Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Narrativa para Criar Pânico pela Gripe Aviária (H5N1) Aumenta de Intensidade

A gripe aviária sempre foi uma fraude, e é por isso que escrevi meu livro best-seller do New York Times “The Great Bird Flu Hoax“, quase 15 anos atrás. O presidente George Bush gastou mais de US$ 7 bilhões e alertou que mais de 2 milhões de americanos poderiam morrer[1]. A realidade é que ninguém nos Estados Unidos morreu de gripe aviária. Os cientistas criaram um híbrido com potencial pandêmico humano.

A Narrativa para Criar Pânico pela Gripe Aviária (H5N1) Aumenta de Intensidade

Fonte: articles.mercola.com

VISÃO GERAL DA HISTÓRIA

  • Considerando que a biossegurança global é uma das principais táticas escolhidas para inaugurar um governo mundial totalitário, está claro que mais pandemias estão por vir, e uma gripe aviária de vírus modificado “armado” em laboratório parece provável.
  • Historicamente, a gripe aviária natural (o vírus H5N1) nunca representou uma ameaça para a humanidade, mas os cientistas criaram um híbrido com potencial pandêmico humano
  • Se acabarmos com uma gripe aviária humana letal, há todos os motivos para suspeitar que o vírus foi produzido pelo homem. Também há todos os motivos para suspeitar que uma vacina contra a gripe aviária será ineficaz, perigosa ou ambas, usando a tecnologia mRNA
  • O H5N1 (gripe aviária) agora está afetando mamíferos em uma taxa nunca antes vista, incluindo gambás, ursos, focas, raposas, visons e até golfinhos. A infecção também está se espalhando entre os mamíferos. Este é um novo desenvolvimento que preocupa os cientistas. Se o vírus está sofrendo mutação (ou esta “sendo mutado” em laboratório) para se espalhar entre os mamíferos, o salto para os humanos pode não demorar muito.
  • Os Estados Unidos e outros países já estão estocando a vacina H5N1 “por via das dúvidas”. Embora algumas vacinas tradicionais estejam na linha de produção, injeções de mRNA “ajustadas” para atingir o H5N1 também estão sendo planejadas e provavelmente não precisarão passar por testes adicionais além do que foi feito para as vacinas de COVID [que nunca foram testadas de acordo com os protocolos]

A gripe aviária sempre foi uma fraude, e é por isso que escrevi meu livro best-seller do New York Times “The Great Bird Flu Hoax“, quase 15 anos atrás. O presidente George Bush gastou mais de US$ 7 bilhões e alertou que mais de 2 milhões de americanos poderiam morrer[1]. A realidade é que ninguém nos Estados Unidos morreu de gripe aviária.

Avanço rápido de 15 anos, e agora a biossegurança global [fabricando novos vírus em laboratório] é uma das principais táticas escolhidas para inaugurar um governo mundial totalitário, então mais pandemias estão, sem dúvida, em nosso futuro. Na primavera de 2022, Bill Gates alertou que outra pandemia surgiria e que essa pandemia ainda por vir “receberá atenção desta vez”[2].

Com base nas notícias que estão surgindo agora NA MÁQUINA DE PROPAGANDA DAS PRE$$TITUTE$, uma gripe aviária armada parece provável. Em uma entrevista do CenterPoint em 30 de março de 2022, o ex-diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, Dr. Robert Redfield, mais do que sugeriu essa possibilidade, dizendo[3]:

“Acredito que a grande pandemia ainda está no futuro, e será uma pandemia de gripe aviária para o homem. Terá uma mortalidade significativa na faixa de 10 a 50%. Será um problema.”

A gripe aviária não representava uma ameaça até que cientistas modificaram o vírus e a transformaram em uma arma

Historicamente, a gripe aviária natural (H5N1) nunca representou uma ameaça para a humanidade, mas depois os cientistas começaram a mexer com o vírus, criando um híbrido com potencial pandêmico humano.[4] Algumas dessas pesquisas de modificação do vírus H5N1 foram realizadas em laboratórios biológicos financiados pelo Pentágono localizados na Ucrânia.[5,6,7]

Bill (Hell’s) Gates e o Dr. Anthony Fauci, ex-diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) também financiaram pesquisas de ganho de função no H5N1[8]. Um cientista cujo trabalho sobre o H5N1 foi financiado por Fauci e Gates é o Dr. Yoshihiro Kawaoka[9].

Em um experimento, Kawaoka misturou o vírus da gripe aviária com o MORTAL vírus da gripe espanhola, resultando em um vírus respiratório altamente letal com capacidade de transmissão humana. Kawaoka também “brincou” com misturas de H5N1 e do vírus H1N1 (gripe suína) de 2009, criando um híbrido aerotransportado[10,11,12] capaz de escapar do sistema imunológico humano, efetivamente tornando os humanos indefesos contra ele,[13] e essa pesquisa extremamente arriscada foi feita em um laboratório de nível 2 de biossegurança![14]

A gripe aviária foi manipulada e manipulada de várias maneiras diferentes, tornando-a transmitida pelo ar (o que não era inicialmente capaz) e capaz de infecção entre espécies.

Fauci também financiou o trabalho do virologista Ron Fouchier, um pesquisador holandês cuja equipe criou uma versão aérea da gripe aviária usando uma combinação de engenharia genética e infecção em série de furões.[15] Portanto, o vírus da gripe aviária foi manipulado e modificado de várias maneiras diferentes, tornando-a tanto transmissível pelo ar (o que não era inicialmente) quanto capaz de infecção entre espécies.

Em 2012, o trabalho de Kawaoka e Fouchier despertou preocupação generalizada sobre a pesquisa de ganho de função, pois foi prontamente reconhecido que poderia causar “acidentalmente” uma pandemia humana.[16,17]

Como resultado, o governo dos EUA emitiu uma proibição temporária da pesquisa de ganho de função em certos vírus em 2014, que permaneceu em vigor até dezembro de 2017.[18],. Agora sabemos que essa proibição foi contornada por Fauci, que continuou a financiar o ganho de função de pesquisa sobre coronavírus em laboratórios na China durante esses anos.

Agora parece que a gripe aviária armada pode eventualmente ser liberada para atingir os objetivos geopolíticos da cabala globalista e seus aliados que está tentando dar à Organização Mundial da Saúde o monopólio da tomada de decisões pandêmicas [e criar uma nova e mais letal epidemia global].

A gripe aviária está disseminada entre aves domésticas e selvagens[19] nos EUA,[20] mas o vírus natural não é transmissível ou letal para seres humanos. Então, se acabarmos com uma gripe aviária humana letal, há todos os motivos para suspeitar que foi produzida pelo homem em laboratórios. Também há todos os motivos para suspeitar que uma vacina contra a gripe aviária será ineficaz, perigosa ou ambas, como é a pseudo vacina (experimental, ainda) mRNA covid-19.

Em 25 de fevereiro de 2009, durante uma reunião [Council of Eugenics] da OMS, o judeu khazar Henry Kissinger declarou: “Uma vez que o rebanho (os bovinamente zumbis) aceita as vacinas obrigatórias, o jogo termina. Eles aceitarão qualquer coisa – doação forçada de sangue ou órgãos – para um bem maior, NÓS PODEMOS MODIFICAR GENETICAMENTE E ESTERILIZAR CRIANÇAS, para um bem maior – Controle as mentes das ovelhas e você controla o rebanho. Os fabricantes de vacinas devem ganhar bilhões. E muitos de vocês nesta sala são investidores. É uma grande vitória para todos. Nós reduzimos o rebanho e o rebanho nos paga pelos serviços de extermínio“.

Gripe aviária se espalhou para mamíferos

De acordo com uma reportagem da ABC News de 9 de fevereiro de 2023,[21] o vírus H5N1 (gripe aviária) também está afetando diversos mamíferos em uma taxa nunca antes vista, incluindo gambás, ursos, focas, raposas, visons e até golfinhos. O virologista da Universidade de Massachusetts em Boston, Nichola Hill, disse à ABC News:

“O tamanho, alcance e número de espécies afetadas por este surto não tem precedentesNão é assim que a gripe aviária deveria se comportar.”

Embora infecções esporádicas entre mamíferos tenham sido relatadas por 20 anos, o vírus agora parece estar se espalhando entre mamíferos, em vez de se limitar a mamíferos individuais infectados por comer uma ave infectada.

Este é um desenvolvimento totalmente novo que preocupa os cientistas. Se o vírus está sofrendo mutação (ou sendo “modificado” em laboratório) para se espalhar entre os mamíferos, o salto para os humanos pode não demorar muito.

Os humanos são os próximos?

Em 2022, a Divisão de Influenza dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA rastreou mais de 50 casos humanos de gripe aviária em sete países e, embora extremamente raros, o CDC prevê a ocorrência de mais infecções. Conforme observado em sua atualização de 17 de março de 2023, H5N1:[22]

“Até o momento, os vírus HPAI [influenza aviária altamente patogênica] A(H5N1) atualmente circulando em aves selvagens e aves domésticas, com disseminação para mamíferos, e aqueles que causaram infecções humanas não têm a capacidade de se ligar facilmente aos receptores que predominam no trato respiratório superior humano. Portanto, o risco atual para o público dos vírus HPAI A(H5N1) permanece baixo.

No entanto, devido ao potencial de evolução rápida dos vírus influenza e à ampla prevalência global dos vírus HPAI A (H5N1) em aves selvagens e surtos de aves domésticas, são esperadas infecções humanas esporádicas contínuas.

A vigilância abrangente contínua desses vírus em aves selvagens, aves domésticas, mamíferos e pessoas em todo o mundo, e reavaliações frequentes são essenciais para determinar o risco à saúde pública, juntamente com os esforços contínuos de preparação”.

Especialistas canadenses também temem que o momento atual da gripe aviária tenha o potencial de se tornar uma pandemia humana. Conforme relatado pelo Global News em 25 de março de 2023:[23]

“O surto atual que circula na América do Norte e do Sul é conhecido como clado H5N1 2.3.4.4b. Ele matou um número recorde de aves e mamíferos infectados.

Embora os casos humanos permaneçam raros, Shayan Sharif, professor e reitor associado do Ontario Veterinary College … alertou que o vírus está ‘ganhando força’ e se tornando mais uma ameaça humana.

“Várias peças do quebra-cabeça estão se juntando para que esse vírus se torne transmissível entre humanos”, disse ele ao Global News. ‘Este vírus em particular tem o potencial de se tornar um vírus pandêmico e, se isso acontecer, temos que estar absolutamente prontos, porque a taxa de mortalidade desse vírus pode ser muito maior do que vimos para o COVID-19.'”

As atuais contramedidas da gripe aviária são a abordagem errada

Assim como vimos com a pandemia de COVID, as autoridades de saúde insistem que há apenas uma solução para as epidemias de gripe aviária, que é a vacinação. Enquanto isso, essa estratégia está piorando a situação.

Ao abater todas as galinhas sempre que um único caso é detectado, basicamente garante que a imunidade natural nunca se desenvolverá. Uma estratégia muito mais sensata seria eliminar as galinhas que morrem da infecção, mas manter vivas as que sobrevivem.

Um artigo interessante do fazendeiro regenerativo Joel Salatin, no qual ele discute o ciclo da gripe aviária, foi publicado pelo Brownstone Institute em meados de março de 2023:[24]

“Se as pessoas pensantes [onde?] aprenderam apenas uma coisa com a pandemia de COVID, foi que as narrativas oficiais do governo são politicamente distorcidas e muitas vezes falsas. Neste último surto de HPAI, talvez o afastamento mais flagrante da verdade seja a noção de que os pássaros morreram como resultado da doença e que a eutanásia para os sobreviventes é a melhor e única opção…

Com certeza, HPAI é e pode ser mortal, mas nunca mata tudo. A política de extermínio em massa sem levar em conta a imunidade, sem nem mesmo pesquisar por que alguns pássaros florescem enquanto todos ao redor estão morrendo, é insana. Os princípios mais fundamentais da criação e da criação de animais exigem que os agricultores selecionem sistemas imunológicos saudáveis. Nós, agricultores, fazemos isso há milênios…

Mas, em sua [pseudo imensa] sabedoria, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA—Usduh) não tem interesse em selecionar, proteger e depois propagar os sobreviventes saudáveis. A política é clara e simples: matar tudo o que já entrou em contato com as aves doentes. A segunda parte da política também é simples: encontrar uma vacina [e vendê-la] para deter H5N1…

A política de terra arrasada é a única opção, embora não pareça estar funcionando. Na verdade, os ciclos estão chegando mais rápido e parecem estar afetando mais aves. Alguém deveria questionar a eficácia.”

Soluções para gripe aviária que fazem sentido

Conforme observado por Salatin, é bem reconhecido entre os fazendeiros que granjas apertadas e ter muitas granjas muito próximas umas das outras, geograficamente, é o problema. “O USDA e a indústria querem desesperadamente culpar os pássaros selvagens, bandos de quintal e sapatos sujos, em vez de olhar no espelho [e dentro de alguns laboratórios] e perceber que esta é a maneira da natureza de gritar ‘Basta!'”, escreve Salatin.

A resposta é relativamente simples. Salve as aves que sobrevivem à infecção e crie-as. Dessa forma, as gerações futuras terão imunidade natural. “Se um bando pegar HPAI, deixe-o seguir seu curso. Ele matará aqueles que matar, mas em poucos dias os sobreviventes serão óbvios. Mantenha-os vivos e coloque-os em um programa de reprodução”, escreve Salatin.

Em segundo lugar, os criadores de frango também podem evitar epidemias concentrando-se em tamanhos de rebanho ideais. Por exemplo, perus selvagens ficam em bandos de não mais do que algumas centenas. Os porcos selvagens raramente excedem grupos de 100. Para galinhas, o tamanho ideal do rebanho é de cerca de 1.000, de acordo com Salatin. Ele segue explicando:

“Um cientista idoso da indústria avícola visitou nossa fazenda uma vez e me disse que, se os galinheiros dividissem as galinhas em grupos de 1.000 aves, isso praticamente eliminaria as doenças.

Ele disse que não havia problema em ter 10.000 pássaros em uma casa, desde que estivessem em unidades de 1.000 pássaros. Dessa forma, sua estrutura social pode funcionar em uma interação natural. Os animais têm uma hierarquia de valentões e tímidos. Essa estrutura social quebra acima do tamanho ideal…

Embora eu não queira parecer irreverente ou acima da suscetibilidade de HPAI, as taxas de incidentes definitivamente indicam menos vulnerabilidade em rebanhos de pastagens bem manejados.

A criação de um protocolo de fortalecimento imunológico certamente merece pesquisa tanto quanto substituir o sistema imunológico com vacinas e tentar ficar à frente das mutações e adaptações de doenças com a inteligência humana. Que tal buscar humildemente a natureza em busca de soluções, em vez de confiar na arrogância?

Os paralelos entre a ortodoxia do especialista em HPAI e a ortodoxia do COVID são numerosos demais para serem mencionados… A preocupação com o HPAI alimenta a preocupação com a comida, o que faz as pessoas clamarem por segurança do governo. As pessoas [sempre] aceitarão qualquer coisa se tiverem medo… Pense bem e adote um remédio mais natural: criação de aves de capoeira descentralizada e bem gerenciada com tamanhos de lote apropriados.”

Preste atenção nas próximas narrativas do establishment

À medida que avançamos, fique de olho nas narrativas que estão sendo alimentadas e propagadas. Novamente, se a gripe aviária se tornar uma epidemia ou pandemia humana, há muitos motivos para suspeitar que seja um vírus armado, e a “solução” oferecida será a mesma do COVID-19: “Vacine-se”.

Considerando o dano generalizado causado pelas injeções de mRNA do COVID-19, podemos realmente confiar que as injeções rápidas contra a gripe aviária serão mais seguras ou eficazes? Os Estados Unidos e outros países já estão estocando a vacina H5N1[25] “por via das dúvidas”, o que é revelador.

Embora algumas vacinas tradicionais estejam na linha, injeções de mRNA ajustadas para atingir o H5N1 também estão sendo planejadas e provavelmente não precisarão passar por testes adicionais além do que já foi feito para as vacinas de COVID.

Isso, embora tentativas recentes de fazer uma vacina contra influenza baseada em mRNA tenham fracassado. Conforme relatado pela Reuters:[26]

“Alguns dos principais fabricantes mundiais de vacinas contra a gripe dizem que poderiam produzir centenas de milhões de vacinas contra a gripe aviária para humanos em alguns meses, se uma nova cepa de gripe aviária ultrapassar a divisão das espécies…

Em uma pandemia, os fabricantes de vacinas mudariam a produção de vacinas contra a gripe sazonal e, em vez disso, fariam injeções adaptadas ao novo surto quando necessário…

Muitas das possíveis vacinas pandêmicas são pré-aprovadas pelos reguladores, com base em dados de testes em humanos que mostram que as vacinas são seguras e estimulam uma resposta imune, um processo já usado com vacinas contra a gripe sazonal.

Isso significa que eles podem não exigir mais testes em humanos, mesmo que precisem ser ajustados para melhor corresponder a qualquer cepa que salte para os humanos. Os dados sobre o quão bem as vacinas realmente protegem contra infecções seriam coletados em tempo real…

Os especialistas há muito defendem novas abordagens no desenvolvimento de vacinas, tanto para a gripe sazonal quanto para a pandêmica. O COVID provou o potencial da tecnologia de mRNA para se adaptar mais rapidamente a vírus em mudança porque as vacinas usam informações genéticas do patógeno, em vez de ter que cultivar o próprio vírus.

A pesquisa da vacina de mRNA da Moderna na verdade começou com a gripe pandêmica e foi modificada para o COVID, disse Raffael Nachbagauer, diretor executivo de doenças infecciosas da Moderna.

A empresa planeja lançar um pequeno teste em humanos de uma vacina mRNA contra a gripe pandêmica adaptada ao novo subtipo de gripe aviária no primeiro semestre de 2023, disse ele, acrescentando que a Moderna poderia responder “muito rapidamente” em um cenário de surto. Os resultados serão observados de perto, pois os dados sobre o candidato à gripe sazonal da Moderna foram mistos”.

Pensar que uma injeção baseada em mRNA contra uma gripe aviária armada será mais segura do que as injeções para COVID-19 seria ingênuo [e imbecilidade] ao extremo, se você me perguntar, mas pode ter certeza de que seremos informados do contrário, se a gripe dos pássaros acabar se “espalhando” entre a população humana.

Esteja preparado

Uma das melhores coisas que fiz na juventude foi ingressar nos escoteiros. Seu lema “Esteja preparado” foi extremamente útil durante toda a minha vida. Bem, isso também se aplica à gripe aviária. Embora não tenhamos certeza, já que nenhum estudo foi feito, é altamente provável que muitos dos mesmos protocolos usados ??no tratamento ambulatorial inicial de COVID também funcionem para a gripe aviária, já que ambos são patógenos respiratórios virais.

Como primeiro passo básico de prevenção, otimize sua vitamina D (a faixa ideal é entre 60 ng/ml e 80 ng/ml). Certifique-se de medir para confirmar, pois não há como saber qual é o seu nível de vitamina D sem fazer um exame de sangue.

O verão está chegando [hemisfério norte], então abandone seu suplemento vitamínico oral, tire a roupa e saia ao sol por volta do meio-dia solar, que é 13h para a maioria das pessoas nos EUA. Para saber mais, baixe meu “Vitamina D na prevenção do COVID -19”, disponível em stopCOVIDcold.com .

No caso de você ficar doente, eu o aconselharia fortemente a comprar um nebulizador para que você possa nebulizar o peróxido de hidrogênio nos primeiros sinais de sintomas. Basta ir ao meu canal Bitchute e procurar meus vídeos de peróxido . Eles têm instruções completas sobre como fazer isso.

Atualmente, a Front Line COVID-19 Critical Care Alliance (FLCCC) parece ter um dos melhores protocolos de tratamento de COVID. Chama-se I-CARE e pode ser baixado em covid19criticalcare.com. [27] Eles também têm um protocolo de tratamento para VSR e influenza. Imprima-os e certifique-se de ter os suplementos básicos em seu armário de remédios. FIQUE ALERTA e não entre em pânico.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. Estamos eliminando os animais errados, devemos começar a caça-los dentro de laboratórios de pesquisa desses virus, dentro do meio político, dentro da mídia, dentro dos grandes bancos, grandes empresas, com certeza vamos encontrar muitos, e em seguida eliminar todos eles…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *