browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

AGHARTA – 2 – A história de Olaf Jansen

Posted by on 09/05/2016

smoky_god-livro

Livro “The Smoky God” ou Uma Viagem ao Mundo Interior do reino de AGHARTA – SEGUNDA PARTE: A história de Olaf Jansen

Temo que essa história aparentemente incrível, que eu vou relatar será considerada como o resultado de um intelecto distorcido e superexcitado, pelo glamour de desvendar um mistério maravilhoso, mais do que um registro verdadeiro das experiências incomparáveis  ​​relatadas por  Olaf Jansen, cuja eloquente loucura então apelou para a minha imaginação em que todo pensamento e crítica analítica foram efetivamente dissipados pela beleza da sua História …

“Aquele que controla os outros pode ser poderoso, mas aquele que domina a si mesmo é mais poderoso ainda.” – Lao Tsé – 600 a.C. / 531 a.C.(Filósofo chinês, fundador do Taoísmo, escreveu o “Tao Te Ching” )


Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“The Smoky God, or A Voyage Journey to the Inner Earth“, é um “romance” publicado em 1908 por Willis George Emerson, que o apresenta como um relato verdadeiro de um marinheiro norueguês chamado Olaf Jansen, e explica como o saveiro dele navegou através de uma entrada no polo norte para o interior da Terra onde ele entrou em contato com uma outra civilização.

Fonte: http://www.ourhollowearth.com/SGContents.htm

SEGUNDA PARTE: A história de Olaf Jansen

Meu nome é Olaf Jansen. Eu sou um norueguês, embora eu tenha nascido na pequena cidade russa de marinheiros de Uleaborg, na costa leste do Golfo da Botnia, o braço norte do Mar Báltico. Meus pais estavam em um cruzeiro de pesca no Golfo de Botnia, e estavam nesta cidade russa de Uleaborg no momento do meu nascimento, sendo o dia o vigésimo sétimo dia do mês de Outubro de 1811.

Meu pai, Jens Jansen, nasceu em Rodwig na costa escandinava, perto das Ilhas Lofoden, mas depois de casar fez sua casa em Estocolmo, porque as pessoas parentes da minha mãe residiam naquela cidade. Quando eu tinha sete anos de idade, eu comecei a ir com o meu pai em suas viagens de pesca ao longo da gelada costa escandinava.

Cedo na vida eu exibia uma aptidão para os livros, e com a idade de nove anos fui colocado em uma escola particular, em Estocolmo, permanecendo lá até que eu tivesse quatorze anos. Depois disso, eu fazia viagens frequentes com meu pai em todas as suas viagens de pesca.

agharta

Meu pai era um homem com cerca de 1,90 metros de altura e pesava cerca de cem quilos, um escandinavo típico do tipo mais robusto e capaz de mais resistência do que qualquer outro homem que eu já conheci. Ele possuía a delicadeza e suavidade de uma mulher de formas pequenas, mas a sua determinação e força de vontade estavam além de qualquer descrição. Sua vontade de ferro não admitia a derrota.

Eu estava no meu décimo nono ano de idade, quando começamos naquela que provou ser a nossa última viagem como pescadores, e que resultou na estranha história que deve ser agora contada ao mundo, – mas não antes de eu terminar a minha peregrinação terrena.

Não me atrevo a permitir que os fatos como eu os conheço sejam publicados enquanto eu estiver vivendo, por medo de mais humilhação ainda, confinamento e sofrimento. Primeiro de tudo, eu fui posto a ferros pelo capitão do navio baleeiro que me resgatou, por nenhuma outra razão além do que eu lhe disse a verdade sobre as maravilhosas descobertas feitas por mim e pelo meu pai. Mas isso estava longe de ser o fim dos meus tormentos.

Depois de quatro anos e oito meses de ausência cheguei a Estocolmo, só para encontrar que a minha mãe tinha morrido no ano anterior, e os bens deixados por meus pais, na posse de pessoas parentes da minha mãe, mas era ao mesmo tempo isso feito mais para administrarem as posses para mim.

Tudo poderia ter saído bem, eu tinha apagado da minha memória a história de nossa aventura e da morte terrível de meu pai. Finalmente, um dia contei a história em detalhes para meu tio, Gustaf Osterlind, um homem dono de posses materiais considerável, e pedi-lhe para me patrocinar uma expedição para eu fazer uma outra viagem à terra estranha.

No começo eu pensei que ele favoreceu o meu projeto. Ele pareceu interessado, e me convidou antes para ir na presença de certos funcionários e explicar-lhes, como eu conversei com ele, a história de nossas viagens e descobertas. Imagine a minha decepção e horror, quando, após a conclusão de minha narrativa, certos documentos foram assinados pelo meu tio, e, sem aviso, eu encontrei-me preso com medo e triste, e mandado para confinamento internado em um hospício, onde permaneci por longos vinte e oito anos – longos, tediosos e terríveis anos de sofrimento!

polo-portal

Eu nunca deixei de afirmar a minha sanidade mental, e de protestar contra a injustiça do meu confinamento. Finalmente, no dia dezessete de outubro de 1862, eu fui liberado. Meu tio estava morto, e os amigos da minha juventude eram agora desconhecidos. De fato, eu era um homem com mais de 50 anos de idade, cujo único registro conhecido é o de um louco, que não tem amigos.

Eu estava perdido em como saber o que fazer para ganhar a vida, mas, instintivamente, voltou-me para o porto da cidade onde grandes números de barcos de pesca estavam ancorados, e dentro de uma semana eu arrumei emprego e já tinha sido enviado com um pescador de nome Yan Hansen, que estava partindo em uma longa viagem de pesca para as Ilhas Lofoden.

Aqui meus primeiros anos de treinamento na pesca com meu pai provaram ser de grande vantagem, especialmente me permitindo fazer-me útil. Esse foi apenas o início de outras viagens de pesca no Mar do Norte, e por viver frugalmente e ser econômico, eu fui, em poucos anos, capaz de comprar o meu próprio navio de pesca. Por mais 27 anos depois disso segui o mar como um pescador, cinco anos de trabalho para os outros, e os últimos vinte e dois anos para mim mesmo.

Durante todos esses anos eu era um aluno muito diligente de livros, bem como um trabalhador duro no meu negócio de pescador, mas tomei muito cuidado para não mencionar a mais ninguém a história sobre as descobertas feitas por mim e meu pai. Mesmo nestes dias passados eu estava com medo de ter qualquer um bisbilhotando ou sabendo das coisas que eu estou escrevendo, e os registros e mapas que eu tenho em meu poder. Quando os meus dias na terra terminar, vou deixar os mapas e os meus registros que vão iluminar e, espero, beneficiar a humanidade, com o conhecimento destas verdades.

A memória do meu longo confinamento com maníacos, e toda a angústia horrível e sofrimentos ainda estão muito vivas para justificar minhas medidas de segurança para evitar novo encarceramento como um lunático. Em 1889, contando com 78 anos de idade,  eu vendi os meus barcos de pesca, e descobri que eu tinha acumulado uma fortuna mais do que suficiente para manter-me para o resto da minha vida. Eu, então, me mudei para os Estados Unidos da América.

Por uma dúzia de anos a minha residência ficava em Illinois, perto de Batavia, onde eu reuni a maioria dos livros em minha presente biblioteca, embora eu trouxesse muitos volumes que já possuía em Estocolmo. Mais tarde, vim a Los Angeles, chegando aqui em 4 de março de 1901, então com quase noventa anos de idade. A data lembro-me bem, uma vez que foi o segundo dia da posse do presidente McKinley.

agharta-MAP of Inner Earth

Eu comprei esta casa humilde e me determinei, aqui na privacidade da minha própria casa, protegida por minha própria videira e figueira, e com os meus livros comigo, para fazer mapas e desenhos das novas terras que eu e meu pai havíamos descoberto, e também para escrever a história em detalhes a partir do momento que meu pai e eu saímos de Estocolmo, na Suécia, no Mar do Norte, até o trágico acontecimento em que nos separamos no Oceano Antártico, agora no sul do planeta.

Lembro-me bem que deixamos Estocolmo em nosso barco de pesca saveiro no terceiro dia de abril de 1829, e navegamos para o sul, deixando Gothland Island ao esquerda e a Oeland Island à nossa direita. Poucos dias depois, nós conseguimos dobrar o Sandhommar Point, e tomamos o nosso caminho através da passagem que separa a Dinamarca da costa escandinava. No devido tempo, vamos parar na cidade de Christiansand, onde descansamos por dois dias, para, em seguida, começar nova viagem por volta da costa escandinava para o rumo oeste, com destino às Ilhas Lofoden.

Meu pai estava com o espírito elevado, por causa dos excelentes e gratificantes ganhos que tínhamos recebido na venda de nossa última pesca pelo mercado de peixe em Estocolmo, em vez de vender em uma das cidades marítimas ao longo da costa escandinava. Ele estava especialmente satisfeito com a venda de alguns dentes de marfim que tinha encontrado na costa oeste de Franz Joseph Land durante um de seus cruzeiros do norte no ano anterior, e ele expressou a esperança de que desta vez pudéssemos voltar a ter a sorte de carregar o nosso pequeno saveiro barco de pesca com marfim, em vez de apenas peixes como bacalhau, arenque, cavala e salmão.

Colocamos a proa na direção de Hammerfest, latitude setenta e um graus e 40 minutos norte, para o descanso de alguns dias. Aqui ficamos uma semana, estocando um suprimento extra de provisões e vários barris de água potável, e depois navegamos em direção ao Spitsbergen.

Durante os primeiros dias tivemos navegando num mar aberto e vento favorável, e então encontramos muito gelo e muitos icebergs. Um navio maior do que o nosso pequeno-saveiro de pesca não poderia ter aberto o seu caminho entre o labirinto de icebergs ou se espremido através dos canais apenas mal abertos. Estes icebergs monstros se apresentaram numa interminável sucessão de palácios de cristal, de catedrais enormes e fantásticas colinas, como desagradáveis sentinelas, imóveis como alguns altos penhascos de rocha sólida, de pé e em silêncio, como uma esfinge, resistindo às ondas agitadas de um mar inquieto.

spitsbergen

Spitsbergen é a maior das ilhas do arquipélago árctico das Svalbard, com 23,641 km² e 2500 habitantes, dos quais 60% são noruegueses e 35% russos e ucranianos. É um território sob soberania da Noruega, embora sujeito a um regime específico de acesso aos seus recursos naturais pela comunidade internacional, nos termos do Tratado de Svalbard assinado em Paris a 9 de Fevereiro de 1920.

Depois de muitas escapadas, chegamos a Spitsbergen no dia 23 de junho, e ancoramos na Wijade Bay por um curto período de tempo, onde fomos muito bem sucedidos em nossas capturas. Em seguida, levantamos âncora e navegamos através do Hinlopen Strait, e costeando ao longo das Terras do Nordeste (North-east-Land)

Um vento forte veio do sudoeste, e meu pai disse que seria melhor tirar proveito dele e tentar chegar a Franz Josef Land, onde, um ano antes ele tinha, por acaso, encontrado as presas de marfim que tinha trazido e vendido a um bom preço em Estocolmo. Nunca, antes ou desde então, eu tinha visto tantas aves do mar; eles eram tão numerosas que elas escondiam as pedras na linha de costa e escureciam o céu.

Por vários dias, nós navegamos ao longo da costa rochosa de Franz Josef Land. Finalmente, um vento favorável surgiu e que nos permitiu fazer a Costa Oeste, e, depois de navegar 24 horas, chegamos a uma bela enseada na terra.

Eu mal podia acreditar que era Northland (Terras do Norte). O lugar era verde com vegetação crescente, e enquanto a área não representar mais do que um ou dois hectares, mas o ar estava quente e tranquilo. Parecia ser naquele ponto onde a influência das águas quentes trazidas pela Corrente do Golfo do México é mais fortemente sentida. (1)

(1). Sir John Barrow, Bart, FRS, em sua obra intitulada “Voyages of Discovery and Research dentro das regiões do Ártico”, diz na página 57: “Mr. Beechey se refere ao que tem sido frequentemente encontrado e percebeu – a suavidade da temperatura na costa oeste de Spitsbergen, havendo pouca ou nenhuma sensação de frio, embora o termômetro possa estar a apenas alguns graus acima do ponto de congelamento. O efeito brilhante e animado de um dia claro, quando o sol brilha com um céu limpo, cujo tonalidade azul é tão intensa que não encontram paralelo mesmo nos céus italianos”.

Na costa leste, havia inúmeros icebergs, mas aqui estávamos em águas abertas. Longe, a oeste de nós, no entanto, haviam blocos de gelo, e ainda mais para o oeste o gelo aparecia como uma faixa de baixas colinas. Diante de nós, e diretamente para o norte, estava um mar aberto. (2)

Capitão Kane, na página 299, citando Morton Journal, de 26 de dezembro, diz: “Tanto quanto eu podia ver, as passagens abertas tinham 15 milhas ou mais de largura, com gelo, por vezes, uma massa de gelo separando-as. Mas é tudo gelo pequeno, e eu acho que o gelo nos expulsa para o espaço aberto para o norte ou nos afunda, como eu podia ver nada à frente para o norte. “

Meu pai era um crente fervoroso em Odin e Thor, e tinha frequentemente me dito que eles eram deuses que vieram de muito além do “Vento Norte”. Havia uma tradição, meu pai explicou, que ainda mais para o norte existiria uma terra mais bonita do que qualquer homem mortal já tivesse conhecido, e que ela foi habitada pelo povo “Escolhido”. (3)

Odin-thor

(3) Encontramos o seguinte em “Deutsche Mythologie”, página 778, da pena de Jakob Grimm; “Então os filhos de Bor construíram no meio do universo uma cidade chamada Asgard (Agharta ?), onde habitam os deuses e sua parentela, e de onde fazem e trabalham tantas coisas maravilhosas tanto na terra e nos céus acima dela. Há na cidade um lugar chamado Hlidskjalf, e quando ODIN está sentado lá no seu trono sublime, ele vê o mundo inteiro e discerne todas as ações do homens”.

Minha imaginação juvenil foi tomada pelo ardor, zelo e fervor religioso do meu bom pai, e eu exclamei: “Por que não navegar para esta boa terra onde o céu é justo, o vento favorável e o mar aberto.”

Mesmo agora eu posso ver a expressão de surpresa agradável em seu rosto quando ele se virou para mim e perguntou: “Meu filho, você está disposto a ir comigo e explorar – para ir muito além de onde o homem já se aventurou” Eu respondi afirmativamente que sim. “Muito bem”, respondeu ele. “Que o deus Odin nos proteja!” e, imediatamente ajustou rapidamente as velas, ele olhou para a nossa bússola, virou a proa em direção ao norte, passando através de um canal aberto, e nossa viagem havia começado. (4)

(4) Hall escreve, na página 288: “Em 23 de janeiro os dois Esquimós, acompanhado por dois dos marinheiros, foram para o Cabo Lupton. Eles relataram um mar de águas abertas que se estendia até onde os olhos podiam alcançar”.

O sol estava baixo no horizonte, na medida que ainda era o início do verão. Na verdade, nós tínhamos quase quatro meses para um dia pela frente antes que a noite congelada do polo norte voltasse novamente.

Nosso pequeno-saveiro pescador saltou para a frente como se estivesse tão ansioso quanto nós para iniciar a aventura. Dentro de 36 horas estávamos fora da vista do ponto mais alto da linha de costa de Franz Josef Land. Parecíamos estar em uma forte corrente em direção norte pelo nordeste. Distante à direita e à esquerda de nós estavam icebergs, mas nosso pequeno saveiro se abateu sobre os estreitos e passou por canais e para fora em mar aberto – canais tão estreitos em locais que, se nosso barco fosse maior, nunca poderíamos passar completamente.

No terceiro dia chegamos a uma ilha. As suas margens eram banhadas por um mar aberto. Meu pai ficou determinado a explorar aquela terra por um dia. Esta nova terra era destituída de madeira, mas encontramos um grande acúmulo de madeira à deriva na costa norte. Alguns dos troncos das árvores tinham cerca de quarenta metros de comprimento e cerca de dois metros de diâmetro. (5)

(5) Greely nos diz em vol. 1, página 100, que: “Privates Connell e Frederick encontraram uma grande árvore conífera na praia, um pouco acima da marca do extremo alto-mar. Ela tinha quase trinta centímetros de circunferência, cerca de trinta metros de comprimento, e, aparentemente, tinha sido levada para lá. por uma corrente durante um par de anos. Uma parte dela foi cortada para lenha, e pela primeira vez naquele vale, uma brilhante e alegre fogueira deu conforto para o homem”.

Depois de um dia de exploração da linha de costa desta ilha, que levantou âncora e viramos a proa do nosso barco para o norte e navegamos em um mar aberto.(6)

(6) Dr. Kane diz, na página 379 de suas obras: “Eu não posso imaginar o que acontece com o gelo. Uma forte corrente aponta constantemente para o norte, mas, a partir de altitudes de mais de 500 pés, eu vi apenas estreitas faixas de gelo, com grandes espaços de água aberta, de dez a quinze quilômetros de largura, entre elas. Deve, portanto, ir para um espaço aberto no norte, ou dissolver-se”.

iceberg

Lembro-me que nem meu pai nem eu tínhamos nos alimentado por quase 30 horas. Talvez isso foi por causa da tensão de excitação sobre a nossa viagem estranha em águas mais para o norte, que meu pai disse que ninguém nunca tinha estado antes. Com a mente ativa tinha entorpecido as demandas das necessidades físicas.

Em vez de o frio ser intenso como tínhamos previsto, estava muito mais quente e mais agradável do que tinha estado em latitudes mais abaixo em Hammerfest, na costa norte da Noruega, cerca de seis semanas antes. (7)

(7) A segunda viagem do Capitão Peary relaciona outra circunstância que pode servir para confirmar uma conjectura que tem sido mantida por alguns, de que um mar aberto, livre de gelo, existe no/ou perto do Pólo Norte. “No dia dois de novembro”, diz Peary, “o vento refrescou com um vendaval de norte pelo oeste, baixou o termômetro aos 5 graus antes de meia-noite, enquanto que, um aumento de vento na Ilha Melville era geralmente acompanhado por um aumento simultâneo do termômetro em baixas temperaturas. Isso pode ser, ele pergunta, ocasionada pelo vento soprando sobre um mar aberto no trimestre de onde sopra o vento? E tendem a confirmar a opinião de que perto e no Pólo Norte existe um mar aberto ?”

Nós dois francamente admitimos que estávamos com muita fome, e imediatamente eu preparei uma refeição substancial da nossa despensa bem armazenada. Quando tínhamos participado com bom grado e de coração do nosso repasto, eu disse ao meu pai que eu acreditava que eu iria dormir, pois eu estava começando a me sentir muito sonolento. “Muito bem”, ele respondeu: “Vou manter-me vigilante.”

Eu não tenho nenhum modo de determinar o quanto tempo eu dormi; Eu só sei que eu fui acordado abruptamente por uma terrível comoção do saveiro. Para minha surpresa, encontrei meu pai dormindo profundamente. Eu gritei a plenos pulmões para com ele, e o acordei, ele saltou rapidamente sobre seus pés. Na verdade, se ele não agarrasse imediatamente o trilho, ele certamente teria sido jogado nas ondas em convulsão.

Uma tempestade de neve feroz grassava. O vento estava diretamente à nossa ré, impulsionando o nosso saveiro em uma velocidade incrível, e estava ameaçando a cada momento para nos virar. Não havia tempo a perder, as velas tinham que ser reduzidas imediatamente. Nosso barco estava se contorcendo em convulsões. Alguns icebergs que vimos estavam de ambos os lados de nós, mas, felizmente, o canal estava e fluía aberto diretamente para o norte. Mas será que ele continuaria assim? Diante de nós, se abrindo no horizonte da esquerda para a direita, havia uma névoa, ou neblina, negra como a noite egípcia à beira da água, e branca como uma nuvem de vapor em direção ao seu topo, que finalmente se perdeu para ser vista como misturada com os grandes flocos brancos de neve caindo. Se ela encobrisse um iceberg traiçoeiro, ou algum outro obstáculo escondido contra a qual o nosso pequeno saveiro fosse bater e nos enviar direto para uma sepultura de água, ou aquilo era apenas o fenômeno de um nevoeiro do Ártico, não havia nenhuma maneira de se determinar. 

Por qual milagre que escapamos de ser levados para a destruição, eu não sei. Lembro-me de que nossa pequena embarcação rangia e gemia, como se suas articulações estivessem se quebrando. Ele balançou e cambaleou para lá e para cá como se agarrado por alguma ressaca feroz de hidromassagem ou um redemoinho.

smoky-god-barco

Felizmente a nossa bússola tinha sido presa com parafusos longos em uma travessa. A maioria de nossas provisões e água, no entanto, foram arrastadas para fora do armário e saíram varridas do convés do saveiro, e se não tivéssemos tomado a precaução no início de nos amarrar firmemente nos mastros do veleiro, nós também deveríamos  ter sido arrastado para as profundezas do mar.

Acima do tumulto ensurdecedor das ondas furiosas, ouvi a voz do meu pai. “Seja corajoso, meu filho”, gritou ele, “Odin é o deus das águas, o companheiro dos bravos, e ele está conosco. Não tenha medo.”

Para mim, parecia que não havia possibilidade de nós escaparmos de uma iminente morte horrível. O pequeno saveiro estava engolindo água, a neve estava caindo tão rápida que chegava a ser ofuscante, e as ondas estavam caindo sobre os nossos pés em fúria branca ameaçando pulverizar a nós imprudentes. Não havia como dizer em que instante que seríamos jogados contra algum pedaço de gelo à deriva. As ondas enormes que nos elevava até os próprios picos de ondas montanhosas, para em seguida, mergulhar-nos para as profundezas da calha do mar como se nosso saveiro de pesca fosse apenas um escudo frágil. Ondas brancas curvadas e gigantescas, como verdadeiros muros, vedava o nosso caminho, à frente e para trás.

Esta provação desesperadora e terrível, com seus horrores inomináveis ​​de suspense e agonia de medo indescritível, continuou por mais de três horas, e todo esse tempo nós estávamos sendo impulsionados em velocidade feroz. Então, de repente, como se cansando de seus esforços frenéticos, o vento começou a diminuir a sua fúria para finalmente se tornar em uma brisa.

Finalmente estávamos na mais perfeita calma. A névoa também havia desaparecido  antes de nos lançarmos por um canal sem gelo, talvez com dez ou quinze quilômetros de largura com alguns icebergs distantes à nossa direita, e um arquipélago intermitente de menores ilhas para a esquerda.

Eu vi meu pai de perto, determinado a permanecer em silêncio até que ele próprio falou. Então, ele desamarrou a corda de sua cintura e, sem dizer uma palavra, começou a trabalhar as bombas, que felizmente não foram danificadas, aliviando a saveiro da água que tinha entrado no barco na loucura da tempestade.

Ele colocou as velas do saveiro enfunadas tão calmamente como se lançando uma rede de pesca, para, em seguida, comentar que estávamos prontos para um vento favorável para quando ele surgisse. Sua coragem e persistência foram verdadeiramente notáveis.

Na investigação, descobrimos que restara menos de um terço das nossas provisões, enquanto que para o nosso desânimo total, descobrimos que nossos pipas de água tinham sido varridas ao mar durante os violentos ataques das gigantescas ondas, que sacudiram violentamente o nosso barco.

agharta-polonorte-entrada

Foto de satélite da entrada no polo norte para o reino da Terra Interior, para Agharta, se revela, de tempos em tempos.

Duas das nossas pipas de água estavam no porão principal, e ambas estavam vazias. Nós estávamos com estoque apertado de comida, mas sem água fresca. Finalmente percebi de uma vez o horror da nossa posição. Naquele momento, fui tomado por uma sede terrível. “Na verdade, a situação é ruim”, comentou meu pai. “No entanto, vamos secar a nossa roupa suja, pois estamos molhados até os ossos. Confiemos no deus Odin, meu filho. Não perca a esperança.”

O sol batia obliquamente no barco, como se estivéssemos em uma latitude sul, em vez de nas longínquas terras do Norte (Northland). Ele estava balançando ao redor, sua órbita sempre visível e subindo cada vez mais a cada dia que passava, com freqüência meio encoberto por uma névoa, mas sempre aparecendo através do rendilhado de nuvens como algum olho inquieto do destino, que guarda a misteriosa Northland e zelosamente assistindo as brincadeiras dos homens. Distante à nossa direita os raios de luz enfeitando os prismas de icebergs eram exuberantes. Suas reflexões emitiam flashes de cor granada, de diamante, de safira. Um panorama pirotécnico de inúmeras cores e formas, enquanto que abaixo podíamos ver o mar de cor verde, e acima, o céu roxo …

Continua …

Primeira parte em: http://thoth3126.com.br/the-smoky-god

Saiba mais sobre AGHARTA em:

  1. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  2. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  3. http://thoth3126.com.br/geometria-sagrada-a-flor-da-vida-e-a-linguagem-da-luz/
  4. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  5. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  6. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  7. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  8. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/
  9. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  10. http://thoth3126.com.br/aghartatelos-uma-cidade-subterranea-sob-o-monte-shasta/
  11. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  12. http://thoth3126.com.br/agharta-e-o-almirante-richard-e-byrd/
  13. http://thoth3126.com.br/o-reino-de-agharta-visto-pela-federacao-galactica/
  14. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior-parte-3-final/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

4 Responses to AGHARTA – 2 – A história de Olaf Jansen

  1. Jozilei

    Na expectativa pela terceira parte. Seria possível a postagem da tradução da obra The Smoky God na íntegra?

    • Thoth3126

      O livro The Smoky God foi traduzido e publicado na íntegra, em capítulos. Muita Luz e Paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *