Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Chocante Verdade’ sobre a Pfizer Inc.

Quando Elon Musk assumiu o Twitter, a hashtag #PfizerLiedPeopleDied  [Pfizer mente e Pessoas Morrem] imediatamente se tornou tendência à medida que as pessoas postavam sobre as inúmeras mentiras e a corrupção da gigante farmacêutica Pfizer. A hashtag apareceu anteriormente antes de Musk assumir a propriedade da gigante de mídia social, mas foi rapidamente removida graças à censura em massa, muitas vezes sob a própria direção da Pfizer.

A ‘Chocante Verdade’ sobre a Pfizer Inc.

Fonte: New Dawn Magazine – Por Marie Jones

“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES [VÍRUS] e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  –  Apocalipse 13:16


A Pfizer estava exercendo a sua poderosa influência nas redes sociais, nos meios de comunicação de massa, no mundo acadêmico, nos políticos dos governos e na saúde pública global, apesar de um histórico de fraude, corrupção e mentiras que começou muito antes da sua missão de vacinar [envenenar] todos os homens, mulheres e crianças que fosse possível do planeta com sua terapia genética experimental [e mortal] mRNA.

Agora estavam preparados para fazer exatamente isso, com imunidade legal completa a quaisquer processos judiciais por graves efeitos colaterais e mortes causadas por suas vacinas, ainda hoje experimentais, graças a uma cláusula que os executivos da Pfizer incluíram em contratos com governos antes de libertarem a sua “vacina”.

História de Fraude e Corrupção

As mentiras e os encobrimentos em torno da pandemia da COVID-19 deram vida a uma série de jornalistas cidadãos independentes para combater o poder, a tirania e a corrupção generalizados. Um desses jornalistas causou um impacto significativo por meio do popular blog Substack, Kanekoa News. 

No início de 2023, o Kanekoa News publicou A Pfizer tem uma longa história de fraude, corrupção e utilização de crianças como cobaias humanas. A lista parcial de crimes da Pfizer inclui (o seguinte é citado diretamente do Kanekoa News) :

Em 1992, a Pfizer concordou em pagar entre US$ 165 milhões e US$ 215 milhões para resolver ações judiciais decorrentes da fratura de sua válvula cardíaca Convexo-Côncava Bjork-Shiley, que na época resultou em quase 300 mortes, e em 2012 resultou em 663 mortes.

Em 1994, a Pfizer concordou em pagar US$ 10,75 milhões para resolver as alegações do Departamento de Justiça dos EUA de que a empresa mentiu para obter aprovação federal para uma válvula cardíaca mecânica que se fracturou, matando centenas de pacientes em todo o mundo.

Em 1996, a Pfizer administrou um medicamento experimental durante um ensaio clínico em 200 crianças na Nigéria, mas nunca disse aos pais que os seus filhos eram cobaias de uma experiência. Onze crianças morreram e muitas outras sofreram efeitos colaterais, como danos cerebrais e falência de órgãos. A Pfizer não obteve consentimento nem informou aos pacientes que eles eram sujeitos de um experimento, e não destinatários de um medicamento aprovado.

Em 2002, a Pfizer concordou em pagar US$ 49 milhões para resolver alegações de que a empresa farmacêutica fraudou o governo federal dos EUA e 40 estados ao cobrar demasiado pelo seu tratamento para o colesterol Lipitor. Lipitor teve vendas de US$ 6,45 bilhões em 2001.

Em 2004, a Pfizer concordou em se declarar culpada de dois crimes e pagou US$ 430 milhões em multas para resolver as acusações de que promoveu fraudulentamente o medicamento Neurontin para usos não aprovados. As táticas da Pfizer incluíam colocar funcionários da empresa na plateia de eventos de educação médica e subornar médicos com viagens de luxo.

Em 2008, o New York Times publicou um artigo intitulado “Especialistas concluem estudos manipulados pela Pfizer”

A Pfizer atrasou a publicação de estudos negativos, utilizou dados negativos para os colocar sob uma luz mais positiva e controlou o fluxo de dados de investigação clínica para promover o seu medicamento para a epilepsia NeurontinEm 2004, a empresa pagou US$ 430 milhões de dólares para resolver reclamações criminais e civis federais dos EUA de que uma das suas subsidiárias tinha promovido o medicamento Neurontin para utilizações não aprovadas.

Em 2009, a Pfizer foi multada em US$ 2,3 bilhões de dólares, na altura o maior acordo de fraude no setor da saúde e a maior multa criminal alguma vez imposta nos EUA. A Pfizer se declarou culpada de rotular “erroneamente” o analgésico Bextra com “a intenção de fraudar ou enganar”, promovendo o medicamento para tratar a dor aguda em dosagens que a FDA havia anteriormente considerado perigosamente altas

O governo alegou que a Pfizer pagou propinas a médicos aderentes e promoveu três outros medicamentos ilegalmente: o antipsicótico Geodon, um antibiótico Zyvox e o medicamento antiepiléptico Lyrica.

Em 2009, a Pfizer pagou US$ 750 milhões para resolver 35 mil reclamações de que o seu medicamento, Rezulin, foi responsável por 63 mortes e dezenas de insuficiências hepáticas. A retirada do Rezulin do mercado dos EUA em 21 de março de 2000 ocorreu após negociações entre o fabricante da droga e o FDA.

Em 2010, a Pfizer foi condenada a pagar US$ 142,1 milhões de dólares em indenizações por violar a lei federal anti-extorsão dos EUA através da venda e comercialização fraudulentas de Neurontin para utilizações não aprovadas pela FDA. O júri concluiu que a comercialização do Neurontin pela Pfizer violou tanto a Lei de Organizações Corruptas e Influenciadas por Racketeers quanto a Lei de Concorrência Desleal da Califórnia.

Em 2010, o New York Times publicou um artigo intitulado “Pfizer fornece detalhes sobre pagamentos a médicos”. A Pfizer admitiu que pagou cerca de US$ 20 milhões a 4.500 médicos e outros profissionais médicos para consultar e falar em seu nome nos últimos seis meses de 2009. A Pfizer também pagou US$ 15,3 milhões a 250 centros médicos acadêmicos e outros grupos de pesquisa para ensaios clínicos no mesmo período.

Em 2010, a Blue Cross Blue Shield abriu um processo contra a Pfizer, acusando a gigante farmacêutica de subornar ilegalmente 5.000 médicos com pagamento de férias luxuosas no Caribe, jogos de golfe, massagens e outras atividades recreativas para convencer os médicos a usar o medicamento Bextra para uso off-label.

Em 2010, telegramas vazados entre a Pfizer e autoridades dos EUA na Nigéria mostraram que a Pfizer havia contratado investigadores para descobrir evidências de corrupção contra o procurador-geral nigeriano para chantageá-lo a desistir da ação legal sobre o controverso julgamento de Trovan de 1996, envolvendo crianças com meningite.

Em 2012, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA acusou a Pfizer Inc. de violar a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior quando suas subsidiárias subornaram médicos e outros profissionais de saúde empregados por governos estrangeiros na Bulgária, China, Croácia, República Tcheca, Itália, Cazaquistão, Rússia e Sérvia para “ganhar negócios”.

Em 2012, a Pfizer pagou US$ 1,2 bilhões para resolver reclamações de quase 10 mil mulheres de que o seu medicamento para terapia de substituição hormonal, Prempro, causava câncer da mama. Os acordos Prempro ocorreram após seis anos de provações. Várias demandantes receberam dezenas de milhões de dólares, incluindo indenizações punitivas pelas ações da farmacêutica ao ocultar informações sobre o risco de câncer de mama da droga Prempro.

Em 2013, a Pfizer concordou em pagar US$ 55 milhões para resolver acusações criminais de não alertar pacientes e médicos sobre os riscos de doença renal, lesão renal, insuficiência renal e nefrite intersticial aguda causada pelo seu inibidor da bomba de prótons, Protonix.

Em 2014, a Pfizer pagou US$ 35 milhões de dólares para resolver um processo que acusava a sua subsidiária de promover o medicamento para transplante renal Rapamune para usos não aprovados, incluindo subornar médicos para prescrevê-lo aos pacientes.

Em 2016, a Pfizer foi multada em um valor recorde de £ 84,2 milhões por cobrar caro demais do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido por seu medicamento antiepilepsia, a Fenitoína, em 2.600% (de £ 2,83 para £ 67,50 por cápsula), aumentando o custo para os contribuintes do Reino Unido de £ 2 milhões em 2012 para cerca de £ 50 milhões em 2013.

Agora Passamos para a COVID-19

A corrupção e a fraude continuaram com a campanha contínua da Pfizer para esconder a verdade sobre as suas ineficazes, perigosas e mortais injeções experimentais mRNA COVID-19. Como resultado, o público em geral [ignorante] ainda está no escuro graças à influência sem precedentes da Pfizer sobre as narrativas das pre$$tituta$ da grande mídia e de e$peciali$ta$ da “ciência”.

A Pfizer, que há muito conquistou [$$$$] o CORRUPTO Congresso dos EUA com os seus esforços de lobby e injetou bilhões nos principais meios de comunicação [as pre$$tituta$] para exercer influência, manipulação e controle da narrativa/agenda Covid-19, também fez tudo o que estava ao seu alcance para reprimir e censurar médicos e profissionais médicos que ousassem falar sobre o seu produto experimental, apelidado de “vacinas”, as injeções de mRNA, e fez isso até mesmo contra cientistas ganhadores do prêmio Nobel.

Felizmente, temos as recentes revelações dos arquivos do Twitter que expuseram até que ponto a Big Pharma fez lobby em parceria com a Big Tech, as pre$$tituta$ da grande mídia. Os fabricantes de vacinas contra a COVID-19, incluindo a Pfizer, a BioNTech e a Moderna, pressionaram fortemente o Twitter e outras plataformas de redes sociais para estabelecer “regras de moderação” [censura] que sinalizassem uma suposta “desinformação” relacionada com a COVID-19. Reportando no Twitter Files, o jornalista investigativo Lee Fang, do The Intercept , disse:

“A indústria farmacêutica fez lobby nas redes sociais para moldar o conteúdo em torno da política de vacinas”. Fang citou como exemplo a BIO – Organização de Inovação em Biotecnologia – o grupo de lobby da Pfizer e Moderna, que “financiou totalmente uma campanha especial de “moderação de conteúdo” projetada por um empreiteiro chamado Public Good Projects (PGP), que trabalhou com o Twitter para definir regras de moderação de conteúdo em torno de ‘desinformação’ da COVID.”

O Public Good Projects (PGP) tem ligações diretas com o Centers for Disease Contorl (CDC) dos EUA, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA e fez parceria com a Fundação Rockefeller. A Fundação Rockefeller, por sua vez, fez parceria com muitas organizações sem fins lucrativos para financiar pesquisas de psicologia comportamental destinadas a “incentivar” mais pessoas [zumbis] a tomarem as [pseudo]vacinas mRNA contra a COVID.

Fang observou que os esforços de lobby por parte dos fabricantes de vacinas mRNA contra a COVID-19 contra a produção de equivalentes genéricos de baixo custo [Ivermectina e Hidroxicloroquina] proporcionaram a essas empresas receitas enormes, uma vez que “viram a crise como uma oportunidade de lucro exorbitantes e sem precedentes” em cima do pânico Covid-19 e suas incontáveis “variantes” induzido pela propaganda das pre$$tituta$.

Os arquivos do Twitter também expõem as ações do membro do conselho da Pfizer, Dr. Scott Gottlieb, ex-comissário da FDA, para suprimir o debate. O jornalista independente Alex Berenson, escrevendo em seu Unreported Truths Substack, revelou que Gottlieb contratou o mesmo lobista do Twitter com quem a Casa Branca de Biden havia trabalhado para encerrar postagens do ex-comissário interino da FDA, Dr. Brett Giroir.

“Agora está claro que a imunidade natural do #COVID19 é superior à imunidade da #vacina, por ALOT. Não há justificativa científica para a prova #vax se uma pessoa já teve infecção anterior”, afirmou o tweet de Giroir. 

Após pressão de Gottlieb ao lobista do Twitter Todd O’Boyle, o tweet de Giroir foi posteriormente rotulado como “enganoso” e a capacidade de curtir ou compartilhar foi desativada, com a mensagem: Saiba por que as autoridades de saúde sugerem a vacina para a maioria das pessoas”.  Por que Gottlieb faria isso? Talvez porque a vacina de mRNA tenha se tornado uma fonte de renda no valor de US$ 81 bilhões e Gottlieb recebeu US$ 365 mil como membro do conselho da Pfizer apenas em um ano.

A FDA está na cama com a Pfizer e a Big Pharma há anos, com nove dos seus últimos 10 comissários da FDA tendo trabalhado para empresas farmacêuticas. É a clássica “porta giratória” de funcionários de alto nível de empregos no setor público que passam para empregos no setor privado em empresas que antes “deveriam fiscalizar” – uma receita para a corrupção generalizada.

O único resistente que não se juntou às fileiras farmacêuticas, David Kessler, explicou ao Quartz : “[O povo americano] acredita que a FDA está tomando as suas decisões no seu interesse e de mais ninguém”. Kessler expressou preocupação com a politização na FDA, que ele vê como uma ameaça à “sua capacidade de basear decisões em análises científicas independentes”.

Portanto, aqueles contratados para proteger o público estão dormindo na mesma cama com a indústria farmacêutica.

Seguro e eficaz

É também chocante saber que o membro de um “comité de monitorização de dados” alegadamente independente, encarregado de garantir a segurança e eficácia do produto [a injeção experimental] Pfizer/BioNTech mRNA COVID-19, já foi consultor e conselheiro remunerado da Pfizer!

Os conflitos de interesse da Dra. Kathryn Edwards foram revelados por Del Bigtree, o fundador da Rede de Ação de Consentimento Informado (ICAN). Numa entrevista com o principal advogado da ICAN, Aaron Siri, foram revelados detalhes nas transcrições do tribunal, mostrando vários casos em que Edwards foi treinada enquanto o seu testemunho estava em andamento para minimizar o seu envolvimento anterior com os grandes fabricantes de vacinas.

Apesar da prova clara do contrário, Edwards, uma Imunologista de renome mundial, nega haver conflito de interesses. O seu caso destaca as muitas associações e afiliações entre investigadores, cientistas médicos e as indústrias que monitorizam e avaliam “independentemente”. Você não pode avaliar a segurança de um produto da Pfizer enquanto é pago pela própria Pfizer.

Siri participou do agora famoso processo para que o FDA divulgasse centenas de milhares de documentos da Pfizer relacionados ao licenciamento do produto mRNA Pfizer-BioNTech COVID-19. A Pfizer pressionou o FDA para adiar a liberação por 75 anos, mas o juiz do processo forçou sua decisão. 

À medida que as milhares de páginas chegaram ao palco público, tornou-se evidente que as vacinas não só eram ineficazes na interrupção da transmissão da COVID, como também apresentavam efeitos colaterais graves e mortais, incluindo miocardite, e estão agora também sendo associadas à infertilidade e abortos espontâneos, etc. enquanto as “autoridade$ e e$pecialista$” continuaram a promover as mortais injeções de mRNA como “seguras e eficazes”, chegando mesmo a promover vários reforços regulares, afinal era preciso continuar faturando.

Já sabemos sobre os milhares de casos emergentes de miocardite pós-vacinação, principalmente em adolescentes ou jovens do sexo masculino, mas agora estão chegando relatórios sobre as injeções da Pfizer afetando negativamente os idosos!

Uma notícia da RT, “CDC deve investigar efeitos colaterais mortais de vacinas”, relatou que a presidente do Comitê da Câmara dos EUA, Cathy McMorris Rodgers, apelou aos Centros de Controle de Doenças para “investigar rapidamente uma ligação potencial entre a vacina COVID-19 da Pfizer e derrames entre pessoas idosas. O CDC reconheceu o risco, mas continua a recomendar que todas as pessoas com mais de seis meses de idade recebam doses de reforço das [pseudo] vacinas mRNA.”

A mídia alternativa tem coberto a explosão de casos de atletas jovens e saudáveis ​​que caem mortos no campo de jogo. As mortes, tanto de celebridades, esportistas, pilotos de avião em pleno voo, bem como de cidadãos, incluindo crianças, são chamadas de “coincidências” ou “síndrome da morte súbita”, mas agora mais médicos e investigadores estão se manifestando contra essa narrativa absurda.

Excesso de mortes

Quando o Dr. Michael Yeadon, antigo vice-presidente da Pfizer, se aposentou e começou a falar sobre a propaganda em torno da COVID-19, incluindo a “mentira” de novas variantes mortais e os perigos potenciais das vacinas, ele foi censurado, banido e ridicularizado.

Em 25 de fevereiro de 2009, durante uma reunião [Council of Eugenics] da OMS, o judeu khazar Henry Kissinger declarou: “Uma vez que o rebanho (os bovinamente zumbis) aceita as vacinas obrigatórias, o jogo termina. Eles aceitarão qualquer coisa – doação forçada de sangue ou órgãos – para um bem maior, NÓS PODEMOS MODIFICAR GENETICAMENTE E ESTERILIZAR CRIANÇAS, para um bem maior – Controle as mentes das ovelhas e você controla o rebanho. Os fabricantes de vacinas devem ganhar bilhões. E muitos de vocês nesta sala são investidores. É uma grande vitória para todos. Nós reduzimos o rebanho e o rebanho nos paga pelos serviços de extermínio“.

Yeadon continuou a falar sobre as campanhas de vacinação em massa, “injetando alguma sequência genética supérflua para a qual não há absolutamente nenhuma necessidade ou justificação”. As suas “teorias da conspiração”, como as chamavam as pre$$tituta$ dos meios de comunicação social, e as suas preocupações de que a vacinação em massa fosse um caminho para o despovoamento estão agora no centro das atenções, depois de novos dados governamentais terem mostrado que as taxas de mortalidade Covid-19 dispararam em 2022.

Uma reportagem no The Exposé de 23 de janeiro de 2023, “Genocídio da vacina: a Pfizer mentiu e 20 milhões de pessoas morreram em apenas um punhado de países, de acordo com relatórios governamentais secretos”, afirmava o seguinte:

“Relatórios secretos dos governos dos EUA, Canadá , Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido [‘Cinco Olhos’] e da maior parte da Europa soaram o alarme ao confirmarem que aproximadamente 20 milhões de mortes foram registradas, resultando em 2 milhões de mortes em excesso desde que a Pfizer mentiu para permitir a distribuição em massa das injeções contra a COVID-19. Infelizmente, outros relatórios publicados discretamente pelo Governo do Reino Unido também confirmam que as taxas de mortalidade são mais baixas entre os não vacinados em todas as faixas etárias. Portanto, isto sugere fortemente que as mentiras da Pfizer causaram a morte de milhões de pessoas e que as injeções de COVID-19 são o maior fator que contribui para os milhões de mortes excessivas observadas nos países ‘Cinco Olhos’ e na maior parte da Europa.”

Só a Austrália sofreu 11.068 mortes em excesso em 2021 e depois 22.730 mortes em excesso apenas na semana 38 de 2022, em forte contraste com 2020, quando apenas 1.306 mortes em excesso foram registadas no auge da pandemia de COVID e antes da implementação das mortais injeções mRNA. “Isso significa que a Austrália sofreu um aumento chocante de 1.640% no excesso de mortes em apenas 39 semanas ao longo de 2022, em comparação com 53 semanas ao longo de 2020.”

Serão as pessoas apenas cobaias nesta busca incessante de lucros para alimentar a insaciável BESTA da Big Pharma?

Novos produtos para novas “mutações”

Como se a situação não pudesse ficar pior para a Pfizer, em Janeiro de 2023, o Project Veritas – um grupo de vigilância dos meios de comunicação social – publicou imagens secretas de um executivo da Pfizer a discutir experiências que a empresa estava realizando sobre a COVID-19 e o efeito da sua vacina na saúde reprodutiva das mulheres.

O vídeo, que se tornou viral nas redes sociais e foi totalmente ignorado pelas pre$$tituta$ da grande mídia, registrou em vídeo o Diretor de Operações Estratégicas Mundiais de P&D e Planejamento Científico de mRNA da Pfizer, Jordan Tristan Walker, alegando que a Pfizer está explorando uma maneira de “mutação” do vírus COVID por meio da “Evolução Direcionada” em laboratório, semelhante ao ganho de função que envolve “uma mutação que confere atividade nova ou aprimorada a uma proteína” e pode tornar o COVID mais potente. Walker, que estava sendo filmado secretamente e pensava que estava em um encontro [ele pensou que o jornalista estivesse interessado nele] em um restaurante, até reconhece que “as pessoas [na Pfizer] não gostariam que esta informação se tornasse pública”.

Capturas de tela da armação do Projeto Veritas que levou um funcionário sênior da Pfizer a fazer confissões prejudiciais.

“Uma das coisas que nós [Pfizer] estamos explorando é: por que não fazemos nós mesmos a mutação [COVID] para que possamos criar – desenvolver preventivamente novas vacinas, certo? Então, temos que fazer isso. Porém, se fizermos isso, há o risco de, como você pode imaginar, ninguém querer que uma empresa farmacêutica transforme vírus em merda”, disse Walker. “Não conte a ninguém. Prometa que não vai contar a ninguém. A maneira como [o experimento] funcionaria seria colocarmos o vírus em macacos, e sucessivamente fazermos com que eles continuassem infectando uns aos outros, e coletarmos amostras em série deles.”

À medida que a data falsa avançava, Walker revelou: “Você tem que ser muito controlado para garantir que esse vírus que você provoca mutação não crie algo que simplesmente se espalhe por toda parte.  Suspeito que foi assim que o vírus começou em Wuhan, para ser honesto. Não faz sentido que esse vírus tenha surgido do nada. É besteira”.

Walker não só admitiu que a Pfizer estava a “brincando” com a ideia de tentar algo semelhante ao ganho de função, o que se supõe ser muito ilegal, mas que o vírus em si covid-19 não era de origem natural.

No vídeo, Walker também lista as razões pelas quais as injeções mRNA [pseudo vacina] COVID da Pfizer pode causar problemas nos ciclos menstruais das mulheres e até insinua que a empresa não conhece os efeitos a longo prazo da vacina.

“Há algo irregular em seus ciclos menstruais. Teremos que investigar isso no futuro, porque isso é um pouco preocupante. Porque, se você pensar sobre a ciência, ela não deveria estar interagindo com o eixo hipotálamo-hipófise-gonadal – os hormônios que regulam seus ciclos menstruais e coisas assim.”

Um segundo vídeo mostrou o fundador do Projeto Veritas, James O’Keefe, e seus jornalistas confrontando Walker, que tentou destruir um iPad contendo as gravações e chamou a polícia. Quando O’Keefe tentou pegar o iPad de volta, Walker o jogou no chão. A equipe do Projeto Veritas saiu do restaurante antes da chegada da polícia.

A Pfizer rapidamente divulgou um comunicado negando que estivessem conduzindo pesquisas de evolução dirigida em vírus covid em relação ao desenvolvimento de vacinas, mas não negou as declarações de Walker nem que Walker trabalhava para eles. Embora os meios de comunicação social tenham ignorado esta história chocante, o Sr. Walker e todas as suas antigas associações laborais com a Pfizer foram prontamente eliminados de todas as listagens de empresas e de toda a Internet – no entanto, o Project Veritas e outros investigadores já tinham obtido provas do seu emprego e histórico de trabalho.

A Pfizer afirma em seu site: “Estamos em uma busca incessante por medicamentos e vacinas que beneficiarão pacientes em todo o mundo”.

No final de janeiro, o CEO da Pfizer, Albert Bourla, anunciou que os lucros de seu produto de vacina mRNA COVID estavam caindo. Numa divulgação de resultados para Wall Street, Bourla declarou:

“Nosso foco está sempre no que vem a seguir. Ao nos aproximarmos de 2023, esperamos mais uma vez estabelecer recordes [de lucros], com potencialmente o maior número de lançamentos de novos produtos e indicações que já tivemos em tão curto período de tempo.”

Apenas nos primeiros três meses de 2021, a Pfizer faturou US$ 3,5 bilhões com seu produto de mRNA. A Pfizer faturou espantosos US$ 36,8 bilhões em 2021. Prevê receitas de US$ 29 bilhões em 2022, apesar de admitir recentemente que a vacina não interrompe a transmissão nem impede as pessoas de adoecerem.

Em seu blog Substack, a escritora Karen Hunt diz que o enorme sucesso da Pfizer com o COVID-19 colocou o CEO Albert Bourla sob pressão para “criar o próximo medicamento [veneno] de grande sucesso. E espera-se que todos nós aceitemos.”

“Há uma infinidade de doenças por aí. A questão é quais deles têm maior probabilidade de obter o maior lucro”, observa Hunt. “Nos últimos doze meses, a Pfizer lançou 16 novos produtos. Em seu site, a Pfizer se descreve como um ‘pipeline’ de possíveis avanços em desenvolvimento”.

A Pfizer não irá desaparecer tão cedo e podemos esperar que faça mais propaganda à medida que promove uma série de novas vacinas para todas as doenças possíveis.

Vamos continuar com isso e tomar novas doses de injeções experimentais mRNA? “Alguns de nós recusaremos”, escreve Hunt, “mas quantos de nós podemos dizer que em algum momento de nossas vidas não caímos no feitiço de uma empresa farmacêutica e nas promessas que ela nos fez?”

Já é hora de esse feitiço ser quebrado. Este artigo foi publicado em New Dawn 197 .


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *