browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

“A China é o seu maior inimigo”: relatório francês dá uma visão panorâmica da ‘pressão’ comunista por influência global

Posted by on 30/09/2021

Apesar dos grandes esforços do regime comunista chinês para impor seu próprio modelo autoritário de “governo” ao mundo livre, seu maior inimigo é ele mesmo o próprio regime comunista ateu], segundo um grupo de estudos afiliado ao governo francês. As conclusões vieram de um relatório em francês de quase 650 páginas, “Operações de influência chinesa”, do Instituto de Estudos Estratégicos de Escolas Militares (IRSEM), uma agência independente afiliada ao Ministério das Forças Armadas da França.

“A China é o seu maior inimigo”: relatório francês dá uma visão panorâmica da ‘pressão’ comunista por influência global

Fonte: Epoch Times,

Autoria de Eva Fu

Os comunistas em Pequim está se isolando no cenário mundial depois de assumir uma posição agressiva na frente diplomática nos últimos anos, de acordo com o relatório divulgado no início desta semana. Esse comportamento gerou um retrocesso crescente, mesmo com países que tradicionalmente mantêm relações amistosas com o regime comunista de Pequim.

“A China é seu maior inimigo quando se trata de influência no exterior”, diz o relatório.

Os autores descobriram que as relações da China com o Ocidente se deterioraram acentuadamente desde cerca de 2017. Um exemplo notável é a liberal  Suécia, que foi o primeiro país ocidental a estabelecer relações diplomáticas com o regime depois que o Partido Comunista Chinês assumiu o controle da China.

O embaixador da China na Suécia, Gui Congyou, fala à mídia em Estocolmo em 15 de novembro de 2019. (Jonas Ekstromer / TT News Agency / AFP via Getty Images)

Embora Pequim tenha desfrutado de uma opinião pública relativamente favorável na Suécia, o ponto de inflexão começou com a nomeação em 2017 de um novo embaixador chinês no país, Gui Congyou, de acordo com o relatório.

A retórica provocativa e arrogante de Gui – ameaçando as autoridades suecas para não comparecerem a uma cerimônia de premiação para um dissidente chinês detido, criticando a mídia local que noticiava criticamente a China e pressionando um hotel de Estocolmo para cancelar a celebração do Dia Nacional de Taiwan – foi “desastrosa”, disse o relatório

O Ministério das Relações Exteriores da Suécia convocou Gui cerca de 40 vezes desde sua chegada ao pais em 2017. Os parlamentares da Suécia pediram por duas vezes sua expulsão do país. A avaliação pública da China também despencou, com 80% dos suecos agora  tendo uma visão negativa  da China comunista, em comparação com menos da metade da população do país há apenas quatro anos.

Gui está prestes a deixar seu posto e recentemente fez uma visita de despedida ao vice-ministro sueco de Relações Exteriores, mostra uma postagem de 25 de setembro no site da Embaixada da China na Suécia.

Na  Austrália , onde a China responde por quase um terço de suas receitas de exportação, o clima também mudou contra o regime comunista.

As sanções comerciais retaliatórias de Pequim a Canberra por convocar uma investigação independente sobre as origens do vírus em 2020 só encontraram resistência crescente contra a influência chinesa, inclusive na academia. A Austrália aprovou uma lei em dezembro de 2020 para colocar obstáculos extras para as empresas ligadas à China que tentam adquirir ativos australianos.

Manifestantes seguram cartazes e faixas enquanto participam de uma manifestação em Sydney para pedir ao governo australiano que boicote os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em 2022 sobre o recorde de direitos humanos na China, em 23 de junho de 2021. (Saeed Khan / AFP via Getty Images)

Cenas semelhantes ocorreram em outros lugares: a África se opôs à massiva iniciativa Belt and Road [BRI] da China, criticando a iniciativa de construção de infraestrutura por esgotar os recursos naturais, poluir terras e abusar dos trabalhadores.

O Canadá condenou a detenção arbitrária de seus cidadãos por Pequim após a prisão do executivo da Huawei, Meng Wanzhou, um movimento que os críticos descreveram como diplomacia de reféns.

O sufocamento das liberdades de Hong Kong pelo regime irritou o Reino Unido, e os graves abusos aos direitos humanos em Xinjiang fizeram com que a imagem de Pequim caísse ainda mais entre as democracias ocidentais.

De acordo com o relatório, em fevereiro, seis Estados da Europa Central e Oriental na tão adiada cúpula “17 + 1” com a China optaram por enviar um representante de nível inferior, em vez de seu chefe de estado habitual, indicando uma “perda de apetite ”no engajamento com as agendas dos comunistas de Pequim, provavelmente tendo a ver com a imagem manchada e opressora do regime comunista chinês. O bloco sitiado encolheu ainda mais em maio, depois que a Lituânia se  retirou  do agrupamento.

Os autores disseram esperar que o relatório envie um alerta aos “líderes” comunistas de Pequim sobre as consequências de suas ações.

O “comportamento contraproducente” que Pequim adotou nos últimos anos “representa um problema de impopularidade para a China em tais proporções que poderia enfraquecer indiretamente o Partido comunista, inclusive vis-à-vis sua própria população” [algo que REALMENTE preocupa a cúpula comunista], diz o relatório.

Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”.


“O ser humano vivência a si mesmo, seus pensamentos como algo separado do resto do universo numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza (e o universo) em sua beleza. Ninguém conseguirá alcançar completamente esse objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior.” –   Albert Einstein


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to “A China é o seu maior inimigo”: relatório francês dá uma visão panorâmica da ‘pressão’ comunista por influência global

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.