browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Ameaça Alienígena – Parte 4 (sinistro)

Posted by on 07/11/2016

ets-ufos-greysA Ameaça Alienígena, um relatório Secreto dos Objetivos e os planos dos Alienígenas. Livro de David M. Jacobs.

 Virtualmente, tudo o que os alienígenas fazem está ligado ao seu programa de abdução. Por mais absurda, estranha e incompreensível que possa parecer, cada atividade dos alienígenas tem um motivo lógico e direto,  desde que examinada atentamente. Uma por uma, essas ações começaram a perder a sua aura de mistério e a revelar seus verdadeiros propósitos. Quando os pesquisadores tomaram conhecimento do fenômeno de abdução pela primeira vez, eles geralmente assumiam que, se ele era real, seu objetivo seria o de investigar os seres humanos. Era por isso que os alienígenas abduziam os seres humanos, realizavam os exames médicos e depois os soltavam…

{ Excerto do PostO Governo Oculto nos EUAUM TRATADO FORMAL FOI FEITO pelo governo dos EUA com Alienígenas em 1954:

O tratado firmado naquele momento afirmava que os alienígenas não iriam interferir em nossos assuntos e nós não iríamos interferir nos deles (enquanto visitavam o planeta inteiro livremente ???!!!). Nós gostaríamos de manter a sua presença na Terra em segredo. Eles iriam nos fornecer tecnologia avançada e poderiam nos ajudar em nosso desenvolvimento tecnológico. Eles não iriam fazer qualquer outros tratados com qualquer outra nação da Terra, além dos EUA.

Eles poderiam abduzir os seres humanos em uma base limitada e periódica com o objetivo de exame médico e monitoramento do nosso desenvolvimento com a estipulação de que os humanos não seriam prejudicados em sua integridade física, seriam devolvidos ao seu ponto de origem, não teriam a memória do evento, e que essa raça alienígena deveria fornecer ao grupo Majestic 12 uma lista de todos os contatos humanos e abduzidos em uma programação regular.

Foi ainda acordado que uma raça alienígena (do Planeta SERPO) e os Estados Unidos fizessem um Programa de Intercâmbio de Pessoal que teria dezesseis membros com o propósito de aprendermos uns com os outros. Os convidados alienígenas ”permaneceriam na Terra (subterrâneos da Área 51). Os seres humanos” convidados “viajariam para o planeta de origem alienígena por um período determinado de tempo após o que em seguida, retornariam, quando a troca inversa seria feita. (n.t. O Planeta alienígena fica a 38 anos luz de distancia da Terra e é conhecido como SERPO, um planeta do sistema solar binário de ZETA RETICULLI 1 e 2 , e a missão foi entre os anos de 1965-1978 e contou com doze membros. Saiba mais sobre SERPO:

  1. http://thoth3126.com.br/category/serpo-zeta-reticuli/

Foi acordado que seriam construídas bases subterrâneas para uso da raça alienígena e que duas bases seriam construídas para o uso conjunto dos alienígenas e o Governo dos Estados Unidos(n.t. a principal e mais sinistra delas foi a Base de DULCE em Archuleta -uma reserva indígena – Mesa, na divisa dos estados do Novo México e Colorado.)  O Intercâmbio  de tecnologia teria lugar em bases subterrâneas conjuntamente ocupadas. Fim de citação }


Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

A Ameaça Alienígena – Relatório Secreto, Objetivo e os planos dos Alienígenas. Livro de David M. Jacobs.

Capítulo IV – O que fazem os Extraterrestres com os Abduzidos

… Como esse cenário ocorria repetidamente, os pesquisadores concluíram que os alienígenas estavam realizando um estudo de longo prazo e coligindo dados pacificamente. Essa convicção deu ao público um sentimento de conforto, pois sugeria um intuito científico, e conseqüentemente não hostil. Agora sabemos que o fenômeno de abdução como um todo não tem o objetivo de pesquisa. A prova sugere que todos os procedimentos realizados pelos alienígenas se subordinam aos seus planos reprodutivos (n.T. E de hibridização com a raça humana da Terra, usando o nosso material genético). E no cerne dos planos reprodutivos está o programa de cruzamento, no qual os alienígenas coletam óvulos humanos e esperma, incubam fetos em hospedeiras humanas para produzir híbridos alienígenas, e podem fazer com que os seres humanos se relacionem mental e fisicamente com esses híbridos para fins do seu desenvolvimento.

Unidades extra-uterinas de gestação Um componente significativo do programa de cruzamento é a criação e desenvolvimento de unidades extra-uterinas de gestação. Somente depois de anos de pesquisas e centenas de relatos de abdução, é que fui entender este procedimento e as suas razões. Durante anos as mulheres vêm relatando aos pesquisadores sobre procedimentos misteriosos realizados nelas no curso de suas abduções. Algumas mulheres relatam “pressão”, como se os alienígenas estivessem enchendo de ar uma zona ao redor de seus órgãos reprodutivos, pois sentem um estiramento em seus baixos ventres, dando-lhes uma impressão desconfortável de inchamento. As mulheres dizem muitas vezes terem a impressão de que seus órgãos estão sendo “deslocados”, ou movidos de algum modo, e elas têm a impressão de que os alienígenas estão “aumentando”, ou criando mais espaço dentro da cavidade uterina, ou na região pélvica. Várias abduzidas descreveram estes procedimentos ginecológicos de modo semelhante. A abduzida Barbara Archer relatou em 1988:

  • E eu comecei a sentir uma pressão. Como uma pressão forte.
  • É uma pressão difusa ou concentrada?
  • Nas entranhas.
  • Mas não (especificamente) do lado direito, do esquerdo ou no meio?
  • Meio, por dentro. Como se estivesse inflando, ou alguma coisa assim, eu me sentia realmente grande. Me sentia muito inchada.

Esse tipo de procedimento ocorreu muitas vezes com Lucy Sanders:

  • É do lado direito (da minha pelve). Está me queimando! Está queimando minhas entranhas! Eles estão me inflando! Agora ele está tirando, está batendo na minha perna e dizendo que está tudo bem, que eu posso me acalmar agora. Santo Deus!
  • O que você acha que eles fizeram ali, ou eles dizem?
  • Eu não sei. Dói, queima. Eu me sinto inflada.
  • O que isso significa?
  • Inchada.
  • Como um balão?
  • Hum, hum. Agora a impressão passou, mas eu me senti cheia de ar. Ele está empurrando meu estômago, empurrando e mexendo os dedos assim.

Laura Mills descreveu um procedimento semelhante:

  • O que você pensa que ele está fazendo ali?
  • Eu realmente não sei que droga ele está fazendo.
  • OK. Se tivesse de adivinhar, o que você diria que ele está fazendo?
  • Eu sei que parece bobagem, mas acho que eles estão querendo saber quanto espaço eu tenho na barriga, abdome, ou algo assim.
  • Então eles podem estar medindo, ou o que seja?
  • Por dentro. Como medindo o útero ou outra coisa. Não tenho certeza.

Belinda Simpson experimentou o mesmo procedimento apesar de ter feito uma histerectomia anos antes:

  • Tenho a impressão de que alguém está rolando alguma coisa dentro de mim…
  • Diga qual a sua impressão sobre o que eles estão fazendo?
  • Eu sinto que estou inchando… Meu lado está inchado. Parece um balão. É estranho. Sinto como se alguém estivesse soprando minha barriga, é estúpido… É bem quente, meu lado está crescendo… Algo que dói. Tenho a impressão de que estou grávida. Tem alguma coisa empurrando bem forte do lado de meu ventre.

Algumas abduzidas acham que a introdução de ar no seu corpo é similar à laparoscopia, uma técnica que os médicos empregam para tratamento de endometriose e outros problemas ginecológicos. Eu suspeito que talvez a inchação signifique que os alienígenas estão introduzindo ar como parte do procedimento para coletar óvulos. Mas decidi colocar esses casos em “compasso de espera” e aguardar por maiores informações que revelassem o objetivo de tais procedimentos.

É de notar que a ocorrência de histerectomia é comum entre as abduzidas. Durante os meus dez anos como pesquisador de abdução, já trabalhei com diversas mulheres que tiveram de se submeter a uma histerectomia ou sofriam de problemas ginecológicos resultantes de suas abduções. Várias mulheres me contaram que os cirurgiões que realizaram suas operações comentaram sobre a posição peculiar de seus ovários, que pareciam “empurrados” para o lado, ou “pressionados” na direção de suas trompas de Falópio. Algumas mulheres relataram cicatrizes anômalas nos ovários, o que é consistente com a teoria de que os alienígenas às vezes coletam óvulos diretamente dos ovários. Outra mulher relatou a ocorrência de cicatrizes vaginais para as quais nem ela nem seu ginecologista tinham explicação. Outras se queixam de dores, inflamações e problemas ginecológicos de um modo geral.

As dores ginecológicas tiveram um papel importante no primeiro caso de abduzida que conduzi durante hipnose. Melissa Bucknell tinha vinte e sete anos e uma atividade sexual intermitente. Sob regressão hipnótica, ela falou de “implantes” colocados nela durante abduções. Numa manhã de março de 1987, ela levantou-se com dores ginecológicas tão fortes que mal conseguiu sentar-se e me disse que tinha certeza de que os alienígenas haviam colocado um “implante” nela. (Minha pesquisa mostrava que os implantes são geralmente colocados no nariz ou nos ouvidos.) Eu a levei imediatamente a um ginecologista, Dr. Daniel Treller, que graciosamente anuiu em atendê-la em caráter de emergência.

O exame feito por Treller confirmou que a pelve de Melissa estava inflamada e ele solicitou um exame de ultra-som. A equipe de ultrasom achou rapidamente a anomalia. Do lado direito de seu ovário direito, mas sem tocá-Io, havia um corpo estranho, aparentemente uma massa desconhecida. Era pequena, mas parecia “orgânica” e não devia estar ali. A equipe de ultra-som, surpresa, chamou Treller, que também ficou espantado. Nenhum deles jamais havia visto algo semelhante. Suspeitando tratar-se de uma gravidez ectópica, Treller encomendou um exame de sangue para determinar se Melissa estava grávida. O exame de sangue foi negativo.

Melissa, entrementes, insistia que essa massa era um implante” alienígena e não queria removê-Io ou tocá-Io de qualquer modo. Ela estava muito teimosa nesse ponto. Não queria que ele fosse sondado e imediatamente rejeitou todas as sugestões contrárias. Finalmente, para alívio de Melissa, o Dr. Treller sugeriu que ela voltasse dentro de uma semana para ver se a massa havia se movido ou “crescido”. Quando deixamos o hospital, Melissa disse que não queria mais voltar e que não queria que o implante fosse mexido, apesar da dor que causava.

Nas semanas seguintes tentei convencer Melissa a fazer um novo ultra-som, mas ela recusou. Finalmente, consegui demovê-Ia. Ela fez outro exame de ultra-som, que revelou o espaço onde estava o corpo estranho, mas este havia desaparecido. Dr. Treller estava admirado e notou que o fenômeno se havia “resolvido” espontaneamente. Melissa ficou enormemente aliviada, pois não teria de remover o corpo estranho. Seu caso permaneceu sem solução durante anos. Eu teria de analisar vários outros casos que pareciam disparatados para finalmente formular uma teoria lógica sobre o que teria acontecido.

Em março de 1992, Lydia Goldman me falou de um episódio extraordinário. Desde 1989, eu já conduzira sete sessões com essa mulher charmosa e habilidosa de sessenta anos, e ela veio a se convencer que estivera envolvida em fenômeno de abdução durante toda a sua vida. No começo de 1992, Lydia acordou um dia com a impressão distinta de que estava grávida. Isso seria impossível, não somente em virtude de sua idade, mas porque não tivera relações sexuais, além de se ter submetido a uma histerectomia radical havia muitos anos.

Entretanto, seus seios começaram a intumescer, ela teve retenção de água e náuseas. Lydia reconheceu os sintomas, pois já passara por eles quando tivera seus filhos. Depois de algumas semanas, o lado direito de sua pelve ficou esticada. Para seu horror, ela começou a sentir algo se movendo como se fosse um feto. Ela estava ficando louca ou havia algo dentro dela? Lydia relutava em visitar seu ginecologista porque pensava que estava “abortando”. Mas o incômodo persistiu e ela marcou uma consulta. Alguns dias antes da data aprazada, Lydia acordou “sabendo” que agora tudo estava bem; sua barriga não estava mais distendida, não sentia nada mais se mexendo e os sintomas haviam desaparecido. Ela cancelou a consulta.

Quando Lydia me contou esse episódio, eu fiquei admirado. Naquela época, os pesquisadores de óvnis sabiam que os alienígenas coletavam óvulos humanos e esperma para fertilizá-los in vitro, e adicionavam material genético alienígena, para então colocar o embrião híbrido alterado in utero. Presumivelmente, a pessoa teria de ter um útero onde o embrião seria implantado. Mas eu havia realizado regressão hipnótica em muitas mulheres que haviam sido abduzidas quando já haviam atingido a menopausa, ou haviam feito ligadura de trompas, ou tinham tido seu útero e seus ovários removidos. Eu sempre achara que os alienígenas realizavam com elas procedimentos reprodutivos diferentes daqueles realizados em mulheres ainda férteis.

Lydia e eu decidimos fazer uma regressão hipnótica dos eventos ocorridos na noite anterior ao dia em que ela acordou sentindo-se grávida. Ela se lembrou de que dormira na casa de sua filha, na Flórida, quando ocorreu a abdução. Depois de descrever um segmento típico de um evento de abdução, Lydia começou a narrar os exames:

  • O que você pensa que eles estão fazendo internamente agora? Você pode dizer?
  • Eles estão segurando alguma coisa como quem segura um bebê, com as duas mãos, mas não é um bebê. É como um, não sei… não posso nem imaginar.
  • (Gentilmente) Parece um bebê, ou não?
  • Parece uma lagosta. Não posso imaginar. Não posso nem imaginar. Minhas pernas estão levantadas e eles o estão posicionando na minha frente. Sabe, quase como se eles estivessem colocando um saco.
  • Então eles estão inserindo algo em voce?
  • Não sei… parece redondo, leve e colorido, eu diria do tamanho de uma laranja.
  • Então, é grande.
  • E eles estão segurando-o… dá a impressão de estarem carregando um bebê, como algo de precioso… estão colocando dentro de mim… a idéia é terrivelmente repulsiva, suja. Me deixa muito perturbada.
  • E eles estão colocando isso em você?
  • Estão fazendo disso uma parte do meu corpo… eu tenho a impressão, e eu estou bem machucada ali – quente e machucada. E acho isso extremamente repulsivo. Isso é uma unidade sólida, totalmente integrada em mim. Há alguma coisa nela. Eu tenho a impressão de que é como um saco, e eles o inseriram dentro de mim. E meu sentimento geral é que não quero isso dentro de mim .
  • Então onde você pensa que eles inseriram isso?
  • Na vagina.
  • Mas isso ficaria no local onde o útero ficava?
  • Talvez. Talvez. Não sei.
  • Você sente que é nessa área que eles estão trabalhando?
  • De fato, tenho a impressão de que há um peso sobre a minha bexiga, como se estivesse pingando. E nos últimos oito meses eu me senti assim… eu pensei, bem, estou envelhecendo e meus músculos não são tão fortes como eram… eu sempre pensei que se ficasse de pé muito tempo sentiria necessidade de me deitar, para corrigir a posição. Aquela sensação de que há uma pressão e de que fica pingando. Mas nunca me senti como agora. Agora mesmo, estou tendo a sensação de ardência no abdome – e calor. Tanto calor. Minhas costas doem.
  • Eles dizem algo a você? Eles explicam o que estão fazendo, ou ficam silenciosos?
  • Eu acho extremamente repulsivo… e não quero isso. E eu agora sou dona do meu nariz. Isso é uma coisa que tenho de resolver.
  • Essa é a impressão que você tem?
  • Não é que eu estivesse dizendo não. Eu não diria não para eles. Tenho o sentimento de que estou aqui para servir, mas não gosto disso. Estou de certo modo dizendo a eles que acho isso muito repulsivo. Mas eles não perguntaram se eu quero fazer isso. Eu não gosto disso nem um pouco e estou muito perturbada.
  • Eu espero que você tenha dito isso para eles. Eles não têm o direito de fazer isso com você, Lydia. Então, é perfeitamente normal que você esteja perturbada.
  • (Chorando) Acho que isso foi a pior coisa que já me aconteceu… Você sabe o que eles estão me obrigando a fazer? Tenho de mudar para me conformar com isso. O modo pelo qual o meu corpo funciona está sendo perturbado agora, e tenho de me conformar para ser compatível, criar uma atmosfera condutiva para essa coisa… Ela está desequilibrando todo o meu corpo.

Enquanto eu escutava Lydia, lembrei-me de uma abduzida na menopausa que me falara sobre sentir-se grávida e alguma coisa “dando pontapés” no seu abdome. Agora eu sabia. Compreendi que os alienígenas obrigam as mulheres a carregar os bebês, mesmo quando elas não têm mais útero. Em vez de implantar o embrião num útero, os alienígenas poderiam estar inserindo uma unidade de gestação extra-uterina – um saco capaz de incubar um feto sem ter de ligá-lo às paredes uterinas. Os alienígenas colocam a unidade numa área perto do útero, ou talvez no espaço que o útero ocupava originalmente, ou atrás da bexiga, ou perto de um ovário.

Isso me levou a reconsiderar a situação de Melissa. O “implante” que a preocupava provavelmente não era um dispositivo tecnológico, como eu pensara, mas um implante fetal extra-uterino perto do ovário. Sob essa luz, a insistência de Melissa em não removê-Io tornou-se compreensível – ela sabia inconscientemente que não devia perturbar o feto. Agora outros casos problemáticos começaram a fazer sentido. A introdução de ar, acompanhada por uma sensação de intumescimento e de que os órgãos estavam se “mexendo”, era uma preparação do espaço no qual os alienígenas colocavam a unidade de gestação extra-uterina; eles praticamente criavam um vazio para a sua colocação.

As implicações desses casos eram inquietantes. Qualquer que fosse o estágio reprodutivo ou as capacidades das abduzidas, elas podiam sempre ajudar a produzir bebês. Elas poderiam “armazená-los” no útero ou na unidade de gestação extra-uterina. Além disso, essa unidade de gestação extra-uterina servia para “camuflar” o fenômeno. Ela não afeta a produção de hormônios das gônadas, que normalmente aparecem nos testes de gravidez. O uso extensivo de mulheres como hospedeiras de bebês híbridos amplifica o papel do programa de cruzamento. Seu objetivo é enorme. Teoricamente, os alienígenas produziram centenas de milhares ou talvez milhões de descendentes híbridos (n.T. Na realidade produziram uma nova raça total).

Protegendo a gravidez

Quando uma abduzida fica grávida, o que pode impedi-la de abortar? Ou o que a impede de visitar um ginecologista que descobrirá a unidade de gestação extra-uterina e a removerá? Tornou-se claro, durante os anos de minha pesquisa, que os alienígenas evitam essas providências removendo as “provas” antes que a abduzida possa fazer algo. Muitas vezes as abduzidas relatam que marcaram um aborto e encontraram somente um útero vazio, durante a sua realização. Quando o procedimento vai ser feito, os alienígenas já removeram o feto.

Claudia Negrón, uma mulher que criara dois filhos antes de voltar ao colégio para obter seu diploma de bacharel, descreve o processo de remoção que ocorreu durante uma de suas abduções. Primeiro ela viu um longo instrumento que os alienígenas inseriram nela:

  • “Objeto estranho. Não sei se é de metal ou… Eles o usam para fazer bebês. Eles colocam aquelas coisas juntas num laboratório. Depois o inserem no útero de modo que cresce e vira um bebê. Num certo momento, eles monitoram, sabem o seu progresso; em outro, eles voltam, levam você a bordo e removem o feto, que não está completamente desenvolvido, mas grande o suficiente para ser reconhecível. Eles o removem, levando para esse lugar. Já vi isso antes. Um tipo de fluido, eles guardam os fetos removidos nesse fluido, um fluido quente. É como um tanque e tem um bocado de fluido, tem muito do que é essencial, não sei, alguma coisa para fazer com que cresçam e se mantenham vivos (n.t.Uma incubadora artificial ).”

É lógico que os alienígenas controlam os pensamentos das abduzidas para proteger a gravidez. Mas eles monitoram e gravam tudo que uma pessoa pensa vinte e quatro horas por dia, ou escutam seletivamente? Se eles monitoram continuamente, então tudo o que uma abduzida pensa teria de ser recebido, gravado, avaliado e possivelmente providenciado. Não existe prova de que exista esse nível de monitoramento. Por exemplo, os alienígenas são atraídos por qualquer coisa diferente no corpo da abduzida: uma cicatriz de apendicectomia, uma mudança na cor do cabelo, uma tatuagem e assim por diante. Eles inspecionam cuidadosamente a área que mudou e perguntam à pessoa o que isso significa e como aconteceu. Se eles ficassem continuamente monitorando, provavelmente saberiam as respostas.

Assim sendo, os alienígenas têm de monitorar seletivamente. Se a abduzida pensa em cosméticos ou compras, não há reação. Mas, se a abduzida pensa em aborto, gravidez, bebês e implantes, esses pensamentos resultam em ações, se houver tempo. Quando levei Melissa para fazer um teste de ultra-som no ginecologista, os alienígenas não tiveram tempo de remover o “corpo estranho” implantado no seu corpo. Tudo aconteceu no espaço de uma hora. Como os alienígenas controlam os pensamentos? Provavelmente, eles o fazem por meio de implantes.

A maioria das abduzidas têm implantes alienígenas, que descrevem há anos, alojados nas fossas nasais, possivelmente perto do nervo óptico ou da glândula pituitária, ou na orelha. As abduzidas com implantes sofrem a vida inteira de problemas nasais, sangramento do nariz, congestão nasal, diminuição da audição, zumbidos e sangramento do ouvido. Os médicos têm observado tecidos cicatrizados anômalos e orifícios nas passagens nasais das abduzidas. Existem também implantes que são colocados nas pernas, nos braços e no pescoço das abduzidas. Algumas abduzidas têm observado implantes no cérebro. Claudia Negrón descreve que recebeu esse tipo de implante durante um incidente em 1983:

  • Ele tem uma espécie de instrumento na mão. Parece, parece uma agulha, uma agulha hipodérmica, mas não é. (É) longa. Tem uma ponta comprida e ele insere no meu ouvido, até bem fundo. E parece que vai bem dentro do cérebro, faz com que todo o meu cérebro se mexa, não sei, balança toda a minha cabeça. Ele disse que é importante. Ele me comunica, ele diz: “Isso é importante”, que tem de fazer isso.
  • Ele diz por que é importante, ou fala vagamente?
  • Ele diz que é importante para mim, mas na verdade eu tenho a sensação de que é mais importante para ele do que para mim. Acho que estão inserindo alguma coisa na minha cabeça. É realmente, realmente pequenino, muito pequeno, seja lá o que for. E ele diz que ninguém saberá que está ali.
  • Você reage a isso?
  • Não estou dizendo nada. Só estou sentindo a dor. Como que imobilizada por essa dor. Ele diz que não vai doer. Mas está doendo. Mas está. Ele diz que não vai durar muito. Ele diz que depois não vou sentir nada. Nem vou saber que está ali. Ouvi alguma coisa estourar no meu ouvido. Oh. Oh!.. Perguntei a ele para que é isso, por que eles estão fazendo isso. Ele diz – ele não fala, só manda o seu pensamento. É como se ele projetasse os pensamentos para mim, e ele diz que eles têm de saber, eles têm de saber como eu vejo o mundo, como vejo as coisas, como interpreto as coisas (emocionalmente), como elas ocorrem, e esse é o meio de monitorar isso. Isso diz a eles onde estou em todos os momentos. Eles sabem como eu reajo a cada situação e a cada momento. Ele diz que é importante para eles. Dizem que é importante para a pesquisa deles. Eles têm de saber isso… pois querem saber como as crianças vão ser. Eles querem saber o que esperar quando elas crescerem. É tudo por causa das crianças?

A função exata dos implantes não é clara, mas podemos fazer algumas especulações a partir das informações. Trata-se de complexos dispositivos multifuncionais que podem monitorar ou afetar os níveis hormonais para lactação, menstruação, ovulação e gravidez. Eles também devem servir de meio de localização das abduzidas. Os implantes no ouvido, na cavidade e nas fossas nasais podem servir a uma variedade de objetivos. O que está claro é que os alienígenas chegam a extremos para proteger uma gravidez. Se a abduzida tem algum pensamento sobre aborto, eles intervêm. Muitas vezes os alienígenas somente admoestam energicamente as abduzidas para não perturbarem a gravidez, mas essa providência tem sucesso limitado.

Embora muitas abduzidas digam que não desejam interferir na gravidez, a maioria das mulheres que estão conscientes de sua gravidez mostram choque e horror, e superam quaisquer escrúpulos que possam ter sobre a terminação da gravidez. O caso de Kathleen Morrison é um bom exemplo. Embora ela não estivesse sexualmente ativa e tivesse sofrido uma histerectomia anos antes, Kathleen suspeitava que tivesse uma gravidez extrauterina e marcou uma consulta com o Dr. Treller. Alguns dias antes da data marcada, ela foi abduzida e submetida a um exame ginecológico, enquanto um alienígena se comunicava com ela ao mesmo tempo mediante procedimentos de encarar seus olhos e varredura cerebral:

  • O que você pensa que ele está fazendo, quando realiza o procedimento de olhar nos seus olhos?
  • Bem, eu penso que ele está fazendo uma leitura do meu corpo e ele fez   um passe rápido em minha mente mas – O.K, ele vai mais fundo. Ele vai me dar uma palavra e eu devo reagir a ela. “Treller”, e eu respondo que eu vou ver o médico. Ele pergunta se eu não me sinto bem, e digo que estou tendo problemas. E tenho a sensação de que… minha mente também disse alguma coisa com o efeito de… e eu quero saber o que está acontecendo. Eles querem saber o que eu quero dizer com isso. Minha resposta é: “Bem. voce sabe…”
  • Quando você diz “você sabe”, como ele responde a isso?
  • A palavra que me ocorre é GELO. A atitude muda. Eu tenho a impressão de que antes disso eles eram… um pouco mais gentis, e a face se desanuviou… sinto um calor na área da vagina. Está ficando estranho quando eu digo que não sei se é calor ou frio de gelar… minha pergunta é: “O que você quer?” E a coisa é:
  • “Precisamos ter certeza de que tudo está O.K.” “Mas não está tudo O.K. e por isso é que eu vou visitar um médico.” “Você deveria nos avisar.” Tenho a sensação de que deveria avisá-los, mas não sei como fazer isso. Eu não o faria.
  • O que você pensa que eles estão fazendo ali? 
  • Colhendo… óvulos.
  • Eles estão do seu lado direito?
  • Sim. Tem um do meu lado direito. Ele está colocando uns quadros na minha cabeça.
  • E o que você está vendo?
  • Uma creche cheia de crianças. Não as nossas aqui, mas as de lá. Ele também tenta formar uma estrutura familiar como a gente conhece.
  • O que você quer dizer com isso?
  • Eles não estão bem. Deve haver dois – que parecem mais velhos – com um grupo de crianças pequenas.
  • Dois seres Greys ou híbridos?
  • Às vezes uma mistura (um Grey e um híbrido, Kathleen diria mais tarde).
  • Os seres mais velhos seriam uma mistura, ou coisa assim?
  • Certo. É como o conceito deles sobre a vida de família aqui. Eu quase quero dizer que é um cenário reconstruído de um piquenique…
  • Quando você vê a unidade familiar junta, o que eles estão fazendo?
  • É como a reconstrução de um piquenique. Mas eles não têm bancos de piquenique ou coisa que o valha. É como se eles estivessem no ambiente  de um tipo de parque. Ficando em grupo, caminhando, sentando… (eles estão) falando. Eles querem fazer alguma coisa com os seres mais jovens, os pequenos, mas é uma forma, sem substância. É uma situação semelhante a um parque, mas não há árvores ou riachos, ou grama, mas a impressão que a gente tem é de simulação – um exercício teatral – então, eles me fazem uma pergunta.
  • O que eles perguntam?
  • “Como você pode fazer isso com eles?” É relacionado com a gravura.
  • Não entendo… fazer o que a eles?
  • Eu sei de que eles estão falando. Tudo bem, quando eles estavam me perguntando antes, sabe, sobre o fato de eu ir ao médico e tudo o mais, eu disse porque eu não me sentia bem. Eu queria saber o que estava acontecendo. E sei que tenho uma gravura na minha mente, que, se alguma coisa estava ali, não estaria mais ali, e é sobre isso que eles estão perguntando. Como eu podia fazer aquilo, como eu poderia tirar alguma coisa que era deles.
  • Mas você não está tirando nada.
  • Bem, não estou, mas… é alguma coisa que eu estava querendo enfrentar, um – “E se?”, e eles pegaram por aí. Droga! A gente nem consegue ter os próprios pensamentos.
  • Certo. Então você estava pensando que se houvesse alguma coisa ali você a teria retirado?
  • Certo. Teria de sair.
  • Eles estão dizendo como é que você tiraria alguma coisa que é deles?
  • Como eu poderia fazer isso a esses seres pequeninos- essas criancinhas? Como eu faria mal a eles? Eu teria alguma coisa removida. Eu não conseguiria ser como eles – onde eles estão. QUE SE FERREM!
  • Então, quando você vê um retrato com criancinhas como um exemplo do que é bom e maravilhoso, você vai desarrumar tudo?
  • Certo. A viagem da culpa. Eu sinto que estraguei tudo monumentalmente.

Relações sexuais

Durante anos as abduzidas têm relatado serem forçadas a manter relações sexuais com outro abduzido a bordo de um óvni. Esses relatos são especialmente espantosos. Depois que os alienígenas coletam esperma e óvulos e emprenham a mulher com o embrião, parece que não há motivos para forçar os humanos a terem relações sexuais. Uma teoria popular é que os alienígenas estão interessados nos aspectos emocionais do sexo. Eu descobri o que pode ser uma razão mais simples para esta prática. As relações sexuais ocorrem depois que um alienígena realiza varredura cerebral, criando intensa excitação tanto no homem quanto na mulher. Nesse ponto, os alienígenas colocam o homem e a mulher juntos e o casal inicia relações sexuais. Então, logo antes da ejaculação, eles os separam e o homem ejacula num recipiente.

Durante a regressão hipnótica, os abduzidos têm descrito uma variedade de estados emocionais no curso das relações sexuais. Alguns ficam neutros. Alguns gostam, pois os alienígenas os sugestionam para imaginar que estão fazendo amor com a pessoa amada. Muitos se sentem culpados e humilhados. Às vezes o homem tem remorsos de estar fazendo isso a uma mulher. Lucy Simpson relata o caso de um homem que lhe disse “desculpe-me”, quando os alienígenas os separaram. Mas os alienígenas parecem não dar a menor atenção a essas reações emocionais. Ele se concentram apenas em provocar uma reação fisiológica normal para fazer com que o homem ejacule.

Esta em andamento um processo de hibridização entre a raça humana terrestre com seres alienígenas.

Embora os alienígenas rotineiramente coletem esperma por meio de um recipiente junto ao pênis do homem, aparentemente esta técnica não é perfeita. A prova sugere que, em determinadas situações, este procedimento e até mesmo a masturbação não funcionam. Joel Samuelson, um homem de negócios tranqüilo de quarenta anos, de Pittsburgh, Pensilvânia, relatou um evento extremamente confuso, no qual os alienígenas colocaram um dispositivo em seu pênis para coletar esperma. Então, alguns minutos depois, eles o levaram para outra sala, obrigaram-no a ter relações sexuais com uma mulher e coletaram seu esperma. Enquanto eu ouvia essa narrativa, ocorreu-me que, embora seja possível ejacular duas vezes em rápida sucessão, o tempo entre as duas ejaculações foi tão pouco que Joel não deveria ter gerado muito mais esperma.

Além disso, ele teve a impressão de que a primeira tentativa mecânica falhara. Desta forma, parece que a maioria das relações sexuais entre humanos a bordo de óvnis tenha por objetivo a coleta de esperma e não necessariamente provocar emoções sexuais. Os abduzidos são muitas vezes obrigados a produzir mais esperma, quando os meios mecânicos não funcionam ou enguiçam. Terry Mathews ajudou a masturbar manualmente quatro homens, enquanto estavam deitados nas mesas. A cada vez os alienígenas fizeram coleta de esperma.

Outro exemplo vem de Carla Enders, que teve de ajudar os alienígenas a fazer coleta de esperma em um homem velho que era “impotente”:

  • Eles não conseguem fazê-lo reagir como queriam. Então, eles me pediram que ajudasse. Eu digo: “Não compreendo.” Eles estão dizendo: “É como você já fez antes.” Eles estão pedindo que faça algo, e eu não estou entendendo bem o que eles me pedem. “Vocês nunca me fizeram essas perguntas antes, por que estão me perguntando isso?” Estou de pé no meio deles e eles estão me rodeando.
  • Formam um círculo a minha volta. Estou sentindo que vou fazer uma cena, gritar e ter um troço… Eles estão me dizendo que não vai ser ruim basta fazer, e vai acabar logo… 
  • Você compreende perfeitamente o que eles estão pedindo?
  • Não completamente. Só que eles querem fazer uma coleta de esperma nesse velho e não conseguem. E eles tentaram tudo o que fazem normalmente e não funcionou. E por alguma razão eles têm a impressão de que eu poderia… Mas eu ainda não percebi, até que vejo o que eles estão pedindo que eu faça. Eles estão só dizendo: “Vai ser diferente, mas não se preocupe”, ou coisa que o valha.
  • E o que acontece depois?
  • Eu estou meio confusa, enquanto a gente caminha. 
  • Você caminha de volta para o salão?
  • É. E há dois deles na minha frente e dois atrás de mim. E a gente continua andando no salão… e há esse quarto do lado. Há mais outros ali… estou tendo lembranças de um velho… ele está sentado no canto da mesa, só sentado. Não está se mexendo. Ele é mais velho… talvez perto de uns sessenta. Dá para ver que ele é mais velho, não é gordo, mas a pele é diferente. Não é como um jovem… parece que ele quer se levantar e sair logo. Parece que ele não pode se mexer…
  • Você consegue ler seus pensamentos um pouco?
  • Sim, e parece que eles começam, eles estão fazendo algo que o faz ficar excitado, algum tipo de desejo sexual ou coisa assim. Parece que ele está mudando… parece que ele não está mais pensando em ir embora. Ele nem percebe que todos eles estão rodeando-o. É como se ele estivesse tendo fantasias ou algo parecido com delírio… parece que eles estão me pedindo que toque os seus genitais. E eu não estou cooperando, mas eles fazem com que minhas mãos se movimentem de qualquer maneira… eu estou tendo imagens de que eu de algum modo gosto dessa pessoa. Eu não compreendo isso. Que talvez eu realmente ame essa pessoa.
  • E o homem parece conhecido seu?
  • Não. Estou pensando, por que estou sentindo isso? Então, parece que eu nem ligo para outros pensamentos. Nem percebo que eles estão ali. Eu não me lembro de como comecei a fazer a masturbação nele, só me lembro de um flash e que eu estava pensando, “Eu não quero estar fazendo isso”, mas não como se eu me sentisse forçada, mas de modo natural. Mas, então, senti como se eu quisesse parar, mas não podia parar… Parece que finalmente consegui tirar isso da minha cabeça. Estou só me sentindo nauseada.
  • O que eles fazem com ele, quando você para a excitação?
  • Parece que estou pensando que eles esperam que ele vá ejacular, pois parece que é isso que estão tentando fazer com ele. Eu não sei mesmo. É como se todos estivessem rodeando-no. Parece que eles estão satisfeitos com o resultado, pois conseguiram o que queriam.
  • Então, o procedimento foi bem-sucedido.
  • Sim. Parece que eu não fiquei ali muito tempo. Eles estão me dizendo que vou esquecer. Porque eu estou realmente furiosa. Estou pensando: “Como é que isso aconteceu?”, e a gente vai caminhando pela sala.

contatos-imediatos-ets

A coleta de esperma e óvulos é tão importante que os alienígenas não aderem às “regras” aceitas, que proíbem sexo entre parentes: “Carole” estava viajando pelo Arizona com dois amigos e um primo em primeiro grau, quando todos foram abduzidos. Depois de seu exame médico no interior da espaçonave, Carole foi excitada sexualmente e levada para outro quarto. Os alienígenas então trouxeram seu primo e os dois tiveram relações sexuais – para extrema culpa e vergonha de Carole. Os alienígenas os separaram quando seu primo começou a ejacular e fizeram a coleta do seu esperma. Mais uma vez, o objetivo de forçar relações sexuais entre humanos parece ser a coleta de esperma.

Uma conseqüência indesejada de relações sexuais para coleta de material genético pode fornecer os motivos para outro aspecto curioso do fenômeno de abdução. As mulheres abduzidas têm relatado que ficam grávidas em circunstâncias impossíveis; elas não tiveram relações sexuais com ninguém e, entretanto, estão grávidas. Elas levam o parto a termo e têm um bebê saudável e normal. Uma mulher se lembra de ter visto uma luz brilhante enquanto dirigia; depois houve um período de cuja duração ela não se lembra. Ela ficou grávida e depois do nascimento da criança referia-se à mesma como o “filho das estrelas.” Ouvindo a história do seu nascimento, seu filho, agora com doze anos, ficou convencido de que viajara para o útero de sua mãe num “raio de luz”.

Pelo menos algumas dessas “imaculadas concepções” são provavelmente o resultado de erro de cálculo, e, como os alienígenas são seres viventes, eles também cometem erros. Se, durante a abdução, o homem começa a ejacular alguns segundos antes que os alienígenas o separem da mulher, ela pode facilmente ficar grávida. Embora as relações sexuais entre dois humanos seja primordialmente para coleta de esperma, há outro cenário sexual. Os abduzidos relatam ter estabelecido relacionamentos íntimos com outros humanos que os alienígenas arranjam durante a abdução. Um garoto e uma menina se encontram a bordo de um óvni, continuam a se ver durante abduções posteriores e desenvolvem uma amizade.

Tornando-se adolescentes, eles começam a ter relações sexuais a bordo da espaçonave. Às vezes eles sabem os seus nomes e às vezes inventam nomes para o outro. Terry Matthews conheceu um garoto chamado Ben Anderson, com quem teve um profundo relacionamento enquanto menina e adolescente, durante suas abduções. Em uma ocasião, ela esperava encontrá-lo, mas os alienígenas lhe disseram secamente que ele havia morrido e que “nós temos outra pessoa para você encontrar”. Quando ela ficou perturbada, eles lhe disseram que não era culpa deles que o rapaz tivesse morrido num acidente de automóvel.

Em certas ocasiões, dois abduzidos se encontram numa situação de não-abdução e têm uma sensação de familiaridade, e sentem uma forte atração um pelo outro. Por exemplo, Dena e Ray viram imediatamente que se pertenciam, quando se encontraram. Eles não tinham nenhuma idéia de como e por que se sentiam desse modo, mas a atração foi tão forte que eles se divorciaram de seus respectivos cônjuges e se casaram. A hipnose revelou que eles tinham tido uma longa relação sexual quando adolescentes, o que aconteceu exclusivamente durante abduções.

Budd Hopkins, que primeiro identificou esse fenômeno, sugeriu que a alcovitagem de dois abduzidos indica que os alienígenas estão realizando um estudo dos relacionamentos dos abduzidos, tanto social quanto sexual. Isso pode ser realmente o caso. É também possível que os dois abduzidos possuam certas propriedades genéticas que os alienígenas desejam que sejam transmitidas aos seus filhos.

Controlando os seres humanos

Um aspecto intrigante do fenômeno de abdução é o uso da varredura mental para excitar sexualmente as mulheres. Na varredura mental, que normalmente ocorre imediatamente após o exame médico inicial, um alienígena alto coloca seu rosto bem próximo ao rosto da abduzida e a encara intensamente. O alienígena pode provocar uma variedade de sentimentos e fazer com que a abduzida imagine situações específicas, por ele escolhidas. Um dos procedimentos mais comuns é o alienígena induzir sensações sexuais que vão aumentando gradativamente até que a abduzida atinja o orgasmo.

A questão se põe: Por que as sensações sexuais são estimuladas durante a varredura mental? Para chegarmos a essa resposta, precisamos saber o que faz o alienígena alto, que realiza a varredura mental, no momento do orgasmo da abduzida. Ele imediatamente interrompe seu procedimento de olhar fixamente nos olhos da abduzida, abre as pernas da abduzida e começa os procedimentos ginecológicos. O procedimento mais freqüente durante o orgasmo é a coleta de óvulos. A indução do orgasmo não parece estar ligada a qualquer interesse em testar a reação sexual.

Ao contrário, a prova sugere que os alienígenas precisam dos efeitos fisiológicos do orgasmo, intumescência, expansão, lubrificação e talvez a ovulação – para facilitar os procedimentos ginecológicos que estão realizando. Embora o papel do orgasmo seja controverso, a médica (e abduzida) Gloria Kane teve certeza de que, durante a varredura mental, o alienígena estava provocando a liberação de um óvulo de seu ovário.

Quando eu tinha… dezesseis anos, eles me disseram que estavam alterando o modo como eu funcionava por dentro, logo depois da minha menstruação, que eles estavam alterando o meu modo de funcionar para que eu ficasse como um coelho. Eu ficaria excitada sexualmente e então produziria ou liberaria um óvulo… eles queriam que eu ficasse excitada o bastante para ovular daquele jeito. A ovulação deve ocorrer num determinado tempo para o programa de cruzamento. Os híbridos ensinaram a outros híbridos as minúcias necessárias para liberar os óvulos. Christine Kennedy lembra-se de um evento no qual um ser extraterrestre híbrido discutiu com três outros sobre o modo de induzir a ovulação nela:

  • Ele está dizendo alguma coisa para os outros. Quando ele diz algo, ele olha para os outros, ou para o outro lado?
  • Eles estão olhando para ele. Ele está afastando meus ovários.
  • Qual a sua posição na mesa? Deitada, pernas estendidas, pernas levantadas?
  • Não, eles colocaram meus pés naquelas coisas… que levantam.
  • Certo. Então, eu presumo que seus joelhos estão para cima e que suas pernas estão abertas e tudo o mais?
  • Hum, hum (sim). Não posso mexer meus pés.
  • Ele está apertando seu ovário.
  • Hum, hum (sim).
  • Agora, quando ele fala com os outros caras, você pode pegar um pouco do que ele diz, um pensamento aqui, outro ali?
  • Eles vão me fazer ovular.
  • É o que ele diz?
  • Hum, hum. Ele fala sobre um óvulo, mas não sei se é “tire o óvulo”.  Acho que não. Não posso ver meus braços… mexendo.
  • Seus braços mexendo? Como?
  • Eu podia mexer meus braços.
  • Você estava se debatendo?
  • Queria dar um pau no filho da Mãe.
  • Bom. Então você tem algum movimento.
  • Não posso fazer nada com eles. Deixei cair. Ele prendeu meu braço, e os outros dois estão do outro lado da mesa. Eles o seguiram.
  • Então, ele não está mais pressionando seu ovário quando faz isso?
  • Hum, hum (não). Tenho a impressão de que agora querem me agradar. Ele está dizendo alguma coisa. Como eu vou querer fazer isso, ou coisa que o valha…
  • Você fala com ele, responde?
  • Não, porque… ele está me acalmando, está vindo bem perto do meu rosto.
  • Quanto perto ele fica?
  • Bem perto. Eu o sinto tocando minha testa.
  • O que acontece?
  • Ele faz (mentalmente excitando-a) com que eu chegue ao orgasmo. Filho da Mãe!
  • Quando isso acontece… ele está só perto de você, tocando sua testa?
  • Com sua cabeça. Ele estava me encarando. Ele está fazendo a mesma coisa que eles sempre fazem.

A capacidade que os alienígenas têm de olhar nos olhos das abduzidas e efetuar uma grande variedade de mudanças na função cerebral é extraordinária. Inicialmente, isso parecia quase sobrenatural ou místico, como se Svengali estivesse olhando para Trilby, dominando-a para fazer tudo o que ele queria. Mas o místico e o sobrenatural não fazem parte do fenômeno de abdução. Os alienígenas usam seu conhecimento avançado da fisiologia humana para nos controlar e finalmente para se assegurarem de que os humanos aceitem o programa de cruzamento e as outras partes de seus planos.

A habilidade dos alienígenas de controlar os seres humanos é o resultado da manipulação do cérebro humano. Por exemplo, quando os alienígenas se aproximam dos olhos do abduzido, para começar o procedimento de fitar seu olhar, quase imediatamente o abduzido sente os efeitos físicos e emocionais. Uma forma de explicar isso é que os alienígenas usam o nervo óptico para penetrar nas vias neurais do cérebro.

Excitando o nervo óptico, o alienígena consegue “viajar” nas vias neurais, através do quiasma óptico até o corpo gênico lateral, e dali ao córtex visual no fundo do cérebro. Dali, ele pode viajar para o córtex visual secundário e continuar nos locais dos lobos parietais e occipitais e no hipotálamo. Através dessa rota, o alienígena pode estimular as vias neurais, viajar para muitos sítios neurais e causar o “lançamento” de neurônios em qualquer lugar que desejar. Os estímulos cerebrais permitem que os alienígenas produzam uma variedade de efeitos. Se os alienígenas podem se conectar com as vias neurais, podem reconstituir as memórias dos abduzidos.

Podem injetar novas imagens diretamente no córtex visual, ultrapassando as observações normais da retina, dando às pessoas a ilusão de que estão “vendo” coisas que passarão a ficar armazenadas em sua memória, como lembranças de abdução. Eles podem penetrar em locais dentro do sistema límbico e causar emoções fortes como medo, raiva e afeto. Eles podem criar sensações de excitação sexual que se acumulam em orgasmo. Podem criar um tipo de amnésia que ajuda a manter o segredo.

Usando o nervo óptico, os alienígenas podem, de fato, penetrar o sistema nervoso autônomo da medula espinhal e se ramificar no sistema nervoso parassimpático, dando-lhes acesso praticamente a qualquer órgão. Os abduzidos falam freqüentemente de terem sensações físicas nos seus genitais, na bexiga e em outras zonas, quando os alienígenas realizam procedimentos de varredura mental. As reações fisiológicas para ereção e ejaculação nos homens e intumescência, expansão e lubrificação nas mulheres podem ser geradas artificialmente desta forma.

É claro que não se sabe como os alienígenas atingem o nervo óptico, mas existem algumas pistas. Quando começa a varredura mental ou qualquer procedimento de olhar nos olhos, o abduzido não pode desviar ou fechar os olhos; eles devem ficar fixos e abertos. O abduzido é obrigado a olhar fixamente os olhos do alienígena. A maioria dos abduzidos relatam que os olhos do alienígena são marrons, escuros ou negros, e opacos. Outros descrevem o que lhes parece líquido dentro dos olhos dos alienígenas. Outros freqüentemente vêem uma estrutura móvel ou trêmula dentro dos olhos que gera “luz”. É possível que o mecanismo, que emite luz, atinja o nervo óptico para iniciar a jornada dos alienígenas através das vias neurais. Alguns abduzidos sentem quando o contato se faz. Allison Reed muitas vezes sentia a ligação física do alienígena com seu cérebro durante a varredura mental:

  • O que ele está fazendo aí dentro?
  • Estou meio cansada. Aquela coisa está chegando novamente. Não dá para ver, mas posso sentir, é como… e passa por tudo. Não sei, passa por toda a parte, como uma luz azul. É entre a cabeça e meu cérebro, é claro que não posso ver, só sentir. Agora não estou sentindo quase nada. Eu me sinto bem, relaxada…
  • A luz azul vem dos olhos dele ou de um instrumento?
  • Não, não gosto de chamar isso de luz, porque não é uma luz o que a gente vê, é mais uma energia. Não dá para ver, geralmente nesses lugares a gente vê certas coisas, mas sente mais do que vê. Os sentidos mais importantes não são a visão, o olfato e o tato, é mais o sexto sentido quando se está lá. Vem dele, não é um instrumento, é uma energia. De certo modo, ele pode fazer com que essa energia penetre a minha cabeça (n.T. A energia de uma VONTADE superior comandando uma vontade INFERIOR, através do Raio Azul, o do poder, da vontade.).

Semelhantemente, Courtney Walsh, uma jovem que segue a carreira nas ciências biológicas, “sentiu” quando suas vias neurais foram estimuladas.

  • Não, tem um sentido de, é difícil descrever, como alguma coisa que está perfurando ali. A gente pode sentir as diversas vias nervosas… mas de fato até é uma sensação agradável. Eu posso sentir… uma sensação como… pequenas correntes de energia pululando dentro da minha cabeça.

Jack Thernstrom, um estudante de mestrado de ciências físicas, teve uma reação semelhante e sentiu que o alienígena estava penetrando fisicamente a sua mente.

  • Agora ele está olhando para o meu rosto novamente, e desta vez é como uma faca futucando minha mente. É uma sensação de… uma situação fisiológica, o que está acontecendo? É pura dor mental.
  • O que você pensa que ele está fazendo?
  • Tenho a impressão de, como se ele estivesse tentando por diversos caminhos – é quase uma sensação física, como se houvesse cabos e cordões entrelaçados, finos como fios de cabelo, mas bem esticados. Parece que nunca passei por isso… ele está apertando ali, e encontrando caminhos entre eles para chegar a um certo ponto. É uma sensação de uma faca perfurando e forçando caminho entre as coisas… Alguma coisa entre ativo e passivo… não é como abrindo e vendo o que está lá dentro, é como um emaranhado de fios, e alguém os está puxando e separando para ver onde cada um deles está ligado.

Alguns abduzidos visualizam pensamentos e imagens esparsas, enquanto os alienígenas atravessam as suas vias neurais, como se a “viagem” enervasse essas vias neurais, como um “subproduto” do procedimento. Uma mulher viu a estrutura de uma casa, uma carruagem, o cabelo de uma peruca, alguém lavando a cabeça de um manequim (sem corpo) num tanque, um iceberg, em um fiorde, o telhado de uma casa velha no inverno, duas crianças, uma gravura antiga com dois políticos. Outro abduzido imaginou um pente, dentes, números, letras, parte de um rosto, um homem se despencando de um edifício, um pássaro voando, o corte de uma faca, uma perna, o buraco de um rato, um relógio de bolso e batatas.

Uma vez ligado às vias neurais do abduzido, o alienígena essencialmente tem liberdade de fazer o que quiser. O abduzido não tem mais controle dos seus próprios pensamentos. Os alienígenas podem exercer poder absoluto sobre as mentes e os corpos dos abduzidos. Eles podem fazer os abduzidos pensar, sentir, visualizar ou qualquer coisa que quiserem.

A capacidade que os alienígenas têm de atingir as vias neurais das abduzidas não é automática. Eles rodam e torcem suas cabeças para achar o melhor ângulo para fisgar o nervo óptico. Eles imobilizam a cabeça da abduzida de modo que ela não faça nenhum movimento que possa perturbar o enlace. Kathleen Morrison teve uma varredura mental fora do comum, na qual o primeiro alienígena não conseguiu fazer o enlace adequado. Depois que o primeiro alienígena tentou por vários minutos sem sucesso, outro alienígena o substituiu e ela pôde rapidamente sentir os efeitos da varredura mental a que estava acostumada.

Mas outra abduzida resistiu com sucesso ao enlace mental. Reshma Kamal descobriu que tinha mais controle muscular do que o normal e o usou para impedir uma conexão neural. Ela mexeu rapidamente os olhos para frente e para trás, enquanto repetia uma frase religiosa em árabe. O primeiro alienígena tentou fazer contato e não conseguiu. Ele distraiu a sua atenção causando-lhe uma dor de cabeça e ameaçou não levá-la de volta à sua casa, mas ela se recusou a ceder. Outro alienígena o substituiu e aumentou as ameaças. Ainda assim ela recusou-se, embora começasse a se sentir tonta de tanto mexer os olhos. Um terceiro alienígena tentou; e ainda um quarto. Eles não conseguiram impedi-la de mover os olhos. Finalmente, eles desistiram e disseram que continuariam o procedimento na próxima abdução.

As abduzidas dizem que, de alguma forma, sabem que os procedimentos mentais são relacionados aos seres híbridos. As abduzidas sugerem que os alienígenas gravam as informações e, então, as transferem para as mentes dos híbridos a fim de que eles aprendam como os seres humanos vivem e sentem. Existem também procedimentos nos quais os híbridos transferem informações diretamente dos humanos para suas mentes. Um alienígena ligou Allison Reed a uma fêmea híbrida adulta com cabos, e, enquanto as duas se sentavam em frente uma da outra, Allison pôde perceber que seus pensamentos e suas lembranças fluíam dela para a híbrida. A híbrida “absorveu’ os pensamentos e experiências de Allison e aparentemente colheu algum benefício com o procedimento.

Os procedimentos mentais devem ser vistos em relação aos planos de reprodução dos alienígenas. Sem a capacidade de manipular a mente humana, os alienígenas não poderiam controlar física e mentalmente os abduzidos, e o programa de cruzamento não seria viável na sua forma atual. As abduzidas muitas vezes se sentem mais violentadas pelos procedimentos mentais do que pelos reprodutivos. Elas sabem que seus pensamentos privados não lhes pertencem e que podem ser “ligadas” e manipuladas. Embora freqüentemente eu tente assegurar-lhes que, apesar do que aconteceu, seus pensamentos são livres, elas sabem que isso não é inteiramente verdade.

Quem são esses seres extraterrestres, alienígenas poderosos que controlam os humanos como bem entendem? Em que tipo de sociedade eles vivem? Por meio dos relatos de abdução, pudemos juntar os fatos que fornecem algumas respostas a essas questões de suma importância.

Continua

Capítulos anteriores

  1. http://thoth3126.com.br/a-ameaca-alienigena/
  2. http://thoth3126.com.br/a-ameaca-alienigena-parte-2/
  3. http://thoth3126.com.br/a-ameaca-alienigena-parte-3/

Para saber mais:

  1. http://thoth3126.com.br/reptilianos-do-interior-da-terra-os-arquivos-lacerta-parte-i/
  2. http://thoth3126.com.br/nobreza-negra-da-europa-principe-charles-e-descendente-de-dracula/
  3. http://thoth3126.com.br/projeto-serpo-programa-de-intercambio-com-zeta-reticuli-2/
  4. http://thoth3126.com.br/category/reptilianos/
  5. http://thoth3126.com.br/zeta-reticuli-1e-2-o-mapa-estelar-do-sistema-solar-duplo/
  6. http://thoth3126.com.br/dulce-book-conexao-draconiana-reptiliana-capitulo-13/
  7. http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
  8. http://thoth3126.com.br/eisenhower-presidente-dos-eua-teve-reunioes-secretas-com-seres-extraterrestres/
  9. http://thoth3126.com.br/tecnologia-de-orion-e-outros-projetos-secretos/
  10. http://thoth3126.com.br/illuminati-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite-2a-explosivo/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

8 Responses to A Ameaça Alienígena – Parte 4 (sinistro)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *