Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Um mundo multipolar, uma Nova Era está surgindo

Uma nova ordem mundial está evidentemente bem encaminhada, com os países BRICS e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a oferecerem amplas alternativas ao [Hospício do] Ocidente Coletivo Hegemônico. ‘Se você quer uma imagem do futuro, imagine uma bota pisando em um rosto humano – para sempre.’ Esta é uma das citações mais famosas do romance de George Orwell de 1949, “Mil novecentos e oitenta e quatro”As palavras são ditas por O’Brien, o grande inquisidor do regime totalitário no romance de Orwell.

Um mundo multipolar, uma Nova Era está surgindo

Fonte: strategic-culture.org

Não creio que tenha havido outro autor mais citado recentemente do que George Orwell e seu histórico best seller “1984” e “Animal Farm” (adicione ao caldeirão as citações de Aldous Huxley em seu “Admirável mundo novo“).

Se nos  debruçarmos um pouco mais sobre o assunto do domínio global dos EUA desde a queda do Muro de Berlim, surge um pensamento desconcertante: como é que os EUA conseguiram estabelecer a hegemonia global durante tanto tempo em formatos e formas quase imperceptíveis? 

Olhando retrospectivamente, um número esmagador de nações e/ou países recuou para uma solução confortável de acolher os EUA (sua hegemonia) de braços abertos. As formas como os EUA conseguiram espalhar imperceptivelmente o seu domínio são através de todos os tipos de influência cultural, educacional, econômica, financeira e política dos EUA, que se infiltram através das fendas e falhas de qualquer textura social. 

Eles invariavelmente têm os mesmos mecanismos para aplicar, as mesmas táticas para implementar, as mesmas estratégias para reiterar indefinidamente, que são fáceis de “ler” e “ver através” se repetidas um número suficiente de vezes. Quando se pergunta aos perpetradores por trás das cortinas como é possível que utilizem sempre as mesmas tácticas nas suas revoluções coloridas e mudanças de regime, eles respondem com frivolidade desdenhosa: ‘Porque funciona. Por que mudar se funciona sempre?’

Quando questionados sobre a razão pela qual o G-7/OTAN [o Hospício Ocidental, “acordado”] insiste obstinadamente em soluções militares para a crise ucraniana em curso, alguns comentadores tendem a pensar que muito provavelmente porque a sua política de hegemonia e de contínuo belicismo começaram a morrer, irreversível e misericordiosamente. 

A política de domínio imperial e de monopólio dos EUA começa a ser insustentável. Os aliados dos EUA deste lado do Atlântico têm sido, em sua maioria, inabalavelmente leais e obedeceram cegamente  ao xerife global [bêbado] até 2003 e a recusa total e resoluta da Alemanha e da França em aderir à sua iminente invasão do Iraque. 

Nessa ocasião, os países que constituem os pilares mais poderosos da UE negaram à hegemonia a sua arrogância hipócrita ao intervencionismo ilegal. Esse momento histórico pode ser visto como o trampolim para a criação de um mundo multipolar no novo milênio, mas não pôs fim à unipolaridade. Os EUA continuaram a comportar-se como antes. 

Continuou a interferir nos assuntos internos de um número esmagador de países, continuou a ocupar o Afeganistão de forma mais óbvia, juntamente com as revoluções coloridas e as “Primaveras Árabes” de todos os tipos e tudo envolvido na inexorável expansão da OTAN.

Depois chegou o ano de 2018 e um momento crítico  quando Vladimir Putin anunciou que a Rússia  produzia inéditas armas hipersônicas, o que significou que a Rússia ultrapassou os EUA pela primeira vez. A Rússia obteve vantagem estratégica a esse respeito. Isso pode muito bem ter sido o fim da unipolaridade tal como a conhecemos, mas permanece a questão de que os EUA têm dificuldade em admitir o seu fim iminente.

Em retrospecto, historicamente houve uma infinidade de guerras brutais e quedas de impérios devido à sua decadência e deterioração em qualquer sociedade ou civilização. Lembremos um pensador russo, Nikolai Danilevsky, biólogo de profissão, que adotou uma visão orgânica do mundo. 

As civilizações humanas, afirmou ele, eram seres orgânicos que nascem, amadurecem e morrem. Nenhuma poderia ser considerada o “Fim da História”. Na sua obra mais famosa, intitulada Rússia e Europa, ele delineou uma teoria de que a Rússia e a Europa Ocidental eram “tipos históricos culturais” inteiramente distintos

Diferentes tipos históricos e VALORES culturais, disse ele, desenvolveram-se de maneiras distintas. Em oposição às teorias de convergência cultural, ele comparou o mundo a uma praça da cidade a partir da qual diferentes estradas (ou seja, civilizações diferentes) moveram-se em direções diferentes. 

Cada tipo histórico-cultural era inerentemente distinto e, consequentemente, não fazia sentido tentar forçá-lo a desenvolver-se no caminho de outro. Oswald Spengler também apresentou uma visão de mundo baseada na ascensão e declínio cíclicos das civilizações, na qual argumenta que uma cultura floresce do solo de uma paisagem definível e morre quando esgota todas as suas possibilidades.

Hoje as coisas parecem ser muito diferentes, dado que existem duas potências nucleares com um vasto potencial para destruir o mundo. A potência mundial que está numa tendência descendente acentuada é drasticamente mais perigosa no seu potencial esmagador de despedaçar o mundo, especialmente pelo momento de insanidade generalizada de seus homens públicos. A situação parece ser muito mais perigosa do que nunca porque os EUA estão muito dispostos a ficar presos na Armadilha de Tucídides com a China [mas muito mais com a Rússia].

Na realidade, uma nova ordem mundial está evidentemente em curso, com os países BRICS e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a oferecerem amplas alternativas ao [Hospício do] Ocidente Coletivo hegemônico. A silhueta emergente do mundo multipolar já emergiu há muito tempo e, com o tempo, assumirá uma forma mais estável. O Ocidente não conseguiu fazer uma marcha mais significativa em direção ao Extremo Oriente e ao Sul Global em termos genéricos, se excluirmos o Japão e a Coreia do Sul da equação.

Basta considerar por um momento uma infinidade de declarações sofisticadas de acordo com a marcha do mundo multipolar dada por Sergey Lavrov até à data:

“Infelizmente, os nossos colegas americanos ainda querem operar apenas com base em ditar políticas, emitindo ultimatos, não querem ouvir as perspectivas de outros centros da política mundial’

Os EUA recusam-se a “reconhecer a realidade do mundo multipolar emergente”,

“Em meio ao atual e sério estágio da história das relações internacionais, a Rússia e a China avançarão para uma ordem mundial multipolar e justa”

Estamos passando por uma  fase muito grave na história das relações internacionais. Estou convencido de que, como resultado desta fase, a situação internacional se tornará significativamente mais clara e avançaremos juntamente convosco, juntamente com os nossos outros povos que pensam da mesma forma, rumo a uma ordem mundial multipolar, justa e democrática»

Alguns comentadores ocidentais argumentam que a Rússia enfrenta ainda mais isolamento porque “todos” os países “democráticos” lançaram-lhe uma avalanche de sanções econômicas e condenaram-na publicamente na Assembleia Geral da ONU desde o início da operação militar especial russa na Ucrânia. 

Todos os países que tendem a atribuir arbitrariamente a si próprios o distintivo de “democrático” afirmam, na sua maioria, erradamente que a Rússia tem o apoio dos países que não conhecem qualquer democracia liberal nos seus regimes autocráticos. Infelizmente, a proliferação destes mitos infundados tem sido atribuída principalmente à propaganda corporativa das pre$$tituta$ da mídia ocidental.

Em primeiro lugar, esta afirmação baseia-se numa lógica falha. O número de países que introduziram sanções à Rússia é de cerca de 30 e o número de países que votaram na Assembleia Geral da ONU é de 140, dos quais 110 países não planejam impor sanções à Rússia e não querem formar grupos contra qualquer pressão sobre ela também. 

Se fizermos algumas contas básicas, 6,5 bilhões de pessoas vivem em países que não introduziram sanções à Rússia e que não planejam fazê-lo. Mesmo estas mudanças colossais em curso aparentemente fazem com que o mundo se divida em dois polos, o outro compreende 6,5 bilhões de pessoas, o que é, na verdade, se visto de outra perspectiva, o mundo inteiro sem [a loucura dos psicopatas] o Ocidente Coletivo.

Mudanças colossais já aconteceram globalmente. Agora, a cooperação econômica aberta até à data fundiu-se com a cooperação geopolítica regional e internacional entre os BRICS, o SOC e outros. Estes países desenvolvem ainda mais a cooperação com a Rússia e certamente com a China.

Voltando às visões ocidentais (falhas) do mundo divididas entre democracias atribuídas arbitrariamente, por um lado, e autocracias aleatoriamente condenadas ao ostracismo, por outro, as origens destas visões falhas são certamente da divisão para conquistar a supremacia ocidental e o colonialismo. 

Essa visão do mundo colonial reflete-se nas palavras de Josep Borrell e na sua metáfora um tanto arrogantemente estranha:

“A UE como um jardim versus os povos do resto do mundo como uma selva”. 

Nenhuma quantidade de desculpas profusas ajudará este infeliz [e imbecil] burocrata não eleito de Bruxelas com os seus “espiritismos” desajeitados no seu discurso esmagadoramente racista e hipócrita.

Obviamente, trata-se de um enorme esforço para “sufocar” o mundo com uma divisão artificial, um esforço de “todas as armas em punho”, de “guerra total” contra a criação de um mundo multipolar ao estilo mais brutal de Maquiavel, embora ostentando roupagem do século XXI. E sim, não esqueçamos, a desgraça iminente dos EUA se envolverem em outra Armadilha de Ticídides com a China.

Caso a Europa “(des)democrática”, com os seus movimentos totalmente imprudentes, perca o seu mercado monumental na China, bem como os abundantes e acessíveis recursos russos e com as perspectivas de muitas empresas partirem para pastagens mais aráveis ​​para os EUA, atraídas pelos incentivos de Biden, o jardim de Borrell, em vez de deixar cem flores desabrocharem, se transformará em um deserto árido.


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA [a Inteligência Artificial]. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra pela queda de um asteroide, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *