browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Crônica de Akakor – O Livro da Serpente da Água (6)

Posted by on 04/03/2019

O mistério de uma antiga civilização subterrânea perdida da Amazônia que não existe “oficialmente” … que muitos exploradores MORRERAM tentando encontrar. Se a história da busca pela cidade perdida de Akakor e sua tribo Ugha Mongulala soa como o roteiro de ficção de um filme de Indiana Jones, é justamente porque ela foi usada como base para o quarto e último filme da série, “Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull” (O Reino da Caveira de Cristal). É uma história  envolta em muitos mistérios. Ela é contada em um polêmico livro, “A Crônica de Akakor”, que passamos a publicar em capítulos …

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A CRÔNICA DE AKAKOR – O LIVRO DA SERPENTE DA ÁGUA (6)

Livro: “A CRÔNICA de AKAKOR” (Die Chronik von Akakor – 1978), por Karl Brugger, prefácio de Erich Von Daniken, tradução de Bertha Mendes.

Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/arqueologia/akakor


Capítulos anteriores:


O LIVRO DA SERPENTE DA ÁGUA

“Esta é a serpente da água; É poderosa. Em silêncio, ela desliza pelo rio Grande em busca de seu inimigo. Com poder, luta contra as inúmeras mãos de seus caçadores. Rasga seus laços. Porque ela é livre e invencível em seu território”.

I – OS SOLDADOS ALEMÃES – 1932 – 1945

O Tratado de Versalhes trouxe mudanças consideráveis ​​para a Europa. Sob a pressão de condições econômicas adversas, novas ideologias autoritárias cresceram. Em 1933, o Partido Nacional {Nazista} Socialista de Hitler ganhou poder na Alemanha. Sua implacável política de expansão culminou na Segunda Guerra Mundial, cujas ramificações foram compreendidas por outros continentes.

Inicialmente, os países da América Latina adotaram uma atitude de expectativa em relação ao socialismo nacional alemão. Após o início das hostilidades em 1939, Hitler tentou convencer o presidente brasileiro Getúlio Vargas a aliar-se a ele e, em compensação, ofereceu-lhe várias siderúrgicas. No entanto, sob pressão dos Estados Unidos, em 1942 o Brasil declarou guerra à Alemanha. No continente sul-americano, as hostilidades limitaram-se a ações secretas de comandos do exército alemão {em expedições secretas de agentes nazistas à floresta amazônica e planalto central-Mato Grosso}, apoiadas pelas importantes colônias alemãs que já existiam, especialmente na região sul do pais.

Durante esse período, o destino dos índios não mudou de maneira substancial. Pela segunda vez, um exército de cortadores de borracha avançou pela região amazônica para fornecer a valiosa matéria-prima aos aliados. A população nativa recuou ainda mais para as regiões inacessíveis das florestas virgens.

O ataque à cidade de Santa Maria

A Crônica de Akakor registra tudo o que aconteceu com os povos nativos dos Ugha Mongulala, incluindo a aliança com os soldados alemães que vieram para cá para ficar conosco para sempre. Tudo isso está escrito na crônica:

Numerosos eram os Bárbaros Brancos. Alguns deles foram estabelecidos em comunidades. Chegaram outros que percorreram as estradas. Eles gritaram como o grande pássaro das florestas e rugiram como o jaguar. Eles queriam que os Servos Escolhidos se assustassem. Eles queriam espantar os guerreiros e exterminar as últimas tribos escolhidas. E foi assim que o conselho supremo falou:

“Temos que lutar contra os estrangeiros. Nós temos que matar os Bárbaros Brancos. Eles matam nossas mulheres, roubam nossas terras e adoram falsos deuses. Vamos furar suas orelhas e cotovelos e privá-los de sua masculinidade. Nós os mataremos, um por um, e se os encontrarmos sozinhos, nós os emboscaremos. Nós espalharemos seu sangue pelas estradas e colocaremos suas cabeças na margem do rio sobre a qual tantos dos nossos guerreiros caíram “.

A guerra de conquista dos Bárbaros Brancos terminou com a retirada dos cortadores de borracha. Apenas pequenos grupos de aventureiros e buscadores se atreveram a penetrar além da fronteira localizada na Grande Catarata. Eles avançaram para as regiões interiores de Akakor e se envolveram em uma luta feroz com nossos batedores, e foram combatidos com crueldade terrível de ambos os lados. Os Bárbaros Brancos atacaram as aldeias das Tribos Aliadas e mataram homens, mulheres e crianças. O povo Ugha Mongulala capturou-os nas posições mais avançadas, eles rasparam seus pés e jogaram-nos para dentro do rio, onde o seu sangue atraíam peixes carnívoros que os devoravam vivos. Outros foram amarrados e entregues aos animais selvagens da imensidão das lianas.

Batalhas formais eram raras; no entanto, houve uma no ano 12.417 (1936). Uma expedição liderada por padres brancos entrou no território da Tribo Aliada dos Corações Negros . Eles atearam fogo em suas cabanas e abriram os túmulos em busca de ouro. Isto constituiu uma violação das leis divinas que exigiam uma expiação. O príncipe Sinkaia , o mesmo que dera a ordem do ataque de Lima, encarregou-se dos Ugha Mongulala. Com um grupo de guerreiros escolhidos atacou uma cidade dos Bárbaros Brancos chamada Santa Maria e localizada nas altas áreas do Rio Negro.

Ele ordenou que todos os homens fossem mortos e todas as casas incendiadas. Apenas as quatro mulheres da aldeia sobreviveram, que foram feitas prisioneiras. Em uma tentativa de escapar, três deles se afogaram no caminho de volta para Akakor. A quarta mulher chegou à capital do império Ugha Mongulala. Com a sua chegada no ano de 12.417, um novo capítulo da história da minha cidade começa.

Pela primeira vez, um Bárbaro Branco não trouxe dano ou tristeza para os Ugha Mongulala . E também para a primeira vez, um príncipe das Tribos Escolhidas aliou-se com o sangue de um povo estrangeiro, contra a vontade do conselho supremo, mas com a aprovação dos padres.

Reinha, foi assim que a mulher branca em cativeiro era chamada, veio de um país distante chamado Alemanha. Os padres brancos enviaram-na ao Brasil para converter as Tribos Degeneradas ao sinal da cruz. Seu trabalho a familiarizou com a vida dos antigos povos do Grande Rio. Ela havia contemplado suas misérias e conhecido sua luta desesperada pela sobrevivência.

Depois de ser feita prisioneira, Reinha rapidamente ganhou a confiança do meu povo. Ela ajudou os enfermos e enfaixou as feridas dos guerreiros, usou e intercambiou os seus conhecimentos com os dos sacerdotes e falou sobre a herança de seu povo. O príncipe Sinkaia, que a observara de perto, estava profundamente atraído por Reinha. Quando ela retribuiu com os mesmos sentimentos e estava disposta a desistir do sinal da cruz, ele a elevou ao nível de princesa dos Ugha Mongulala.

Vamos agora falar sobre todos os nomes e títulos. Vamos registrar os nomes de todos aqueles que vieram para Akakor para celebrar a união entre Reinha e o príncipe dos Ugha Mongulala. O príncipe das Tribos Escolhidas era Sinkaia, o primogênito de Urna, o venerável descendente de Lhasa, o Filho Escolhido dos Deuses. Ao lado dele estava sentado o sumo sacerdote, Magus, e o supremo senhor da guerra, Ina. Estes foram os primeiros a prestar homenagem à nova princesa. Eles foram seguidos pelo conselho supremo e os senhores da Casa de Hama, da Casa de Magus e da Casa da Donzela. Os guerreiros também se reuniram. Até as pessoas comuns compareceram à cerimônia. Todos cumprimentaram a nova dama com o devido respeito.

Reinha em Akakor

A união entre Reinha e Sinkaia mudou a vida do meu povo. A nova princesa dos Ugha Mongulala foi a primeira mulher a dividir o governo com o príncipe. Ela participou das reuniões do conselho supremo e propôs importantes decisões. Sob sua recomendação, Sinkaia ordenou direitos iguais para todas as Tribos Aliadas. Até a chegada de Reinha a Akakor, estes estavam sujeitos a pesados ​​tributos e ao imposto de guerra. Agora Sinkaia cancelou uma das leis dos Pais Antigos. Ele concedeu-lhes os mesmos direitos que os desfrutados pelos Ugha Mongulala, como está escrito na crônica:

Assim, a igualdade foi introduzida para todas as tribos. Os arqueiros e os lanceiros, os fundibulários e os exploradores, os anciãos e os senhores da guerra: todos os títulos e todas as funções, estavam agora abertos a todos. Apenas o imposto do príncipe e as hierarquias dos sacerdotes eram reservados ao povo eleito, o legítimo descendente dos antigos mestres.

A partir deste momento, as Tribos Aliadas gozariam de direitos iguais. Para impedi-los de cair em traição, o conselho supremo introduziu a pena de morte. Isso também constituiu uma violação da ordem dos Pais Antigos e, segundo seu legado, os maiores crimes eram punidos com o exílio. Mas a Idade de Ouro era uma coisa do passado e, em vez dos deuses sábios e clarividentes, foram os bárbaros brancos que determinaram o destino do continente, governado por suas próprias leis e sua traição e astúcia trouxe a preocupação de Tribos Aliadas. Quinze das tribos mais confiáveis ​​já haviam sido enganadas por suas promessas hipócritas e convertidas ao sinal da cruz.

O conselho supremo esperava evitar o perigo da traição introduzindo, pelo menos temporariamente, a pena de morte. Quando a estação chuvosa de 12.418 (1937) terminou, um evento que havia sido antecipado por algum tempo ocorreu em Akakor. Reinha gerou um filho para Sinkaia. Eu, Tatunca Nara, sou o primogênito de Sinkaia, o legítimo príncipe dos Ugha Mongulala, como está escrito na crônica:

Esta é a história do nascimento do primogênito de Sinkaia. Como os raios do sol no início da manhã, as notícias se espalharam por todo o país. Grande foi a alegria dos Servos Escolhidos. Entusiasmo encheu seus corações. A tristeza desapareceu imediatamente e seus pensamentos estavam otimistas. Porque Sinkaia era muito apreciado e sua família muito respeitada. A sucessão da dinastia de Lhasa estava assegurada e nunca poderia ser extinta. A raça do príncipe, o supremo servo dos antigos mestres, não se perderia. Foi assim que as pessoas falaram, e foi assim que os guerreiros falaram.

Apenas o sumo sacerdote permaneceu sentado em silêncio. E ele realizou as invocações prescritas. Para interpretar o futuro, ele abriu a árvore. Mas dela derramou uma seiva vermelha que caiu sobre o vaso, adquirindo a forma de um coração. E o suco que fluía era como sangue real. Então o sangue congelou. Uma crosta brilhante cobria a seiva, encerrando um terrível segredo. O último príncipe nasceu, o último da dinastia de Lhasa.

A Aliança com a Alemanha

Quatro anos após seu casamento com Sinkaia, Reinha voltou para sua aldeia. Não como refugiada, mas, pelo contrário, partiu como embaixadora dos Ugha Mongulala. Tomando uma rota secreta, chegou às aldeias dos brancos bárbaros localizados na costa leste do oceano. Um grande navio transportou-a para o seu país. Reinha permaneceu com seu povo por doze luas. Então os exploradores anunciaram sua chegada iminente em Akakor. Mas nesta ocasião, a princesa das Tribos Escolhidas foi acompanhada por três grandes líderes de seu povo. Sinkaia reuniu os anciãos, os senhores da guerra e os sacerdotes para recebê-los.

Guerreiros e as pessoas comuns também se reuniram para assistir aos visitantes estrangeiros. Nos dias que se seguiram, o conselho supremo e os líderes dos alemães realizaram inúmeras conversas, nas quais Reinha estava presente. Eles trocaram seus conhecimentos e discutiram um futuro comum. Então eles chegaram a um acordo. Os Ugha Mongulala e os alemães adotaram um acordo que mais uma vez tomaria um rumo completamente diferente do destino dos Ugha Mongulala.

Antes de explicar os detalhes desse acordo, tenho que descrever mais uma vez a miséria e o desespero em que meu povo estava nesses anos. A guerra continuou pelos quatro cantos do império. Nossos guerreiros caíram em grande número, alcançados pelas terríveis armas dos Bárbaros Brancos. Ambos os nossos inimigos pressionaram em seu avanço que nós não poderíamos sequer enterrar os mortos de acordo com as antigas leis. Seus corpos se decompuseram no chão como folhas murchas.

As queixas e gritos de dor das mulheres encheram Akakor. No Grande Templo do Sol, os sacerdotes imploraram aos Pais Antigos por ajuda. Mas o céu permaneceu vazio. As tribos escolhidas sofreram de fome. Em seu desespero. Cortaram a casca das árvores e comeram os liquens que cresciam nas rochas. Dissensão e brigas surgiram. Era apenas uma questão de tempo até que os Ugha Mongulala tivessem que abandonar sua luta contra os Bárbaros Brancos. Como um jaguar que estava preso, eles lutaram desesperadamente contra a destruição iminente.

Esta foi a situação do meu povo quando o conselho supremo concluiu a aliança com os líderes alemães. Eles prometeram aos Ugha Mongulala as mesmas armas poderosas usadas pelos Bárbaros Brancos. Dois mil soldados seriam enviados a Akakor para ensiná-los a operar o equipamento. Estes também seriam responsáveis ​​pela construção de grandes fortificações e pela conquista de novas terras aráveis. Mas a parte mais importante do acordo referia-se à guerra que havia sido planejada para o ano de 12.425 (1944).

Nossos aliados haviam planejado desembarcar na costa brasileira e ocupar todas as grandes cidades. Os guerreiros dos Ugha Mongulala apoiariam a campanha através de rápidos ataques às aldeias dos brancos bárbaros localizados no interior do país. Depois da esperada vitória. O Brasil seria dividido em dois territórios: os soldados alemães recuperariam as províncias da costa; os Ugha Mongulala ficariam satisfeitos com a região do Grande Rio que lhes fora dada pelos deuses 12.000 anos antes. Este foi o acordo entre o conselho supremo de Akakor e os líderes da Alemanha.

Os líderes alemães eram sábios e seus pensamentos eram racionais. Suas palavras expressaram os sentimentos de seus corações. E então eles disseram:

“Temos que sair. Nós temos que voltar para onde o nosso povo está trazendo as poderosas armas. Mas não nos esqueceremos de você. Nós nos lembraremos de suas palavras. Em breve retornaremos. Vamos voltar para destruir seus inimigos”.

Então eles falaram quando saíram. E então eles voltaram para se reconectar com seu poderoso país (*) .

{(*) Aqui deve ser assumido que o povo de Tatunca Nara não sabia nada sobre Hitler e o Terceiro Reich, e, portanto, muito agradecido aceitou sua ajuda. (N. E.) A aliança com a Alemanha restaurou sua antiga confiança aos Ugha Mongulala.} Em um momento de necessidade urgente, encontraram um novo aliado para restabelecer seu império. Eles se armaram de coragem novamente. As tristezas das mulheres foram esquecidas. O tempo da fome desapareceria; o sol brilharia novamente com todo o seu antigo esplendor. Os sacerdotes escrevem que Sinkaia convocou todo o povo para um grande festival em Akakor, e ordenou que as últimas provisões fossem distribuídas.

Ele ordenou que os escribas lessem em voz alta trechos da Crônica de Akakor sobre o renascimento do império sob Lhas , o filho escolhido dos deuses, com a chegada dos godos e da Idade de Ouro dos deuses. Pela primeira vez em muitos anos, a alegria pôde ser vista novamente nos rostos dos Servos Escolhidos. Homens e mulheres estavam adornados com pedras e fitas coloridas. Eles dançaram exuberantes ao som das flautas de ossos e tambores. Os padres dizem que a festa durou três dias. Então os líderes alemães deixaram Akakor e retornaram ao seu lugar de origem.

Escrita simplificada dos antigos pais após a chegada dos soldados alemães

Os dois mil soldados alemães em Akakor

Os primeiros soldados alemães cruzaram a fronteira para Akakor na estação seca do ano 12.422 (1941). Novos grupos continuaram a chegar durante os anos seguintes, até atingir o número acordado de 2.000. Os últimos alemães a chegarem na capital dos Ugha Mongulala o fizeram no ano 12.426 (1945). Após essa data, toda a comunicação com o governo alemão foi interrompida. 

Escritura dos Pais Antigos – Tradução de Tatunca Nara:

O contato com o povo alemão foi estabelecido através do casamento do Príncipe de Akakor com uma mulher da Alemanha. De 1938 a 1945. Durante esse tempo, 2.000 soldados chegaram à nossa cidade, eles se misturaram conosco e ficaram. Tatunca Nara

Eu aprendi a rota que os soldados alemães seguiram de seu próprio país para Akakor por seus relatórios. O ponto de partida foi uma cidade chamada Marselha. Eles foram informados de que seu destino era a Inglaterra. Uma vez a bordo do navio, ele poderia se mover debaixo d’água como um peixe. Seu verdadeiro destino foi revelado a eles. Depois de viajar por três semanas pelo oceano oriental, chegaram à foz do rio Grande.

Aqui eles foram apanhados por um barco menor, que os transportou para as áreas altas do rio Negro. Na última parte de sua viagem, eles foram acompanhados por exploradores dos Ugha Mongulala. A jornada para a Grande Catarata, localizada na fronteira entre o Brasil e o Peru, foi feita em canoas, e daqui foram necessárias apenas vinte horas para chegar a Akakor. No total, a jornada dos soldados alemães durou cerca de cinco luas. Foi assim que os soldados alemães chegaram a Akakor. E foi assim que eles se estabeleceram. Eles chegaram com o coração aberto. Eles trouxeram presentes e mil e uma armas poderosas para lutar contra os Bárbaros Brancos.

E foi assim que o conselho supremo falou:

“Este é o começo do renascimento do império. Os Servos Escolhidos não precisam mais fugir. Os guerreiros retornam com honra à luta. Vingarão os crimes dos Bárbaros Brancos. Porque estes são servos das corujas e cobiçam a guerra; Eles são mentirosos e blasfemadores. Seus corações são falsos, brancos e negros ao mesmo tempo. Mas o legado dos deuses será cumprido. A morte os espera”.

A chegada dos soldados alemães a Akakor deu origem a um período de intensa atividade. Os novos aliados treinaram 1.000 guerreiros Ugha Mongulala no uso de novas armas, para as quais até hoje não temos nomes. Na linguagem dos nossos aliados, chamam-se espingardas, pistolas automáticas, revólveres, granadas de mão, facas de dois gumes, barcos infláveis, tendas, máscaras de gás, telescópios e outras misteriosas ferramentas de guerra. Guerreiros escolhidos traziam notícias sobre a guerra iminente.

Os caçadores armazenaram grandes suprimentos de carne. As mulheres teciam e faziam botas para os homens. Sob a instrução dos soldados alemães, eles também prepararam grandes bolsas de couro, cheias de um líquido amarronzado facilmente inflamável que vinha de fontes secretas nas montanhas, conhecidas apenas pelos sacerdotes.

Em caso de um ataque surpresa do inimigo, os guerreiros despejariam esse líquido nos rios e o incendiariam. Uma simples tocha seria suficiente para transformar os rios em um gigantesco mar de chamas. Embora estes preparativos para a guerra teve lugar em Akakor, na fronteira oriental do império, nas áreas superiores do rio Vermelho e rio preto, havia um exército de 12.000 guerreiros concentrados sob o comando de soldados alemães. Os homens esperavam o sinal combinado para o ataque. Eles queriam travar uma guerra justa e isso só poderia terminar com a vitória. Agora vamos falar sobre Akakor, os festivais no Grande Templo do Sol e as orações dos sacerdotes. Eles levantaram o rosto para o céu; eles imploraram aos deuses por ajuda. Este foi o grito dos seus corações:

“Oh você: maravilhoso, coração do céu, coração da terra, doador de abundância. Conceda-nos a sua força, dê-nos o seu poder. Permite que nossos guerreiros alcancem a vitória nas estradas e nas trilhas, nas ravinas e nas águas, nas florestas e na imensidão das videiras”.

A guerra nunca aconteceu. Precisamente quando os líderes alemães pensaram que a vitória seria deles, eles foram derrotados. O último grupo de soldados alemães, acompanhados por mulheres e crianças, relatou a derrota absoluta de seu povo. As forças superiores do inimigo destruíram seu país e trouxeram desolação para a Terra. Apenas o vôo apressado permitira que escapassem do cativeiro. Nenhuma ajuda poderia ser esperada da Alemanha neste momento.

A chegada dos últimos soldados alemães causou desapontamento e desespero em minha cidade. Como seu aliado não podia mais desembarcar na costa leste do Brasil, a guerra contra os Bárbaros Brancos tornou-se impossível. A esperança no renascimento do império desapareceu. O conselho supremo ordenou que os guerreiros voltassem para casa. Juntamente com os outros membros da Ugha Mongulala, eles discutiram o destino dos soldados alemães, cuja presença na capital estava relacionada a problemas quase insolúveis.

Estes pertenciam a um povo estrangeiro alheio ao legado dos deuses, viviam de acordo com leis diferentes e não entendiam nossa língua ou nossa escrita. Mas de qualquer maneira meu povo não poderia devolvê-los ao seu país de origem. Os aliados seriam feitos prisioneiros e revelariam o segredo de Akakor. Sem entusiasmo excessivo, o conselho supremo decidiu aderir ao pedido de Reinha. Os servos escolhidos aceitaram os soldados alemães para sempre. Como aconteceu 500 anos antes com os godos, eles se tornaram parte integrante do meu povo, unidos a ele de acordo com o legado dos deuses.

II – A NOVA CIDADE – 1945 – 1968

A Segunda Guerra Mundial produziu milhões de mortes, desaparecidos e feridos. Muitos países do mundo experimentaram sérios desequilíbrios econômicos e financeiros. A desconfiança e o medo resultaram em dois blocos de poder divididos por ideologias mutuamente hostis. Até agora, esse conflito não teve muito impacto no continente sul-americano.

O extermínio dos índios das florestas atingiu um novo pico. Descobriu-se que o Serviço Brasileiro de Proteção aos Índios havia se tornado um mero instrumento dos grupos econômicos de pressão para o extermínio da população nativa. Em um período de apenas vinte anos, oitenta tribos indígenas foram vítimas das intrigas do poder branco e das doenças da civilização. Os sobreviventes recuaram para as regiões inacessíveis das cabeceiras dos rios.

A vida dos soldados alemães em Akakor

Eu sou apenas um homem, mas falo com a voz do meu povo. Meu coração é o dos Ugha Mongulala. Qualquer coisa que sobrecarregue meu coração, eu direi a você. As tribos escolhidas não querem mais a guerra. Mas eles não têm medo de morrer. Eles não estão mais se escondendo atrás das rochas. Eles não temem mais a morte, porque ela faz parte de suas vidas. Os Bárbaros Brancos temem a morte. Somente quando são surpreendidos por um ataque ou enfraquecem suas vidas, eles se lembram de que existem poderes superiores aos deles e aos deuses que estão acima deles.

Durante o dia, a ideia de morte os incomoda, pois os afastaria de suas estranhas alegrias e prazeres. Os Bárbaros Brancos sabem que seu deus não está satisfeito e que devem se prostrar cheios de vergonha. Porque eles são cheios de ódio, ganância e hostilidade. Seus corações são como enormes e afiados ganchos quando, na realidade, deveriam ser uma fonte de luz que derrota a escuridão e ilumina e aquece o mundo. Portanto, devemos lutar, como está escrito na crônica:

Todos haviam se reunido, as tribos dos senadores eleitos e dos povos aliados, todas as grandes e pequenas tribos. Todos estavam reunidos no mesmo lugar, aguardando a decisão do conselho supremo. Eles foram humildes, depois de terem chegado lá com enormes dificuldades. E foi assim que o Sumo Sacerdote falou:

“Que crime cometemos para que os Bárbaros Brancos nos perseguissem como animais e invadissem nosso país como a onça que se esconde? Chegamos a uma situação triste. Oh, que o sol brilhe para que a paz nos traga”.

O Sumo Sacerdote falou com dor e tristeza, com suspiros e lágrimas. Porque o conselho supremo queria ir para a guerra, a última guerra na história do povo eleito.

O sonho do renascimento do império subiu no ar quando no ano 12.426 (1945) as comunicações com a Alemanha foram interrompidas. Mais uma vez, os Ugha Mongulala novamente dependiam exclusivamente de suas próprias forças. Mas pela primeira vez, eles agora tinham armas poderosas e 2.000 soldados alemães experientes dispostos a lutar com eles. No entanto, o conselho supremo estava esperando a chegada de novas e mais numerosas forças à costa leste do Brasil para atacar os Bárbaros Brancos simultaneamente em duas frentes. Após a derrota da Nação Aliada, Akakor teve que abandonar este plano e Sinkaia ordenou que o exército voltasse para a capital.

Naquela época, os 2.000 soldados alemães começaram a se integrar ao povo escolhido. Foi uma tarefa difícil. Esses aliados não conheciam nem o legado dos deuses, nem nossa língua nem nossa escrita. Para facilitar a união, os sacerdotes simplificaram os símbolos escritos dos Pais Antigos. Eles designaram um único sinal para cada letra da escrita dos soldados alemães. Mais tarde, eles usaram esses sinais, que foram entendidos pelas duas nações, para registrar os eventos na Crônica de Akakor .

Os Ugha Mongulala adotaram as palavras dos soldados alemães que descreveram os objetos desconhecidos até então pelo meu povo. Eles também aprenderam as palavras que expressam uma atividade, como correr, fazer ou construir. Muito em breve os soldados alemães e os Ugha Mongulala se comunicavam em uma língua composta de alemão e quíchua.

Com isso, os alemães puderam frequentar as escolas dos sacerdotes e aprender o legado dos deuses. Como eles eram experientes na batalha, o conselho supremo confiou-lhes posições importantes na administração. Dois de seus principais líderes assumiram as posições dos senhores da guerra supremos. Cinco outros foram nomeados membros do conselho de anciãos. Cada um deles teve um voto e poderia participar na tomada de decisões. Apenas as posições de príncipe e sumo sacerdote eram explicitamente reservadas para os Ugha Mongulala.

Foi assim que o sumo sacerdote falou aos aliados: “Não se sintam angustiados porque nunca mais irão ver seus irmãos. Você os perderam para sempre. Por toda a eternidade, os deuses separaram você deles. Mas não desanime; continuem fortes aqui estamos nós, seus novos irmãos. Vamos encarar nosso destino juntos. Juntos, vamos servir os Pais Antigos “.  E os soldados alemães começaram a trabalhar. Para se tornarem dignos aos olhos dos deuses, eles pegaram suas ferramentas e fizeram o mesmo trabalho que o Povo Escolhido.

A presença de soldados alemães mudou a vida dos Ugha Mongulala. Com suas misteriosas ferramentas, construíram robustas casas de madeira, fizeram cadeiras, mesas e camas, e melhoraram a arte de tecer dos godos. Eles ensinaram as mulheres a preparar novos vestidos que cobriam todo o corpo. Eles mostraram aos homens como usar suas armas e como construir abrigos subterrâneos. Para ter comida suficiente em tempos de necessidade, eles removeram os bosques dos vales e plantaram milho e batatas. Eles levantaram grandes rebanhos de ovelhas nas altas montanhas. Desta forma, o fornecimento de carne e lã para vestimenta foi assegurado.

Mas a maior inovação dos aliados foi a produção de uma misteriosa poeira produzida com areia verde e pedra. Até uma pequena quantidade era suficiente para destruir uma casa inteira. Os alemães usavam esse pó preto, assim o chamavam, para suas armas. As flechas invisíveis eram feitas de ferro fundido. Através de uma peneira, despejaram-na numa calha cheia de água fria. Com as balas de imersão foram formadas e estas eram as flechas invisíveis de seus canhões.

Com o passar do tempo, os soldados alemães foram gradualmente integrados na comunidade do meu povo. Eles fundaram suas próprias famílias e, seguindo o exemplo das Tribos Escolhidas, nomearam seus filhos como nomes de animais selvagens, árvores resistentes, rios de fluxo rápido e altas montanhas. Eles satisfizeram seus impostos de guerra. Eles trabalhavam nos campos e viviam de acordo com as leis de Lhasa. Parecia que logo esqueceriam o próprio país. Mas, como acontece com a onça-pintada, que sempre retorna às suas terras de caça, eles não podiam esquecer a memória da Alemanha.

No final de cada lua, eles se reuniram para celebrar uma festa no Monte Akai, cantavam as canções de seu povo e bebiam suco de milho fermentado. Seus líderes jogavam xadrez. (É assim que os soldados alemães chamavam um jogo com figuras de madeira em uma placa pintada de preto e branco.) Então eles voltavam para Akakor e moravam com suas famílias.

Guerras no Peru

No ano 12.444 (1.963), o avanço dos colonos brancos no Ocidente foi retomado. Eles descobriram algumas minas de ouro dos Incas e começaram a saqueá-las. As notícias sobre o ouro atraíram mais e mais grupos de Bárbaros Brancos para a região de Akai. Nossos exploradores foram forçados a fugir. O conselho supremo teve que enfrentar uma decisão difícil: deixar o último território nas encostas orientais dos Andes ou ordenar que os guerreiros entrassem em combate. Por insistência dos soldados alemães, a guerra foi declarada.

Eu mesmo posso descrever em detalhes a luta que se seguiu com os Bárbaros Brancos. Como filho do príncipe Sinkaia, o conselho supremo confiou-me o comando das forças Ugha Mongulala. Um oficial alemão me acompanhou na campanha. Em marchas forçadas, nossos guerreiros penetraram profundamente na província fronteiriça do Peru, expulsaram os Bárbaros Brancos e destruíram as minas de ouro Inca. Nossos inimigos fugiram aterrorizados do território conquistado.

Por 17 meses, de 1935 a 1937, exploradores nazistas sob a orientação de Schulz-Kampfhenkel invadiram florestas ao redor da fronteira do Brasil com a Guiana Francesa. Eles coletaram crânios de animais e jóias indígenas, e eles estudaram a topografia ao longo do rio Jari, um afluente de 491 milhas (790 km) da Amazônia.

Mas o sucesso inicial dos meus guerreiros foi abruptamente interrompido quando o exército branco montou o contra-ataque. Apenas uma retirada rápida nos permitiu salvar-nos da completa extinção. Os Bárbaros Brancos que nos perseguiram atacaram os assentamentos da Tribo Aliada da Grande Voz. Eles mataram as mulheres e crianças e escravizaram os homens capturados. Parecia inevitável que acabariam descobrindo Akakor. Foi por essa razão que o conselho supremo decidiu usar as armas dos soldados alemães.

“The Guyana Project”: A expedição Nazista à Amazônia brasileira em 1935/37

Pela primeira vez, os Bárbaros Brancos encontraram uma guerra equilibrada. Em um contra-ataque rápido, meus guerreiros destruíram os postos de guarda dos soldados brancos e cercaram a maior parte de suas tropas na fortaleza chamada Maldonado . Então o cerco começou. Durante três dias, nossos enormes tambores de guerra causaram grande confusão entre as fileiras do inimigo. Por três dias, eles provocaram terror e medo. No final do quarto dia, eu dei a ordem de ataque. Deixamos nossos lugares escondidos, escalamos as muralhas e avançamos em direção à fortaleza com altos gritos de guerra. A luta amarga concluiu com a derrota total de nossos inimigos. Quando seus reforços chegaram, meus guerreiros já haviam se afastado.

Um cemitério de ex-nazistas empenhados em criar uma “ponte nazista” nas florestas tropicais da Amazônia a partir da expedição nazista “Guyana Project” (Rios Amazonas/Jary), quando por 17 meses, de 1935 a 1937, exploradores nazistas guiados por Schulz-Kampfhenkel, zoólogo de Berlim, documentarista e membro das S.S. de Hitler, percorreram as florestas próximas da fronteira do Brasil com a Guiana Francesa, no rio Jari. A cruz de madeira decorada com a suástica traz a inscrição: ”Joseph Greiner morreu aqui, de febre em 02 de janeiro de 1936, a serviço da pesquisa alemã”…  – Fonte: New York Times

Esta brilhante vitória iniciou uma sangrenta guerrilha nas fronteiras ocidentais do império e ainda está se desenvolvendo até hoje. Embora os Bárbaros Brancos tenham mobilizado um exército poderoso, eles não conseguiram avançar em direção a Akakor. Seus soldados foram repetidamente expulsos ou mortos por nossos guerreiros. Meu povo também sofreu graves perdas nessa luta. Um grande número de homens perdeu a vida. Mais da metade do território fértil das encostas orientais dos Andes foi devastada. Nossas últimas Tribos Aliadas perderam a confiança na força do Povo Escolhido e estão se afastando de nós.

O que vai acontecer? Com fome estão as tribos escolhidas. Eles comeram da grama dos campos. Sua comida era a casca das árvores. Eles não tinham nada. Eles estavam empobrecidos. As peles dos animais, seus únicos vestidos. Mas os Bárbaros Brancos não lhes deram descanso. Eles se moviam sem piedade. Brutalmente os guerreiros foram derrotados. Os brancos queriam extirpar o povo escolhido da face da terra.

Os doze generais dos brancos bárbaros

A fronteira oriental permaneceu calma durante a luta contra os seringueiros e os colonizadores brancos. Desde a retirada dos seringueiros, os brancos bárbaros se limitaram a avanços ocasionais ao longo do Rio Vermelho. Eles não ousaram avançar mais porque suspeitavam da presença de espíritos malignos na imensidão das lianas das encostas dos Andes. Deste modo, os Ugha Mongulala ficaram calmos, imperturbados e protegidos pelas superstições dos Bárbaros Brancos.

Somente no ano 12.449 (1.968) essa paz foi interrompida. Um avião – de acordo com a linguagem dos soldados alemães – caíra no curso superior do rio Vermelho. A Tribo Aliada dos Corações Negros, que vivia nessa região, levou os prisioneiros sobreviventes e informou Akakor. Sinkaia, o príncipe dos Ugha Mongulala, ordenou que eu executasse os Bárbaros Brancos. Mas eu não cumpri a ordem. Para preservar a paz na fronteira oriental, deixei-os livres e os levei para Manaus, sua cidade, localizada no rio Grande. Como não cumpri com a ordem explícita de meu pai, fui culpado da pena de morte. Mas quem teria me castigado? Os Ugha Mongulala estavam cansados ​​da guerra eterna e queriam paz.

Nunca vou esquecer o tempo que passei em Manaus. Lá eu vi pela primeira vez como as cidades dos brancos bárbaros diferem das aldeias dos Ugha Mongulala. As ruas estavam cheias de inúmeras pessoas correndo, se empurrando e apressadas. Eles se jogavam pela cidade andando em estranhos veículos chamados automóveis, como se estivessem sendo perseguidos por espíritos malignos. Esses veículos são terrivelmente barulhentos e produzem odores desagradáveis. As residências dos brancos bárbaros são dez a vinte vezes mais altas do que as casas que meu povo constrói. No entanto, cada família possui apenas uma pequena parte, na qual acumula suas posses e suas riquezas.

Todas essas coisas são objetos que podem ser obtidos em certos lugares e destinados exclusivamente para esse fim. Mas uma pessoa não pode pegar o que ele precisa e tirá-lo. Não. Pois tudo tem que estender um pequeno pedaço de papel que aos olhos dos Bárbaros Brancos tem um grande valor. Eles chamam de dinheiro. Quanto mais dinheiro uma pessoa tem, mais respeitado ele é. O dinheiro a torna poderosa e a eleva acima das outras como se ela fosse um deus. Isso significa que todos tentam enganar e explorar um ao outro para acumular dinheiro. Os corações dos Bárbaros Brancos estão cheios de malícia contínua, até mesmo para seus próprios irmãos.

A cidade dos Bárbaros Brancos é incompreensível para os Ugha Mongulala. É como uma colônia de formigas, ocupada durante o dia e durante a noite. Assim que o sol já correu e desapareceu atrás das colinas do oeste, os Bárbaros Brancos iluminam suas cidades e suas casas com enormes lâmpadas, de modo que são tão brilhantes à noite como durante o dia.

Atraídos pelas luzes brilhantes, eles vão a grandes salas nas quais obtêm a alegria, a satisfação e a exuberância. Outros se sentam em quartos escuros, em frente a uma parede branca e com olhos bem abertos contemplam imagens que se movem, vivas. Outros, por sua vez, ficam em frente a caixas de exibição que se alinham na frente dos edifícios e admiram os objetos colocados diante deles.

Eu não entendo os Bárbaros Brancos. Eles vivem em um mundo de ficção e ilusão. Para prolongar o dia, eles matam a noite com suas lâmpadas, de modo que nenhuma árvore, nenhuma planta, nenhum animal e nenhuma pedra pode ter seu merecido descanso. Eles trabalham incansavelmente como a formiga, e ainda assim suspiram e reclamam como se fossem esmagados pelo peso da carga. Eles podem ter pensamentos felizes, mas não riem; Eles podem ter pensamentos tristes, mas também não choram. São pessoas cujos sentidos vivem em completa inimizade com seus espíritos, e dissociados uns dos outros.

Em Manaus, eu sabia que meus ex-prisioneiros eram oficiais importantes. Como sinal de gratidão pelo resgate, eles me deram um segundo nome. Tatunca Nara, meu primeiro nome, que significa “grande serpente da água.” Eu tenho esse nome desde que derrotei a criatura mais perigosa do Grande Rio. Na linguagem do meu povo. Nara significa “eu não sei”. Esta foi a minha resposta quando os oficiais brancos me perguntaram sobre o nome da minha família. Foi assim que surgiu o nome Tatunca Nara: “grande serpente da água que não conheço”.

Permaneci na cidade dos brancos bárbaros apenas por um curto período de tempo. Apenas uma lua depois da minha chegada, um explorador dos Corações Negros me trouxe notícias de Akakor. Meu pai, o príncipe Sinkaia, havia sido gravemente ferido em uma batalha contra os soldados bárbaros brancos e exigiu meu retorno imediato. Despedi-me dos oficiais brancos e cheguei aos postos avançados da minha cidade no início da estação chuvosa de 12.449. Alguns dias depois, meu pai morreu como resultado de seus ferimentos. Assim os Ugha Mongulala perderam seu líder, como está escrito na crônica:

“Sinkaia, o legítimo sucessor de Lhasa, o Filho Escolhido dos Deuses, havia morrido. E os Escolhidos Guerreiros lamentaram amargamente por ele. Eles entoaram o gemido de luz, porque Sinkaia, o príncipe dos príncipes, os abandonara. Ele não cometeu nenhum crime nem colocou a injustiça no lugar da justiça. Ele havia sido um digno sucessor de Lhasa e reinou como ele quando o vento veio do sul, quando o vento vinha do norte, quando o vento vinha do oeste e quando o vento vinha do leste. E é assim que Sinkaia entrou na segunda vida. Acompanhado pelos gritos de seu povo, ele se elevou no céu do leste”.

O novo príncipe

Três dias depois de sua morte, Sinkaia, o legítimo príncipe dos Servos Escolhidos, foi enterrado no Grande Templo do Sol em Akakor inferior. Os sacerdotes depositaram seu corpo, adornado com ouro e jóias, no nicho esculpido que ele mesmo havia esculpido com suas próprias mãos na pedra. e eles pararam. Então, na presença dos confiantes mais fiéis do príncipe, o sumo sacerdote pronunciou essas palavras:

“Deuses dos céus e da terra que determinam e registram o destino do homem, Deuses da permanência e da eternidade, Príncipes da eternidade, ouçam minha oração: aceitem-no em seu território. Não esqueça seus atos, os atos do grande príncipe Sinkaia. Porque a vida dele volta para você, deuses. Agora obedeça suas ordens. Ele nunca vai te abandonar. Permanecerá com você, no território da eternidade, no território da luz”.

Durante o funeral do príncipe Sinkaia, sinais sinistros apareceram no céu. Os guerreiros dos Ugha Mongulala sofreram derrotas pesadas. A Tribo Aliada dos Comedores de Cobra renunciou a Akakor e tomou o lado dos Bárbaros Brancos. A estação das chuvas chegou com tanta violência que nem o mais velho conheceu algo parecido. Desespero e medo se espalharam entre as Tribos Escolhidas. Sob esses sinais, o Conselho Supremo reuniu-se para eleger o novo príncipe e legítimo governador dos Ugha Mongulala. Seguindo o legado dos deuses, fui convocado perante a câmara do trono das residências subterrâneas e durante três dias e três noites o conselho me questionou sobre a história das Tribos Escolhidas. Em seguida, o Sumo Sacerdote me acompanhou às regiões secretas do baixo Akakor. Meu destino estava agora nas mãos dos deuses.

Entrei no local religioso secreto de madrugada, pouco antes do nascer do Sol. Enrolado no terno dourado de Lhasa , desci uma escada espaçosa. Ele me levou a um quarto e, mesmo agora, não sei dizer se era grande ou pequeno. O teto e as paredes eram de uma cor infinitamente azulada. Eles não tinham nem começo nem fim. Numa laje de pedra esculpida havia pão e fonte de água, sinais de vida e morte. Seguindo as instruções dos sacerdotes, ajoelhei-me, comi o pão e bebi da água. Um silêncio profundo reinou na sala.

De repente, uma voz que parecia vir de todos os lugares me disse para levantar e entrar na sala ao lado, que se parecia com o Grande Templo do Sol. Suas paredes estavam cobertas com muitos e diversos instrumentos. Eles brilhavam e reluziam em todas as cores. Três grandes lajes afundavam no terreno como ferro. Eu observei os estranhos instrumentos maravilhados por algum tempo. Então ouvi a voz misteriosa mais uma vez. Ela me levou para um terceiro quarto, ainda mais profundo e mais interior.

A espaçonave extraterrestre acidentada e recuperada em Roswell, em 1947, tinha inscrições em hieróglifos egipcios, caracteres do alfabeto grego  e outros sinais não identificados  gravados em seu interior. Também havia painéis de controle de voo com relevo para o piloto inserir as duas mãos (com seis dedos) e se conectar com a  espaçonave mentalmente, que não apresentava nenhum sistema de propulsão convencional ou de outro tipo. FONTE

Tão deslumbrados ficaram meus olhos pela luz brilhante que levei muito tempo para reconhecer algo que nunca esquecerei. No centro da sala, cujas paredes irradiavam a luz misteriosa, havia quatro blocos de pedra transparente. Quando, cheio de medo, consegui me aproximar, descobri neles quatro criaturas misteriosas: quatro mortos-vivos, quatro humanos adormecidos, três homens e uma mulher. Eles estavam em um líquido que os cobria no peito. Eles eram como humanos em todos os aspectos, só tinham seis dedos nas mãos e seis dedos nos pés.

Corpos de Extraterrestres recuperados no acidente de ROSWELL apresentavam seis dedos nas mãos e nos pés. FONTE

Eu não consigo lembrar quanto tempo eu fiquei com os deuses adormecidos. Só sei que a mesma voz me mandou voltar ao primeiro quarto. Ela me deu conselhos cheios de sabedoria e revelou-me o futuro das Tribos Escolhidas. Mas a voz me proibiu de falar sobre isso. Depois de meu retorno do estabelecimento religioso secreto treze dias depois, o Sumo Sacerdote me saudou como o novo governante legítimo dos Ugha Mongulala.

As pessoas explodiram de alegria: eu passei no teste dos deuses. No entanto, a alegria dos Servos Escolhidos mal me alcançou. Eu fiquei profundamente impressionado com as criaturas misteriosas. Eles estavam vivos ou mortos? Eram os deuses? Quem os colocou lá? Nem o Sumo Sacerdote sabia a resposta. O recinto religioso interno de Akakor contém o conhecimento e a sabedoria dos Pais Antigos. Nós só recebemos parte do legado. Eles reservaram a verdade final, o verdadeiro segredo de suas vidas.

É assim que os deuses eram. Eles possuíam razão, conhecimento e discernimento. Quando olhavam, viam tudo: todo grão de poeira na terra e no céu, e até as coisas ocultas mais distantes. Eles sabiam o futuro e planejavam de acordo com seu conhecimento. Olhando para a noite e para a escuridão, eles protegiam o destino da Humanidade.

Continua …


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.