Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Caverna dos Cavaleiros Templários’ escondida sob uma toca de coelho na Inglaterra

Uma simples toca de coelho em uma fazenda no Reino Unido levou à descoberta de um enorme santuário subterrâneo supostamente usado por devotos de uma antiga ordem religiosa medieval. Segundo a lenda local, as Cavernas de Caynton, perto de Shifnal, no condado de Shropshire (oeste da Inglaterra), eram frequentadas pelos seguidores dos Cavaleiros Templários. A Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão (em latim: “Pauperes Commilitones Christi Templique Salomonici”), conhecida como Cavaleiros TempláriosOrdem do Templo (em francês: Ordre du Temple ou Templiers) ou simplesmente como Templários, foi uma ordem militar de Cavalaria.

A ‘Caverna dos Cavaleiros Templários’ escondida sob uma toca de coelho na Inglaterra

Fonte: BBCLondres

A organização existiu durante cerca de dois séculos na Idade Média (1118-1312), tendo sido fundada no rescaldo da Primeira Cruzada de 1096, com o propósito original de proteger os cristãos que voltaram a fazer a  peregrinação a Jerusalém após a conquista da “Terra Santa”.

Seus membros faziam voto de pobreza e castidade para se tornarem monges, usavam mantos brancos com a característica cruz vermelha, e seu símbolo era um cavalo montado por dois cavaleiros. Como era cercada de segredos, entre os quais seus rituais de iniciação, a ordem permanece até hoje alvo de especulações e lendas.

Uma simples toca de coelho em uma fazenda no Reino Unido levou à descoberta de um santuário subterrâneo supostamente usado por devotos de uma ordem religiosa medieval.

O complexo de cavernas encontrado no Reino Unido fica a menos de um metro abaixo do solo, e parece estar estruturalmente intocada.

Ainda não se sabe exatamente qual era seu propósito original, mas o Historic England, órgão cultural ligado ao governo britânico, diz acreditar que elas foram provavelmente construídas no fim do século 18 ou no início do século 19 – centenas de anos depois da Ordem dos Templários ter sido “dissolvida”, o que enfraquece a ideia de que eles as teriam usado em seus rituais.

Segundo o Historic England, as cavernas parecem ser usadas, atualmente, para “rituais de magia negra” por visitantes. O britânico Michael Scott foi fotografar as cavernas depois de ver um vídeo delas na internet.

“Eu custei para encontrá-las; se você não sabe que elas estão ali, facilmente passaria batido. Considerando quando foram construídas, as cavernas estão em excelentes condições; é como se fosse um templo subterrâneo“, explica ele.

Os túneis levam a uma rede de passarelas e arcos esculpidos em arenito, assim como a uma fonte.

Scott disse que o sistema de cavernas era “bastante apertado” e quem tem mais de 1,80 m precisa se curvar para caber no local. Algumas câmaras são tão pequenas que para entrar nelas é necessário ajoelhar-se.

“Tive de agachar e uma vez dentro do local era um silêncio absoluto. Havia algumas aranhas lá, mas só isso. Estava chovendo, então, a entrada estava bastante lamacenta, mas o interior da caverna estava completamente seco”, acrescentou ele.

As cavernas tiveram o acesso bloqueado em 2012 com o objetivo de afastar vândalos e praticantes de “magia negra”.

Quem eram os Cavaleiros Templários?

Os Templários eram uma ordem militar fundada no século 12 para proteger os peregrinos nas perigosas rotas em direção a Jerusalém. Seus membros eram cavaleiros que se vestiam como monges e andavam fortemente armados. Eles tinham certos privilégios legais, e contavam com o apoio da Igreja.

Buracos, tocas de coelhos levaram à descobertas das cavernas

Apesar dos votos individuais de pobreza, a ordem se tornou possuidora de grande riqueza e poder, especialmente durante as Cruzadas, quando receberam doações de dinheiro, terras e até negócios de nobres europeus. Em 1095, o papa Urbano 2º prometeu aos cavaleiros da Europa perdão por seus pecados se eles aderissem à cruzada para reconquistar Jerusalém para os cristãos.

O sucesso dos Templários esteve vinculado ao das Cruzadas. Quando a Terra Santa foi perdida para Saladino, o apoio à Ordem reduziu-se. Rumores acerca da cerimônia de iniciação secreta dos Templários criaram desconfianças, e o rei Filipe IV de França — também conhecido como Filipe, o Belo — profundamente endividado com a Ordem, começou a pressionar o papa Clemente V a tomar medidas contra eles, visando se apossar do imenso tesouro dos Templários. Em 1307, muitos dos membros da Ordem na França foram detidos e queimados publicamente. Em 1312, o papa Clemente dissolveu a Ordem.

O súbito desaparecimento da maior parte da infraestrutura europeia da Ordem deu origem a especulações e lendas que mantêm o nome dos Templários vivo até aos dias de hoje.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *