browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Crônica de Akakor – O Livro da Formiga (4)

Posted by on 25/02/2019

O mistério de uma antiga civilização subterrânea perdida da Amazônia que não existe “oficialmente” … que muitos exploradores MORRERAM tentando encontrar. Se a história da busca pela cidade perdida de Akakor e sua tribo Ugha Mongulala soa como o roteiro de ficção de um filme de Indiana Jones, é justamente porque ela foi usada como base para o quarto e último filme da série, “Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull” (O Reino da Caveira de Cristal). É uma história  envolta em muitos mistérios. Ela é contada em um polêmico livro, “A Crônica de Akakor”, que passamos a publicar em capítulos …

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A CRÔNICA DE AKAKOR – O Livro da Formiga (4)

Livro: “A CRÔNICA de AKAKOR” (Die Chronik von Akakor – 1978), por Karl Brugger, prefácio de Erich Von Daniken, tradução de Bertha Mendes.

Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/arqueologia/akakor


Capítulos anteriores:


O LIVRO DA FORMIGA

Esta é a formiga. Infatigável no seu trabalho, Não conhece desfalecimento. Constrói grandes colinas. Estabelece poderosas comunidades. O seu número é incontável. Destrói tudo. Arranca carne dos ossos do jaguar abatido.

I – OS BÁRBAROS BRANCOS NO IMPÉRIO DOS INCAS 1.492 – 1.534

A transição da Idade Média para a Era Moderna foi caracterizada pelas descobertas das Américas pelos Portugueses e Espanhóis. Levaram as nações do Ocidente da Europa através do oceano. Ousados navegadores já haviam descoberto as ilhas do Atlântico na primeira metade do século quinze, e em 1.492 Cristóvão Colombo descobriu a América. Fez quatro viagens ao Novo Mundo e fundou a primeira colônia espanhola no Haiti.

Em 1.500, o navegador português Cabral descobriu o Brasil. Em 1.519, Cortez partiu para a conquista do México. O rei asteca Montezuma II capitulou ao fim de três anos de luta e foi assassinado pelos espanhóis. Zelosos missionários cristãos destruíram a velha civilização mexicana. Em 1.531. Pizarro começou a conquista do Peru. O poderoso império dos Incas, que enfraquecera devido a uma guerra civil, foi derrotado depois de três anos de luta contra as tropas espanholas, muito mais bem armadas.

O seu rei do Sol, Ataualpa, que fora traído e capturado, é estrangulado em 1.533. Apenas alguns restos desta civilização altamente desenvolvida, tal como arquitetura, escrita de nós em cordas e objetos de ouro, sobreviveram a esta destruição. A população inca, que os escritores contemporâneos calculam ter atingido dez milhões, foi reduzida para três milhões dentro de poucos anos. O valor dos lingotes de ouro do Peru transportados pelos espanhóis totalizou cerca de cinco bilhões de dólares em moeda atual.

A CHEGADA DOS BÁRBAROS BRANCOS

Tudo está incluído na Crônica de Akakor, narrado com boas palavras e numa escrita clara. Mas eu estou a contá-lo quando o tempo já está no fim. Estou a expor o Livro da Sabedoria e a vida do meu povo de acordo com o legado dos Deuses, para fazer um relato sobre o passado e o futuro. Porque os Ugha Mongulala estão condenados à perdição. Cada vez morrem mais árvores com a raiz apodrecida. Os guerreiros mortos pelas setas invisíveis dos Bárbaros Brancos são cada vez mais numerosos. Um interminável rio de sangue passa através das florestas para o Grande Rio e até as próprias ruínas de Akakor. Desde que os Bárbaros Brancos avançaram no país a depressão dominou o meu povo, tal como está escrito na crônica:

Estranhas notícias chegaram ao Alto Comando acerca de estrangeiros de barbas e de poderosos navios que deslizam silencioso sobre as águas, com mastros que chegam ao céu. Chegaram novas sobre estrangeiros brancos, fortes e poderosos como deuses. Eram como os nossos Antigos Pais. E o Alto conselho ordenou que se acendessem fogueiras de alegria, pensando nos Primitivos Mestres. E ofereceram sacrifícios aos “deuses”, que por fim, haviam voltado. E as alegres notícias eram propagadas de homem para homem. As novidades espalharam-se de tribo em tribo; os tambores soavam dia e noite. e toda a nação chorava de alegria. Porque se cumprira a profecia. Os “deuses” estavam voltando.

No inicio do ano 12.013 (1.532 d. C.) tais pensamentos ainda eram considerados sacrílegos. Parecia que a profecia dos Antigos Pais se podia cumprir. Seis mil anos depois da sua última visita à terra, voltavam tal como haviam prometido. Por isso, a alegria do Povo Escolhido era grande. Surgia uma nova era, o regresso aos dias em que os Ugha Mongulala governavam o mundo, a norte, sul, oeste e leste. Quem não partilhavam do júbilo geral eram os sacerdotes. Duvidavam da notícia do regresso dos deuses, embora a data correspondesse ao que haviam predito. Há doze mil anos os Antigos Pais haviam abandonado a Terra. Seis mil anos tinham passado desde a morte de Lhasa.

Mas os sacerdotes, que tudo sabem, que vêem o futuro e para quem nada é oculto, observavam no céu sinais ominosos. Dentro em pouco verificou-se que era um erro cruel a notícia do regresso dos nossos Primitivos Mestres. Os estrangeiros não vinham com boas intenções, para assumir o poder com generosidade e sabedoria. Em vez de felicidade e paz interior, trouxeram lágrimas, carnificina e violência. Numa fúria de ódio e ambição, os estrangeiros destruíram o império da nação nossa irmã, os Incas. Queimaram cidades e aldeias e mataram homens, mulheres e crianças. Os Bárbaros Brancos, como ainda hoje lhes chamamos, desprezaram o legado dos Antigos Pais. Erigiram templos com a cruz e sacrificaram milhões de homens em sua honra. 

Uma grande estrela aproximou-se da Terra e espalhou uma triste luz sobre as planícies e montanhas. O Sol também mudara, tal como está escrito na Crônica: “Desgraça sobre nós. Os sinais indicam desastre. O Sol não é brilhante e amarelo, mas vermelho como sangue espesso”. Assim falaram os sacerdotes. “Os estrangeiros não trazem paz. Não confiam no legado dos Antigos Pais. Os seus pensamentos são feitos de sangue. Espalharam sangue sobre todo o império”. O desastre que os nossos sacerdotes haviam predito incidiu primeiro sobre os Incas. Rompeu uma guerra civil no seu império. Os dois filhos de Huayana Capac lutaram pelo cargo de comando supremo. Na sangrenta batalha nos campos em redor de Cuzco, o primogênito Huascar foi derrotado pelo seu irmão mais novo, Ataualpa.

O vencedor e o seu exército avançaram para a capital e começaram um reino sangrento de terror. Ataualpa teria destruído os partidários do seu infeliz irmão se os estrangeiros não tivessem desembarcado nas costas do oceano ocidental. Esta chegada evitou a sua última vitória. Poderosos navios alcançaram a costa. Vinham silenciosamente, cortando a água. E homens com barbas desembarcaram com armas eficazes e estranhos animais, tão rápidos e fortes como o caçador jaguar. E, num dia, poderosos inimigos ergueram-se contra Ataualpa. Ganhou cruéis inimigos, que eram falsos e cheios de ardis.

A DESTRUIÇÃO DO IMPÉRIO INCA

Pouco depois da sua chegada ao Peru, os Bárbaros Brancos deixaram conhecer as suas intenções. Impressionados com a riqueza de Cuzco, iniciaram uma cruel guerra de conquista. Primeiro atacaram cidades junto à costa. Ocuparam os terrenos adjacentes e subjugaram as Tribos Aliadas dos Incas. Depois, os Bárbaros Brancos juntaram-se para uma campanha nas montanhas dos Andes. No local chamado Catamarca, a dez horas a pé de Cuzco, encontraram o exército de Ataualpa, o príncipe dos filhos do Sol. Os guerreiros contam histórias terríveis. Medonhas eram as suas revelações. Ataualpa teve de pagar caro a sua arrogância. Caiu vítima de uma cilada dos estrangeiros. Foi traído e capturado. E o segundo filho de Huayana Capac foi preso. Os seus guerreiros foram mortos pelos Bárbaros Brancos. A planície tingiu-se de vermelho com o sangue, que chegava aos tornozelos quando os Incas perderam a batalha.

E os guerreiros Barbados avançaram ainda mais. Assassinando e roubando, alcançaram Cuzco. Violaram mulheres. Roubaram o ouro. Até os túmulos foram partidos para serem abertos. A tristeza e o desespero dominaram as montanhas onde outrora Ataualpa, o príncipe dos filhos do Sol, havia sido poderoso. O meu povo soube da verdadeira crueldade dos Bárbaros Brancos por muitos refugiados incas. Os estrangeiros Barbados cometeram piores atrocidades do que as tribos selvagens. Umas simples doze luas tinham passado depois da sua chegada, quando uma profunda escuridão envolveu o império dos filhos do Sol, iluminado só pelas cidades e aldeias em chamas. Pouco depois, os Ugha Mongulala tiveram de reconhecer a terrível verdade: a nação irmã estava condenada a perecer.

Os estrangeiros tinham armas especiais que mandavam trovões em chamas. Tinham estranhos animais com pés de prata, que, guiados pelos homens, espalhavam a morte e a perdição nas fileiras dos filhos do Sol. Os guerreiros de Ataualpa fugiram em pânico. Mas os Incas eram uma nação forte. Apesar da superioridade das armas dos estrangeiros, combateram duramente em defesa do seu país. Depois da terrível derrota de Catamarca, os que restavam do exército juntaram-se nas montanhas que cercam Cuzco e nos limites do país chamado Bolívia. A força principal cortou os caminhos da montanha que levavam à costa. Desta maneira evitaram o avanço dos Bárbaros Brancos durante muito tempo. Só quando os estrangeiros queimaram Ataualpa vivo, em honra do seu deus, e se cumpriu o que os nossos sacerdotes haviam predito, eles cessaram de resistir.

Incas

O império inca desmoronava-se numa terrível tempestade de fogo. Desgraça dos filhos do Sol. Que medonha sorte se abateu sobre eles! Traíram o legado dos Deuses, e agora eles próprios tinham sido traídos. Foram castigados, batidos até sangrarem, pelos Bárbaros Brancos. Porque estes estrangeiros não conheciam piedade. Não poupavam as mulheres, nem sequer as crianças. Comportavam-se como animais selvagens, como formigas, destruindo tudo no seu caminho. A era do sangue começara para os filhos do Sol. Toda uma nação está a expiar os pecados de Viracocha. E os dias maus começaram quando o Sol e a Lua se escureceram com o sangue.

A RETIRADA DOS UGHA MONGULALA

Cinco anos depois da chegada dos Bárbaros Brancos, o império inca assemelhava-se a Akakor depois da sua primeira Grande Catástrofe. A sua capital estava em ruínas. Vilas e aldeias haviam sido queimadas. Os sobreviventes tinham-se retirado para as altas montanhas ou serviam os Bárbaros Brancos como escravos. O sinal-da-cruz que se identifica com o sinal da morte, podia ver-se em toda parte. Até então os Ugha Mongulala tinham testemunhado a tragédia só à distância. Os Bárbaros Brancos estavam inteiramente ocupados com a pilhagem da riqueza dos Incas. Os guerreiros receavam a densidade da selva de cipós na encosta leste dos Andes e só os incas em fuga atravessaram a fronteira fortificada que Lhasa havia construído. No ano 12.034, a guerra também alcançou Akakor.

Os espanhóis, como os Bárbaros Brancos se chamavam, souberam da existência da nossa capital por traição. Como sua ânsia de ouro era infinita, equiparam um exército. Após grandes lutas com a Tribo dos Demônios do Terror, avançaram pela parte oriental dos Andes, na região de Machu Picchu. O Alto Conselho tinha de tomar uma decisão da mais alta importância: ou combater os Bárbaros Brancos ou retirar-se para o interior da região de Akakor. O príncipe Umo e os mais velhos do povo decidiram pela retirada, embora os chefes guerreiros aconselhassem o contrário. Ordenaram que as cidades fronteiriças fossem abandonadas e que todos os sinais da capital fossem destruídos. Só pequenas tropas de defesa eram deixadas atrás, nas regiões abandonadas, para observar os movimentos dos guerreiros inimigos a avisar Akakor de qualquer ataque. Esta foi a decisão de Umo. E assim se fez.

Posteriores acontecimentos provaram a perspicácia do príncipe Umo. A sua decisão salvou os Ugha Mongulala de uma guerra que nunca poderiam ter ganho. Mas também condenou os Incas à extinção. O Alto Conselho recusou o apelo de auxílio feito pelos generais incas e preparou-se para um conflito defensivo. Se na verdade tivesse de haver uma guerra, que se travasse onde as altas barreiras pudessem pôr em perigo os Bárbaros Brancos – nos altos vales dos Andes e entre a selva de cipós do Grande Rio. Os guerreiros obedeceram às instruções do Alto Conselho. Retiraram-se das regiões que ofereciam mais perigo. Com o coração angustiado, de má vontade, abandonaram Machu Picchu, a cidade sagrada de Lhasa.

Longas filas de carregadores transportaram todos os objetos, como jóias, dádivas para sacrifícios e provisões, para Akakor. Depois os guerreiros arrasaram as casas e os muros e destruíram as estradas que lhes ficavam para trás. Os sacerdotes destruíram templos. Os artesãos bloquearam todas as entradas com pesadas pedras. Tão cuidadosamente cumpriram as ordens dos seus maiores que hoje mesmo os Ugha Mongulala só conseguem encontrar Machu Picchu com auxílio de mapas e de desenhos. Só os subterrâneos da Montanha da Lua ficaram incólumes. Porque ninguém que não entenda os sinais do passado é capaz de revelar o segredo do Exaltado Filho dos Deuses, Lhasa. E, assim. O grande-sacerdote vedou a entrada da cidade santa. Ocultava o segredo do Exaltado Filho dos Deuses, o criador e formador, o governador dos quatro ventos, nos quatro cantos do mundo e sobre a face do céu. E com estas palavras vedou o segredo:

“Devem ficar na sombra da vossa sombra quando os olhos dos Deuses se erguem e a Terra ainda está escurecida pela noite. Então a sombra da sua sombra apontará o caminho. Mostrar-lhes-á a direção do coração do Céu ao coração da Terra”.

Durante muito tempo parecia que os Deuses queriam poupar os Ugha Mongulala à mesma sorte da nação Inca, sua irmã, e Akakor foi interdita aos Bárbaros Brancos. Se bem que na sua campanha avançassem na região dos afluentes do rio Vermelho, nunca passaram as florestas nas encostas orientais das montanhas. Os seus guerreiros morriam devido a doenças desconhecidas das Grandes Florestas, caíram feridos pelas setas envenenadas das Tribos Aliadas. Só um simples grupo alcançou os arredores da capital do meu povo. No monte Akai, a três horas de distância a pé de Akakor, foi travada uma memorável batalha, que foi descrita na crônica para conhecimento da posteridade. Foi no monte Akai que os guerreiros encontraram os Bárbaros Brancos, com as suas terríveis armas e os guerreiros de ferros dos Servos Escolhidos. Durante muito tempo a batalha manteve-se indecisa. Os exércitos batiam-se valentemente. Então os Servos Escolhidos atreveram-se a atacar. Avançaram para o centro dos seus inimigos.

Cegaram-nos com tochas. Dificultaram-lhes os movimentos das pernas estendendo cordas. Bateram-lhes com pedras na cabeça até o sangue lhes saltar pelo nariz e pela boca. E os Bárbaros Brancos fugiram em pânico, deixando atrás de si as suas armas, os seus animais e os seus escravos. Só queriam salvar suas vidas, e nem isso conseguiram inteiramente. Dificilmente alguns conseguiram fugir e muitos foram trazidos como cativos para Akakor. Os cativos foram os primeiros Bárbaros Brancos de Akakor. Os Ugha Mongulala olharam-nos com horror e com medo. Só os sacerdotes os consideravam com desprezo. Atiraram a porcaria da terra sobre os falsos crentes como penhor da sua humilhação. Então o Alto Conselho enviou os Bárbaros Brancos como escravos para as minas de ouro e prata. Até ao fim dos seus dias expiaram os seus crimes, tal como está escrito na crônica:

Estas são as notícias. Assim falou o alto-sacerdote aos Bárbaros Brancos:“Quem vos fez nascer para poderdes governar sobre a vida e a morte? Quem sois vós que desprezais o legado dos Deuses? Donde viestes para trazerdes a guerra ao nosso país? Verdadeiramente o que fazeis é mau. Derramastes sangue. Fizestes a caça ao homem. Destruístes as tribos dos filhos do Sol e espalhastes o seu sangue sobre as montanhas”.

Estas foram as palavras do grande-sacerdote. Foram terríveis. Mas o coração dos Bárbaros Brancos manteve-se duro e levou-lhes tempo a encarar a sua sorte. Enfrentavam o cativeiro eterno.

II – A GUERRA NO LESTE 1.534 – 1.691

Seguindo as descobertas dos navegadores espanhóis e portugueses, a civilização começou a expandir-se no Novo Mundo. O poder marítimo da Espanha e de Portugal (a que mais tarde se juntaram a Inglaterra e os Países Baixos) tornou-se rico com a exploração das suas colônias. Enquanto a Espanha saqueava o Peru e o México. Portugal iniciava a conquista da costa leste do Brasil. Em 1.541 – 1.542, Orellana, um companheiro de luta de Pizarro, iniciou a sua histórica viagem através do continente sul-americano. Foi o primeiro a navegar no rio Amazonas, a que deu este nome devido ao encontro que teve com uma tribo de mulheres guerreiras. Depois do seu regresso ao Novo Mundo, em 1.546, morreu de malária na embocadura do Amazonas. Nesta época, os Ingleses e os Holandeses começaram a explorar os afluentes do Amazonas.

A cidade de Belém foi fundada em 1.616 pelo português Caldeira Castelo Branco, em nome de Portugal e Espanha, e a exploração da Amazônia pelos portugueses iniciou-se aqui. A figura principal foi Pedro Teixeira, que repetiu a proeza de Orellana em 1.637, mas em direção oposta. Determinou, em nome de Portugal, a futura fronteira oeste do Brasil, na confluência do rio Aguarico com o rio Napo. Pedro Teixeira, que se gabara de ter morto trinta mil selvagens com as suas próprias mãos, morreu em 1.641. De acordo com o que calcula o padre jesuíta Antonio Vieira, os conquistadores portugueses assassinaram cerca de dois milhões de índios no período de trinta anos.

Viagem de Francisco Orellana pelo rio Amazonas. (CLIQUE PARA AMPLIAR)

A CHEGADA AO LESTE DOS BÁRBAROS BRANCOS

Onde está a Tribo da Glória Crescente? Que foi feito dos Incas, os filhos do Sol? Onde estão a Tribo das Grandes Vozes, a Tribo dos Comedores de Refugo e muitos dos povos primitivos poderosos das Tribos Degeneradas? Digamos que a cobiça e a violência dos Bárbaros Brancos fizeram-nos desaparecer, derreter, como acontece à neve sob o calor do sol. Muito poucos conseguiram fugir para o interior das florestas. Outros esconderam-se no topo das árvores, tal como a Tribo que Vive nas Árvores. Aí não têm quaisquer roupas de proteção nem nada para comer. Ninguém sabe onde estão, e talvez agora já estejam mortos. Outras tribos se renderam aos Bárbaros Brancos, que lhes dirigiram palavras amigas. Mas as boas palavras não são compensação para a miséria de todo um povo. As boas palavras não dão saúde e não evitam que o povo morra. As boas palavras não dão ás tribos um novo país onde possam viver em paz, caçar livremente e tratar dos seus campos.

Tudo isto viu o meu povo com os próprios olhos. Os nossos batedores trouxeram essas notícias depois de se terem aventurado no território dos Bárbaros Brancos. O meu coração sofre quando penso em todas as falsas promessas que fizeram. Mas, na realidade, não podemos esperar que os rios corram da foz para a nascente, como também não esperamos que os Bárbaros Brancos cumpram a sua palavra. Porque são maus e traidores, como está escrito na crônica: “Seiva vermelha escorre das árvores, seiva que é como sangue”. Assim falaram os mensageiros das Tribos Aliadas quando vieram para junto dos Servos Escolhidos. “Porque os Bárbaros Brancos também tinham desembarcado no Leste com os seus navios, cujos mastros tocavam o céu. Vieram com as suas armas, cujo ribombar enviava a morte a distância e cujas setas não se conseguiam ver. Assim ocuparam a terra”.

Isto foi o que os mensageiros contaram. Esperaram com muita impaciência e pediram a decisão do Alto Conselho. Imploraram a proteção dos Deuses:”Não nos abandoneis”, suplicavam eles. “Daí armas aos nossos homens, para que possam expulsar o inimigo do nosso país, de modo que a luz possa voltar ao império dos Servos Escolhidos”. Assim falaram os mensageiros, os guerreiros que sofriam, os desesperados homens das Tribos Aliadas. E esperavam pelo Sol que ilumina a abóbada do Céu e a face da Terra. Assim eles esperaram e trouxeram para Akakor a notícia da chegada ao Leste dos Bárbaros Brancos. 

No início do décimo terceiro milênio, a guerra na fronteira oeste alcançou um temporário período de calmaria. Os espanhóis estavam cansados das batalhas devastadoras. Renunciaram à conquista das encostas orientais dos Andes e desistiram de atacar Akakor. Uma vasta terra-de-ninguém, só guardada pelos nossos batedores, foi colocada entre o império recentemente estabelecido e o reino dos Ugha Mongulala. Já não havia perigo de que a nossa capital pudesse ser descoberta. Contudo, mal os Bárbaros Brancos haviam parado com o seu avanço no oeste da região do país, eles começaram a desembarcar no Leste também e ocuparam a região costeira. Subiram o Grande Rio até alcançarem os acampamentos das Tribos Aliadas. A luta começou outra vez: uma nova guerra entre os Bárbaros Brancos e o Povo Escolhido. Mas os Ugha Mongulala tinham aprendido com a extinção dos Incas. Evitavam encontrar o inimigo em campo aberto. Os seus guerreiros atacavam os Bárbaros Brancos só em emboscadas.

Ao mesmo tempo abandonavam todas as cidades e aldeias nesta região. Os nossos inimigos só encontravam nas suas investidas acampamentos desertos. Sofriam de fome e de sede. Nas florestas impenetráveis mantinham-se em círculo. Muitos deles caíram vítimas da arma mais terrível, o veneno, segredo mantido desde os Primitivos Mestres. Com estas novas táticas o meu povo conseguiu por muito tempo manter os Bárbaros Brancos afastados do centro do Império. Aí então aconteceu um fato inesperado. Muitas tribos aliadas renunciaram à sua vassalagem a Akakor. Traíram o legado dos Deuses e começaram a adorar o sinal-da-cruz trazido pelos bárbaros brancos.

A DESTRUIÇÃO DAS TRIBOS ALIADAS

A Tribo das Caras Torcidas, na região baixa do rio Negro, iniciou a rebelião das Tribos Aliadas nas províncias do Leste do Império. Esta nação fora aliada dos Ugha Mongulala desde os tempos de Lhasa. Depois da chegada dos Bárbaros Brancos, a tribo, que contava oitenta mil cabeças, traiu o legado dos Deuses e declarou guerra a Akakor. Dentro de alguns meses a guerra generalizava-se por todo o Império. Na região afluente do Grande Rio, a Tribo da Glória Crescente revoltou-se. Os seus guerreiros atacaram as cidades do complexo- templo de Salazere, e penetraram profundamente no interior do Império. A Tribo dos Matadores de Antas, que tinha originariamente considerado os Bárbaros Brancos com suspeita, devastou as fortalezas de Mano, Samoa e Kin. Só alguns guerreiros Ugha Mongulala conseguiram fugir à carnificina.

Fugiram para as regiões de florestas inacessíveis, na parte baixa do Grande Rio. Com o decorrer dos séculos os seus descendentes juntaram-se às tribos selvagens. Só conservam a pele branca dos Servos Escolhidos como testemunho da sua origem. Perderam o legado dos Deuses. As mais pesadas perdas deram-se durante os combates nas regiões do Sul do Império. A Tribo dos Vagabundos, que fora aliada de Akakor, abandonou as suas velhas instalações. E assim assassinando, destruindo e roubando tudo, seguiram ao longo da parte baixa do Grande Rio até à costa leste do oceano, tal como está escrito na crônica: Esta é a história da deserção da Tribo dos Vagabundos. Quando ouviram as notícias acerca dos homens com barba, ficaram muito surpreendidos. Porque não ir lá? Porque não ir ver os estrangeiros? E exclamaram: “Com certeza trazem muitas prendas, melhores que a dos Servos Escolhidos”. E partiram. Alcançaram na orla do oceano os navios dos Bárbaros Brancos.

Orellana foi derrotado pela tribo de mulheres guerreiras denominadas como as Amazonas

Os estrangeiros Barbados receberam-nos com simpatia; eram espertos. Deram-lhes bonitas roupas e pérolas brilhantes. Ofereceram-nos como penhor de amizade. E os Vagabundos ansiaram tanto por estas dádivas que esqueceram o legado dos Deuses. Submeteram-se aos Bárbaros Brancos. Assim chegou ao fim a sua aliança com os Servos Escolhidos. Lhasa estabelecera-o: era sagrado. Agora perdera o seu valor e só os restos ficavam. Mas o legado dos Deuses é maior. É mais forte que a traição das Tribos Aliadas. A sua essência não se perdeu, não se pode desperdiçar. A imagem dos Primitivos Mestres não se pode extinguir – nem por milhares de anos, nem nunca. A traição das Tribos Aliadas pôs em perigo a vida dos Ugha Mongulala. Com o fim de perturbar as forças superiores do inimigo, Akakor serviu-se de ardis. Guerreiros escolhidos pintados com as cores das tribos rebeldes atacaram os postos avançados dos Bárbaros Brancos. Mataram os inimigos e deixaram atrás de si sinais dessas tribos. Os Bárbaros Brancos vingaram-se cruelmente do que julgavam ser o ataque dos seus aliados.

Dentro em pouco uma grande e confusa guerra eclodia entre os Bárbaros Brancos e as tribos que haviam desertado de Akakor, os povos selvagens e os Ugha Mongulala. A Tribo dos Vagabundos sofreu pesadas perdas. Quase todo o povo foi massacrado. A Tribo dos Matadores de Antas fugiu para as montanhas ao norte do Grande Rio. A Tribo da Glória Crescente só teve a possibilidade de se submeter a Akakor. Foi terrível a sorte dos rebeldes. O seu rosto, o seu corpo e a sua própria alma ficaram vermelhos de sangue. As suas sombras vagueavam pela terra sem descanso. Sofreram toda espécie de dores. Foram mortos. Nem uma só vida foi poupada. O castigo da sua falsidade foi a morte. Tinham corações falsos, ao mesmo tempo pretos e brancos. E pagaram com a morte a sua traição.

O declínio final do meu povo começou com a deserção das Tribos Aliadas. Como uma horda de formigas, os Bárbaros Brancos avançavam cada vez mais. Se centenas deles eram mortos, surgiam milhares. Construíram cidades e acampamentos e estabeleceram o seu próprio império na parte baixa do Grande Rio. Surgiu uma nova ordem, que excluía os Servos Escolhidos e era contra o legado dos Deuses. Seguiu-se uma época de obscurantismo, na qual só o terrível som das asas dos abutres e o piar dos mochos se podiam ouvir. Mas antes de o obscurantismo alastrar até os limites de Akakor desceram os Akahim na nação irmã dos Ugha Mongulala.

Desde a época do Exaltado Filho dos Deuses, Lhasa, Akakor e Akahim, a cidade irmã nas montanhas de Parima {região ao norte do Brasil, hoje Roraima, com o Monte Roraima em destaque}, tinham sido aliadas. Durante milhares de anos, os Ugha Mongulala e o povo de Akahim haviam trocado presentes. Regularmente havia embaixadas que visitavam os respectivos países. Os seus guerreiros combatiam juntos as tribos inimigas. Só a chegada dos Bárbaros Brancos, no décimo segundo milênio, trouxe certa tensão a estes laços fraternais. Os Akahim receavam as terríveis armas de ferro e pensaram que os Ugha Mongulala os queriam submeter. Praticamente Akahim quebrou todas as relações. Batedores dos dois impérios encontravam-se raramente, para trocar ofertas, fazer sacrifícios e reafirmar amizade e paz. O desembarque dos Bárbaros Brancos na foz do Grande Rio deu uma forma decisiva à sorte de Akahim.

As Tribos Aliadas traíram o seu império a favor dos guerreiros estrangeiros. Equiparam os seus navios e partiram em busca da misteriosa cidade. Os Akahim enfrentavam o mesmo dilema que os Ugha Mongulala oitenta anos antes, quando o império dos Incas fora vencido: a escolha era a guerra contra os Bárbaros Brancos ou recuar para o interior das montanhas de Parima. A fim de evitar uma guerra sangrenta, o Alto Conselho decidiu pela retirada. Porém, quando cento e trinta dos mais velhos deram ordem de paz, aconteceu uma coisa jamais ouvida: as mulheres resistiram a esta decisão. Derrubaram o Alto Conselho e tomaram elas próprias o Poder. Sob a chefia da corajosa Mena, obrigaram os homens a pegar nos arcos e nas setas e a enfrentar os Bárbaros Brancos. “Vamos para a guerra”! Assim falaram as mulheres. “Não somos bastante numerosos para expulsar os estrangeiros de barbas? Não somos bastante fortes para os derrotar?”

E as mulheres de Akahim ergueram-se. Quebraram as suas tigelas e quebraram as suas panelas. Apagaram o fogo das lareiras e foram para a guerra. Queriam mostrar a sua força aos Bárbaros Brancos. Iam esmigalhar-lhes os ossos e transformar em pó a sua carne. A guerra dos Akahim contra os Bárbaros Brancos é um dos mais orgulhosos capítulos da história da humanidade. Aliados aos sobreviventes da Tribo dos Vagabundos, travaram grandes batalhas contra o inimigo. As mulheres guerreiras atacaram com grandes canoas os navios inimigos que estavam ancorados. Atiraram setas de fogo contra as suas velas e incendiaram-nos. Para parar o avanço dos inimigos, obstruíram os rios com pedras gigantescas. Tal como os Ugha Mongulala, destruíram o seu próprio país. Deste modo, os Akahim resistiram ao ataque dos Bárbaros Brancos durante sete anos. Durante todo este tempo mataram milhares de guerreiros Barbados e também foram mortos aos milhares. E então a força de Akahim cedeu.

As suas mulheres tinham provado a sua coragem e trazido o seu povo quase para a perdição. Os lamentos da nação irmã eram tão grandes que choros, tristezas e lamentos também se ouviam em Akakor. A terra estava vermelha, vermelha de verdadeiro sangue. Mas era uma boa morte que a valorosa Akahim encontrara – a melhor. Quebrou a força dos inimigos. Esmagou os seus ossos como faz a mó ao milho para transformar em farinha. Atirou com os seus ossos para a corrente do rio. E a água levou-os por entre montanhas, tanto as menores como as maiores.
As mulheres de Akahim foram chamadas “as Amazonas” na linguagem dos Bárbaros Brancos e mantêm-se valentes guerreiras. Apesar das pesadas perdas, conseguiram ordenar de novo a vida da comunidade no decorrer dos séculos e evitar o avanço dos Bárbaros Brancos no território tribal. Separaram-se das Tribos Aliadas e estabeleceram uma nova ordem na vida da comunidade.

Presentemente só dez mil pessoas restam da primitivamente tão poderosa tribo que vivia nos inacessíveis vales das montanhas de Parima. Passam a maior parte da sua vida nas moradias subterrâneas dos Deuses. Só vêm à superfície para tratar dos seus campos e caçar. A vida dos Akahim diverge completamente da do meu povo. São governados por uma princesa que é descendente da belicosa Mena. É soberana absoluta do seu povo. Escolhe os membros do Alto Conselho, os chefes guerreiros e os oficiais. Todos os altos cargos são reservados às mulheres. Os homens servem como simples soldados ou trabalham nos campos. Mesmo o mais alto sacerdote é uma mulher. Como no meu país, ela preserva o legado dos Deuses. Desde a rebelião das mulheres, Akahim não conhece o casamento. Só durante a gravidez homens e mulheres entram numa união livre.

Depois do nascimento da criança, o homem é mais uma vez rejeitado pela mulher. Desde os doze anos as raparigas têm o privilégio da educação nas escolas das sacerdotisas e são treinadas na arte da guerra e na administração do seu domínio. Desta idade em diante os rapazes são obrigados a trabalhar. Não têm quaisquer direitos e vivem como escravos. São expulsos da união tribal à menor falta e são obrigados a abandonar as moradias subterrâneas. Muitos destes infelizes têm fugido para Akakor. Aqui têm casado com mulheres Ugha Mongulala e fundado uma nova família. Porque as mulheres do meu povo estão contentes com a parte que Deus lhes distribui: serem leais servas dos homens. Tona não estava contente com o marido. Era infeliz.

O seu coração estava angustiado. E ela foi procurar o sacerdote e pedir-lhe conselho. Necessitava de ajuda. Queria separar-se do marido. Mas o grande-sacerdote ordenou que Tona fosse paciente, Tinha de ficar com o marido até ter escrito as suas dez maiores faltas: só então poderia abandonar. E Tona voltou para casa. Queria registrar as dez maiores faltas do marido. Queria tomar nota do que não gostava nele. Mas quando encontrou o seu primeiro erro achou que este, na verdade, não merecia ser registrado. Quando descobriu a segunda falta pareceu-lhe demasiado insignificante. E assim passaram os dias. Uma lua seguiu-se a outra. E os anos passaram. Tona envelheceu. Não escrevera nem uma só nota das faltas do marido. Era feliz e um exemplo para os filhos e para os filhos dos seus filhos.

III – OS IMPÉRIOS DOS BÁRBAROS BRANCOS 1.691 – 1.920

A história da Europa até a Revolução Francesa foi caracterizada pela rivalidade entre a França e a Casa de Habsburgo {povos germânicos} e, além-mar, pela luta do predomínio colonial. 1.776 foi uma data decisiva na história do continente norte-americano, e em 1.783 a Inglaterra reorganizou a independência dos Estados Unidos da América. O extermínio dos índios norte-americanos começou ao mesmo tempo. A história das colônias espanholas na América do Sul acabou em 1.824 com a batalha de Ayacucho, quando Antonio José de Sucre, comandante do Patriota de Simon Bolívar, derrotou decisivamente os mercenários espanhóis. Numerosas repúblicas independentes se desenvolveram então, estando entre elas o Peru, o Equador, a Bolívia e o Chile.

Em 1.822, o Brasil declarou-se independente de Portugal. O mesmo ano viu o início da Cabanagem, o maior movimento revolucionário social na história do Brasil. Os mestiços e os índios chefiados por Angelim foram derrotados pelas forças do Governo central, numa guerra que durou três anos. Dois terços da população amazônica foram destruídos. A valorização da borracha começou por volta de 1.870. Em quarenta anos, cento e cinqüenta colonos do Norte colheram oitocentos milhões de quilos de borracha. Depois de sangrentas lutas de fronteira, a Bolívia em 1.903, cedeu ao Brasil a província fronteiriça do Acre, contra o pagamento de dois milhões de libras esterlinas. Em 1.915 a competição das plantações britânicas na Malásia fez com que os preços da borracha caíssem para metade do seu valor prévio. A exploração econômica da Amazônia foi suspensa temporariamente. 

Continua ….


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

One Response to A Crônica de Akakor – O Livro da Formiga (4)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.