browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

AGHARTA – 5 – Entre imensos blocos de gelo

Posted by on 18/05/2016

smoky_god-livro

Livro “The Smoky God” ou Uma Viagem ao Mundo Interior do reino de AGHARTA – QUINTA PARTE: Entre imensos blocos de gelo

Temo que essa história aparentemente incrível, que eu vou relatar será considerada como o resultado de um intelecto distorcido e superexcitado, pelo glamour de desvendar um mistério maravilhoso, mais do que um registro verdadeiro das experiências     incomparáveis  ​​relatadas pelo pescador norueguês  Olaf Jansen, cuja eloquente loucura então apelou para a minha imaginação em que todo pensamento e crítica analítica foram efetivamente dissipados pela beleza da sua História …

“Aquele que controla os outros pode ser poderoso, mas aquele que domina a si mesmo é mais poderoso ainda.” Lao Tsé, 600 a.C./531 a.C.(Filósofo chinês, fundador do Taoísmo, escreveu o Tao Te Ching)


Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

The Smoky God, or A Voyage Journey to the Inner Earth“, é um “romance” publicado em 1908 por Willis George Emerson, que o apresenta como um relato verdadeiro de um marinheiro norueguês chamado Olaf Jansen, e explica como o saveiro dele navegou através de uma entrada no polo norte para o interior da Terra onde ele entrou em contato com uma outra civilização.

Fontehttp://www.ourhollowearth.com/PartFive.htm

Quinta Parte – Entre os imensos blocos de gelo:

Pelos próximos 45 dias o nosso tempo foi empregado para nos esquivar dos icebergs e dos canais de gelo, de fato, se não tivéssemos sido favorecidos com um forte vento sul e de navegarmos em um pequeno barco, duvido que essa história poderia ter sido algum dia contada ao mundo.

agharta-MAP of Inner Earth

Por fim, veio uma manhã, quando meu pai disse: “Meu filho, eu acho que estamos quase chegando em casa. Estamos quase saindo do gelo. Veja o mar aberto está diante de nós..!.”

No entanto, havia alguns icebergs que tinham flutuado muito para o norte no mar aberto das águas no sul da Terra ainda à frente de nós em ambos os lados, estendendo-se por muitos quilômetros. Diretamente na frente de nós, e pela bússola, que tinha agora se recomposto, rumávamos em direção ao norte, havia um mar aberto.

“Que incrível e maravilhosa história que temos para contar ao povo de Estocolmo”, continuou meu pai, enquanto um olhar de euforia perdoável iluminava seu rosto honesto. “E também sobre as pepitas de ouro arrumadas no porão!”

Falei amáveis ​​palavras de elogio para o meu pai, não só por causa da sua fortaleza e resistência, mas também por sua ousadia corajosa como um desbravador, e por ter feito a viagem que havia prometido com um final bem sucedido. Fiquei grato, também, que ele havia reunido a riqueza em ouro que estávamos levando para casa.

Enquanto estávamos nos felicitando sobre a oferta considerável de provisões e água que ainda tínhamos disponível, e sobre os perigos de que havíamos escapado, fomos surpreendidos por ouvir uma explosão terrível, causada pela ruptura de uma enorme montanha de gelo. Foi um rugido ensurdecedor, como o disparo de milhares de tiros de canhão. Nós estávamos velejando com grande velocidade no momento, e passando muito perto de um iceberg monstruoso, que ao que tudo indicava, estava imóvel como uma ilha cercada de pedra.

smoky-god-barco

Parecia, no entanto, que o iceberg se dividiu e foi se quebrando e partindo em pedaços, depois do que o saldo do monstro ao longo do qual estávamos navegando foi destruído, e os seus pedaços começaram a mergulhar por sobre nós. Meu pai rapidamente antecipou o perigo antes que eu percebesse suas possibilidades terríveis.

O iceberg se estendia para dentro da água muitas centenas de pés, e, quando mergulhava na água como se derrubado, a sua porção, quando saía da água empurrava nosso pequeno barco de pesca artesanal como uma alavanca em um ponto de apoio, e atirava-nos para o ar como se fôssemos uma mera bola de futebol sendo chutada para cima.

Nosso barco caiu de volta no iceberg, que por esta altura tinha mudado a superfície ao nosso lado para o seu topo. Meu pai ainda estava no barco, depois de se enroscar no cordame, enquanto eu estava jogado a cerca de vinte metros de distância.

Eu rapidamente me levantei e gritei para o meu pai, que respondeu: “Tudo está bem.” Só então uma percepção se abateu sobre mim. Horror em cima de horror! O sangue me gelou nas veias. O iceberg ainda estava em movimento, e seu grande peso e força em tombar faria com que ele mergulhasse temporariamente. Me dei conta de que um redemoinho de sucção iria se produzir no meio dos colossos de água por todos os lados. Eles correm para a depressão em toda a sua fúria, como lobos brancos com suas presas ávidas por seres humanas.

Agharta2

Neste momento supremo de angústia mental, lembro-me de olhar para o nosso barco, que estava deitado de lado, e me perguntando se ele poderia se endireitar em seu casco, e se meu pai poderia escapar. Seria o fim de nossas lutas e aventuras? Seria essa a nossa morte? Todas estas questões passaram pela minha mente em uma fração de segundo, e um momento depois, eu estava envolvido em uma luta de vida ou morte. O monólito pesado de gelo afundou abaixo da superfície, e as águas geladas borbulhavam em torno de mim com raiva frenética. Eu estava em um buraco, com as águas se derramando de todos os lados. Um momento mais e eu perdi a consciência.

Quando parcialmente recuperei os meus sentidos, e despertei do desmaio de um homem quase afogado, eu me encontrei completamente molhado, duro, e quase congelado, deitado no iceberg. Mas não havia nenhum sinal de meu pai ou do nosso pequeno saveiro de pesca. O pedaço do iceberg monstro havia recuperado sua estabilidade, e, com o seu novo equilíbrio, levantou o seu topo, talvez 50 pés (cerca de 15 metros) acima das ondas. A parte superior da ilha de gelo era um platô talvez com a metade de um acre em extensão.

Eu amava muito o meu pai, e fiquei terrivelmente angustiado pelo horror de sua morte. Eu duramente critiquei o seu destino, e por que eu também não tinha sido autorizado a dormir com ele nas profundezas do oceano. Finalmente, me levantei e olhei em minha volta. A cúpula acima era de um céu roxo, e o oceano verde sem fim abaixo, e só um discernível e ocasional iceberg! Meu coração afundou em desespero e sem esperança. Eu cautelosamente procurei um caminho através do iceberg para o outro lado, com a esperança de que o nosso barco de pesca artesanal estivesse se endireitado.

agharta-polonorte-entrada

Foto de satélite mostrando a abertura para a entrada para o INNER WORLD

Ousaria pensar que seria possível que o meu amado pai ainda vivesse? Era possível, um raio de esperança ardeu em meu coração. Mas a antecipação dessa possibilidade aqueceu meu sangue em minhas veias e comecei a correr sobre a superfície de gelo como se possuído por um raro estimulante através de cada fibra do meu corpo.

Eu rastejei para o lado do precipício do iceberg, e olhei para baixo, esperando, esperando ainda ver algo sobre o barco e meu amado pai. Então eu fiz um círculo caminhando pelo iceberg, examinando cada pé do caminho, e assim eu continuei dando voltas e mais voltas. Uma parte do meu cérebro certamente estava se tornando maníaca, enquanto a outra parte, eu acredito, e assim é até hoje, era perfeitamente racional.

Eu estava consciente de ter feito o circuito uma dúzia de vezes, e enquanto uma parte da minha inteligência sabia que, com toda a razão, não havia mais um vestígio de esperança, mas alguma aberração fascinante estranha me enfeitiçava e me obrigava ainda a me seduzir com expectativa. A outra parte do meu cérebro parecia dizer-me que, enquanto não havia nenhuma possibilidade de o meu pai estar ainda vivo, mas, se eu parasse de fazer aquela peregrinação tortuosa, se eu parasse por um momento único, que isso seria o reconhecimento da derrota, e, no caso de isso acontecer, eu senti que eu ficaria louco.

Assim, hora após hora eu andei ao redor em círculos sobre a superfície do iceberg, com medo de parar e descansar, mas fisicamente incapaz também de continuar por muito mais tempo. Oh! senti um horror dos horrores! Ter sido lançado para fora de nosso pequeno barco nesta vasta extensão de águas e gelo, sem comida ou água, e apenas ficando vivo em cima de um iceberg traiçoeiro como o meu endereço de residência. Meu coração se afundou gelado dentro de meu peito, e todo o sentimento de esperança foi sumindo num negro sentimento de puro desespero.

Em seguida, a mão do Libertador foi colocada sobre mim, e o silêncio de quase morte de uma solidão que rapidamente estava se tornando insuportável foi subitamente interrompido pelo barulho do disparo de uma pistola de sinalização. Eu olhei para cima com espanto assustado, quando vi, a menos de um quilômetro de distância, um navio baleeiro caindo em minha direção com seu conjunto completo de velas enfunado. 

smoky-god-resgate

Evidentemente, a minha atividade continuada no iceberg havia atraído a sua atenção. O barco se aproximou o suficiente, eles lançaram um escaler, e, eu fui então descendo com cautela para a beira da água, onde fui resgatado, e um pouco mais tarde levantado à bordo do navio baleeiro salvador. 

Eu percebi que se tratava de um navio baleeiro escocês, “The Arlington.” Ele tinha partido do porto de Dundee, em setembro, e  imediatamente começou sua viagem para a Antártica, em busca de baleias. O capitão, Angus MacPherson, parecia ser uma pessoa gentil, mas em matéria de disciplina, como eu aprendi logo, possuidor de uma vontade de ferro. Quando eu tentava dizer a ele que eu tinha estado “dentro” da Terra, o capitão e os seus companheiros se entreolharam, balançaram a cabeça, e insistiram de que eu fosse colocado em um beliche sob rigorosa vigilância do médico do navio. 

Eu estava muito fraco por falta de alimento, e não tinha dormido por muitas horas. No entanto, após o descanso de alguns dias, eu acordei certa manhã e vesti-me sem pedir a permissão do médico ou qualquer outra pessoa, e disse a eles que eu estava tão lúcido quanto qualquer um no barco.

O capitão mandou me chamar e novamente fui questionado acerca de como e de onde eu tinha vindo, e como cheguei a ficar sozinho sobre um iceberg perdido tão longe e no meio do Oceano Antártico. Eu respondi que eu tinha acabado de vir de um outro mundo de gigantes que havia “dentro” da Terra, e começou a lhes contar como meu pai e eu partimos desde Spitzbergen, no Mar do Norte, entramos no “Mundo da Terra Interior” pela abertura do Polo Norte e após termos lá permanecido em meio aos gigantes durante dois anos, decidimos voltar e navegamos saindo agora através da abertura pelo Pólo Sul, quando então ele decidiu me colocar em ferros e me prender.

Eu depois ouvi o capitão dizer a um seu marinheiro que eu estava tão louco como uma lebre encontrada no mês de março, e que eu deveria permanecer no confinamento até que eu voltasse a ser racional o suficiente para dar um relato verdadeiro de mim mesmo e sobre a minha real história.

Finalmente depois de haver implorando muito e de fazer muitas promessas, fui libertado da prisão. Eu, então decidiu inventar alguma história que iria satisfazer o capitão, e nunca mais me referir a minha viagem para a Terra Interior dos gigantes onde existia “O Deus Smoky”, pelo menos até que eu estivesse seguro entre amigos.

smoky-god-resgate-01

Quinze dias depois eu estava autorizado a sair da prisão e tomar um lugar como um dos marinheiros. Um pouco mais tarde, o capitão novamente me pediu uma explicação. Eu disse a ele que a minha experiência tinha sido tão horrível que eu estava com medo de minha própria memória, e pedi-lhe para me permitir deixar a pergunta sem resposta até algum tempo no futuro. “Eu acho que você está se recuperando consideravelmente”, disse ele, “mas você não esta curado ainda cem por cento”.  “Permita-me trabalhar, como compensação pelo meu salvamento,” eu respondi, “e se isso não recompensá-lo suficientemente, vou te pagar imediatamente depois que eu chegar a Estocolmo – até o último centavo”. Assim, a questão foi encerrada.

Finalmente, após meses navegando, chegamos a Estocolmo, como já relatei, eu descobri que a minha boa mãe tinha falecido já há mais do que um ano.Também já relatei como, mais tarde, a traição de um parente me levou à prisão em um hospício, onde permaneci por 28 anos – um longo período de tempo aparentemente interminável – e, como ainda mais tarde, após a minha libertação, eu voltei para a vida de pescador, praticando a pesca diligentemente durante 27 anos, para em seguida, contar como eu vim para a América do Norte, e finalmente para Los Angeles, na Califórnia. Mas tudo isso pode ser de pouco interesse para o leitor.

Na verdade, parece-me que o clímax da maravilhosa viagem e aventuras estranhas foi atingido quando o navio-baleeiro escocês me tirou da morte certa em um iceberg solitário no gelado Oceano Antártico.

Continua na Parte VI

Partes anteriores em:

  1. http://thoth3126.com.br/the-smoky-god
  2. http://thoth3126.com.br/agharta-2-a-historia-de-olaf-jansen/
  3. http://thoth3126.com.br/agharta-3-alem-do-vento-norte/
  4. http://thoth3126.com.br/agharta-4-no-mundo-no-interior-da-terra/

Saiba mais sobre AGHARTA em:

  1. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  2. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  3. http://thoth3126.com.br/geometria-sagrada-a-flor-da-vida-e-a-linguagem-da-luz/
  4. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  5. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  6. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  7. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  8. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/
  9. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  10. http://thoth3126.com.br/aghartatelos-uma-cidade-subterranea-sob-o-monte-shasta/
  11. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  12. http://thoth3126.com.br/agharta-e-o-almirante-richard-e-byrd/
  13. http://thoth3126.com.br/o-reino-de-agharta-visto-pela-federacao-galactica/
  14. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior-parte-3-final/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)http://www.thoth3126.com.br/

One Response to AGHARTA – 5 – Entre imensos blocos de gelo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *