Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Fase de Desespero’ Ocidental da Guerra na Ucrânia está começando

A CAPACIDADE da guerra terrestre da Ucrânia terminou e uma nova fase está para começar. Mesmo os defensores obstinados da Ucrânia nos meios de comunicação ocidentais e nos think tanks neocons estão admitindo que uma vitória militar da Ucrânia sobre a Rússia é impossível e que a reconquista do território sob controle russo está muito além de qualquer capacidade de Kiev.

A ‘Fase de Desespero’ Ocidental da Guerra na Ucrânia está começando

Fonte: ndianpunchline.com

Daí a engenhosidade dos ocultos manipuladores do senil presidente e corrupto marionete Joe Biden em explorar o Plano B, aconselhando Kiev a ser realista sobre a perda de território e a procurar direta e pragmaticamente o diálogo com Moscou. Esta foi a mensagem amarga que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, transmitiu recente e pessoalmente a Kiev. 

Mas a reacção cáustica do outro marionete Presidente Zelensky numa entrevista subsequente à revista Economist é reveladora. Ele respondeu que os líderes ocidentais ainda falam bem, prometendo que permanecerão ao lado da Ucrânia “enquanto for necessário” (mantra de Biden), mas ele, Zelensky, detectou uma mudança de humor entre alguns de seus parceiros de infortúnio:

“Eu tenho essa intuição, leio, ouço e vejo nos olhos deles [quando dizem] ‘estaremos sempre com vocês’. Mas vejo que ele ou ela não está aqui, não está mais conosco.” Certamente, Zelensky está a interpretar bem a linguagem corporal, pois na ausência de um sucesso militar esmagador em breve, o apoio ocidental à Ucrânia é limitado no tempo.

Zelensky sabe que será difícil sustentar o apoio ocidental. No entanto, ele espera que, se não os americanos, a União Europeia pelo menos continue a fornecer ajuda, e possa abrir negociações sobre o processo de adesão da Ucrânia à OTAN, possivelmente mesmo na sua cúpula em Dezembro. Mas também apresentou uma ameaça velada de terrorismo à Europa – alertando que não seria uma “boa história” para a Europa se “encurralasse estas pessoas [da Ucrânia]”. Até agora, essas ameaças sinistras foram silenciadas, provenientes de ativistas de baixo escalão da franja fascista dos nazistas seguidores de Bandera.

Mas a Europa também tem os seus limites. Os arsenais ocidentais de armas estão esgotados e a Ucrânia é um poço sem fundo. É importante ressaltar que falta convicção sobre se o fornecimento contínuo de mais armas e munições faria alguma diferença na guerra por procuração que é invencível. Além disso, as economias europeias estão em crise e a recessão na Alemanha pode deslizar para a depressão, com profundas consequências de “desindustrialização”. 

Basta dizer que a visita de Zelensky à Casa Branca nos próximos dias se tornará um momento decisivo. A administração Biden está sombria porque a guerra por procuração está impedindo uma estratégia Indo-Pacífico a todo vapor contra a China. 

No entanto, durante uma aparição no programa This Week da ABC, Blinken declarou explicitamente pela primeira vez que os EUA não se oporiam à Ucrânia usando mísseis de longo alcance fornecidos pelos EUA para atacar nas profundezas do território russo, um movimento que Moscou já chamou de “linha vermelha”. o que tornaria Washington uma parte direta no conflito e podendo receber visita do Sr Sarmat com ogivas nucleares. 

O conhecido historiador militar americano, pensador estratégico e veterano de combate Coronel (aposentado) Douglas MacGregor (que serviu como conselheiro do Pentágono durante a administração Trump), é presciente quando diz que uma nova e perigosa “fase da guerra” está prestes a começar. Isto é, tendo esgotado as forças terrestres ucranianas, o foco mudará agora para armas de ataque de longo alcance, como mísseis Storm Shadow, Taurus, mísseis de longo alcance ATACMS, etc. 

Os EUA estão considerando enviar mísseis ATACMS de longo alcance que a Ucrânia vem pedindo há muito tempo, com capacidade para atacar profundamente dentro do território russo. A parte mais provocativa é que plataformas de reconhecimento da OTAN, tanto tripuladas como não tripuladas, serão utilizadas em tais operações, tornando os EUA e a OTAN participantes DIRETOS do conflito. 

A Rússia tem exercido contenção no ataque à fonte de tais capacidades inimigas, mas por quanto tempo essa contenção continuará é uma incógnita. Em resposta a uma pergunta incisiva sobre como Washington veria os ataques em território russo com armamento e tecnologia americanos, Blinken argumentou que o número crescente de ataques em território russo por drones ucranianos é “sobre como eles [os ucranianos] vão defender seus território e como eles estão trabalhando para recuperar o que lhes foi conquistado. Nosso papel [dos EUA], o papel de dezenas de outros países ao redor do mundo que os apoiam, é ajudá-los a fazer isso.” 

A Rússia não vai aceitar uma escalada tão direta e frontal, especialmente porque estes sistemas de armas avançados usados ​​para atacar a Rússia são, na verdade, tripulados por pessoal da OTAN – empreiteiros, ex-militares treinados ou mesmo oficiais em serviço. O Presidente Putin disse aos meios de comunicação social na sexta-feira que “detectamos mercenários e instrutores estrangeiros tanto no campo de batalha como nas unidades onde o treino é realizado. Acho que ontem ou anteontem alguém foi capturado novamente.” 

O cálculo dos EUA é que, em algum momento, a Rússia será obrigada a negociar e um conflito congelado se seguirá, onde os aliados da OTAN manteriam a opção de continuar com o desenvolvimento militar da Ucrânia e o processo que conduz à sua adesão à aliança atlântica, e permitir que os manipuladores do demente Biden se concentrem em uma nova guerra na frente Indo-Pacífico. 

No entanto, a Rússia não se contentará com um “conflito congelado” que fique muito aquém dos seus objetivos de desmilitarização e desnazificação da Ucrânia, que são os objetivos principais da sua operação militar especial. 

Perante esta nova fase da guerra por procuração, resta saber que forma assumirá a retaliação russa.  Poderia haver múltiplas formas sem que a Rússia atacasse diretamente os territórios de afiliados da OTAN ou utilizasse armas nucleares (a menos que os EUA realizem um ataque nuclear – cujas probabilidades são zero a partir de agora).

Já é possível ver a potencial retomada da cooperação técnico-militar entre a Rússia e a RPDC (potencialmente incluindo a tecnologia ICBM) como uma consequência natural da política agressiva dos EUA em relação à Rússia e do seu apoio à Ucrânia – tanto quanto da atual situação da geopolítica internacional. A questão é que hoje é com a RPDC; amanhã poderá ser com o Irã, Cuba ou Venezuela – o que o coronel MacGregor chama de “escalada horizontal” por parte de Moscou. A situação na Ucrânia está interligada com os problemas da Península Coreana e de Taiwan. 

O ministro da Defesa da Rússia, Sergey Shoigu, disse na televisão estatal na quarta-feira que a Rússia “não tem outras opções” senão alcançar uma vitória na sua operação militar especial e continuará a fazer progressos na sua missão principal de destruir o equipamento e o pessoal do inimigo. Isto sugere que a guerra de desgaste será ainda mais intensificada, enquanto a estratégia global poderá mudar para alcançar a vitória militar total. 

Os militares ucranianos estão desesperados por mão de obra. Só nas 15 semanas de “contra-ofensiva”, mais de 71 mil soldados ucranianos foram mortos. Fala-se de Kiev procurar o repatriamento dos seus cidadãos em idade militar entre os refugiados na Europa. Por outro lado, na expectativa de um conflito prolongado, a mobilização na Rússia continua. 

Putin revelou na sexta-feira que 300 mil pessoas se voluntariaram e assinaram contratos para ingressar nas forças armadas e novas unidades estão a ser formadas, equipadas com tipos avançados de armas e equipamentos, “e algumas delas já estão 85-90 por cento equipadas”. 

Assista à excelente entrevista (abaixo) do Coronel Douglas MacGregor pelo Professor Glenn Diesen na Universidade do Nordeste da Noruega:

A grande probabilidade é que, uma vez que a “contra-ofensiva” ucraniana se esgote dentro de algumas semanas como um enorme fracasso, as forças russas possam lançar uma ofensiva em grande escala. É concebível que as forças russas possam até atravessar o rio Dnieper e assumir o controlo de Odessa e da costa que conduz à fronteira romena, de onde a OTAN tem vindo a montar ataques à Crimeia. Não se engane, para o eixo anglo-americano, cercar a Rússia no Mar Negro sempre permaneceu uma prioridade máxima.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *