Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Contribuição da Rússia na criação do Mundo Multipolar, um sinal para as nações

No dia 12 de junho é comemorado o Dia da Rússia. A data, por si só altamente significativa, também traz à memória a contribuição da Rússia para o processo de consolidação de um mundo multipolar no século XXI. Durante os anos 1990 o mundo vivenciou um período verdadeiramente “unipolar”, no qual a predominância ideológica, econômica e política dos Estados Unidos era praticamente incontestável. 

A Contribuição da Rússia na criação do Mundo Multipolar, um sinal para as nações

Fonte: Sputnik

Desde meados dos anos 2000, contudo, a Rússia tem se oposto firmemente às “abordagens unilaterais” dos americanos para a solução de crises internacionais em diversas partes do globo.

Além disso, Moscou conseguiu angariar o apoio de nações importantes para o estabelecimento de um mundo mais representativo e justo. Nessa lista de nações encontram-se por exemplo: Brasil, Índia, China, Indonésia, Turquia, Irã, México e muitos outros países, os quais enxergam claramente os riscos das ações unilaterais do poder hegemônico estadunidense no sistema geopolítico global.

Não somente isto, todos esses Estados – seguindo o exemplo da Rússia – comprometeram-se a defender uma ordem mundial multipolar e multifacetada, em que possam exercer o direito de escolher sua própria organização política, econômica e social, sem sofrerem qualquer tipo de interferência externa [especialmente na recusa da adoção de ideologias que corrompem a base da sociedade humana: a família].

De certo modo, seria possível dizer que os próprios americanos foram os responsáveis por provocar essa reação à sua posição hegemônica. Durante os anos 1990 e, com ainda mais clareza, no começo dos anos 2000 os Estados Unidos abalaram a confiança nas normas e nas instituições internacionais que eles mesmos ajudaram a criar no período pós-segunda guerra mundial.

Tudo isso por conta das inúmeras intervenções militares (travestidas de intervenção “humanitária”) e de invasões forçadas a diversos Estados, muitas delas sem qualquer respaldo por parte do Conselho de Segurança da ONU.

O desastre humanitário causado à Iugoslávia nos anos 1990, ao Afeganistão e ao Iraque na primeira década dos anos 2000, assim como depois à Líbia e à Síria durante a segunda década desse século, são só alguns exemplos da catastrófica atitude unilateral dos americanos.

Não tardou, portanto, que países como a Rússia rejeitassem a ideia de que o direito à soberania de um Estado poderia ser relativizado, como defendido por Washington e seus satélites [lacaios] ocidentais. Mesmo na Europa (incluindo na própria Alemanha atualmente ocupada), a simpatia pelos Estados Unidos em muitos lugares deu lugar à desconfiança quanto ao belicismo norte-americano no sistema, focado em defender seus interesses geopolíticos às custas – até mesmo – do bem-estar das populações dos países aliados.

Afinal, de que outra forma poderia se explicar a insistência estadunidense pelo prolongamento do conflito na Ucrânia, mesmo aos custos econômicos, humanitários e sociais causados pelo continente? Fato é que: se os europeus perderam sua capacidade de resistir aos desígnios americanos, a Rússia e os países asiáticos tomaram um caminho diferente.

Neste ponto, em especial, é preciso fazer menção ao eminente diplomata russo Yevgeny Primakov  (ministro das Relações Exteriores de 1996 a 1998 e primeiro-ministro da Rússia entre 1998 e 1999), considerado um dos principais advogados do conceito de “multipolaridade” nas relações internacionais.

O ex-primeiro-ministro da Rússia, Yevgeny Primakov (à direita), e o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger, falam enquanto participam do Fórum Econômico anual em São Petersburgo, em 21 de junho de 2012 - Sputnik Brasil, 1920, 13.06.2023
O ex-primeiro-ministro da Rússia, Yevgeny Primakov (à direita), e o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger, falam enquanto participam do Fórum Econômico anual em São Petersburgo, em 21 de junho de 2012 – © AFP 2023 / Kirill Kudryavtsev

Foi a partir de Primakov que a Rússia começou a fortalecer suas alianças com a China e a Índia, pretendendo acelerar o processo de consolidação de um mundo multipolar que refletisse a pluralidade civilizacional, cultural e de sistemas de valores.

Levando essa ideia a cabo, em 2006 Putin promoveu a criação do grupo RIC (Rússia, Índia e China) no intuito de coordenar posições comuns a respeito de temas importantes da política regional e global, grupo esse que serviria de prelúdio e embrião para a formação do BRICS três anos depois.

A Rússia, por sua vez, foi o país onde se deu a primeira cúpula de líderes do agrupamento em 2009, enviando um verdadeiro sinal para as nações de que o mundo estava prestes a passar por significativas transformações. Desde então, a consolidação do BRICS e a tentativa de retomada da unipolaridade por parte dos americanos (contando com a ajuda dos satélites [lacaios] europeus) foram fenômenos que correram em paralelo.

Hoje, vemos que cada vez mais países demonstram interesse em se unir ao BRICS, dando maior impulso a essa transformação sistêmica em direção a um mundo multipolar. Na Eurásia, por sua vez, os Estados Unidos têm abertamente se empenhado em impedir a consolidação do continente como um centro de poder influente no mundo multipolar fora da influência dos EUA.

Para isso, Washington promoveu a expansão da OTAN para o leste no contexto pós-Guerra Fria e a exportação de instabilidade política para as fronteiras da Rússia (por meio das “revoluções coloridas”) e também para as regiões de interesse imediato da China.

Contudo, a aproximação entre Moscou e Pequim durante os anos 2000 foi suficiente para estabelecer uma verdadeira reestruturação estratégica no continente eurasiático, através de projetos econômicos e políticos ambiciosos como a Nova Rota da Seda [BRI] e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO na sigla em inglês), capazes de limitar a [nefasta] influência hegemônica estadunidense na região.

Com isto, Rússia e China assumiram o compromisso de promover a Eurásia como um componente essencial de uma ordem mundial multipolar e como uma alternativa aos ditames unilaterais do Ocidente dentro do sistema global. Dado todo esse contexto, pode-se dizer que o Dia da Rússia representa mais do que uma celebração em âmbito nacional no seu sentido mais restrito.

Trata-se, na verdade, de uma data simbólica em homenagem também a todas as nações que optaram por defender os seus valores, a sua cultura, a sua história e a sua autonomia política. Isso porque enquanto a Rússia existir coesa nenhum projeto de dominação global se sairá vitorioso.

Enquanto a Rússia existir, as nações saberão que é possível superar as pressões externas do poder hegemônico a fim de manter sua independência. Afinal, o que está em jogo aqui é muito mais valioso do que os ganhos da acomodação. Trata-se de defender o direito soberano que cada Estado tem de decidir o seu próprio caminho e destino.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *