnecessariamente o uso e a abertura de tecnologia digital.” A declaração sugere que “restrições desnecessárias” podem se tornar necessárias com o tempo.

Mishustin continua explicando que a recuperação econômica pós-COVID da Rússia será baseada na “digitalização crescente dessa economia e governo”, acrescentando que “aumentaremos drasticamente o número de serviços públicos digitais disponíveis e introduziremos fundamentalmente novas medidas de apoio para negócios digitais”. 

Ele também afirmou que “a Rússia desenvolveu um sistema nacional comum para identificação e prevenção de ataques cibernéticos com os sistemas de informação da agência governamental vinculados ao sistema”. Ele também se dirigiu ao público do Cyber ​​Polygon sobre a necessidade de se unir a comunidade internacional para evitar uma “pandemia global de fraude cibernética”.

O Sberbank , a maior instituição bancária russa e ex-monopólio soviético de poupança, originalmente fundado pelo Czar Nicolau I, foi o anfitrião oficial do evento Cyber ​​Polygon 2020 ao lado do Fórum Econômico Mundial.

Conforme  relatado na Economist  em janeiro de 2021, o gigante bancário russo começou a reimaginar seus negócios em um esforço para se tornar um gigante da tecnologia de consumo. O Sberbank gastou cerca de US$ 2 bilhões em tecnologia e aquisições, incluindo a aquisição do grupo de mídia na Internet Rambler, que foi totalmente adquirido em 2020.

Em 30 de dezembro de 2020, o Sberbank adquiriu a  Doma.ai , que se  descreve  como “uma plataforma conveniente de gestão imobiliária”. Em 15 de junho de 2020, o Sberbank comprou 2GIS , um mapa, navegador e diretório de negócios com mais de 42 milhões de usuários ativos mensais.

Os vinte e dois investimentos do Sberbank , onze como o principal investidor, incluem alguns dos serviços mais usados ​​na Rússia, e sua intenção clara é se tornar uma loja digital completa para todos os serviços. O banco também se tornou proprietário de um dos maiores centros de processamento de dados da Europa quando o  centro de processamento de dados do Porto Sul foi  inaugurado em novembro de 2011, substituindo os 36 centros de dados regionais existentes.

O Sberbank está definido para ser  o primeiro banco do mundo  a lançar sua própria criptomoeda, Sbercoin, e “ecossistema” financeiro digital em março. Notavelmente, anunciou o próximo Sbercoin, um “stablecoin” vinculado ao rublo russo,  apenas algumas semanas  após o exercício Cyber ​​Polygon 2020.

A aliança do Sberbank com o WEF e a proeminência no Cyber ​​Polygon 2020 foram enfatizadas no evento durante os comentários de boas-vindas proferidos por Klaus Schwab. Schwab deu um agradecimento especial a  Herman Gref , membro do  conselho de curadores  do Fórum Econômico Mundial e CEO do Sberbank, e também emitiu o seguinte e terrível aviso:

“Todos nós conhecemos, mas ainda não prestamos atenção ao assustador cenário de um ciberataque abrangente que paralisaria totalmente o fornecimento de energia, transporte, serviços hospitalares e financeiros, a nossa sociedade como um todo.

“A crise do COVID-19 seria vista, a esse respeito, como um pequeno distúrbio em comparação a um grande ataque cibernético. Temos que nos perguntar, em tal situação, como poderíamos deixar isso acontecer, apesar de termos todas as informações sobre a possibilidade e a gravidade de um ataque de risco. O crime cibernético e a cooperação global devem estar na vanguarda da agenda global

Se permitirmos os oligarcas multibilionários tomarão o controle de nossa existência

Avisos semelhantes foram ouvidos em uma simulação de 2019 que também foi co-patrocinada pelo Fórum Econômico Mundial, o Evento 201. O evento 201, que simulou uma pandemia global poucos meses antes da crise COVID-19, previsivelmente alertou em  sua documentação oficial :

“A próxima pandemia severa não só causará muitas doenças e perda de vidas, mas também poderá desencadear grandes consequências econômicas e sociais em efeito cascata que podem contribuir muito para o impacto e sofrimento globais.”

Em contraste com simulações semelhantes realizadas no passado, o Evento 201 defendeu uma abordagem de “parceria público-privada” para combater pandemias, com foco no engajamento “do setor privado na preparação para epidemias e surtos em nível nacional ou regional”.

O WEF é, entre outras coisas, um grande evangelista para a fusão dos setores público e privado globalmente, descrevendo-se como a “organização internacional para a cooperação público-privada”. Portanto, não é surpreendente que sua última simulação de desastre, que se concentra em ataques cibernéticos, promova essa mesma agenda.

Os Palestrantes do “Cyber ​​Polygon 2020”

Além de Schwab e Mishustin, outros vinte indivíduos participaram do Cyber ​​Polygon 2020, incluindo alguns grandes nomes do alto escalão da elite política. Em primeiro lugar, Herman Gref iniciou uma discussão  com o  ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair, que há décadas pressiona por sistemas de identidade digital e um governo global.

Blair disse diretamente ao CEO do Sberbank que os sistemas de identidade digital biométrica serão “inevitavelmente” as ferramentas que a maioria dos governos usará para lidar com futuras pandemias. Blair, discutindo a pandemia de coronavírus com Gref, defendeu a mais severa das medidas de bloqueio, dizendo que a única alternativa às identidades digitais biométricas é “bloquear a economia”.

Em seguida,  Sebastian Tolstoy , diretor geral da Ericsson para a Europa Oriental, Ásia Central e Rússia e atual presidente da Tolstoy Family Foundation na Suécia, dialogou com  Alexey Kornya .

Kornya  é presidente, CEO e presidente do conselho de administração da Mobile TeleSystems. Ele trabalhou anteriormente para PricewaterhouseCoopers e AIG-Brunswick Capital Management na North-West Telecom. Tolstoy e Kornya apresentaram um segmento no Cyber ​​Polygon 2020 intitulado “Construindo um mundo seguro e interconectado: Qual é o papel do setor de telecomunicações?” no qual eles discutiram a importância da comunicação digital e da conectividade para nosso estilo de vida moderno.

No segmento seguinte,  Nik Gowing , apresentador da BBC World News entre 1996 e 2014 e fundador e diretor de  Thinking the Unthinkable , conversou com  Vladimir Pozner , jornalista e locutor, sobre o assunto de “notícias falsas” em uma  conversa  que foi até um tanto revigorante em seus argumentos e abordagem.

Stéphane Duguin , CEO do  CyberPeace Institute , uma empresa com sede em Genebra que se descreve como “cidadãos que buscam paz e justiça no ciberespaço”, deu uma palestra para os milhões de telespectadores que assistiam à simulação.

O CyberPeace Institute,  financiado pela  Microsoft, Facebook, Mastercard e a Hewlett Foundation, entre outros,  afirma  ajudar seus clientes a “aumentar a resiliência digital e a capacidade de responder e se recuperar de ataques cibernéticos”. Os principais patrocinadores do CyberPeace Institute também estão entre os principais patrocinadores da Global Cyber ​​Alliance,  que une os setores públicos dos EUA, Reino Unido e França com empresas multinacionais e empresas de segurança cibernética ligadas à inteligência, empregando “uma abordagem coordenada e colaboração não tradicional ”Para“ reduzir o risco cibernético.

Duguin, que também faz parte do conselho consultivo do  Global Forum on Cyber ​​Expertise,   lançou recentemente a  iniciativa Cyber4Healthcare , um serviço de segurança cibernética “gratuito” para prestadores de serviços de saúde que lutam contra a pandemia COVID-19.

A iniciativa Cyber4Healthcare  inclui como seus principais parceiros a  BI.ZONE, bem como a Microsoft e a Global Cyber ​​Alliance. Este é  mais um serviço  suspeito de cibersegurança cibernética gratuito vinculado à Microsoft que está sendo apresentado e adotado por provedores de saúde em todo o mundo em um momento em que os avisos sobre um ataque cibernético a sistemas de saúde em todo o mundo estão se tornando mais públicos.

Dhanya Thakkar , vice-presidente sênior da AMEA na  Trend Micro , que se anuncia online como um importante “influenciador de segurança cibernética” do LinkedIn da ASEAN, e Wendi Whitmore, vice-presidente da IBM X-Force Threat Intelligence, discutiram em seguida o tópico “Conheça seu inimigo: como A crise está mudando o cenário da ciberameaça? ” A presença da IBM é notável devido ao relacionamento de longa data da empresa  com a CIA ,  que remonta  ao início da Guerra Fria.

A empresa se tornou tão arraigada com a CIA que recentemente a agência recrutou seu diretor de informações   diretamente da IBM Federal . Antes de ingressar na IBM, Whitmore ocupou cargos executivos nas empresas de tecnologia de segurança cibernética da Califórnia CrowdStrike  e  Mandiant, esta última adquirida pela FireEye em um negócio de ações e dinheiro no valor de mais de US$ 1 bilhão. Whitmore era responsável por “serviços profissionais”.

Notavelmente, a CrowdStrike e Mandiant / FireEye são as principais organizações que lideram a investigação  do recente hack SolarWinds, que a inteligência dos EUA atribuiu a um “hacker russo” sem fornecer qualquer evidência de suas acusações. Whitmore começou sua carreira como agente especial conduzindo investigações de crimes informáticos com o Escritório de Investigações Especiais da Força Aérea.

Jacqueline Kernot , a “parceira em cibersegurança” australiana de Ernst and Young, e  Hector Rodriguez , vice-presidente sênior e oficial de risco regional da Visa, discutiram a seguir como se preparar para ataques cibernéticos. Kernot trabalhou por mais de vinte e cinco anos como oficial militar para o Australian Intelligence Corps e passou dois anos trabalhando na Defesa / Espaço / Inteligência da IBM para Software Tivoli no Reino Unido com “responsabilidades internacionais dentro do Ministério da Defesa do Reino Unido, Defense Primes e OTAN. ”

Ernst and Young e Visa, ao lado de outras corporações vinculadas ao WEF, como a Salesforce, estão bem representadas no exclusivo Conselho para Capitalismo Inclusivo do Vaticano . O Conselho, como o WEF,  clama para que  a reconstrução do sistema econômico seja mais “sustentável”, “inclusivo” e “dinâmico”, “aproveitando o poder do setor privado”.

Troels  Ørting Jørgensen, presidente do conselho consultivo do Centro para Cibersegurança do Fórum Econômico Mundial, e Jürgen Stock, secretário-geral dinamarquês da INTERPOL, também falaram na Cyber ​​Polygon sobre as mudanças no crime cibernético global no decorrer do ano anterior.

Poucos meses depois de aparecer no Cyber ​​Polygon, a Autoridade de Supervisão Financeira Dinamarquesa anunciou em um comunicado oficial que “Troels Ørting notificou o Ministério de Assuntos Comerciais de que ele está renunciando ao conselho da Autoridade de Supervisão Financeira Dinamarquesa”.

Citando fontes não identificadas, o serviço de notícias financeiras dinamarquês FinansWatch relatou que durante o período entre 2015 e 2018, quando foi empregado como chefe de segurança do banco Barclays, Ørting foi uma figura-chave na busca por um denunciante que expôs a mesma atividade criminosa, Ørting foi criticado no Cyber ​​Polygon.

O homem que fala ao lado de Ørting, Jürgen Stock, é um ex-policial alemão, criminologista e advogado. Ele  foi eleito  para um segundo mandato como secretário-geral da INTERPOL em 2019, um mandato que geralmente dura cinco anos. Craig Jones , diretor de crimes cibernéticos da INTERPOL, também participou da discussão no Cyber ​​Polygon 2020.

O neozelandês passou 27 anos na aplicação da lei e é considerado um especialista em investigações de crimes cibernéticos. Anteriormente, ele ocupou vários cargos de gerência sênior na aplicação da lei do Reino Unido, mais recentemente na National Crime Agency.

Petr Gorodov  e  John Crain  foram brevemente entrevistados no evento Cyber ​​Polygon 2020.  Gorodov é chefe da Direção-Geral de Relações Internacionais e Assistência Jurídica da Procuradoria-Geral da Federação Russa e também faz parte da  Comissão de Controle dos arquivos da INTERPOL .

Ele está na Câmara de Pedidos da INTERPOL, que examina e decide sobre os pedidos de acesso aos dados, bem como os pedidos de correção e / ou exclusão de dados processados ​​no sistema de informação da INTERPOL. John Crain  é o diretor de segurança, estabilidade e resiliência da  ICANN , a corporação sem fins lucrativos de segurança da Internet.

Atualmente é responsável pela gestão do  servidor L-Root , um dos treze servidores raiz da Internet, o que torna a sua inclusão na simulação particularmente notável. No Cyber ​​Polygon 2020, ele promoveu uma “solução de longo prazo de trabalho conjunto na comunidade de segurança cibernética”.

A palavra final no Cyber ​​Polygon 2020 foi proferida por  Stanislav Kuznetsov,  vice-presidente do conselho executivo do Sberbank. Ele também é membro do conselho da fundação de caridade Sberbank  Contribution to the Future , um projeto que busca fazer com que alunos russos do sétimo ao décimo primeiro ano se interessem por IA (inteligência artificial), aprendizado de máquina e análise de dados e para ajudá-los a desenvolver matemática e habilidades de programação. Kuznetsov estudou no Instituto de Direito do Ministério de Assuntos Internos da Federação Russa.

Prova definitiva : a Covid-19 foi planejada para inaugurar a nova ordem mundial

O Evento Principal: Entre No Polígono

Fonte: Madroom Films

O componente de simulação do Cyber ​​Polygon 2020 contou com a participação de 120 equipes de 29 países na simulação técnica de segurança cibernética. Durante o evento online, os participantes “exerceram as ações da equipe de resposta em um ataque direcionado que visa roubar dados confidenciais e, assim, resultar em danos à reputação da empresa”.

Duas equipes, a Vermelha e a Azul, se enfrentaram nas simulações onde a Equipe Vermelha, formada pelos organizadores dos treinamentos da BI.ZONE, simulou ataques cibernéticos e os integrantes da Equipe Azul tentaram proteger seus segmentos da infraestrutura de treinamento . A simulação propriamente dita foi composta por dois cenários nos quais os diversos subgrupos que compõem as equipes puderam ganhar pontos.

O primeiro cenário, denominado Defesa, fez os participantes do Cyber ​​Polygon praticarem repelir um ataque cibernético APT (ameaça persistente avançada) ativo . O objetivo do cenário foi declarado como sendo “desenvolver habilidades para repelir ataques cibernéticos direcionados em um sistema crítico para os negócios”.

A infraestrutura virtual da organização fictícia da simulação incluía um serviço que processa informações confidenciais de clientes. Este serviço tornou-se o assunto do interesse de um grupo APT que planejava roubar dados confidenciais do usuário e revendê-los na “darknet” para beneficiar financeiramente e prejudicar a reputação da empresa.

O grupo APT estudou o sistema de destino com antecedência e descobriu várias vulnerabilidades críticas. Nesse cenário, a “gangue” cibernética planeja atacar no dia do exercício. Os participantes envolvidos foram avaliados por sua capacidade de lidar com o ataque o mais rápido possível, de minimizar a quantidade de informações roubadas e de manter a disponibilidade do serviço.

Os participantes do Blue Team podiam aplicar qualquer aplicativo e ferramenta para proteger a infraestrutura e também corrigir vulnerabilidades do sistema melhorando o código de serviço.

No segundo cenário, chamado de Resposta, as equipes tiveram que investigar o incidente usando “técnicas forenses clássicas e de caça a ameaças”. Com base nas informações coletadas, os participantes tiveram que redigir um dossiê que ajudaria as agências de aplicação da lei a localizar os criminosos.

O objetivo do segundo cenário era desenvolver habilidades na investigação de incidentes usando o cenário em que os cibercriminosos obtiveram acesso a uma conta privilegiada por meio de um ataque de phishing bem-sucedido.

Quando a equipe do BI.ZONE divulgou os resultados da simulação, intencionalmente evitou usar os nomes reais das organizações para não “desencadear uma competição entre os participantes e manter seus resultados em sigilo”.

No entanto, as equipes poderiam posteriormente comparar seus resultados com os outros usando um placar básico, e os anfitriões poderiam analisar os dados cruciais que mostram várias fraquezas organizacionais de cada uma das equipes / instituições participantes.

O relatório final afirma que os resultados mostraram que “bancos e empresas do setor de TI demonstraram a maior resiliência. A experiência em avaliação de segurança nesses setores é bastante desenvolvida, com a análise forense clássica e a caça de ameaças amplamente aplicadas”.

Em termos leigos, as equipes dos bancos e do setor de TI pareciam estar mais bem preparadas do que a maioria dos outros setores para investigar e caçar ameaças de ciberataques.

No entanto, todas as equipes envolvidas mostraram-se menos capazes no que se refere à defesa inicial de um ataque cibernético, com o relatório BI.ZONE afirmando que “27% das equipes tiveram dificuldade em ganhar pontos para o primeiro cenário, o que nos permite concluir que alguns dos membros da equipe não têm ou têm experiência suficiente em avaliação de segurança e proteção de aplicativos da web”.

Sobre o tema da caça às ameaças, o relatório continua dizendo que “21% das equipes não conseguiram ganhar um único ponto para a segunda rodada do segundo cenário. Isso foi atribuído ao fato de ‘Threat Hunting’ ser uma abordagem relativamente nova e a maioria das organizações sem experiência na aplicação de suas técnicas na prática ”.

O evento Cyber ​​Polygon 2020 revelou a fraqueza na resiliência e resposta defensiva liderada por humanos no que se refere à ciberdefesa. Esse resultado é conveniente para empresas de cibersegurança de alta tecnologia como a BI.ZONE que desejam destacar a superioridade dos produtos de segurança cibernética baseados em IA em comparação com trabalhadores humanos “ineficientes”.

Além disso, deve-se observar que o conhecimento da BI.ZONE das fraquezas institucionais globais por meio do treinamento de ciberdefesa pode ser uma inteligência útil para sua empresa controladora, o Sberbank, e por sua vez o maior acionista do Sberbank, o governo russo.

Trazendo A Rússia Do Frio ?

Embora as autoridades da Federação Russa estejam bastante acostumadas a enfrentar o frio tanto política quanto fisicamente, parece haver uma mudança na ordem usual das nações.

A inclusão da Rússia como líder em uma iniciativa global de segurança cibernética tão importante é um pouco surpreendente, especialmente depois que a Rússia foi o constante bode expiatório de escolha para qualquer ataque cibernético cometido contra qualquer potência ocidental por vários anos, mais recentemente com o hack SolarWinds nos EUA.

No entanto, não houve protestos no Ocidente sobre o Cyber ​​Polygon 2020, no qual uma empresa de propriedade majoritária do governo russo foi capaz de obter conhecimento direto das fraquezas da ciberdefesa das principais instituições, bancos e corporações globais por meio da hospedagem do exercício.

A completa ausência da narrativa do “hacker russo” no Cyber ​​Polygon, bem como o papel de liderança da Rússia no evento sugere que uma mudança geopolítica ocorreu ou que a narrativa do hacker russo comumente implantada por agências de inteligência nos EUA e na Europa é principalmente significada para o público [a massa de zumbis ignorantes] em geral e não para as figuras de elite e legisladores presentes no Cyber ​​Polygon.

Outra possibilidade para a Rússia não ser mais tratada como o inimigo perpétuo do ciberespaço é que esteja totalmente a bordo tanto da narrativa oficial do coronavírus quanto da supostamente iminente ciberpandemia. O Cyber ​​Polygon 2020 parecia, em parte, uma ofensiva de charme russa que foi bem-vinda pela poderosa elite.

Tony Blair, que certa vez estendeu a mão da falsa reconciliação em nome da comunidade internacional ao Coronel Gaddafi da Líbia, esteve frequentemente envolvido nesses exercícios de diplomacia internacional em nome das elites nos anos desde que deixou o cargo público. Seu envolvimento no exercício pode ter sido destinado a facilitar o apoio entre os governos ocidentais alinhados ao WEF para uma inclusão ainda maior da Rússia na Grande Reinicialização.

Parte disso se deve ao esforço liderado pelo WEF para trazer os países do BRICS, como China e Rússia, para a Grande Reinicialização, porque é essencial para o sucesso de sua agenda em escala global. Agora, a Rússia é a pioneira neste novo modelo de sistemas financeiros supostamente nacionais que o WEF apoia por meio da criação pelo Sberbank de um monopólio digital não apenas de serviços financeiros, mas de todos os serviços dentro da Federação Russa.

O Cyber ​​Polygon 2020 foi um anúncio para as relações pró-Rússia e um exercício promocional para Klaus Schwab e a agenda de implantação do “Great Reset” do World Economic Forum.  Algumas das pessoas que participaram e apoiaram o evento Cyber ​​Polygon estão envolvidas nos mais altos níveis de inteligência cibernética; alguns podem até ter sido representantes não oficiais de seu aparato nacional de inteligência. As decisões de vários governos nacionais de participar diretamente da Grande Reinicialização liderada pelo WEF não é uma “teoria da conspiração”.

Por exemplo, o governo Biden enviou seu enviado para o clima, John Kerry , para a reunião anual do WEF no mês passado, onde Kerry destacou o compromisso dos EUA com a agenda da Grande Reinicialização e a Quarta Revolução Industrial associada, que busca automatizar a maioria dos trabalhos atualmente realizados por humanos, desempregando-os .

om os governos da Rússia, China, Estados Unidos, Reino Unido, Israel, Canadá e Índia, entre outros, a bordo dessa agenda transnacional, torna-se profundamente perturbador que membros de alto escalão nos setores público e privado tenham aderido ao WEF para realizar uma simulação de uma crise que beneficiaria claramente a agenda da Grande Reinicialização.

Como mencionado anteriormente, o WEF co-patrocinou uma simulação de uma pandemia de coronavírus poucas semanas antes do evento real acontecer. Logo depois que a crise COVID-19 começou para valer em março passado, Schwab observou que a crise pandêmica era exatamente o que era necessário para lançar a Grande Reinicialização, pois o vírus servia como um catalisador conveniente para começar a reformar economias, governança e sociedade social em escala global .

Se os eventos desestabilizadores simulados no Cyber ​​Polygon acontecerem, provavelmente será bem-vindo do mesmo modo pelo WEF, dado que uma falha crítica no sistema financeiro global atual permitiria a introdução de novos monopólios de “ecossistema digital” público-privado, como aqueles que estão sendo construídos na Rússia pelo Sberbank.

Este esforço do Sberbank para digitalizar e monopolizar o acesso a todos os serviços, tanto privados quanto públicos, pode ser atraente para alguns por causa de sua aparente conveniência.  No entanto, também será emblemático do que podemos esperar do Grande Reinicialização de Schwab – monopólios de entidades fundidas dos setores público e privado disfarçadas pelo termo “capitalismo de partes interessadas”.

O que o público em geral ainda não percebeu é que eles próprios não serão incluídos entre esses “interessados” , já que a Grande – Great Reset –  Reinicialização foi planejada pelos oligarcas, banqueiros e a elite rica. 

Fórum Econômico Mundial : Em 2030, ‘Você não possuirá nada’ (Nova Ordem Mundial detalhada)

Quanto ao evento Cyber ​​Polygon 2020, a próxima ciberpandemia já está sendo profeticamente lançada na nossa cara, assim como o exercício pandêmico Evento 201 foi anterior ao aparecimento da doença real. No entanto, esses avisos proféticos não vêm apenas do WEF.

Por exemplo, o chefe do Diretório Cibernético Nacional de Israel, Yigal Unna,  advertiu no ano passado  que um “inverno cibernético” de ataques cibernéticos “está chegando e chegando mais rápido do que eu suspeitava”. Na diretoria cibernética, Unna trabalha em estreita colaboração com agências de inteligência israelenses, incluindo a infame Unidade 8200, que tem uma longa história de espionagem eletrônica visando os EUA e outros países e que foi responsável por vários hacks devastadores, incluindo o vírus Stuxnet que danificou o programa nuclear do Irã.

A inteligência israelense também está  posicionada para estar  entre os maiores beneficiários  do Great Reset  devido à  força do setor de alta tecnologia do país. Além disso, no mês passado, o banco central dos Emirados Árabes Unidos seguiu o exemplo da Cyber ​​Polygon, conduzindo  sua primeira simulação de ataque cibernético  em coordenação com o setor de finanças privadas dos Emirados. A mídia corporativa, por sua vez, começou este ano alegando que “os ciberataques podem desencadear a próxima crise dos bancos” e, a partir de 1º de fevereiro, que o próximo ciberataque já está em andamento”.

Revisiting Stuxnet: The Israeli-American Computer Virus that Started Cyber-Warfare - Global Research

Alguns dirão que uma “ciberpandemia” é uma consequência inevitável do mundo de alta tecnologia em rápido desenvolvimento em que vivemos, mas ainda é justo salientar que 2021 é o ano que muitos têm previsto para a destruição financeira de grandes instituições que levará a novos sistemas econômicos que se alinham com a Grande Reinicialização .

O colapso inevitável do sistema bancário global, resultante da corrupção e da fraude fora do comum por décadas, provavelmente será conduzido por meio de um colapso controlado, que permitiria banqueiros e oligarcas ricos, como aqueles que participaram do Cyber ​​Polygon, para evitar a responsabilidade por sua pilhagem econômica e atividade criminosa.

Isso é especialmente verdadeiro para o Deutsche Bank, participante do Cyber ​​Polygon, cujo  colapso inevitável  foi  abertamente discutido  durante anos  devido à  extrema corrupção, fraude e exposição maciça a derivativos do maior banco da Alemanha. No final de 2019, meses antes do início da crise COVID-19, o CEO do Deutsche Bank alertou que os bancos centrais  não tinham mais ferramentas  que pudessem responder adequadamente à próxima “crise econômica”.

É certamente revelador que sistemas bancários inteiramente novos, como o monopólio monetário digital que logo seria lançado pelo Sberbank, começaram a ser desenvolvidos assim que começou a ser  publicamente reconhecido  que os meios tradicionais dos bancos centrais de responder às calamidades econômicas não existiam mais como viável.

Um ataque cibernético massivo, como o simulado no Cyber ​​Polygon 2020, permitiria que hackers sem rosto fossem responsabilizados pelo colapso econômico que vem sendo planejado e executado há décadas, absolvendo assim os verdadeiros criminosos financeiros da responsabilidade.

Além disso, devido à natureza difícil de investigar hacks e à capacidade das agências de inteligência de enquadrar outros Estados-nação por hacks que eles de fato cometeram, qualquer bicho-papão de escolha pode ser culpado, seja  um grupo de “terror doméstico”  ou um país não alinhado com o WEF (por enquanto, pelo menos)  como o Irã ou a Coréia do Norte .

Entre os avisos, simulações e o benefício claro para a intenção da elite global em uma Grande – Great Reset –  Reinicialização, o Cyber ​​Polygon 2020 parece ter servido não apenas ao seu propósito declarado publicamente, mas também aos seus próprios motivos ocultos.

Fonte: UnlimitedHangout.com / Referências: CyberPolygon.com ; YouTube.com


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informações adicionais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

2 Responses to WEF realizou Simulação de Ataque Cibernético Financeiro que provocará a “Grande Reinicialização” da Economia Global

  1. Keanu Reeves

    Agora a censura será pesada, quase não aguentei ler, é muito doentio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.