browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Como AGIR no caso de uma catástrofe

Posted by on 31/10/2016

entopan-fimdeciclo-serpentedefogo

As histórias sobre sobrevivência de pessoas em meio a imensas catástrofes sempre se concentram em saber o que esses indivíduos têm de tão especial que os ajudaram a permanecer vivos.

Um pesquisador do comportamento de pessoas em ambientes de extremo estresse na Universidade de Portsmouth, na Grã-Bretanha, analisou a atitude de sobreviventes e vítimas de dezenas de desastres ocorridos em todo o mundo durante décadas e descobriu que, em situações de vida ou morte, cerca de 75% das pessoas ficam tão desnorteadas que não conseguem pensar com clareza nem planejar uma fuga. Elas ficam mentalmente paralisadas, em estado de choque, e morrem.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

CONSCIÊNCIA, A DIFERENÇA ENTRE FICAR VIVO OU MORRER EM MEIO A UMA CATÁSTROFE. Em um evento extremo, a maioria das pessoas não consegue fazer SEQUER a única coisa que poderia salvar sua vida. 

Fonte: http://www.bbc.co.uk/

Às 19h de 27 de setembro de 1994, a balsa MS Estonia deixou a capital estoniana, Tallinn, rumo a Estocolmo, na Suécia, com 989 pessoas a bordo. Seis horas depois, em meio a uma forte tempestade, sua porta traseira se quebrou e seu compartimento de veículos se encheu de água. Uma hora mais tarde, a embarcação estava completamente afundada no Mar Báltico, junto com 852 passageiros e tripulantes mortos.

Apesar da rapidez da tragédia, da ventania, do mar revolto e do tempo que as equipes de resgate levaram para chegar, especialistas em sobrevivência ficaram abismados com o altíssimo número de vítimas.

balsa-estonia-afunda

A balsa MS Estonia deixou a capital estoniana, Tallinn, rumo a Estocolmo, na Suécia, com 989 pessoas  a bordo. Afundou em apenas uma hora em meio a uma violenta tempestade com 852 mortos.

O relatório oficial com o resultado das investigações do acidente concluiu que muitas pessoas se afogaram simplesmente porque não fizeram nada para se salvar. “Um número considerável de pessoas… parece ter sido incapaz de pensar ou agir racionalmente por causa do medo”, concluiu o relatório oficial sobre o acidente. 

“Outros pareceram que ficaram petrificados e não poderiam sequer serem forçados a se salvarem. Alguns entraram em pânico, as pessoas estavam apáticas e chocadas além do limite e não reagiam quando outros passageiros tentaram orientá-los, nem mesmo quando eles usaram a força ou gritavam com eles”.

O que pode ter acontecido? Alguém que sabe a resposta é John Leach, um instrutor de sobrevivência militar que pesquisa o comportamento de pessoas em ambientes de extremo estresse na Universidade de Portsmouth, na Grã-Bretanha.

Ele analisou a atitude de sobreviventes e vítimas de dezenas de desastres e catástrofes ocorridos em todo o mundo durante décadas e descobriu que, em situações de vida ou morte, cerca de 75% das pessoas ficam tão desnorteadas que não conseguem pensar com clareza nem planejar uma fuga.

Elas ficam mentalmente paralisadas.  (e como isso acontece pois ele estava presente em um desses eventos catastróficos, no incêndio na estação de metrô de Kings Cross em 18 de novembro de 1987, que matou 31 pessoas)

Apenas 15% das pessoas conseguem manter a calma em meio ao caos de uma tragédia e tomar decisões que podem salvar suas vidas. Os 10% restantes são puro perigo: eles surtam, perdem completamente o bom senso e colocam todos os outros em risco.

REAÇÃO RÁPIDA

As histórias de sobrevivência sempre se concentram em saber o que esses 15% têm de tão especial que os ajudou a permanecer vivos. Mas, para Leach, deveríamos nos perguntar: por que tanta gente morre quando tem capacidade física de se salvar? Por que tantos desistem ou não conseguem se ajustar à situação de desespero?

acidente-avião-manchester

Apesar da resposta rápida dos bombeiros, 55 pessoas morreram em acidente em Manchester

Segundo o pesquisador, na maior parte dos desastres, não é preciso ter habilidades especiais para sobreviver. Você só precisa saber o que fazer.

Os engenheiros que criam planos e procedimentos de evacuação costumavam assumir que as pessoas responderiam imediatamente ao ouvir um alarme, ao sentir cheiro de fumaça ou ao perceber que seu barco está adernando. Mas, como mostram alguns casos recentes, o verdadeiro desafio é fazer com que as pessoas reajam rapidamente.

Foi o que ocorreu no aeroporto de Manchester, na Grã-Bretanha, em agosto de 1985, quando um Boeing 737 com destino à ilha grega de Corfu sofreu uma pane no motor durante a decolagem, provocando a morte de 55 pessoas. “O mais impressionante foi esse grande número de vítimas, apesar de o avião nunca ter saído do chão e ter freado em uma posição que permitiu que os bombeiros rapidamente apagassem o fogo nas turbinas”, afirmou o relatório da investigação do incidente.

Em vez de perderem a razão e correrem desesperadas para as saídas de emergência da aeronave, foi a relutância das pessoas e o pânico que as colocaram em um risco muito maior.

Um dos maiores exemplos de passividade coletiva ocorreu nas torres do World Trade Center, em Nova York, durante os ataques de 11 de setembro de 2001. Um estudo do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos Estados Unidos (NIST, na sigla em inglês) concluiu que a maioria dos sobreviventes do impacto do primeiro avião esperou uma média de seis minutos antes de começar a sair da Torre Norte pelas escadas. Alguns chegaram até a esperar por meia hora, seguindo seus afazeres normalmente.

bush-cheney-rumsfeld

Despreparados para o que estava acontecendo com eles, muitos continuaram agindo normalmente ou ficaram dando voltas para ver o que iria acontecer, esperando que os outros se movessem em primeiro lugar. Um estudo descobriu que metade das pessoas que sobreviveram se atrasaram antes de tentar escapar, fazendo chamadas telefônicas, arrumando as coisas em gavetas, trancando a porta do escritório, indo ao banheiro, completando e-mails, desligando o computador, trocando seus sapatos. Uma mulher acostumada a andar de bicicleta para ir trabalhar ainda voltou ao seu escritório para se trocar antes de tentar sair e tudo isso enquanto o prédio pegava fogo e entrava em colapso.

INSTINTO DORMENTE

A principal explicação psicológica para esse tipo de comportamento – passividade, paralisia mental e continuar a agir normalmente diante de um desastre – é que ele é provocado por uma incapacidade de algumas pessoas (a maioria) de se adaptarem a uma mudança súbita na “realidade” em seu entorno.

A sobrevivência requer um comportamento direcionado a um objetivo: ao sentirmos fome, procuramos comida; ao sentirmos solidão, procuramos companhia. Isso normalmente é algo fácil e instintivo. Mas em um ambiente ou em uma situação desconhecida, particularmente alguma que cause tensão extrema, estabelecer objetivos de sobrevivência requer um esforço CONCIENTE (n.t. significa TER CONSCIÊNCIA) muito maior.

“Em uma situação de emergência (um incêndio num prédio, um terremoto, um navio afundando ou de uma aeronave em chamas), geralmente as coisas acontecem mais rápido e em maior quantidade do que você consegue processá-las”, explica Leach.

Jerome Chertkoff, psicólogo social na Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, dá um exemplo: “Ver-se em uma situação de perigo de vida é algo que aumenta enormemente a sua excitação emocional, e uma grande excitação faz com que as pessoas considerem um número limitado de alternativas. Isso pode ser ruim quando você está tentando decidir como agir, já que a opção que mais o ajudaria a escapar com vida pode nem passar por sua cabeça”.

Isso explica por que nas situações de emergência, muita gente deixa de tomar atitudes que poderiam parecer óbvias em circunstâncias normais.

Terremoto-tsunami-Japao-2011

Terremoto seguido de tsunami no Japão em 2011.

PREPARO É FUNDAMENTAL

Por isso, a maioria dos especialistas em sobrevivência acredita que a melhor maneira de pensar com mais clareza é se preparar para uma emergência com antecedência.

“A prática torna as ações automáticas, sem a necessidade de se perder muito tempo pensando”, diz Chertkoff. Isso significa prestar atenção na localização das saídas de emergência quando você entra em um cinema ou em outro tipo de espaço fechado, ler as instruções de evacuação do prédio deixadas no seu quarto de hotel e sempre prestar atenção nos procedimentos de segurança que os comissários de bordo demonstram no avião.

Ou seja, a maioria dos sobreviventes sobrevive não porque são apenas mais corajosos, mas porque também estavam mais bem preparados (e INFORMADOS=CONSCIENTES).

E como você lidará com as outras pessoas durante uma catástrofe? Não importa o quão bem preparado você esteja, algum aspecto em situações de emergência estará sempre fora de nosso controle: como o comportamento daqueles pessoas que nos cercam se dará. Aqui, também, o conhecimento científico está em desacordo com o senso comum ou o que somos propensos a ler na mídia.

poseidonis-vulcão

Uma erupção vulcânica também é um evento extremo

Comentaristas destacaram muitas vezes a suposta estupidez ou loucura das multidões durante os grandes desastres – uma debandada de peregrinos em um evento religioso, o esmagamento de uma torcida de futebol, a corrida cega para as saídas em uma boate em chamas. Na realidade, isso raramente é o que acontece.

A pesquisa mostra que, na maioria dos cenários, grupos de pessoas são mais propensos a ajudar uns aos outros do que atrapalhar. “Em caso de emergência, a norma é a cooperação”, diz Chris Cocking, que estuda o comportamento das multidões na Universidade de Brighton. “O comportamento egoísta é muito leve e tende a ser policiada pela multidão em vez de se espalhar pelo ambiente.”

Pegue os atentados suicidas no sistema de transportes de Londres em 7 de julho de 2005, que matou 52 pessoas e feriu mais de 700. Durante várias horas, centenas de passageiros ficaram presos em túneis subterrâneos esfumaçados sem nenhuma maneira de saber se eles seriam resgatados, nem se outras explosões eram iminentes.

Tufão-Soudelor-satelite

Super Tufão Soudelor atingiu Taiwan e a China.

Em meio a esse caos, a maioria das pessoas foi altamente cooperativa e útil, de acordo com sobreviventes entrevistados por Cocking, John Drury, da Universidade de Sussex e Steve Reicher, da Universidade de St Andrews. Os psicólogos chamam isso de resposta “resiliência coletiva”: uma atitude de ajuda mútua e de unidade no meio do perigo.

UNIDOS SOMOS MAIS FORTES

Drury, Cocking e Reicher documentaram muitos exemplos de resistência coletiva. Em 2008, eles falaram com sobreviventes de 11 tragédias ou incidentes a partir das quatro décadas anteriores, incluindo o esmagamento de 2001 no estádio de futebol em Ghana   em que 126 pessoas morreram enquanto tentavam escapar pelas saídas bloqueadas, contataram sobreviventes do naufrágio em 1991 do navio de cruzeiro Oceanos da África do Sul, (quando notavelmente todos os mais de 500 passageiros sobreviveram).

Em cada caso, a solidariedade do grupo foi mais prevalente do que o egoísmo. Cocking pensa que a tendência das pessoas a colaborar em casos de emergência aumenta as chances de sobrevivência de todos. “Individualmente, a melhor coisa é taticamente ficar junto com o interesse do grupo. Em situações em que todo mundo age individualmente, que são muito raras, é que realmente diminui uma eficaz evacuação de todo o grupo”.

união-tem-força

Unidos somos muito mais fortes.

Ainda assim, algumas emergências podem ser tão desorientadoras que a cooperação pode ser impossível para algumas pessoas. Citando um exemplo dramático de como as pessoas se comportam de forma diferente quando a sua vida está em jogo, considere a história do britânico-irlandês da equipe de remo Atlantic Odyssey  que em janeiro de 2012 tentou atravessar o oceano Atlântico de leste para oeste, em um recorde de 30 dias.

Após 28 dias, uma onda gigante virou o barco com a equipe enquanto eles ainda estavam há 500 milhas (800 quilômetros) de distância de seu destino em Barbados. De acordo com Mark Beaumont, um aventureiro e radialista que fazia parte da tripulação de seis remadores, todos teriam se afogado se vários deles não tivessem mergulhado várias vezes sob o casco virado para cima para liberar o bote salva-vidas e recuperar o rastreador GPS com sinal de emergência, o telefone via satélite, água fresca e comida.

CHOQUE PROFUNDO

Mas nem toda a tripulação reagiu tão racional e cooperativamente. “Dois rapazes entraram em estado de choque muito profundo”, lembra ele. “Um deles mal conseguia dizer uma palavra. Ele apenas fechou os olhos e desligou. “Mais tarde, esse colega, que era um remador forte, explicou a Beaumont que tinha ficado muito oprimido pela situação. “Eu estava completamente fora do meu alcance”, disse ele. “Eu pensei que a melhor coisa a fazer era ocupar o mínimo espaço possível no bote salva-vidas, então fechei os olhos e esperei por aquilo passar, se era para nós morrermos ou sermos salvos.”

nao-tenha-MEDO

As chances são de que você nunca vá se encontrar em uma situação de desastre ou catástrofe. Mas é uma boa ideia imaginar que você pode ter que enfrentar emergências: estar ciente de que existem ameaças lá fora, e que você pode se preparar para elas, sem resvalar para a paranoia.

“Tudo o que você tem a fazer é perguntar a si mesmo algo muito simples”, diz Leach. “Se algo acontecer, qual deveria ser a minha primeira resposta? Uma vez que você puder responder a essa questão, todo o resto vai estar no lugar. É simples assim”.


“O NÉSCIO pode associar-se a um sábio toda a sua vida, mas percebe tão pouco da verdade como a colher do gosto da sopa. O homem inteligente pode associar-se a um sábio por um minuto, e perceber tanto da verdade quanto o paladar sabe do sabor da sopa”.   —  Textos Budistas


Publicado janeiro de 2015.

Mais informações em

  1. http://thoth3126.com.br/vulcao-cumbre-vieja-mega-tsunami-pode-atingir-o-brasil/
  2. http://thoth3126.com.br/profecias-de-joao-um-cavaleiro-templario/
  3. http://thoth3126.com.br/pao-e-circo/
  4. http://thoth3126.com.br/emmanuel-a-separacao-comecou/
  5. http://thoth3126.com.br/illuminati-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite-explosivo/
  6. http://thoth3126.com.br/costa-oeste-dos-eua-e-futuro-grande-terremoto/
  7. http://thoth3126.com.br/supervulcao-de-yellowstone-e-25-vezes-maior-do-que-se-pensava/
  8. http://thoth3126.com.br/o-futuro-dos-eua-por-ned-dougherty/
  9. http://thoth3126.com.br/a-visao-das-provacoes-dos-estados-unidos-por-george-washington/
  10. http://thoth3126.com.br/naves-gigantes-se-aproximam-da-terra/
  11. http://thoth3126.com.br/novo-telescopio-no-polo-sul-spt-south-pole-telescope/
  12. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

8 Responses to Como AGIR no caso de uma catástrofe

  1. Paulo

    Thoth ! ÓTIMA MATÉRIA ! PARABÉNS !

  2. Sylvia

    Muito interessante e útil. Obrigada!

    • Sylvia

      E logo antes do ‘desembarque’ das Almas da 3D um sistema de desencaixe é ativado…evitando mais traumas na transição…e a vida continua…

  3. Vilson

    Excelente! O medo é uma reação de alerta e ajuda na sobrevivência. Mas, como foi aqui publicado, pode se tornar uma ação paralisante.Vale acrescentar que espíritos inferiores se alimentam do medo. A solução é, realmente, o controle.

  4. Ivo

    Excelente texto de utilidade publica!

  5. Regina

    Bem, pelo que estudei a respeito de atitudes em momentos de stress, o QI da pessoa é o que define.
    QI não designa como você é inteligente, mas com pode reagir em momentos urgentes.Ex. Um carro vem rápido com possibilidade de atropelamento, os que tem Qi inferior vão ficar parados sem ação e com medo (é claro) os de QI um pouco melhor, age (como impulsivamente) para usa própria sobrevivência.
    Recurso do subconsciente, tão automático, rápido e certeiro. Por isso mesmo muita gente que se salva, nem lembra como fez…. abraços

  6. Maria Amélia

    Entrego e confio _/\_
    E tudo acontece por uma razão,
    O medo só nos debilita física e emocionalmente.
    Aquilo que vier a acontecer é também uma purificação planetária que vai provocar imenso sofrimento mas virá elevar a vibração do planeta para o despertar da humanidade e só nos resta aceitar as mudanças necessárias e procurar sermos mais conscientes, evoluídos, amorosos, compassivos e solidários com os que sofrem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *