Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Grande Reinicialização: ‘Voltando o Relógio’ na Civilização

A pandemia de Covid-19 caracterizou uma fusão inédita dos interesses de grandes e poderosas corporações com o poder do Estado. Políticos democraticamente eleitos em muitos países não conseguiram representar e DEFENDER os interesses de seus próprios cidadãos e defender suas próprias constituições e cartas de direitos. Os globalistas, obcecados pelo controle social, decidiram aproveitar a pandemia para aumentar seu poder autoritário. 

A Grande Reinicialização: ‘Voltando o Relógio’ na Civilização

Fonte: Mises Institute

Especificamente, eles apoiaram medidas de bloqueio, mandatos de vacinas, a supressão de uma variedade de opções de tratamento precoce, a censura de opiniões divergentes, propaganda, interferência nas esferas privadas dos indivíduos e a suspensão de várias formas de liberdade. Todas essas políticas e medidas foram projetadas centralmente pelos engenheiros sociais da pandemia.

Os globalistas, obcecados pelo controle social, decidiram aproveitar a pandemia para aumentar seu poder autoritário. Entre eles, Klaus (Rothschild) Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF). Em junho de 2020 , ele afirmou que “a pandemia representa uma rara, mas estreita janela de oportunidade para refletir, reimaginar e redefinir nosso mundo”Segundo ele , “todos os países, dos Estados Unidos à China, devem participar, e todas as indústrias, de petróleo e gás à tecnologia, devem ser transformadas”.

Não é segredo que o WEF se concentrou em acelerar a implementação do planejamento central para toda a população global desde os primeiros dias da pandemia. Este plano para estabelecer uma nova ordem mundial, conhecido como a Grande Reinicialização , foi um tema-chave na recente reunião anual do WEF, que foi realizada de 22 a 26 de maio em Davos , na Suíça.

Mudanças drásticas na ordem mundial como a Grande Reinicialização não acontecem espontaneamente; em vez disso, eles são projetados por formuladores de políticas globais, incluindo bilionários influentes, políticos, celebridades, acadêmicos e “especialistas” tendenciosos, filantropos ricos e burocratas de organizações e instituições internacionais. Esses tipos de pessoas apoiam a engenharia social, porque isso lhes permitirá adquirir controle sobre a riqueza e os recursos naturais do mundo e fortalecer sua capacidade de moldar a sociedade como acharem melhor.

Como seus antecessores ao longo da história, os engenheiros sociais do WEF acreditam que “não deve haver atividade espontânea e sem orientação, porque pode produzir resultados que não podem ser previstos e para os quais o plano [A SUA AGENDA] não prevê. Pode produzir algo novo, inimaginável na filosofia do planejador.” 1

Com base na agenda do WEF , a conclusão bem-sucedida da atual transformação industrial  exigirá o redesenho e o controle de cada aspecto minúsculo da vida e do comportamento humano, incluindo as esferas privadas dos indivíduos, a economia, a política e as organizações sociais, sem a possibilidade de ações voluntárias e cooperação espontânea entre indivíduos com base em sua vontade, CRIATIVIDADE, valores, pensamentos e crenças. 

Fomos avisados ??há quase dois séculos que, quando esse tipo de poder tirânico for bem-sucedido, estará “ocupado com uma infinidade de pequenas” tarefas penetrando “na vida privada”, governando famílias e ditando as “ações” e “gostos dos indivíduos. ” 2

De fato, alguns dos controles mais ridículos [e idiotas] propostos pelo WEF incluíam limitar a lavagem de jeans a não “mais de uma vez por mês” e “lavar o pijama uma vez por semana”. O WEF também defende a transformação de sistemas alimentares inteiros, incentivando as pessoas a consumir insetos, argumentando que “ a proteína de insetos tem propriedades de alta qualidade e pode ser usada como fonte alternativa de proteína em toda a cadeia alimentar, desde ração para aquicultura até ingredientes para suplementos nutricionais para humanos e animais de estimação.” A reforma do sistema alimentar também envolveria comer “carne cultivada”, referindo -se a “produto de carne criado pelo cultivo de células animais em um ambiente de laboratório controlado”.

O WEF também apóia a eliminação da “propriedade de carro”, pois “pagar por uma carona ou entrega é tão fácil quanto tocar em um aplicativo de smartphone” e “alugar um veículo” significa que “empréstimos de carro e pagamentos de seguros diminuem ou desaparecem”. Em última análise, o Great Reset visa criar um mundo onde “ você não terá nada e será feliz ” até 2030 , pois as pessoas não terão  nenhuma propriedade privada e alugarão tudo o que “precisam na vida”.

No entanto, essa premissa ignora o fato de que a propriedade privada está associada ao avanço das civilizações, estágios superiores de desenvolvimento material e moral e ao desenvolvimento da vida familiar moderna. O cenário do WEF também diminuiria a sensação de segurança, que é fortalecida pela posse de propriedade privada.

Uma vez que a Grande Reinicialização esteja completa, os indivíduos essencialmente terão seu pensamento e tomada de decisão “feitos por homens muito parecidos com eles, dirigindo-se a eles ou falando em seu nome”. 3  Tal “desejo de impor ao povo um credo que é considerado salutar para eles… não é algo novo ou peculiar ao nosso tempo”. 4  

No entanto, como vários regimes totalitários ao longo da história demonstraram, o planejamento central opressivo dos engenheiros sociais faz com que as massas percam seu senso de autonomia, liberdade, dignidade, criatividade e força. Perde-se também o incentivo para melhorar a própria condição e contribuir para o progresso da sociedade. 5

Se a engenharia social do WEF for bem-sucedida, então, em 2030, não será possível confiar em si mesmo, em familiares, parentes, amigos ou na comunidade. Isso porque os partidários de qualquer regime absolutista querem que tradições e costumes sejam corrompidos, “memórias obliteradas, hábitos e LIBERDADE destruídos,… ”. 6

Em outras palavras, eles querem projetar uma ordem social onde a simpatia e a assistência mútua se tornem obsoletas e onde todos os cidadãos do mundo sejam igualmente impotentes, pobres e isolados, de modo que as pessoas sejam incapazes de se opor à força organizada da governança global. e tornam-se dependentes dos governos e seus aliados para sua sobrevivência. Eventualmente, nada mais protegerá os cidadãos, e os cidadãos não mais se protegerão.

Os engenheiros sociais do WEF estão essencialmente defendendo a liberdade natural, que permitiria que os fortes exerçam seu poder enquanto subjugam os fracos. Ao fazê-lo, eles estão basicamente pedindo que o mundo retroceda no desenvolvimento da história humana em direção à reinstituição do feudalismo e da escravidão. 

É importante lembrar que liberdade econômica, liberdade positiva, liberdade política, liberdade de pensamento, liberdade de expressão e liberdade de imprensa não são atributos do homem primitivo ou da servidão; antes, são produtos dos estágios mais avançados da sociedade.

Para ser mais preciso, esses tipos de liberdade são resultados dos esforços de inúmeros pensadores, movimentos sociais, revoluções e guerras ao longo da história humana. No entanto, os engenheiros sociais não estão interessados ??na história e nas lutas de nossa civilização, pois acreditam possuir expertise em todas as áreas, que é a linha de pensamento que está no cerne de todos os regimes ditatoriais. 7  

Eles não pensam que a engenharia social seja alheia à verdadeira natureza dos seres humanos, embora seja baseada na “exatidão mecânica” e não “nasce da livre escolha do homem”. 8 Além disso, os defensores da engenharia social ignoram o fato de que “o progresso da humanidade, nos poderes da mente e do coração, no bem-estar e na técnica, na lei e na moral, necessariamente envolve a participação das classes mais baixas”. 9

Qualquer um que acredite que os engenheiros sociais do WEF têm nobres intenções no coração ao projetar e implementar o Grande Reset deve prestar atenção ao aviso do presidente Franklin D. Roosevelt (1935), que (ironicamente) declarou:

A doutrina de regulamentação e legislação por “mentes superiores” em cujo julgamento e vontade todas as pessoas podem concordar alegre e silenciosamente, tem sido muito evidente em Washington durante estes últimos 10 anos. Se fosse possível encontrar “mentes superiores” tão altruístas, tão dispostas a decidir sem hesitação contra seus próprios interesses pessoais ou preconceitos privados, homens quase divinos em sua capacidade de segurar a balança da justiça com mão equilibrada, tal governo poderia ser para os interesses do país; mas isso não existe em nosso horizonte político, e não podemos esperar uma reversão completa de todos os ensinamentos da história.

Notas de rodapé:

  • 1.FA Hayek,  The Road to Serfdom  (1944; repr., New York: Routledge, 2006), p. 166.
  • 2.Alexis de Tocqueville,  Democracy in America: Historical-Critical Edition de “De la démocratie en Amérique  , ed. Eduardo Nolla e trans. James T. Schleifer, ed. bilingue, 4 vols. (Indianapolis, IN: Liberty Fund, 2010), 1: 223.
  • 3.John Stuart Mill,  On Liberty  (Kitchener, ON: Batoche Books, 2001), p. 261.
  • 4.Hayek,  The Road to Serfdom , p. 168.
  • 5.Hayek, O Caminho da Servidão .
  • 6.Tocqueville,  Democracy in America , 2:156.
  • 7.Hayek, O Caminho da Servidão .
  • 8.Wilhelm von Humboldt,  Os Limites da Ação do Estado . (1792; repr., Cambridge: Cambridge University Press, 1969).
  • 9.Gustav Friedrich Schmoller, “Conflitos de classe em geral”. (American Journal of Sociology, Vol. 20, No. 4, 1915), p. 519.

Autora: Birsen Filip é PhD em filosofia e mestre em economia e filosofia. Ela publicou vários artigos e capítulos sobre uma variedade de tópicos, incluindo filosofia política, geopolítica e história do pensamento econômico, com foco na Escola Austríaca de Economia e na Escola Histórica Alemã de Economia. Ela é autora do próximo livro The Early History of Economics in the United States: The Influence of the German Historical School of Economics on Teaching and Theory (Routledge, 2022). Ela também é autora de The Rise of Neo-liberalism and the Decline of Freedom (Palgrave Macmillan, 2020).


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é thoth-3126-1.png

“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *